Não economize como se estivesse prendendo a respiração debaixo d’água

Você certamente conhece alguém que é do tipo “gastador”: gasta mais do que o seu nível de rendimentos permite, vive pendurado no cheque especial, não resiste aos impulsos de consumo, e gosta geralmente de ostentar os bens que acabou de comprar. Certamente o excesso de consumo não faz bem.

Mas você também conhece o sujeito que está no extremo oposto, faz o estilo  que alguns chamam de “muquirana”: é uma pessoa que consegue poupar uma fatia de seus rendimentos, e procura economizar até no cafezinho. O problema ocorre quando isso se torna uma obsessão, e a pessoa passa a se privar de coisas que poderia gastar, mas não gasta, pensando em uma provável possível futura aposentadoria com mais dinheiro no bolso.

Se essa pessoa seguir esse ritmo alucinado de corte de despesas, provavelmente conseguirá se aposentar com muito dinheiro no bolso, desde que faça os investimentos corretos e respeite um prazo razoável de construção de riqueza. Tudo estaria ótimo, se não fosse o fato de ela praticamente ter abdicado de viver o passado.

Quem vive economizando em excesso é como se estivesse prendendo a respiração debaixo d’água. Uma hora, a pessoa irá querer subir até a superfície, para consumir a maior quantidade de oxigênio possível. Sim, até nisso a metáfora tem sua validade: vai chegar uma hora – pode ser o próximo mês, o próximo ano, o próximo aumento de salário – que, de tanto economizar, a pessoa não agüenta e vai querer mais cedo ou mais tarde eliminar essa repressão interna de consumo. Resultado: vai acabar consumindo além da conta, vai “exagerar na dose”, e gastar (bem) mais que o seu orçamento permite. É aquilo que eu poderia chamar de “efeito sanfona”. Já aconteceu com você?

De repente, por conta de uma promoção no trabalho, ou um novo emprego, você recebe um substancial aumento de salário. Ótimo, é uma oportunidade para ampliar a sua zona de conforto, comprando mais coisas, consumindo também mais serviços, quem sabe até aumentando sua conta de celular ou dando um upgrade no pacote da TV a cabo ou no guarda-roupas. Boa parte desses itens motivado por razões emocionais.

Mas aí, você percebe, analisando racionalmente a situação, que exagerou nas despesas do dia-a-dia, e resolve colocar em prática um audacioso plano de redução de custos – veja bem o que eu disse: audacioso. Aí é que está o problema: se antes o problema era gastar em excesso, agora o problema é economizar em excesso. E a pessoa vai caminhando assim, de excesso em excesso, na busca (incessante) de tentar encontrar o equilíbrio…

Vai chegar um momento em que você percebe que “exagerou na dose” novamente, economizou além da conta, e, por conta de um pequeno aumento de salário ou motivado pelo sucesso momentâneo de seus investimentos (p.ex., forte valorização de sua carteira de ações), ou até mesmo motivado por ter conseguido equilibrar as contas, gastando menos, resolve gastar um pouco mais. Mas você não analisa friamente a situação, começa a comprar uma coisa aqui, outra coisa ali, afinal, você merece, pelo tanto de esforço nas economias, mas a situação volta a ficar desequilibrada: você percebe que gastou demais. Agora, é hora de voltar a fazer esforços para economizar e voltar ao nível anterior. E o ciclo recomeça…

A grande dificuldade das pessoas reside, aparentemente, em achar um ponto de equilíbrio. De fato, em meio a mudanças constantes que ocorrem, com gadgets cada vez mais potentes sendo lançados, promoções de passagens baratas para o exterior, lançamentos de imóveis chamativos no jornal, carros com melhores recursos, eletrodomésticos com novas funções, fica difícil manter uma certa ordem.

A primeira pergunta que você deve se fazer é: eu realmente preciso daquilo? Paralelamente, eu acredito firmemente que vale a pena investir em suas paixões, em seus hobbies, desde que não sejam desculpas – que fique bem claro isso – para, novamente, desequilibrar seu orçamento doméstico. Se você gosta de viajar, vá em frente, planeje suas viagens, economize bem, e faça bons passeios. Se você é aficcionado por gadgets, não há problema algum em investir na compra de seus sonhos de consumo, já que é nisso que reside sua satisfação. Se você tem paixão por ler, qual é o problema em sempre reservar uma fatia de seu orçamento para compras em livrarias e lojas virtuais? Você não pode se privar daquilo que constitui suas paixões, pois são essas coisas que dão sentido à sua vida.

Economizar “até o talo” visando a garantir um futuro melhor, nesse aspecto, é uma furada, justamente porque você terá vivido uma vida completamente vazia e destituída daquilo que mais lhe agrada. Um dos blogs cujo RSS recentemente passei a assinar, o Get Rich Slowly, propôs essa definição de lei básica da frugalidade, com a qual estou de acordo:

Frugalidade é isso: decida aquilo que importa para você. Se dê essa permissão de gastar em coisas que lhe trazem satisfação.

Para todo o resto, contente-se com o necessário.

Economizar é, sim, importante, mas evite o excesso de economia, como se estivesse debaixo d’ água por muito tempo, prendendo a respiração. Se você economizar até em suas paixões, você estará economizando também em sua qualidade de vida, o que definitivamente não é bom.

E, como diz o poeta: curta a vida, de maneira que ela valha a pena ser vivida! 😀

É isso aí!

Um grande abraço, e que Deus lhes abençoe!

Print Friendly, PDF & Email

17 Responses to Não economize como se estivesse prendendo a respiração debaixo d’água

  1. Antonio Alves 26 de maio de 2010 at 1:49 #

    Excelente texto. Buscando, planejando e aos poucos pode-se chegar ao verdadeiro objetivo: o equilíbrio. Assim como no investimento financeiro, o investimento em qualquer coisa deve ser estudado, estimulado e dar um certo conforto (satisfação). Se não, deve ser trocado por outro, mesmo que seja mais simples, pois o que vale é o benefício usufruído e não a expectativa exagerada a ser alcançada no futuro. Independente do objetivo, o caminhar deve ser compensador, pois é nele que se concentra boa parte do tempo. E o futuro? Este é cheio de incertezas, devemos procurar viver o presente, porém sem esquecer que o futuro chegará e será o próximo presente. Assim, de passo a passo, o passado (a vida) terá valido a pena!
    Abraços!

  2. Guilherme 26 de maio de 2010 at 7:16 #

    Antonio, perfeitos os seus comentários!

    Enquadrar a vida “no presente” é um desafio diário, e o planejamento quanto ao futuro é vital nessa missão.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  3. Luana 21 de dezembro de 2011 at 17:29 #

    Sou a favor da economia em excesso durante o ano
    eu sigo rigorosamente minhas instruções de economia,se eu tiver que comer fora vou pra casa da vizinha,se eu tiver que comprar roupas novas pego as da minha irmã,caso haja extrema necessidade de comprar roupa eu passo naquelas lojinhas que vendem 10 peças por 30 reais,etc.Quando é fim de ano em que todos viajam para curtir a praia se ninguém pagar a passagem para mim eu vou para lage,colo um cartaz daqueles de propaganda de cerveja onde tem mar ao fundo,faço um ki-suki com gelo e tomo meu sol.Pra quê melhor!
    Quando lá em casa fazem aquele almoço em família,de reveillon,natal eu peço para que cada um leve um prato para economizar o gás.

  4. Guilherme 22 de dezembro de 2011 at 17:56 #

    Luana, vida frugal é isso aí! Parabéns!

  5. Rafael Pereira 23 de fevereiro de 2012 at 20:24 #

    Meu post favorito até agora.Sinto que estou bem perto do meu ponto de equilíbrio!\o/

  6. Guilherme 25 de fevereiro de 2012 at 18:06 #

    Obrigado, Rafael!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Valores Reais » Athina Onassis: (mais uma) milionária de hábitos frugais - 27 de fevereiro de 2010

    […] auto-sabotagem, pois não investe naquilo que constituiria justamente suas maiores paixões. Já falamos a respeito da lei básica da frugalidade em outras ocasiões, e tornamos a repetir a idéia […]

  2. Thais Aux - 27 de fevereiro de 2010

    Ótimo artigo sobre economizar http://www.valoresreais.com/2010/01/16/nao-economize-como-se-estivesse-prendendo-a-respiracao-debaixo-dagua/

  3. Valores Reais » Resenha: Dinheiro pode comprar felicidade, de MP Dunleavey - 29 de maio de 2010

    […] isso não é nada mais nada menos do que a lei básica da frugalidade. O que demonstra que o livro, apesar de seu viés consumista (moderado), ainda conserva, em seu […]

  4. Valores Reais » Educação financeira: um giro temático pelos blogs. Edição de hoje: aniversários e atualizações - 4 de junho de 2010

    […] a atenção no seu texto foram dois pontos que eu costumo defender aqui no site: primeiro, que haja uma conexão entre seus gastos e seus valores, e, segundo, que você priorize seus valores reais, que, no caso específico desse aniversário, […]

  5. Valores Reais » Resenha: Everything You Ever Really Needed to Know About Personal Finance On Just One Page, de Trent Hamm (eBook em inglês) - 25 de julho de 2010

    […] uma vida mais frugal para ter equilíbrio financeiro. A verdadeira frugalidade, em minha opinião, é aquela em que você não se priva das coisas que mais te proporcionam satisfação e prazer. Nada tem a ver, portanto, com privação ou pobreza, mas sim com a adoção de um estilo de vida […]

  6. Valores Reais » Um bom caminho para uma vida pós-independência financeira tranqüila - 3 de agosto de 2010

    […] que situação interessante. À medida em que você priorizar a adoção de hábitos mais simples, investir pra valer em seus hobbies e nas coisas, atividades e tarefas que mais te interessam, você promoverá um incremento em sua própria felicidade pessoal. E o dinheiro produto da […]

  7. Valores Reais » Construindo um orçamento doméstico baseado em metas - 15 de setembro de 2010

    […] Mas vá por partes. Lembre-se de gastar menos do que você ganha, afinal, sem poupança não há sonho de consumo que possa ser realizado de forma consciente e, sobretudo, sem endividamento. E, além disso, foque sua atenção em uma ou duas áreas de despesas de cada vez, a fim de que você não se veja na incômoda situação de economizar como se estivesse prendendo a respiração debaixo d´água. […]

  8. Valores Reais » Você tem motivação para guardar dinheiro e investir? A teoria das expectativas de Vroom pode te ajudar - 25 de setembro de 2010

    […] para poupar e investir, estabelecendo planos e metas, que sejam factíveis por um lado, e não sufoquem tanto a sua vida atual, por outro […]

  9. Marcus Correa - 5 de novembro de 2010

    Até pra economizar existe uma maneira correta. Ainda bem, economizar com qualidade de vida. http://bit.ly/aHt9hs

  10. Meu primeiro po… « iamfrugal - 29 de agosto de 2012

    […] sim o suficiente – e um pouco mais. Você investe naquilo que te dá mais prazer e satisfação, você prioriza aquilo que é importante para você, independentemente do que os outros pensem ou ajam. Consequentemente, sua independência financeira […]

  11.   A verdadeira essência do conceito de independência financeira by Dr. Lincoln Andrade - 13 de setembro de 2013

    […] mais a respeito aqui: http://www.valoresreais.com/2010/01/16/nao-economize-como-se-estivesse-prendendo-a-respiracao-debaix… Vale a pena dar uma […]

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes