O que é LCI: Letra de Crédito Imobiliário?

38 Flares Twitter 11 Facebook 23 Google+ 4 Filament.io Made with Flare More Info'> 38 Flares ×

ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: 23.02.2014

Não é só de caderneta de poupança, CDBs, fundos referenciados DI, LFTs, LTNs, NTN-Bs, debêntures e fundos de renda fixa, dentre outros, que vive o mercado de renda fixa – “renda fixa”, aqui, entendida como o grupo de investimentos conservadores, geradores de juros, em contraposição à “renda variável”, formada, principalmente, pelas ações e fundos imobiliários. Nos últimos tempos, tem ganhado destaque no noticiário, e também entre os investidores mais conservadores, a aplicação denominada de LCI – Letra de Crédito Imobiliário. Mas que “bicho” é esse? É o que demonstraremos nesse artigo.

Definição legal – Lei nº 10.931/2004

Antes de mais nada, é preciso registrar que a LCI – Letra de Crédito Imobiliário – é um investimento enquadrado na categoria de “renda fixa”, ou seja, conservador. A Lei nº 10.931/2004 dá seus contornos jurídicos, ao estabelecer, em seu artigo 12:

“Os bancos comerciais, os bancos múltiplos com carteira de crédito imobiliário, a Caixa Econômica Federal, as sociedades de crédito imobiliário, as associações de poupança e empréstimo, as companhias hipotecárias e demais espécies de instituições que, para as operações a que se refere este artigo, venham a ser expressamente autorizadas pelo Banco Central do Brasil, poderão emitir, independentemente de tradição efetiva, Letra de Crédito Imobiliário – LCI, lastreada por créditos imobiliários garantidos por hipoteca ou por alienação fiduciária de coisa imóvel, conferindo aos seus tomadores direito de crédito pelo valor nominal, juros e, se for o caso, atualização monetária nelas estipulados.”

Não entendeu patavinas?

Então vou traduzir o juridiquês para o português :P : a LCI é um título de crédito lastreado por créditos imobiliários, garantidos esses por hipoteca ou por alienação fiduciária de coisa imóvel. É um investimento que tem lastro, fundamento, em crédito imobiliário. Esse tipo de instrumento foi concebido, dentre outros motivos, para incentivar o mercado de crédito imobiliário no País.

Hoje, sabemos que a poupança é o grande instrumento de financiamento habitacional no Brasil. Porém, como a demanda, lá em meados da década passada, não era assim tão grande, o Governo criou e incentivou vários outros instrumentos para captar recursos para o crédito imobiliário. Um deles é a LCI, tratado nesse artigo. Outro é a CRI – Certificado de Recebíveis Imobiliários – um instrumento derivativo que se destina a securitizar créditos imobiliários.

Embora a LCI possa ter seu valor atualizado por índices de preços (vide artigo 13 da Lei acima mencionada), o mais comum é ela ter seu valor atualizado pelo CDI. Ou melhor, por um percentual do CDI, que varia conforme a instituição financeira que oferece o investimento.

Grande vantagem: isenção do imposto de renda (IR) para pessoas físicas

Tá, mas então qual seria a diferença entre uma LCI e um CDB DI? Como você deve ter lido no subtítulo acima, a grande vantagem é a isenção de imposto de renda para o pequeno investidor.

Mas tal vantagem não existiria, é claro, sem uma compensação por parte do banco emissor: restrição de liquidez. Vamos falar sobre ela mais abaixo, mas é bom registrar já de antemão que as LCIs, via de regra, não podem ser resgatadas a qualquer momento, como normalmente ocorre com os CDBs. Elas têm prazos que variam de 2 meses a 3 anos, ficando a cargo do investidor definir qual é o prazo que entende ser mais conveniente, de acordo com as opções disponíveis pelo banco emissor. Mas lembre-se: um prazo menor de vencimento poderá implicar também num percentual mais baixo do CDI – aliado a outros fatores, claro, como volume de investimento.

Ademais, assim como se verifica com os CDBs, as LCIs também contam com a proteção legal do FGC, até o limite máximo de R$ 250 mil, o que lhe confere uma atratividade extra, principalmente quando se pensa em aplicar em instituições de médio e pequeno porte, cujos riscos, evidentemente, são maiores.

Aplicação mínima

Taí uma desvantagem das LCIs, e das grandes: a aplicação mínima costuma ser bastante alta. Normalmente, começa em R$ 30 mil, sendo que boa parte das instituições – CEF inclusa – só aceita valores a partir de R$ 50 mil.

Percentual do CDI

Aqui é que vem o grande diferencial das LCIs: como o rendimento é isento do imposto de renda, elas acabam ganhando um CDI líquido, diferentemente do que ocorre com os CDBs, em que, do rendimento bruto do CDI, ainda deve ser descontada a alíquota do IR, de acordo com a tabela regressiva (que começa em 22,5% sobre os rendimentos). Dessa forma, uma LCI que pague 83,50% do CDI líquido (valor que a Caixa paga, para aplicação entre R$ 50 e R$ 100 mil) corresponderia a um CDB DI de 107,74%, considerando o prazo de aplicação de até 6 meses. Isto é, para que um CDB DI compensasse o investimento numa LCI, seria necessário que esse mesmo CDB pagasse 107,74% do CDI. A tabela abaixo mostra esses números com mais precisão:

A equivalência com o CDB DI vai diminuindo com o decorrer do tempo porque a alíquota do IR também vai diminuindo com o tempo.

Bancos que trabalham com LCIs

Atualmente, conheço 5 grandes bancos de varejo que trabalham com a LCI – se alguém souber de mais algum, favor postar na caixa de comentários, para que eu possa ir atualizando esse artigo – considerem essa parte do artigo uma espécie de “dando nome aos bois” bônus….rsrsrs

A Caixa Econômica Federal é uma delas. O investimento mínimo é a partir de R$ 30 mil (antigamente o valor era de R$ 50 mil). Um detalhe interessante é que, após a carência inicial de 2 meses (em que o dinheiro não pode ser movimentado), a LCI ganha liquidez diária (se assim for de preferência do investidor), podendo ser resgatada, desde que se respeite um resgate mínimo de R$ 5 mil. Em conversa com um funcionário da Caixa, fiquei sabendo da necessidade de ser correntista para investir no produto (ponto negativo). Por outro lado, dado o volume de investimento, é possível ficar isento da cesta de serviços mensal, que custa R$ 22 (detalhe: essa cesta não dá direito a nenhum TED/DOC gratuito por mês).

O Itaú, no segmento Personnalité, também conta com o produto em seu portfólio de investimentos. De acordo com as informações mais recentes, esse banco exige investimentos mínimos de R$ 100 mil, pagando 85% do CDI com carência de 6 meses, e 86% para carência de 1 ano (grato ao leitor lexicon pela atualização das informações!).

A Brazilian Mortgages é outra instituição que trabalha com LCIs, sendo o investimento mínimo a partir de R$ 30 mil, com prazos que variam de 2 meses a 3 anos. Não há liquidez diária após 2 meses, ou seja, o investimento deve ser mantido até a data de vencimento. Por outro lado, não é preciso ser correntista do banco para fazer o investimento. A BM paga taxas percentuais do CDI um pouco melhores do que a da CEF e do Itaú, começando em 90% líquido do CDI.

BANCOS ADICIONADOS EM 24.01.2014, CONFORME INFORMAÇÕES REPASSADAS POR DIVERSOS LEITORES

O Banco do Brasil também trabalha com as LCIs, com aplicações mínimas de R$ 1 mil, pagando 75% do CDI. Há carência de resgate, de 60 dias, sendo que, após 60 dias da aplicação, a liquidez é diária.

O Santander, no segmento Van Gogh, exige R$ 30 mil de aplicação inicial mínima, com carência de 6 meses, pagando em torno de 86% do CDI. Com carência de 1 ano, a rentabilidade sobe para algo em torno de 87% do CDI (grato ao leitor lexicon pela atualização das informações!).

O Banco BVA, que trabalhava com LCI, não funciona mais. O Banco Central decretou sua liquidação extrajudicial

É importante destacar que houve uma evolução no mercado de LCIs desde que esse artigo foi escrito, em março de 2011. Hoje em dia, praticamente todos os grandes bancos de varejo e muitos bancos de pequeno e médio porte trabalham com letras de crédito imobiliário. Para atrair investidores, os bancos pequenos e médios pagam uma rentabilidade superior à dos grandes bancos, além de geralmente exigirem uma aplicação inicial mínima menor (que varia entre R$ 1mil a R$ 10 mil, em média).

Por outro lado, a rentabilidade das LCIs dos bancos pequenos e médios está diretamente vinculada ao prazo de carência, ou seja, quanto maior o prazo de carência, maior tende a ser a rentabilidade prometida. Isso também acarreta maior risco e exige do investidor maior paciência para seus investimentos.

Conclusão

Tal como qualquer outro investimento no mercado financeiro, as letras de crédito imobiliário – LCIs – apresentam vantagens e desvantagens. Como vantagens, destaco a isenção de imposto de renda, o baixo risco, a proteção de até R$ 250 mil do FGC, e a remuneração atrelada a um índice (CDI ou índice de preços). Como desvantagens, destaco a restrição de liquidez (exceto para as LCIs da CEF, as quais, mesmo assim, devem observar uma carência mínima de 2 meses), a necessidade de ser correntista de banco, salvo uma ou outra exceção, o alto valor mínimo inicial e o fato de que, com esse investimento, você nunca estará conseguindo ganhar do CDI (a menos que consiga uma taxa acima de 100% do CDI). Para quem busca diversificar sua carteira pretendendo obter ganhos superiores aos do CDI, mesmo aplicando só na renda fixa, encontrará nos títulos do Tesouro Direto, por exemplo, uma ótima opção (à exceção, é claro, da própria LFT) – lembrando sempre que é possível também ter rendimentos inferiores aos do CDI, mesmo na renda fixa.

Apesar de seu baixo risco, a LCI não é recomendada para formação do colchão de segurança, dada sua restrição de liquidez – nesse caso, um CDB DI seria mais indicado (exceção feita no caso da LCI da CEF, para aqueles que assim optarem, mas lembre-se também de que o resgate mínimo é de R$ 5mil). Por conta também da falta de liquidez, a LCI não é indicada para pessoas que necessitem de recursos no curto prazo, ou para aproveitar oportunidades que apareçam de uma hora para outra. Por outro lado, para quem busca ganhos isentos de imposto de renda, na renda fixa, e tem paciência e disciplina para não mexer nos recursos no curto prazo, é uma alternativa adicional e interessante de investimentos conservadores, e, portanto, de diversificação de sua carteira de ativos financeiros.

É importante também atentar para a qualidade do lastro, bem como na idoneidade e credibilidade da instituição financeira que está negociando o produto, para não ter a surpresa desagradável de aplicar um valor significativo, e “ficar a ver navios”, ou seja, o valor do investimento não retornar à sua conta (o popular “levar calote”, caso a aplicação seja superior ao teto do FGC). Lembre-se, igualmente, sempre de avaliar a relação risco/retorno de seus investimentos, só aceitando assumir riscos que possam se pagar, dado o seu grau pessoal de tolerância a riscos. Por fim, por se tratar de um investimento indexado que segue um índice, se você pretende ganhar do índice, é preciso diversificar sua carteira com outros ativos que possam lhe dar esse objetivo, como os títulos do Tesouro Direto, atrelados à inflação e/ou prefixados (mas com possibilidades de ficar abaixo do CDI também).

Para saber mais sobre o assunto, que tal uma lista de links?

- O blog Dinheiro que rende fez um interessante estudo comparativo entre os rendimentos líquidos de LCI, CDB DI e caderneta de poupança.

- Página da CEF sobre letras de crédito imobiliário – até que enfim esse banco tem uma alternativa atraente de investimento! (emboras as taxas de CDI sejam as menores do mercado, mas enfim…)

- Programa do Mauro Halfeld na CBN comentando as LCIs.

É isso aí!

Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

, , , ,

312 Responses to O que é LCI: Letra de Crédito Imobiliário?

  1. Evandro 13 de março de 2011 at 14:42 #

    Parabéns!!! Um texto simples e de fácil entendimento!!! Estava procurando uma maneira de entender o funcionamento de uma LCI. Só falta a CRI, agora … rs.

    Abraços e Deus te abençõe!!!

  2. Evertonric 13 de março de 2011 at 16:17 #

    Olá Guilherme.
    Eu já conhecia o LCI, porém neste seu artigo esta tudo muito bem explicado, detalhado e mastigado para qualquer leigo no assunto.
    Um forte abraço

  3. Giovani 13 de março de 2011 at 18:23 #

    Comecei a ler seu blog essa semana e realmente todos os artigos são de excelente qualidade, parabéns, quanto as LCI outra alternativa são algumas corretoras que oferecem o serviço, pago uma taxa anual de 0,30% atraves da XPI para investir na LCI do banco BVA, consegui uma taxa de 96% do CDI com vencimento de 1 ano. Realmente uma boa alternativa para diversificar e ganhar uma rentabilidade razoavel.

    Abraço.

  4. Evertonric 13 de março de 2011 at 20:50 #

    Com a CAIXA EC.FEDERAL, pagando só 84% do CDI como disse Guilherme no próprio artigo, incluindo uma tabelinha e tudo mais. E o Banco BVA a 96% do CDI como comentou nosso amigo Giovani logo ai acima, prefiro o CDB a 95 % CDI com uma maior liquidez.
    Na verdade não possuo nenhum destes investimentos em meu portfolio. Como renda fixa em minha carteira de investimentos possuo Tesouro Direto com diferentes vencimentos e entre classes, como: pre-fixados e pos-fixados atrelado a SELIC.
    Abraços a todos.
    EvertonRic

  5. Gui 13 de março de 2011 at 21:49 #

    Toda vez que eu penso em investir em renda fixa além do TD eu empaco na mesma questão: será que vale a pena correr risco na renda fixa? Pra ganhar um ou dois porcento a mais que no TD?

  6. Viver de Renda 13 de março de 2011 at 23:42 #

    Guilherme,

    Dê uma olhada no Banco Safra, salvo engano o conhecido de um conhecido investe exclusivamente em LCI deles.

    Abraços,

    VR.

  7. Willy Fog 14 de março de 2011 at 14:49 #

    Muito bom Guilherme!
    .
    Faz um tempo que estou interessado em LCI, abaixo deixo mais alguns links o assunto.
    .
    Abcs
    .
    LCI: conheça mais sobre o investimento em Letras de Crédito Imobiliário
    .
    http://web.infomoney.com.br/templates/news/view.asp?codigo=635110&path=/suasfinancas/investimentos/fundos/
    .
    LCI: isenta de IR, aplicação atrai investidores em busca de maior rentabilidade
    .
    http://web.infomoney.com.br/templates/news/view.asp?codigo=1268999&path=/suasfinancas/

  8. Gisely Chessed 14 de março de 2011 at 15:07 #

    Bom, agora pesar os prós e contras de alocar esse valor inicial nessa aplicação!!!

  9. Ricardo Borges 16 de março de 2011 at 11:41 #

    Guilherme,
    Parabéns pelo artigo.
    Porém, fiquei com uma dúvida: além da diversificação, tem alguma vantagem em aplicar na LCI em vez da LFT?

  10. Gil Rodrigues 17 de março de 2011 at 0:42 #

    Guilherme, completíssimo esse seu artigo sobre a LCI. Quem quiser conhecer bem todas as características do produto é só ler este excelente artigo. Parabéns.

  11. Guilherme 22 de março de 2011 at 12:51 #

    Obrigado a todos pelos comentários!

    Viver de Renda, vou dar uma olhada sim.

    Gui, depende da estratégia do investidor. P/ mim, o negócio é sempre diversificar, ainda mais considerando que a LCI não tem liquidez, e isso pode representar sacrifícios em aproveitar oportunidades de mercado momentâneas.

    Willy, ótimos links!

    Ricardo, não. Na verdade, a LFT ganha muito em termos de liquidez, pois você pode resgatar a cada semana, ao passo que na LCI é a cada “x” meses.

    Gil, valeu!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  12. manoela 9 de abril de 2011 at 14:31 #

    Consegui comprar uma LCI do Banco BVA sem ser correntista, através da XP Coretora. Lá são distribuídas todas as principais LCIs que estão nesses bancos, e não pago 50 reais mensais de tarifas bancárias. Isso maximiza o lucro!

  13. Guilherme 9 de abril de 2011 at 14:52 #

    Muito interessante essa estratégia de utilizar uma corretora, manoela!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  14. Luis Gouveia 25 de abril de 2011 at 14:17 #

    Eu investo em LCI no Banco Ourinvest, já a muito anos, inclusive descobri que era o mesmo lastro que eu tinha no Citibank com uma taxa menor, por isso troquei as aplicações para Ourinvest com uma taxa bem maior. Eu não tive que abrir conta, apenas um cadastro e não tenho despesas com tarifas.

    Muito boa a aplicações estou satisfeito.

    Gouveia

  15. Guilherme 25 de abril de 2011 at 18:55 #

    Legal Luis!

  16. Clodoaldo Alves 18 de maio de 2011 at 16:47 #

    Preciso saber se posso aplicar na CEF tendo apenas poupança e ser isento da cesta mensal de serviços

  17. Guilherme 27 de maio de 2011 at 19:48 #

    Clodoaldo, sim, e você ainda pode conseguir isenção da cesta mensal de serviços.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  18. Daniel 1 de junho de 2011 at 14:26 #

    Excelente explicação, objetiva e didática…
    Na minha opinião, a melhor forma de aplicar em renda fixa a MP e LP.

  19. Guilherme 2 de junho de 2011 at 18:53 #

    Obrigado Daniel!

  20. Maito 6 de junho de 2011 at 11:23 #

    Amigos, bom dia.

    Excelente explanação sobre o produto (LCI), que vem atraindo tantos investidores.

    Gostaria de acrescentar que através da XP Investimentos, qualquer um consegue investir em LCI com um mínimo de 1 mil reais apenas. Sem taxas fixas, apenas um custo de 0,30% ao ano (pró-rata).

    sds.

  21. Guilherme 8 de junho de 2011 at 21:28 #

    Valeu pela dica, Maito!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  22. Raphael 10 de junho de 2011 at 9:43 #

    As taxas LCI do Banco BVA são realmente boas!
    E correntistas não pagam tarifas dependendo do valor da aplicação… Às vezes a taxa é melhor direto no Banco que com algum “intermediário”.
    Fica a dica…
    Att.

  23. Guilherme 10 de junho de 2011 at 12:36 #

    Grato pela dica, Raphael!

  24. Rodrigo 17 de junho de 2011 at 1:29 #

    Tb apliquei através da XPI, taxa de 91% CDI.
    Quanto ao questionamento do colega sobre a LFT acredito que incida IR sobre esta aplicação, então fica difícil de chegar a esta rentabilidade.
    Ótimo artigo, li e fechei negocio com a XPI.

  25. Guilherme 19 de junho de 2011 at 22:28 #

    Ôpa, legal, Rodrigo, bom saber que a XP tem tratado com respeito seus clientes, no ramo da renda fixa! É mais uma opção de investimento à disposição do pequeno investidor!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  26. Mirian Leandro 22 de junho de 2011 at 11:33 #

    Bom dia, Excelente matéria, as LCI´s estão cada vez mais conhecidas no mercado financeiro e com mais acesso para pequenos investidores, o que acho muito importante…..

    Tenho disponibilidade de lastro da Brazilian Mortgages que é a maior cia hipotecaria com em atuação, caso alguem precise de um comparativo entre a LCI e outro investimento em renda fixa, estou a disposição.

    Mirian Leandro de Lima
    mirian.leandro@ourinvest.com.br

  27. Guilherme 23 de junho de 2011 at 14:14 #

    Obrigado pela disponibilidade em prestar informações, Miriam!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  28. Felipe 8 de julho de 2011 at 11:41 #

    Pessoal,

    Ao pensar em investir em uma LCI, principalmente em Bancos de Middle (como o BVA, neste caso), dependendo do prazo e do volume principalmente, aconselho a consultarem um gerente de captação da instituição, pois você pode conseguir (SIM) uma taxa maior que 100% do CDI e talvez até isenção de tarifas.

    “Se podemos consultar um especialista (gerente de captação), pq se apegar as regras básicas da instituição?”

    Abraços,

  29. Guilherme 14 de julho de 2011 at 9:45 #

    Felipe, importante a sua observação: a de consultar gerente de captação. Não sabia dessa possibilidade.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  30. Gustavo 15 de julho de 2011 at 2:19 #

    Se a LCI tem lastro em Imovel, qual é a importância da qualidade do emissor? O imóvel que compreende o lastro não é o risco que deveria ser considerado?

  31. Guilherme 15 de julho de 2011 at 10:52 #

    Gustavo, a qualidade do emissor se reflete no risco de crédito assumido, pois a LCI é, em último caso, uma letra emitida por uma instituição financeira, mesmo que tenha lastro em imóveis. Se o banco não honrar seus compromissos financeiros, a LCI corre o risco de não ser paga no vencimento. Acho que foi nesse sentido que a Miriam Leandro quis se expressar.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  32. Gustavo 17 de julho de 2011 at 18:04 #

    Guilherme, obrigado pela resposta! Mas no caso do banco não honrar o compromisso, o imóvel não serve como garantia? Abração!

  33. Guilherme 18 de julho de 2011 at 7:58 #

    Gustavo, serve sim, só que, nesse caso, a garantia vai para os credores preferenciais do banco, na hipótese em que for decretada sua liquidação extrajudicial (vulgo “falência”). Os créditos dos investidores entram na “fila de credores”.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  34. jose mario 4 de agosto de 2011 at 9:51 #

    Guilherme, como fica a LCI nesse cenario de bolha imobiliaria? o que acontece com a ‘garantia’ dessa aplicação no caso de uma crise imobiliaria? obrigado

  35. Guilherme 5 de agosto de 2011 at 8:57 #

    José Márcio, você teria que ter a confiança de que a instituição financeira emissora da LCI tenha condições de honrar o compromisso. Recomendo limitar os investimentos até o máximo de R$ 70k, incluindo nesse valor os rendimentos dos juros.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  36. Augusto Rodrigues 8 de agosto de 2011 at 15:41 #

    Guilherme,

    Porque você recomenda limitar o investimento no máximo 70K (com os rendimentos dos juros) ?

    O Fundo Garantidor de Crédito aplica-se a LCI ?

    E o visitante “jose mario” fez uma boa observação. Isso quer dizer que se, por um acaso ocorrer uma crise imobiliária no brasil semelhante a que ocorreu nos EUA, existe o risco do banco não honrar com o LCI ?

    Obrigado,

  37. jose mario 8 de agosto de 2011 at 18:10 #

    acho que o fundo se aplica até o alor de R$ 70 mil… como na poupança até R$ 50 mil.

    mas falta eu ainda compreender como a rentabilidade está vinculada ao mercado imobiliario? mesmo que a caixa federal consiga não quebrar, que aconteceria com a taxa de remuneraçao nesse cenario? tem vinculo direto com performance do mercado imobliario?

  38. Guilherme 9 de agosto de 2011 at 9:33 #

    Augusto, recomendo a limitação até R$ 70k justamente porque esse é o teto de cobertura do FGC, que se aplica à LCI. Possibilidades de o banco não honrar com a LCI sempre existem, mas você pode diluir o risco por meio da averiguação da qualidade do emissor, que normalmente se reflete na qualidade do lastro dos papéis. Apesar de a LCI ter ótimos atrativos, prefiro ter cautela nesse campo. Lembre-se da equação risco/retorno, que também vale para o mercado de renda fixa.

    José Mário, a taxa de remuneração é normalmente pós-fixada a um critério certo, ou seja, normalmente atrelada ao CDI ou taxa prefixada + inflação. Não tem a ver necessariamente com o desempenho do mercado imobiliário.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  39. Augusto Rodrigues 9 de agosto de 2011 at 10:12 #

    Guilherme,

    Sou leigo nesses assuntos e me considero um investidor novato. Por isso gostaria de saber se você pode citar alguns procedimentos para averiguar a qualidade do emissor de um determinado LCI.

    Seria analisar as demonstrações contábeis nada fáceis de ser compreendidas e acompanhar toda e quaisquer noticias relacionados ao emissor?

    Seria solicitar informações ao próprio emissor para averiguar esse lastro dos papeis que você menciona na sua resposta acima ?

    Existe algum órgão independente em relação ao emissor que ao menos forneça as informações para que o investidor averigue a qualidade do lastro dos papéis ?

    Para investidores inexperientes, seria realmente interessante ter algumas dicas de como averiguar a qualidade do lastro de papeis que você menciona na sua resposta.

    Afinal, investir 30.000,00 ou 50.000,00 ou mais somente acreditando na idoneidade do emissor não deve ser uma forma saudável de investir.

    Abraço!

  40. Guilherme 11 de agosto de 2011 at 16:20 #

    Augusto, existem vários meios de se averiguar a qualidade do emissor de LCI. Sendo uma instituição financeira, com capital em Bolsa, por exemplo, o caminho natural passa pela análise de suas demonstrações financeiras.

    Outra maneira é solicitar as informações do próprio emissor, via telefone ou email.

    O importante é o investidor estar bem informado acerca dos riscos do investimento, antes de optar pela tomada de decisão.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  41. Augusto Rodrigues 11 de agosto de 2011 at 17:09 #

    Puxa,

    Tem que ler aquelas demonstrações financeiras mesmo ? E eu que reclamava quando tinha que ler os prospectos das ofertas públicas.

    Acredito então que essa modalidade de investimento não é adequada a investidores novatos, mesmo aqueles que possuem esse dinheiro para investir.

    Exceto, claro, se forem pessoas vinculadas ao ramo financeiro (economistas, contadores, empresários, etc).

    Minha opinião pessoal, claro.

    De qualquer forma, valeu pela resposta

    Abraços!

  42. Guilherme 11 de agosto de 2011 at 18:18 #

    Augusto, cada investidor deve ter confiança em determinado investimento, antes de colocar seu dinheiro lá, e uma das maneiras de ter confiança passa necessariamente pelo grau de conhecimento que tem a respeito do produto. No entanto, essa confiança é elemento muito subjetivo, cuja percepção varia segundo a pessoa, segundo as circunstâncias. Existem outros fatores que interferem na escolha de dada modalidade de investimento, como tolerância a risco e horizonte de investimento.

    Aplicando tudo isso à LCI, o que devo dizer é que não é preciso necessariamente ser pessoa vinculada ao ramo financeiro para poder adquirir esse elemento “confiança” para investir em letras de crédito imobiliário. Vai de cada pessoa.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  43. Luis 14 de agosto de 2011 at 21:35 #

    Guilherme,

    Li no seu artigo que a garantia do FGV para o LCI é R$ 70 mil, gostaria de saber se este limite também se aplica à CEF pois pretendo aplicar um valor bem superior e segundo informações do gerente a CEF garante 100% do investimento. procede esta informação ?

  44. Guilherme 16 de agosto de 2011 at 19:41 #

    A CEF é um banco público federal, o que, em tese, aumenta a segurança na hora de se investir em LCI. Entretanto, como se trata de um investimento em renda fixa, o melhor é se precaver e evitar assumir grandes riscos. Eu ficaria limitado aos R$ 70k do FGC. No entanto, essa confiança varia de pessoa para pessoa. Se você se sentir confortável em aplicar valor bem superior, vá em frente. Só tenha ciência de que, caso algo dê errado, seja com o banco, seja com a própria LCI, o valor resgatável garantido será aquele de R$ 70 mil.

  45. Fabi 21 de agosto de 2011 at 19:28 #

    Muito bom esse artigo.
    Parabéns!!!!
    se todos os textos sobre fundos de investimentos fossem tão bem explicados como esse, acho q o público em geral teria menos medo de investir

  46. Guilherme 23 de agosto de 2011 at 21:20 #

    Fabi, muitíssimo obrigado pelos comentários!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  47. Gilberto 24 de agosto de 2011 at 8:33 #

    Guilherme,

    Li que o risco da LCI é o risco do banco, ou seja só não seriam honradas em caso de falência do emissor. Neste caso o risco da LCI seria idêntico ao da poupança, CDB, etc. Sendo ainda amenizado em razão da garantia real das hipotecas ou alienações fiduciária. É isso mesmo?

  48. Guilherme 24 de agosto de 2011 at 20:43 #

    Gilberto, acredito que sim. Da mesma forma, acredito que o banco acabe “incorporando” o risco dos imóveis subjacentes e que dão lastro à letra.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  49. Gilberto 24 de agosto de 2011 at 22:20 #

    Obrigado Guilherme, e que Deus o abençoe de igual maneira. Muita paz.

  50. Guilherme 24 de agosto de 2011 at 22:38 #

    Às ordens, Gilberto! Estamos aqui exatamente para esclarecer dúvidas de nossos leitores!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus o abençoe!

  51. Marina 25 de agosto de 2011 at 17:16 #

    Apenas corrigindo, o valor minimo para aplicação em LCI/LCA no Banco BVA é R$1.000,00. E clientes investidores não necessitam pagar a “cesta mensal” de R$50,00. Clientes investidores do Banco BVA são isentos de tarifas.

  52. Marina 25 de agosto de 2011 at 17:17 #

    As taxas variam cfe o prazo entre 97%CDI a 105%CDI.

  53. Rogério 27 de agosto de 2011 at 12:51 #

    Alguém tem alguma referencia da Ourinvest?

  54. Rogério 27 de agosto de 2011 at 12:52 #

    Alguém tem alguma referência da Ourinvest?

  55. Guilherme 28 de agosto de 2011 at 13:50 #

    Marina, grato pela informação.

    Rogério, a Ourinvest me parece uma instituição confiável.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  56. Rogério 29 de agosto de 2011 at 8:40 #

    Obrigado, Guilherme.

  57. Guilherme 31 de agosto de 2011 at 10:38 #

    Rogério, às ordens. Pergunte sempre que precisar. E se tiver alguma dúvida sobre algum outro assunto de investimentos, fique à vontade para pesquisar pela seção de arquivos ou usando a ferramenta do Google.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  58. Fernando 31 de agosto de 2011 at 14:39 #

    Caros,a CEF não está emitindo LCIs por enquanto,e o Personnalité paga 85% do CDI para aplicações a partir de R$100 Mil,porém este valor não dá desconto ou isenções no pacote de tarifas.

  59. Mirian Leandro 1 de setembro de 2011 at 12:01 #

    Boa Tarde,

    Graças a estas matérias, que alguns produtos estão se tornando cada vez mais conhecidos pelos investidores…..Parébens!!!!
    Quando forem fazer cotação de taxa de LCI, solicitem sempre a taxa liquida, normalmente as taxas liquidas variam entre 89% à 96% do CDI,e valor minimo de R$ 30.000,00 muitas instituições já dispoem de lastro para este valor…….e atentem pela qualidade do lastro…tamanho da carteira…entre outras….

    Se tiverem alguma duvida, estou a disposição

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvest.com.br

  60. Guilherme 1 de setembro de 2011 at 12:28 #

    Fernando, interessante essa observação: o Itaú prefere que o cliente invista nos seus fundos (que embutem altas taxas de administração), em vez de produtos mais rentáveis, como TD e a própria LCI.

    Miriam, obrigado!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  61. Renato C 1 de setembro de 2011 at 15:12 #

    Parece que o Banco Fator possui também LCIs…. a incríveis 7% + IPCA (em 31/08).

    http://www.bancofator.com.br/banco/tesouraria/titulos/titulos_privados/LCI.html

    Ouvi isto junto à Mara Luquet:
    http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/mara-luquet/2011/08/31/ESTAMOS-EM-MOMENTO-ESPECIAL-PARA-A-RENDA-FIXA-NO-PAIS.htm

    Até !

  62. Augusto Rodrigues 1 de setembro de 2011 at 15:45 #

    Renato C.

    Eu ouvi o áudio disponível no link que você postou. Mas pelo que eu entendi, o que o Banco Fator esta disponibilizando são fundos que investem em CRI.

    E fundos costumam ter taxas de administração não ?

    Ou esta realmente anunciando possibilidade de investir diretamente em CRI ?

    Att

  63. Renato C 1 de setembro de 2011 at 20:31 #

    Olá Augusto Rodrigues,

    Pois é, a Mara Luquet fala em “FUNDO CRI”, também não entendi isto. Depois, ela falou hoje em fundo LCI…. ficou confuso, ficou parecendo que o LCI é um fundo de CRI.

    E, sabemos, se é um FUNDO, não há proteção do FGC. Só a LCI possui proteção, fundo de LCI não (se é que são 2 coisas diferentes).

    Hoje, 01/09, ela explicou mais um pouco:
    http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/mara-luquet/MARA-LUQUET.htm

    Falow, Renato C

  64. Guilherme 2 de setembro de 2011 at 18:11 #

    Eu também fiquei confuso ouvindo o áudio da Mara Luquet. Eu acho que existem dois produtos distintos:

    - LCIs “puras”: que são as descritas no corpo desse artigo.

    - Fundos que contém em sua composição CRIs e LCIs: esses fundos não contam com a proteção do FGC. Creio que a Mara deva ter se referido ou a fundos específicos comercializados em bancos de varejo (como esse citado pelo Renato), ou a fundos imobiliários que têm em sua composição LCIs e CRIs (exemplo: CSBC11, FEXC11 etc.).

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  65. Guto 3 de setembro de 2011 at 1:07 #

    Muito Bom, parabéns pelo artigo. Pelo que andei procurando a XP também oferece LCI e outras opções de RF.

    http://www.xpi.com.br/produtos/renda-fixa/o-que-voce-pode-negociar.aspx

    Abs!

  66. Guilherme 3 de setembro de 2011 at 19:01 #

    Guto, obrigado! Mais uma opção então para investir em LCI! Abç!

  67. Mirian Leandro 5 de setembro de 2011 at 11:44 #

    Renato e Guilherme,

    Na matéria: Estamos em momento especial para a renda fixa no país (http://cbn.globoradio.globo.com/comentaristas/mara-luquet/2011/08/31/ESTAMOS-EM-MOMENTO-ESPECIAL-PARA-A-RENDA-FIXA-NO-PAIS.htm), o que ela esta falando é sobre CRI – Certificado de Recebiveis imobiliários. Os CRI´s, que é um titulo de renda fixa emitido a partir de operações realizadas no mercado imobiliário. Normalmente, possui uma estrutura de garantias formada por múltiplos níveis de segurança dando aos investidores uma operação blindada.

    Uma das exigências para investir neste papel, é ser investidor qualificado (http://www.bmfbovespa.com.br/rendafixa/pdf/Invest_Qualificado.pdf),normalmente a duration do papel varia de 5 à 12 anos…etre outros detalhes que devem ser analisados no sumario de cada série. Encontramos papéis indexados ao IGPM, IPCA, CDI…….

    E para facilitar o investimento de clientes com menor valor, foram desenvolvidos FII Imobiliários que investe em CRI, onde o cliente pode investir com valores menores, e ter uma boa rentabilidade….Como os FII´s Exellence(FEXC11B)e o CSHG Recebiveis imobiliários, não sei dizer se existem mais fundos com este perfil no mercado.

    Já as LCI´s, são enquadradas em renda fixa, tem garantia de até R$ 70.000 do FGC, e os valores minimos variam, conforme o lastro disponivel em cada instituição…..

    Espero ter esclarecido….

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvest.com.br

    • Ana 19 de julho de 2013 at 9:19 #

      Gui,sou leigo no assunto e por orientação do Banco do Brasil que esta fazendo LCI agora fiz o investimento no valor baixo 10mil será que é essa forma nova que a Mirian Leandro esta citando, ao ler os comentarios fiquei temerosa como alguns.O que faço para sanar as duvidas, A gerente do banco disse que não tem riscos.Ana Lucia. Bjos… Bom dia..

  68. Renato Dargham 6 de setembro de 2011 at 17:49 #

    Belo tópico Guilherme, este investimento está cada vez mais procurado no mercado financeiro.
    trabalho no Banco BVA e me coloco à disposição para esclarecer qualquer tipo de dúvida.

    Meu email para contato: rdargham@bancobva.com.br

  69. Guilherme 6 de setembro de 2011 at 20:07 #

    Miriam, gostei da didática explicação sobre a diferença entre LCIs e CRIs.

    Renato, obrigado!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  70. Augusto Rodrigues 6 de setembro de 2011 at 21:54 #

    Mirian,

    Eu estava lendo por cima o prospecto FII Excellence (ver link abaixo) e tenho algumas duvida sobre esse FII.

    1. É necessário ter uma conta no banco Ourinvest para participar desse FII ? Se sim, quais os custos dessa conta (pacote de serviços) ?

    2. Existe algum prazo de carência para receber os rendimentos, após a subscrição e integralização das cotas ?

    3. Como ocorre o resgate dos rendimentos ? Diretamente na conta do banco Ouroinvest ou pode-se indicar uma conta para deposito ?

    4. Li rapidamente o prospecto (mas irei ler o mesmo com mais calma depois). Mas não consegui encontrar alguma referência a rendimento. Por um acaso esse FII garante um rendimento mínimo por cota ou algo parecido ? Ou apenas efetua a distribuição.

    5. Tem alguma restrição a determinados correntistas para participar da oferta pública ? Por exemplo, correntista do BB poderia participar dessa oferta pública ?

    Bom.. vou ler com mais calma o prospecto.

    Att

  71. Guilherme 6 de setembro de 2011 at 21:56 #

    Também tenho essas dúvidas do Augusto…

  72. Mirian Leandro 8 de setembro de 2011 at 15:29 #

    Augusto,

    1.Para participar desta oferta não precisa de uma conta, você precisa fazer um cadastro, e não tem despesa alguma……nem custódia…

    2.A rentabilidade é creditada mensalmente em uma conta em seu nome no banco de sua escolha….

    3. A rentabilidade alvo do FII é 105% do CDI, porém… nos ultimos 12 meses ele distribuiu 16% liquido.

    4.Não tem restrição, para ter isenção de I.R, o investidor precisa ser PF.

    Me mande um email que tenho mais detalhes que não consigo colocar aqui….

    Espero ter lhe auxiliado…

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvest.com.br

  73. André Kfouri 8 de setembro de 2011 at 17:33 #

    Guilherme,

    gostaria de saber qual a melhor opção de investimento para uma quantia em torno de R$ 200.000,00, que tenha um risco baixo e que tenha liquidez também?

    Obrigado.

  74. Luiz 8 de setembro de 2011 at 21:37 #

    Cotação de hoje deste fundo: R$ 125,00. Isso porque o fundo não está sequer distribuindo rendimentos. Raios, isso que dá não ter bola de cristal!

    • Luiz 8 de setembro de 2011 at 21:39 #

      Ops escrevi no tópico errado, estava me referindo ao fundo BB Renda Corporativa. Sorry!

  75. Guilherme 9 de setembro de 2011 at 9:46 #

    André, qual é a sua política de investimentos para esse dinheiro? Em outras palavras, qual é o seu objetivo, qual é o seu grau de aversão ao risco e qual é o seu horizonte de investimento para esse dinheiro? Como você pensa a respeito da tributação sobre esse investimento? E que tipo de liquidez te interessa: diária, semanal, mensal…?

    Só depois de definidos e respondidas todas essas questões é que se poderá dizer qual é “a melhor opção de investimento”. Por trás de uma pergunta simples, é preciso fazer um trabalho com múltiplas variáveis a fim de se chegar à resposta mais precisa.

    Recomendo a leitura da série de artigos que o Dr. Money está publicando no blog dele a respeito do assunto: http://www.drmoney.com.br/2011/08/politica-de-investimento-porque-voce.html

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  76. André Kfouri 9 de setembro de 2011 at 10:20 #

    Então Guilherme, o objetivo é conseguir “viver” dos rendimentos desse dinheiro, em outras palavras, fazer o dinheiro trabalhar para mim. Com relação à risco, sou uma pessoa que prefere o menor risco possível. O horizonte de investimento é meio complicado, porque não tenho um objetivo de chegar a uma devida quantia, quero apenas usufruir dos rendimentos da aplicação. A liquidez que me interessa é mensalmente. Sobre a tributação tenho pouco conhecimento, portanto pode considera-lá normal.

    Agradeço desde já Guilherme!!

  77. Guilherme 9 de setembro de 2011 at 12:46 #

    André, eis algumas opções na mesa para você pensar:

    - CDBs póx-fixados ao DI, de bancos de primeira linha, que paguem pelo menos 97% do CDI;

    - Títulos do Tesouro Direto indexados à inflação, como as NTN-Bs de vencimento em 2015, 2024 e 2045;

    - Fundos imobiliários bem diversificados com yield mensal acima de 0,75% a.m.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  78. Renato Dargham 9 de setembro de 2011 at 13:06 #

    André

    temos CDBs que pagam em torno de 102% com liquidez diária.

  79. Renato C 9 de setembro de 2011 at 16:08 #

    André Kfouri,

    A grande vantagem da NTNB 2045 é que você recebe, semestralmente, apenas o rendimento real de sua aplicação, que será constantemente corrigido pela inflação até 2045.

    Além disto, garante até 2045 o índice de juros atuais. Há muitos analisas que preveem que no longo prazo (de 2020, 2025 pra cima) (ou mesmo até no curto/médio, como é o caso atual), a tendência da taxa de juros é de queda, isto é, você não será remunerado pelo seu dinheiro como hoje. Com a NTNB 2045, você garante até este ano tal rentabilidade.

    Detalhes:
    1) Em 2045, você terá o mesmo capital que tem hoje, corrigido pela inflação, só que com menos 15% (IR). A NTNB 2045 é uma boa opção também por isto, pois você adia o pagamento do IR sobre o montante principal até 2045. Com isto, por exemplo, uma NTNB 2045 possui uma rentabilidade líquida maior do que a NTNB Principal 2035 (que não paga juros semestrais).
    2) O risco é considerado baixo, é o risco do governo, pelo Tesouro, não cumprir com os seus compromissos.

    Até !

  80. Mirian Leandro 9 de setembro de 2011 at 16:50 #

    André,

    As opções são excelentes, CDB´s, tesouro e FII´s, mas também incluiria Letra de Crédito Imobiliário, pois é uma aplicação conservadora e também não tem I.R, que faz uma grande diferença, para esta valor conseguiria uma taxa por volta de 95% liquida do CDI pelo prazo minimo de 12 meses…..

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvest.com.br

  81. Guilherme 9 de setembro de 2011 at 17:34 #

    Como se pode depreender dos comentários acima, opção não faltam!

    Miriam, a LCI sem dúvida seria uma opção interessante em termos de renda fixa, mas creio não ser exatamente o tipo de investimento que o André procura, uma vez que ele se referiu a investimentos que proporcionassem uma liquidez mensal, e as LCIs costumam ter carência para resgate de 6 a 24 meses…

    Uma alternativa seria investir num fundo que investe em LCI, mas aí não sei se compensaria tanto…

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  82. simone 10 de setembro de 2011 at 17:52 #

    Materia muito boa, fiquei tentada a aplicar no LCI, alguem pode me dizer se eu poderia resgatar apenas os juros mensalmente ou teria que esperar o prazo de vencimento da aplicação, eu precisaria de parte dos juros pra cobrir despesas mensais.Eu tinha um valor rasoavel aplicado em CDB no banco Itau, mas quero algo melhor com rentabilidade mais alta e to adorando as ideias acima.

  83. Guilherme 10 de setembro de 2011 at 19:39 #

    Simone, seja bem-vinda!

    Bom, de acordo com o que apurei até hoje, o único banco que trabalha com LCis de liquidez diária é a CEF, porém, há uma carência inicial de 60 dias, e os percentuais de CDI líquidos são os menores oferecidos no mercado. Uma outra possibilidade seria você fazer aplicações em LCIs com diferentes prazos de vencimento, por exemplo, uma vencendo em 2 meses, outra vencendo em 3 meses, outra vencendo em 4 meses, e assim por diante. Isso garantiria um fluxo mensal de caixa, embora houvesse uma dificuldade adicional para gerenciamento de múltiplas letras.

    Qualquer outra dúvida, sinta-se à vontade!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  84. Mirian Leandro 12 de setembro de 2011 at 16:11 #

    Guilherme,

    Se precisa de liquidez, pode dividir as aplicações em 4 de R$ 50.000 com liquidez todo mês a partir do 3º mês, ou dependendo também pode investir em LCI com renda mensal.

    A LCI tem carência de resgate por 2 meses, quando você vai fechar a aplicação deve contrata-la por um prazo 3 meses, 4 meses, 7 meses….. depende da necessidade do cliente e se a instituição financeira terá o lastro para este periodo……os prazos variam…..

  85. Mirian Leandro 12 de setembro de 2011 at 16:14 #

    Simone,

    Você pode investir em LCI, com renda mensal….as taxas são as mesmas….só que aplicação deve ser pelo prazo minimo de 12 meses….

    Duvidas????

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvest.com.br

  86. Guilherme 14 de setembro de 2011 at 10:07 #

    Miriam, grato pela correção!

  87. Simone 14 de setembro de 2011 at 13:42 #

    Obrigada Mirian e Guilherme, moro em Londrina, vou pesquisar um banco que tenha uma porcentagem melhor que CEF, se não encontrar farei com a Caixa mesmo, mesmo sendo baixa a rentabilidade ainda sairei ganhando em relação ao CDB, vcs não concordam comigo?

  88. Renato Dargham 14 de setembro de 2011 at 13:51 #

    Simone,

    boa tarde caso tenha interesse, me mande um email para receber nossas taxas de LCI.

    Obrigado!

  89. Simone 14 de setembro de 2011 at 13:56 #

    Boa tarde Renato Dargham, me passe o endereço de email, quero saber as taxas sim.

    Obragada!

  90. Renato Dargham 14 de setembro de 2011 at 13:57 #

    rdargham@bancobva.com.br

    obrigado!

  91. Guilherme 15 de setembro de 2011 at 22:06 #

    Simone, concordo. É importante você também se certificar das condições de resgate antecipado das LCIs da CEF. Salvo engano, para resgates parciais, haveria um mínimo de R$ 5 mil para possibilitar o resgate, ou seja, se você tiver R$ 35 mil em LCI, e quiser resgatar R$ 3 mil, teria que resgatar um bloco inteiro de R$ 5 mil. Confirme essas informações com a CEF, bem como a exigência ou não de saldo mínimo de aplicação após o resgate, e verifique também se o resgate ocorre no mesmo dia da solicitação (D+0), ou alguns dias após, e quais são os horários de negociação para resgates.

    É importante obter o maior número de informações possíveis, a fim de fazer um investimento com segurança.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  92. Márcio Pereira 21 de setembro de 2011 at 12:48 #

    Muito bom.

  93. Guilherme 23 de setembro de 2011 at 6:31 #

    Obrigado, Márcio!

  94. Carlos Paddock 25 de setembro de 2011 at 19:09 #

    Guilherme não sei se entendi direito, no caso a BM e o BVA pagam 90% e 98% do CDI? Supondo o CDI em 12% anuais eles pagariam 10,8% e 11,76%, certo?

    Olha realmente, se for isso mesmo e considerando que a LCI é isenta de IR, hoje no Brasil não existe aplicação para renda fixa melhor que essa, salvo alguns fundos de crédito privado, mas que acabam envolvendo riscos bem maiores.

    No caso será que seria possível conseguir uma taxa melhor na CEF, algo próximo de 100% do CDI, para valores superiores a R$1.000.000?

    Abraço.

  95. Renato Dargham 26 de setembro de 2011 at 15:59 #

    Carlos Paddock,

    realmente é esta conta mesmo, considerando que o CDI atualmente está em 11,88%.

    Para este valor dito acima, dependendo do prazo para o vencimento, conseguimos até um pouco mais que 100%.

    qualquer dúvida entre em contato comigo
    rdargham@bancobva.com.br

  96. Guilherme 27 de setembro de 2011 at 15:12 #

    Carlos, a LCI de fato tem atrativos bastante interessantes. A isenção de IR e de taxas de administração tornam-na uma aplicação de excelente rentabilidade liquida. Cabe ao investidor pesar os prós e contras da operação, atentando principalmente à falta de liquidez e ao limite da cobertura do FGC, para decidir pela aplicação ou não.

    Na CEF, mesmo para valores altos, como o citado por você, dificilmente se consegue taxa próxima de 100% do CDI. É a velha questão da relação risco/retorno. O máximo que poderá conseguir, para R$ 1 milhão, seria algo, acredito eu, em torno de 90% do CDI líquido.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  97. Gouvea 30 de setembro de 2011 at 3:36 #

    A LCI da Caixa liquidez diária não compensa, pode ser mais vantajoso fazer o CDB SOFISA liquidez diária…

    Taí uma boa disputa:

    LCI da CEF x CDB Sofisa

    Ambos com liquidez diária.

    Abraços a todos!

  98. Renato Dargham 30 de setembro de 2011 at 9:22 #

    Gouvea,

    qual a taxa oferecida na LCI com Liquidez da caixa?

    porque nos dois produtos são descontados o IOF no primeiro mês, mas após isso apenas o CDB possui tributação. ou seja, a taxa do CDB deve ser pelo menos 22,5% maior.

  99. Gouvea 1 de outubro de 2011 at 12:44 #

    Sendo que a LCI tem uma carência de 2 meses…

    Vantagem mesmo é investir em debentures e letras financeiras que são isentos de IOF em retiradas em prazo inferior a 30 dias…

  100. Guilherme 2 de outubro de 2011 at 18:19 #

    Renato, a taxa da LCI para liquidez diária gira em torno de 83% do CDI líquido.

    Gouvea, essa seria realmente uma vantagem, ocorre que no mercado secundário é bastante difícil negociar debêntures e letras financeiras, ainda mais com prazos inferiores a 30 dias. Os investidores que aplicam nesses ativos normalmente carregam o papel até o vencimento, visando não só pagar a menor alíquota de IR, mas também garantir as taxas de juros contratadas – no mercado secundário, o valor dos títulos sofre a marcação a mercado, o que pode inclusive fazê-los mais baratos do que o preço de lançamento.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  101. Antonio Carlos 5 de outubro de 2011 at 11:10 #

    Em que modalidade de aplicação posso iniciar com um minimo de 10.000,00 ou 20.000,00 , qual banco e quais os percentuais de rendimentos. Grato

  102. Guilherme 8 de outubro de 2011 at 12:43 #

    Antonio, nesses casos, talvez seja mais interessante comprar as LCIs por meio de corretoras de valores, mas atenção que nesse caso elas cobram uma pequena taxa de administração (em geral na faixa de 0,3% a.a.)…

  103. Fernando 20 de outubro de 2011 at 14:53 #

    Ola,

    Deixa eu ver se entendi direito. Em sua conclusao voce indica que “Com esse investimento, você nunca estará conseguindo ganhar do CDI (a menos que consiga uma taxa acima de 100% do CDI)”. Considerando que o Banco BVA por exemplo, paga 98% do CDI, e usando como exemplo a rentabilidade do CDI de 2010 que chegou a 9.35%, eu acho q as vantanges sao bem maiores se comparadas a qualquer outro tipo de investimento de renda fixa, inclusive melhores doq o proprio Tesouro Direto.
    Se meus calculos estao corretos, subtraindo 2% de 9.35%, chegariamos a 9.16%. Considerando 360 dias de investimento, 9.16% adicionados ao imposto que nao sera cobrado, chegariamos a aproximadamente 120.5% do CDI, lembrando que estamos investindo atraves do Banco BVA, com 98% do CDI. 9.16% x 120.5% do CDI nos renderiam juros de 10.99% ao ano, ou 5.49% a cada 6 meses.
    Isso eh bem melhor doq o LTN com vencimento em 2013 por exemplo, q no momento oferece apenas 10.57%, sem considerar eh claro o imposto de 20% q sera cobrado sobre os rendimentos no momento de maturidade do titulo.

    Me corrija se estou errado, mas essa eh uma opcao ateh melhor doq o tesouro para quem nao esta preocupado com liquidez, correto?

    Obrigado, e tenha um bom dia.

    Fernando

  104. Guilherme 20 de outubro de 2011 at 20:42 #

    Fernando, sim, se olharmos a questão exclusivamente do ângulo da rentabilidade, a LCI é um dos melhores investimentos em renda fixa, contando ainda com a proteção do FGC.

    Só não se esqueça de analisar também a questão do risco, que está atrelada necessariamente a qualquer dado retorno: quanto maior o risco, maior o retorno, e vice-versa. Bons investimentos!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  105. Roberto Alves 25 de outubro de 2011 at 15:45 #

    Eu prefiro comprar direto do emissor, e para sentir segurança analisei muito pontos…..compro lastro da Brazilian Mortgages à 6 anos, e não tenho despesa alguma, não tem taxa de administração, nem emissão de TED.
    Acredito que não seja possivel investir qualquer valor e qualquer prazo, pois eles tem muito lastro….compro pela Ourinvest.

  106. Mirian Leandro 25 de outubro de 2011 at 15:50 #

    Fernando, Boa tarde,

    Você esta correto, é uma excelente aplicação, conservadora e sem I.R. E como disse o Guilherme, não esqueça de analisar o emissor…..analise tamanho da carteira,rating, abrangência de mercado….etc….

    Você consegue, prazos a partir de 3 meses à 3 anos……

    A disposição

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvest.com.br
    (11)4081-4541

  107. António Figueiredo 29 de outubro de 2011 at 10:34 #

    Vou me meter neste debate, porque fiquei curioso sobre o tema.
    Sou português e vivo em Portugal com minha esposa, que é brasileira.
    Será que podemos aceder a este tipo de investimento (LCI), aqui de Portugal? Caso afirmativo, como devo fazer? E Tesouro Direto, é possível?

    Muito grato, desde já, pela resposta

  108. Guilherme 30 de outubro de 2011 at 18:12 #

    Antônio, em princípio, não vejo impedimento no investimento em aplicações financeiras brasileiras por estrangeiros – aliás, boa parte do que circula na Bolsa de Valores do Brasil se deve ao capital estrangeiro.

    Sugiro que entre em contato online com uma corretora de valores brasileira para saber dos procedimentos específicos para tal objetivo.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  109. António Figueiredo 30 de outubro de 2011 at 21:28 #

    Muito agradecido, Guilherme, Vou fazer isso mesmo.

    Um grande abraço também pra você!

  110. Guilherme 4 de novembro de 2011 at 9:19 #

    Valeu António!

  111. Mirian Leandro 4 de novembro de 2011 at 10:04 #

    Antônio,

    Acho que você terá que ter um representante legal, e alguns clientes acham que a despesa é um pouco alta….

    À disposição

    Mirian

  112. António Figueiredo 5 de novembro de 2011 at 19:29 #

    Mirian e Guilherme

    Obrigado pelo vosso apoio!

    À medida que vou procurando saber mais, vou também encontrando mais dúvidas.

    Vejamos:

    a) Nesta página da CVM – http://www.cvm.gov.br/port/relinter/info_invest_estrang.asp – dedicada aos investidores estrangeiros, está escrito que terei de contratar um REPRESENTANTE LEGAL, um REPRESENTANTE FISCAL e um CUSTODIANTE que, afinal, pode ser apenas uma instituição financeira que desempenhe as 3 funções. Depois, terei de contratar uma corretora.

    DÚVIDA 1 – certamente, será necessário começar por abrir conta, por exemplo, na Caixa Económica Federal. Mas não encontro qualquer informação sobre como posso abrir essa conta bancária. Sabem como devo proceder?

    DÚVIDA 2 – quando a Mirian fala de despesa com um representante legal (suponho que se refere a essa instituição bancária que prestará os 3 serviços), refere-se a que valores, aproximadamente?

    b) Ainda na página da CVM que referi, no ponto 5 “Modalidades de Aplicações”, aparece uma lista/menu dos ativos financeiros e valores mobiliários em que poderei investir.

    DÚVIDA 3 – não consigo descobrir se uma LCI faz parte de alguma dessas modalidades de aplicações. Qual a vossa opinião?

    c) Na página que certamente conheceis – http://queroficarrico.com/blog/2010/05/26/lci-letras-de-credito-imobiliario/ – aparece o seguinte:

    “Preciso ser correntista da Caixa para investir em LCI?”
    “A resposta, para felicidade de muita gente, é não! Entrei em contato com o atendimento da Caixa e fui informado que é necessário apenas ser correntista em qualquer banco, e se dirigir a uma agência da Caixa de posse de identidade, CPF e comprovante de residência, para abrir apenas uma conta-investimento.”

    DÚVIDA 4 – lendo isso aí, parece que afinal basta abrir conta num banco (a Caixa, por exemplo). Ou isso só se aplica a nacionais brasileiros e, para estrangeiros, mesmo para investir numa LCI, também necessito ter o tal representante legal, fiscal, custodiante e corretora, como se fosse para investir em ações ou fundos?

    Peço desculpa por apresentar tantas questões, mas o assunto parece complexo…

    Agradeço antecipadamente qualquer ajuda que me possam dar.

    António Figueiredo

  113. Fernando 7 de novembro de 2011 at 11:36 #

    Estive há cerca de dois meses em uma das agências da Caixa e na ocasião fui informado,que as aplicações em LCI não estavam abertas.Alguém tem a informação se este produto esta novamente disponível?

  114. Renato Dargham 7 de novembro de 2011 at 12:34 #

    Fernando,

    não sei se este produto está aberto na caixa, mas com certeza irá encontrar em bancos privados.

  115. Mirian Leandro 7 de novembro de 2011 at 14:01 #

    Boa tarde, as informações que tenho são estas abaixo, espero que ajude…..

    Os investidores estrangeiros (institucionais e individuais) podem investir nos mesmos produtos disponíveis para os investidores residentes no Brasil.

    De acordo com a Resolução 2.689 do Conselho Monetário Nacional (CMN), para investir no Brasil, o investidor estrangeiro deve contratar instituição para atuar como:
    • Representante Legal
    Responsável por apresentar todas as informações de registro para as autoridades brasileiras. Quando o representante for uma pessoa física ou jurídica não financeira, o investidor deve nomear uma instituição financeira devidamente autorizada pelo Banco Central, que será co-responsável pelo cumprimento das obrigações do representante.
    • Representante Fiscal
    Responsável pelos assuntos tributáveis e fiscais em nome do investidor perante as autoridades brasileiras.
    • Custodiante
    Responsável por manter atualizados os documentos e controlar todos os ativos do investidor estrangeiro em contas segregadas e fornecer a qualquer momento informações solicitadas pelas autoridades ou pelo investidor.

    Os ativos financeiros e ações negociadas, bem como outras formas de aplicações financeiras, devem ser registradas e mantidas em custódia ou em depósitos bancários por uma instituição autorizada pela CVM e pelo Banco Central.

    Passo a Passo

    1.Escolha do representante legal, fiscal e do custodiante. Diversas (http://www.cvm.gov.br/asp/cvmwww/InvNRes/tabecus.asp) instituições financeiras estão autorizadas pela CVM e Banco Central a realizar a atividade de custodiante e podem também atuar como representantes legal e fiscal do investidor estrangeiro.

    2.O custodiante assinará um contrato com o Investidor e pedirá informações detalhadas de acordo com a legislação brasileira – “Know your Costumer”

    3.O custodiante solicitará à CVM o código operacional do investidor. No máximo em 24 horas, a CVM disponibilizará este código. Simultaneamente, a CVM requisita à Secretaria da Receita Federal um CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) para o investidor, para efeito de tributação.

    4.Os recursos investidos no Brasil estão sujeitos ao registro no Banco Central. O registro é eletrônico, feito através da funcionalidade denominada Registro Declaratório Eletrônico (RDE). O registro inicial e suas atualizações subseqüentes constituem requisito obrigatório para quaisquer movimentações com o exterior e devem ser providenciados antes do seu início. O representante é responsável pelo registro destas operações.

    5.Escolha de uma Corretora Membro da BOVESPA, que será a sua representante na Bolsa e executará as suas ordens.

    Investimentos internacionais em ações são isentos de imposto de renda sob ganhos de capital e de CPMF (neste último caso, a isenção também se aplica às ofertas públicas). Investimentos oriundos de países ou dependências que não tributam a renda ou que a tributem a uma alíquota inferior a 20% são tributados, como os investidores locais. Não há período mínimo de permanência para os investimentos no Brasil.

    Mirian Leandro de Lima
    mirian.leandro@ourinvest.com.br

  116. Mirian Leandro 7 de novembro de 2011 at 14:04 #

    Fernando e Renato,

    Acredito que a Caixa e outras instituições financeiras possuem o produto, pode ser que no momento em que procuraram, estavam sem lastro disponível…

    A disposição

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvest.com.br

  117. Aldo Pessagno 7 de novembro de 2011 at 14:27 #

    Boa tarde.

    Gostaria de avisar quanto a alguns equívocos no que diz respeito ao Banco BVA.

    1- Aplicação Mínima é de R$ 1.000,00
    2- A taxa pode chegar a 101% do CDI
    3- É necessário ser correntista do Banco, porém não há nenhum tipo de cesta de serviços ou qualquer outra tarifa cobrada do cliente
    4- O banco garante a liquidez DIÁRIA para o cliente, porém, haverá penalidade de rentabilidade se ocorrer resgate antes do vencimento.

    Qualquer dúvida estou à disposição

    Att.

  118. António Figueiredo 8 de novembro de 2011 at 2:15 #

    Obrigado Mirian!

    Na verdade não ajudou muito, porque a Mirian acabou por resumir o documento que eu referi na minha alínea a) e que já li.
    Ora, as minhas dúvidas são precisamente sobre esse documento da CVM…….

  119. Diogo Costa 30 de novembro de 2011 at 18:50 #

    Segue uma matéria que saiu hoje no site da Exame, comentando sobre as aplicações financeiras ligadas ao mercado de imóveis. Tem haver com o tópico, por isso, estou compartilhando o link: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/renda-fixa/noticias/tres-aplicacoes-financeiras-ligadas-a-imoveis
    É interessante pra todos tirarmos as dúvidas das vantagens e desvantagens desses investimentos, principalmente agora com a queda dos juros, e as incertezas no mercado de ações. Abraços.

  120. Guilherme 30 de novembro de 2011 at 22:03 #

    Diogo, mais um ótimo link!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  121. Roxana 7 de dezembro de 2011 at 11:40 #

    Na CEF você pode aplicar na LCI com o mínimo de R$ 50.000,00. Investimos 200K em dezembro do ano passado, taxa cdi de 83,66 %. Agora em dezembro de 2011 estamos colhendo juros brutos=líquido de 9,5%. Uma excelente aplicação. Para renovar eles já baixaram o percentual do CDI mas ainda está bastante atrativa.

    A gerente falou que não sabe até quando vão oferecer a aplicação mas da primeira vez de todas, ela mesmo mencionou que por causa da copa , o mercado de construção estava muito aquecido e a tendência seria que até lá a LCI estaria sendo oferecida.

    Talvez cada agência da CEF tenha um limite com relação ao volume de LCI que pode oferecer. Acho que valeria a pena perguntar sobre a disponibilidade em diversas agências. De repente algum gerente mal intencionado quer segurar algum cliente em fundos de investimento ou outras aplicações que rendem mais para os bancos.

  122. Carlos Alberto 7 de dezembro de 2011 at 12:07 #

    Roxana,

    Eu tinha na Caixa, e no Santander, porém descobri que a LCI que o Santander estava me oferecendo era da Brazilian Mortgages. Fui atrás e comprei direto da Brazilian através da Ourinvest, sem deságio. Tenho R$ 420.000,00 com taxa de 95% liquido, espetacular, e sei que eles repassam para outras instituições financeiras……e o melhor é que não preciso ter conta, nem despesa alguma.

  123. Renato Dargham 7 de dezembro de 2011 at 12:36 #

    Com relação ao Banco BVA, no inicio do segundo semestre, diminuiram as taxas em função da quantidade de lastros (segundo informações) que estavam acabando. Agora no final do ano aumentaram bem as taxas por causa do aumento das operações da construção civil também.

  124. Carlos Alberto 7 de dezembro de 2011 at 14:04 #

    Renato,

    De onde é o lastro que o BVA utiliza???

  125. Renato Dargham 7 de dezembro de 2011 at 14:10 #

    Boa tarde Carlos,

    Os lastros do BVA são emitidos pelo proprio Banco BVA.
    Decorrentes de operações com garantias reais.

    Renato Dargham
    rdargham@bancobva.com.br

  126. Carlos Alberto 7 de dezembro de 2011 at 14:15 #

    Renato,

    Não sabia que o BVA trabalhava com Cred.imobiliário….mto bom! Qual tamanho da carteira de crédito que você possuem???

  127. Renato Dargham 7 de dezembro de 2011 at 14:18 #

    Carlos,

    Nossa carteira está em pouco mais de 4 bilhões.

    Me passe seu email para que possamos conversar melhor.

  128. Guilherme 7 de dezembro de 2011 at 14:57 #

    Roxana, muito interessantes suas informações.

    De fato, os gerentes geralmente (ou sempre) preferem vender fundos de investimentos do que LCIs (que nem taxa de administração possuem).

    Um amigo foi na agência do HSBC perguntar sobre LCI, e o gerente disse que era possível a partir de R$ 200k. Mas logo o gerente desviou a atenção para os fundos, falando que eles seriam mais atrativos porque estavam tendo “ótima rentabilidade passada”….

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  129. Renato Dargham 7 de dezembro de 2011 at 14:59 #

    Guilherme, isso acontece, pois em alguns bancos as LCIs são disponibilizadas apenas para os mais altos segmentos. Conheço pessoas que gostariam de aplicar 500k em bancos comerciais e não conseguiram, pois não se enquadravam no segmento necessário!

  130. Ronaldo Campos 7 de dezembro de 2011 at 15:24 #

    Caro Renato

    O banco BVA tem 4 bilhões de carteira de Crédito imobiliário? Quase estão alcançando o Banco Santander?

  131. Mirian Leandro 7 de dezembro de 2011 at 15:30 #

    Guilherme,

    Alguns bancos não oferecem pois não tem taxa de adm, ou tarifa alguma……..

    No Ourinvest, como já falei anteriormente,o minimo é R$ 30.000, o prazo minimo é 3 meses e maximo é 3 anos, e as taxas variam de 88% à 95% liquido do CDI, tudo depende de valor e prazo…..

    O mais interessante é que os investidores procurem informações sobre carteira, rating…etc

    A disposição

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvestprivate.com.br

  132. Guilherme 7 de dezembro de 2011 at 15:31 #

    Renato, tem razão. A agência em que ele foi era do segmento Premier. Teve outro caso de um cliente Personnalité que queria saber mais sobre LCIs (que, afinal, constavam da página do banco), e o gerente, “mui amigo”, disse que era possível com aportes a partir de R$ 1 milhão!!!! Fala sério!!!

    É claro que ele nem tem investimentos em grandes bancos de varejo (salvo o fundo de emergência). Prefere selecionar títulos públicos e instituições privadas de pequeno/médio porte, com uma adequada diversificação (proteção do FGC) para a renda fixa, para ter ganhos superiores.

    Viva a concorrência!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  133. Renato Dargham 7 de dezembro de 2011 at 15:32 #

    Ronaldo, 4 bilhoes de carteira de crédito total, não apenas imobiliário.

  134. Guilherme 7 de dezembro de 2011 at 15:35 #

    Miriam, exato. Talvez os grandes bancos (BB, Itaú, HSBC), apenas tenham feito menção à LCI em seus portais apenas, digamos assim, “para dizer que tem”. O investidor mais atento, porém, saberá que, com um pouco de investigação e pesquisa, é possível encontrar soluções mais rentáveis “fora” da agência.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  135. Renato Dargham 7 de dezembro de 2011 at 15:37 #

    Muitas pessoas deixam de “ganhar dinheiro” pelo comodismo de sua conta em sua agencia e por isso perdem possibilidades mais rentáveis!

  136. Ronaldo Campos 7 de dezembro de 2011 at 15:38 #

    Renato,

    Logo imaginei, o que você utiliza para emitir LCI é apenas o Cred. Imob, qual o tamanho da carteira de Credito Imobiliário do Banco BVA?

  137. Ronaldo Campos 7 de dezembro de 2011 at 15:39 #

    No site do Banco não achei essa informação!

  138. Guilherme 7 de dezembro de 2011 at 15:39 #

    Renato, exato! E o comodismo é, infelizmente, o que predomina em 99% da população economicamente ativa que teria possibilidade de ganhos maiores se tivesse um pouquinho mais de vontade em se educar financeiramente…

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  139. Mirian Leandro 7 de dezembro de 2011 at 15:44 #

    Guilherme,

    Oportunidades como esta, de debatermos sobre produtos, e os clientes tirarem duvidas são muito importantes…..assim os clientes começam a aprender mais e saber identificar produtos que tenham seu perfil.

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvestprivate.com.br

  140. Guilherme 7 de dezembro de 2011 at 15:47 #

    Miriam, concordo plenamente. E você disse uma coisa extremamente importante: “saber identificar produtos que tenham o seu perfil”.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  141. Renato Dargham 7 de dezembro de 2011 at 15:52 #

    Ronaldo,

    posso te passar por e-mail as informações do Banco.

    A carteira de crédito imobiliário está em torno de 1 bilhão!

  142. Ronaldo campos 7 de dezembro de 2011 at 16:03 #

    Renato,

    Me passe no rp.campos2011@bol.com.br.

  143. Diogo Costa 8 de dezembro de 2011 at 19:31 #

    Mais uma matéria sobre o assunto sendo abordada no site da Exame, acredito que quanto mais informações a gente puder compartilhar uns com os outros melhor vai ser para tomar a melhor decisão de investimento, por isso vou disponibilizar o link: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/renda-fixa/noticias/conheca-os-cdbs-isentos-de-ir
    Interessante que há umas comparações com outros títulos como a LCA que é menos conhecida do público, até pelo capital inicial necessário ser maior, e nem todos os bancos disponibilizarem esse título agrícola. Abraços.

  144. Diogo Costa 9 de dezembro de 2011 at 13:27 #

    Na entrevista interessante que saiu hoje no Jornal Estado de SP com o presidente do Goldman Sachs, vou colocar aqui um trecho que eu achei muito pertinente quando o Estado de SP faz um questionamento sobre os culpados pela crise econômica dos EUA, não querendo comparar com o caso brasileiro, mas vale a pena refletir um pouco.
    ESTADO DE SP: “Os baqueiros são os vilões dessa história até o momento. Mas, na época em que a bolha se formou, houve também a participação de outros agentes, como os tomadores de crédito. Gostaria que o Sr. falasse sobre isso.”
    Gary Cohn: “Vou dar a você a minha versão muito simplista, realmente simplista, sobre o que aconteceu. Muitos consumidores americanos, muitos mesmo, foram ao mercado e compraram coisas pelas quais eles não podiam pagar. Por exemplo: casas ou carros. Em segundo lugar, os bancos estavam muito felizes em poder emprestar para essas pessoas. Terceiro ponto: agências de classificação de risco pegaram aqueles créditos empacotados, transformados em ativos de investimento, e deram boas notas a eles. Por fim, outros bancos subscreveram esses papéis e os venderam”.
    Alguma semelhança com o modelo adotado com os CRIs e as LCIs?! Não estou comparando diretamente a situação e as particularidades do mercado imobiliário americano com o brasileiro, até porque no Brasil o crédito imobiliário ainda é muito pouco explorado e temos ainda muito para avançar, inclusive em desenvolver mais o mercado secundário de cris e lcis, porém, é sempre bom ficar atento, pois essas agências de rating podem sim se equivocar e aí vai ser tarde demais! Precisamos sempre ser muito criteriosos na hora de aceitar qualquer investimento apenas olhando o alto retorno, pois acredito que esses ativos americanos lastreado em imóveis, também rendiam muito na época! Abraços. O link da entrevista é esse: https://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2011/12/9/nao-me-sinto-o-vilao-da-historia

  145. Renato Dargham 9 de dezembro de 2011 at 13:45 #

    Diogo, concordo com o que voce escreveu, acho que alem das agencias avaliarem os riscos, nós devemos fazer essa avaliação, devemos saber quais as nossas garantias e o risco que estamos correndo, para sabermos se estamos dispostos a correr. Pois o que muitos não sabem é que até titulos publicos teem risco (olhem para a Grecia).

  146. Guilherme 11 de dezembro de 2011 at 18:22 #

    Diogo, ótimos links!

    Eu penso que, para cada tipo de investidor, existem determinados riscos que não valem a pena serem assumidos. Cabe a cada um avaliar o que é melhor para si, sem assumir riscos pelos quais ele não possa arcar posteriormente.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  147. Mirian Leandro 12 de dezembro de 2011 at 9:20 #

    Excelentes links, Diogo….

    Apesar da estrutura do crédito do Brasil ser bem diferente do EUA, temos que lembrar que os investidores devem procurar cada dia mais informações sobre as instituições em que investem……Analisar e conhecer a idôniedade de cada instituição é essencial, pois é o lugar onde o cliente irá colocar seu dinheiro….pro resto da vida…..
    Porém…é que a maioria das pessoas não fazem isso, e acreditam apenas no que ouvem…..Depois não adianta reclamar…

  148. Teep 14 de dezembro de 2011 at 22:07 #

    Fernando.,

    Concordo Plenamente que a rentabilidade da LCI é bastante superior em
    relação ao Tesouro Direto ou CDB-DI. Especialmente para quem tiver
    possibilidade de não mexer na Aplicação até o vencimento (abrir mão
    de liquidez). Entretanto, tem de se tomar muito cuidado em selecionar
    o Banco emissor. Vale lembrar que nos EUA, durante a crise imobiliária
    de 2.008, até mesmo as Agências de Fomento Imobiliárias do Governo
    Norte Americano (Freddie Mac / Fannie Mae) tiveram graves problemas e
    tiveram de ser socorridas pelo Governo dos EUA. Pode não ser o caso no
    Brasil, mas mesmo em Renda Fixa, é interessante diversificar e não
    colocar todos “ovos” na mesma cesta.

    Sds

  149. jose mario 15 de dezembro de 2011 at 9:25 #

    … ou então aplicar em bancos federais: CEF para a LCI e BB para renda fixa.

    É um pouco mais garantido.

  150. Leon 16 de dezembro de 2011 at 5:49 #

    E mais uma coisa: apesar dos alardeados lastros das LCIs, não conheço NENHUM emissor que, no contrato da LCI, não obrigue o investidor a aceitar uma cláusula em que o banco, a seu critério e sem nenhum aviso, possa substituir o lastro a seu bel-prazer.

  151. Teep 16 de dezembro de 2011 at 16:47 #

    Leon, até mesmo as LCIs da caixa podem ter substituição de Lastro? Substituição de Lastro significa que o Devedor inadimpliu com os pagamentos e que portanto o contrato que serve de lastro, tem de ser substituido por outro contrato adimplente? Sds

  152. Leon 17 de dezembro de 2011 at 16:50 #

    Teep, a “estorinha” do lastro é a seguinte: quando você pergunta para o banco qual é o lastro de LCI que você está adquirindo, responde-lhe – por exemplo – que é um título de dívida de uma grande empresa (como uma Coca-Cola). Ok, bacana, você compra a LCI.

    Dias ou semanas depois, você recebe um contrato para assinar (contrato que deveria ter recebido ANTES da compra…) em que há uma cláusula que permite ao banco a substituição do lastro sem prévio aviso. Aí, quem garante que o banco não troque o lastro da Coca-Cola por um da Pobre-Cola? Então, fique com dois pés atrás quando alguém oferecer uma LCI dizendo “pagamos menos que outros bancos, mas nossos lastros são os mais seguros do mercado”, pois a realidade pode não ser exatamente essa.

    Quanto à Caixa, pedi essa (e outras) informações no dia 21, mas até agora não tive resposta. Detalhe: 21 de FEVEREIRO…

  153. Guilherme 17 de dezembro de 2011 at 18:23 #

    Leon, importante seu alerta, que bem demonstra os riscos desse tipo de investimento.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  154. Manoel 13 de janeiro de 2012 at 8:11 #

    O Santander me ofereceu a LCI, mas como pouco sei sobre este investimento, estou procurando saber mais.

  155. Renato Dargham 13 de janeiro de 2012 at 8:36 #

    Manoel,

    é um ótimo investimento, o melhor de renda fixa que eu conheço para pessoas físicas, caso não tenha necessidade do recurso no curto prazo, é uma excelente opção!

    Renato Dargham
    rdargham@bancobva.com.br

  156. Lucas 13 de janeiro de 2012 at 14:10 #

    Gostaria de saber como fica o rendimento da LCI em relação à poupança, visto que há previsão de o COPOM de fazer mais dois cortes na taxa de juros no ano de 2012.

  157. Diogo Costa 13 de janeiro de 2012 at 16:39 #

    Manoel, você poderia se possível informar o prazo e o percentual do CDI dessa LCI!
    Estou com uma LCI que vence agora no dia 21 de janeiro, e estou querendo fazer algumas comparações. Abraços.

  158. Renato Dargham 16 de janeiro de 2012 at 8:40 #

    Lucas,

    A poupança tem girado de 0,5 a 0,6 por mes, o CDI de Dazembro bateu 0,9 caso o CDI caia mais 1% (9,86%) o mensal seria em torno de (0,78%) o que mesmo assim seria acima da poupança.

    Renato Dargham
    Rdargham@bancobva.com.br

  159. Luiz Arruda 17 de janeiro de 2012 at 15:52 #

    Pessoal, vejam se eu entendi essa “coisa” de LASTRO.
    Quando invisto em LCI, a instituição emissora utiliza meu dinheiro na concessão de financiamentos imobiliários. Ela, a cia. de hipoteca, passa a ter um crédito perante o tomador do financiamento.
    Passam os meses e anos, os devedores vão pagando normalmente as prestações e, por outro lado, a emissora da LCI vai me pagando os rendimentos correspondentes. Mas e se acontecer um corte abrupto no recebimento das parcelas, assim como ocorreu nos EUA em 2008 (bolha imobiliária)? O fluxo de rendimentos da LCI é suspenso e o emissor “toma” os imóveis financiados e os vende para recuparar o dinheiro emprestado?

    Um abraço a todos!

  160. Adilson 17 de janeiro de 2012 at 21:01 #

    A Caixa garante 100% do valor investido e não R$ 70 mil, como nos outros bancos, inclusive o Santander.

    60 dias de carência contra 180 do Santander…

    Apliquei na CEF em outubro de 2011 e estou contente com o resultado.

  161. ANTONIO 17 de janeiro de 2012 at 21:33 #

    AGUARDO COMENTÁRIOS
    COM A CAPTAÇÃO DAS LCIS NO MERCADO DE VAREJO A CAIXA LIBERA RECURSOS PARA CASA PRÓPRIA CONSTRUÇÃO OU COMPRA. OS JUROS EMBUTIDOS NOS FINANCIAMENTOS DE IMÓVEIS
    CONSEGUEM COBRIR A REMUNERAÇÃO PARA NAS LCIS. LEMBRAMOS QUE EXISTEM INUMEROS ENCARGOS BUROCRÁTICOS (ATÉ DESNECESSÁRIOS QUE PESAM SOBRE O FINANCIAMENTO). OUTRO DETALHE, É QUE DIFICILMENTE ALGUÉM ARCARIA COM FINANCIAMENTOS IMOBILIÁRIOS QUE FOSSEM PRÓXIMOS DO CDI NO LONGO PRAZO….E ENTÃO….QUEM PAGA ESSA DIFERENÇA??

  162. Renato Dargham 18 de janeiro de 2012 at 8:36 #

    Luiz Arruda,

    Primeiramente, os bancos só podem emitir lastros de LCI caso hajam operações de crédito imobiliário, porem o recurso captado através das letras ficam em caixa disponiveis para o que precisar. As emissoras independente do pagamento ou possiveis atrasos, fazem o pagamento dos juros aos investidores no vencimento contratado no inicio da operação.

    Adilson,

    todos os bancos garantem 100% do recurso aplicado. Os R$ 70 mil são em caso de quebra das instituiçoes que inclusive a caixa, esse é o maximo garantido pelo FGC a TODOS os bancos.

  163. augusto 18 de janeiro de 2012 at 10:55 #

    Adilson,

    O Renato Dargham esta correto. Se por um acaso a CAIXA falir ou não puder honrar o pagamento do valor principal ou dos juros (ou ambos) da LCI que você adquiriu, o FGC garante o pagamento de até 70 mil do valor total da LCI adquirida por voce (inclusive os juros).

    A possibilidade da CAIXA falir é bem difícil, se comparado com outros bancos, inclusive o SANTANDER. Mas se por um acaso isso acontecer, você somente vai ter o direito de receber o valor de ate 70 mil, nada mais.

    Att

  164. Igor 18 de janeiro de 2012 at 11:32 #

    Todo o risco da operação é risco-banco, portanto não seu preocupem com avaliar o que está latreado por trás da operação, mas sim a instituição financeira que emita a nota de negociação. Percebam, portanto, que bancos de primeira linha (Bradesco, Itau-Unibanco, Caixa, BB) têm a alternativa de proporcionar uma remuneração na LCI menor que outros bancos de segunda linha, já que seus ratings (riscos) são consideravelmente menores. O banco fica com o ônus da avaliação do risco da empresa e se assegura das garantias, em contrapartida faz a intermediação financeira entre poupador e tomador, aferindo ganho via spread. Espero ter ajudado.

  165. Mirian Leandro 19 de janeiro de 2012 at 10:03 #

    Adilson, Bom dia…

    A Caixa, como todos os outros bancos não garantem….quem garante R$ 70.000 é o Fundo Garantidor de Crédito, por emissor e por CPF…..

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvestprivate.com.br

  166. Mirian Leandro 19 de janeiro de 2012 at 10:13 #

    Igor,

    Realmente pesquisar o que esta por trás do lastro para LCI não faz sentido, o que se deve pesquisar, é o tamanho da carteira do emissor, a segurabilidade dele no mercado, rating…..entre outros
    Se o investidor fosse investir em CRI ( certificado de Recebiveis imobiliários), seria importante….tanto que os CRI´s trazem isso no próprio folder….

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvestprivate.com.br

  167. Igor 19 de janeiro de 2012 at 10:25 #

    Pessoal,
    Quem garante a aplicação é o emissor(instituição financeira) e não o FGC. O FGC garante o teto de R$ 70.000,00 por CPF em caso de quebra da instituição financeira (emissor do crédito imobiliário). Didaticamente falando, o FGC seria uma garantia adicional. Volto a dizer: toda instituição financeira tem que garantir 100% da aplicação ao investidor.

  168. Elias 20 de janeiro de 2012 at 8:17 #

    Pessoal gostaria de saber como poderia fazer para investir 800 mil reais sera que LCI é um bom investimento, gostaria de sacar uma vez ao ano o juros, sera que vale a pena ou tem outra opção melhor que LCI, desde ja agradeço a atenção.

  169. Luiz Arruda 20 de janeiro de 2012 at 9:26 #

    Pessoal,
    continuando a discussão sobre o RISCO relativo a esse investimento, e considerando sua concentração no banco emissor da LVI, deem suas opiniões acerca do caso abaixo:

    A recente aquisição da Brazilian Mortgages pelo PanAmericano e PGT Pactual (e, Caixa indiretamente), implica maior risco para quem investe em LCI da BM, já que o PanAmericano tem um passado turbulento (e, ainda, um futuro sem qualquer garantia)?

    Vejam essa matéria: http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/76718_AS+APOSTAS+DO+PAN+PARA+VENCER

  170. Mirian Leandro 23 de janeiro de 2012 at 16:02 #

    Prezados….

    Acho que isso demonstra como a Brazilian Finance é solida, pois como o jornal informa: é a noiva mais cobiçada…………….” Representantes dos bancos BTG Pactual,PanAmericano e Caixa Econômica Federal (CEF), além da CaixaPar, empresa de participações da CEF, conferiam registros de financiamentos, fundos de investimento, contratos de aluguel e títulos de dívida da BFRE – a noiva mais cobiçada entre os pretendentes a crescer de forma rápida no pujante mercado de crédito imobiliário da classe média emergente.”

    A negociação ocorreu por R$ 1,215 bilhão,a BFRE foi vendida BTG e CEF… o Pan será beneficiado com essa aquisição no processo de crescimento e renovação de uma ” nova instituição”……, o Pan anterior não existe mais…. quem injetou dinheiro para o crescimento e a renovação do Pan foi a CEF e o BTG, o Banco BTG Pactual desembolsou R$ 450 milhões para adquirir o controle do PanAmericano hoje tem 37,27%, e o BTG Pactual passou a dividir o comando do PanAmericano com a Caixa Econômica Federal (CEF), que adquiriu 36,6% das ações do banco no ano passado….ainda tem outros sócios que não sei ao certo a %.

    Na reportagem o Sr. Esteves diz: A aquisição marca um movimento estratégico do BTG e da Caixa para desenvolver esse mercado no Brasil”, disse Esteves à DINHEIRO na quarta-feira, 11 (leia entrevista ao final da reportagem).

    A matéria é muito boa, realmente vale a pena ler…..tem muitos pontos interessantissimos…..

    A disposição

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvestprivate.com.br

  171. Mirian Leandro 23 de janeiro de 2012 at 16:06 #

    Elias,

    A LCI pode ser uma opção muito boa, é conservadora e não tem I.R., mas eu indicaria à você CRI´s também tem isenção de I.R. e as taxas estão por volta de IGPM + 8% ou também pré de 12,5%….

    Me passe seu email, por favor que lhe envio o material detalhado….

    Abçs

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvestprivate.com.br

  172. Carlos Brito Magno 23 de janeiro de 2012 at 16:13 #

    Luiz Arruda,

    Analiso este mercado a muito tempo, a Brazilian Mortgages é um grande empresa, além de ser reconhecida como uma das melhores, tanto que muitas instiuições financeiras adquirirem os papéis da Brazilian e repassam a seus clientes, vale lembrar que a garantia é do emissor, ou seja, Brazilian Mortgages.

    De uma espiada no site deles….tem muitas informações (www.brazilianmortages.com.br)

  173. Tiago Henrique dos Santos 24 de janeiro de 2012 at 15:33 #

    Um cliente meu, disse que recebeu uma oferta do Banco Santander para efetuar uma aplicação em LCI no valor minimo de R$ 30 mil pelo prazo minimo de 180 dias e que o percentual do CDI será de 106%, isto será veridico ? caso sim, esta muito fora do mercado de renda fixa, por isso deverá haver um outro tipo de incidencia, como taxa de carregamento, taxa de administração, etc…. provavelmente, o que você acha ?

  174. Diogo Costa 24 de janeiro de 2012 at 19:30 #

    Tiago Henrique, acredito que esses 106% do CDI, é o que são necessários para um CDB superar essa LCI rendendo algo em torno de 90%.
    Uma matéria falando do retorno do Santander (LCI), segue o link: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/renda-fixa/noticias/santander-comeca-a-oferecer-cdb-isento-de-ir
    No Itau Personnalité também é 88% para o prazo de 1 ano porém você precisa ter mais de R$1 milhão, e a aplicação mínima é de R$100 mil. Abraços.

  175. Mirian Leandro 25 de janeiro de 2012 at 12:09 #

    Thiago, Infelizmente muitas pessoas passam a taxa bruta, isso não confere! Apesar de não ter I.R. o gerente passa uma taxa equivalente a um CDB, pegue esse 106% e tire 20%…EE. Você terá a taxa correta.

  176. Leonardo 29 de janeiro de 2012 at 7:17 #

    Mirian… porque 20%?

  177. Carlos Brito Magno 30 de janeiro de 2012 at 9:15 #

    Leonardo,

    Normalmente quem passa estas taxas dessa forma…..usa a tributação de 20%….porém segue abaixo:

    Taxa 106% – 20% = 84,80%

    Taxa 106% – 15% = 90%

    Taxa 106% – 22,5% = 83,50%

    O correto é sempre passar a taxa real, afinal a LCI não tem I.R…..concorda?

  178. Renato Dargham 30 de janeiro de 2012 at 9:19 #

    Correto Carlos,

    eles usam essas taxas brutas para chamar atenção!

  179. Renato Dargham 30 de janeiro de 2012 at 9:20 #

    Porém não possui IR!

  180. Mirian Leandro 30 de janeiro de 2012 at 9:28 #

    Bom dia,

    Realmente, isso é usado para atrair a atenção, e como muitos investidores ainda não procuram informações …..

    O que sempre deve ser perguntado é se a taxa que você esta recebendo é liquida, de taxas…despesas…ou qualquer coisa que alguem possa querer adicionar….

  181. Leonardo 30 de janeiro de 2012 at 10:04 #

    Atualmente qual instituição está oferecendo a melhor taxa?

  182. Leonardo 30 de janeiro de 2012 at 12:07 #

    Consegui levantar a taxa no Banco Itaú (personalité)
    6 meses; aplicação mínima de 100k = 85% do CDI líquido!
    Pergunto:
    Considerando uma selic de 10,5 teríamos 0,8925 líquido ao mês;
    Considerando uma selic de 10,5 teríamos 0,8500 líquido ao mês;
    Considerando uma selic de 0,95 teríamos 0,8075 líquido ao mês;
    Tá certo minhas contas???

  183. Diogo Costa 30 de janeiro de 2012 at 16:04 #

    Matéria que saiu no site da Exame falando um pouco mais sobre as LCIs, em especial da LCI do Banco Sofisa. Abraços.

    Link: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/renda-fixa/noticias/cdb-isento-de-ir-finalmente-ficou-acessivel

    • Guilherme 1 de fevereiro de 2012 at 21:36 #

      Obrigado pelo link, Diogo! Editei o post onde falei sobre isso, acrescentando sua valiosíssima contribuição! Seus links estão tornando o blog ainda melhor!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  184. Cirilo 30 de janeiro de 2012 at 16:51 #

    Olha, pelo que estou observando o mercado imobiliário está em uma situação complicada, e tende a piorar bastante ainda.

    Para quem investe em LCI de bancos grandes, nenhum problema, independente do valor e do que acontecer o banco assume todo prejuízo, garantindo 100% do valor.

    Agora por favor, tomem muito cuidado com CRI, que apresentam estrutura semelhante aos CDO’s americanos, pivô da crise imobiliária.São instrumentos que envolvem diversos riscos, o que explica a remuneração que pode chegar a 8% + IGPM.

    Deve-se entender que, os clientes que estão contratando esse crédito não são clientes prime, já que clientes prime poderiam conseguir financiamentos com juros bem menores na CAIXA, por exemplo.Ou seja, se você recebeu cerca de 13% ano passado, 8% + IGPM, a pessoa que tomou esse dinheiro está pagando muito mais que isso de juros, algo completamente perigoso.

  185. Renato Dargham 31 de janeiro de 2012 at 9:59 #

    Cirilo,

    Para a emissão de um Lastro de LCI é necessario que o credito seja feito para uma empresa que utilizará o recurso em uma construção e além disso a empresa tomadora dará garantias reais (imoveis, terrenos…) para que o emprestimo seja realizado.

  186. Mirian Leandro 31 de janeiro de 2012 at 15:47 #

    Cirilo,

    As expectativas são de crescimento, porém um pouco mais lento que nos anos anteriores, ainda mais que o deficit habitacional ainda é grande….os preços devem se manter….

    Além de todas as matérias falando sobre este assunto, achei esta interessante: http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=29429, o titulo é:CAIXA ACELERA CRÉDITO IMOBILIÁRIO E LIBERA R$ 4,38 BÍLHÕES EM JANEIRO.

    Para quem investe em LCI, deve se atentar ao emissor que é quem garante o lastro…..

    Sobre a CRI, a Crise nos EUA aconteceu pois os imoveis chegaram a ser financiados até 120% de seu valor, o PIB era de 90% em Credito imobiliário, as pessoas refinanciavam seu imoveis para viajarem, trocarem de carro…..além do que nos EUA a garantia da operação é Hipoteca; As regras de crédito imobiliário no Brasil são bem diferentes….Atualmente, o crédito imobiliário representa 4,7% do PIB nacional, deve chegar em 10% talvez em 4….além aqui o que se financia é, no maximo 80% do valor do imovel, e a garantia e de alienação fiduciária.

    Quanto ao financiamento você esta certo quanto as taxas, não quanto aos bancos, porém as operações advem das incorporadoras, que são diversas….e bancos variados…o fluxo é o seguinte:
    1 – Os Incorporadores possuem Créditos Imobiliários decorrentes de contratos de vendas de imóveis, representados por Cédulas de Crédito Imobiliário (CCIs) com garantia real Imobiliária.

    2 – Os Incorporadores cedem as CCIs para a Securitizadora (Brazilian Securities) na qualidade de Cessionária e, neste momento, avisam os adquirentes dos imóveis da referida cessão.

    3 – A Brazilian Securities, na qualidade de Emissora, realiza a emissão dos CRIs em duas séries: uma Sênior e uma Subordinada. Ambas são lastreadas nas CCIs representativas dos créditos imobiliários.

    Quando o investidor vai investir em um CRI, deve atentar-se se os imóveis são performados, qual o ltv médio da carteira, se é uma série Sênior, quantos % de amortização, rating…..etc….

    Um exemplo: Um imovel de R$ 500.000, sendo o financiamente de 80% , R$ 400.000, se ele já é performado,o devedor esta morando….se o LTV for de 50%…..ele já pagou metade de sua divida….dificilmente vai “inadimplir” e se acontecer ainda tem as séries Junior´s para abater , e quando o investidor vai comprar um CRI, ele tem todas informações no prospecto….

    Espero ter ajudado….

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvestprivate.com.br

  187. JULIANO 31 de janeiro de 2012 at 19:54 #

    Boa noite Mirian.

    Parabéns pelos seus comentários.

    Gostaria da sua opinião especialmente sobre a seguinte idéia…
    (Por favor, quem mais se animar com o tema, fique a vontade para comentar)

    No seu seu texto vc coloca que “nos EUA aconteceu pois os imoveis chegaram a ser financiados até 120% de seu valor… (…) aqui (no Brasil) o que se financia é, no máximo 80% do valor do imóvel”

    Já não é de hoje que eu tenho algum problema com este argumento…, vejamos o seguinte exemplo.

    FATO Antes do “boom imobiliário” brasileiro pagava-se por metro quadrado nos Jardins em São Paulo (em apartamento usado), aproximadamente, o valor de R$1.600,00 por metro quadrado (2003)(obs1 época que praticamente não existia financiamento imobiliário fácil como é hoje)(obs2 eu tenho esse valor bem claro na minha cabeça, pois foi a época que eu comprei o meu apartamento depois de olhar mais de 30 apartamentos na região). Uma vez corrigindo esse valor pelo IGPM, R$1.600,00 valeriam hoje (JAN 2012), cerca de R$2.500,00. Ou seja, caso não fosse o “boom”, o preço do metro quadrado de apartamento usado hoje, na região citada, seria de R$2.500,00. Contudo, em virtude do “boom” provocado pela excessiva oferta de crédito imobiliário barato, não se encontra apartamento usado na região com preço de metro quadrado inferior a R$4.000,00 (chutando baixo).

    Dito isto, façamos a seguinte conta

    80% (percentual de financiamento máximo no Brasil) de R$ 4.000,00 são R$3.200,00.

    R$3.200,00 dividido por R$ 2.500,00 (que deveria ser o preço do metro quadrado não fossem os financiamentos imobilíários) dá 128% de financiamento do preço real do imóvel.

    Em resumo… O crédito imobiliário farto provocou um aumento do preço do metro quadrado superior a inflação do período, de modo que, hoje, quando uma instituição financeira financia “apenas” 80% do valor do imóvel, ela está, de fato, financiando 128% do valor real do imóvel.

    Claro que, para conversarmos sobre este tema teriamos que entrar em conversas mais amplas de macro-econômia, sobre a dificuldade de se estabelecer o valor real do imóvel (se é que existe), sobre o valor relativo do imóvel em razão da taxa real de juros e em razão do nível de renda; etc.

    Mas, como pessimista que sou, cabe fazer uma pergunta…

    Caso toda a alegria atual vá para o buraco (como acontece nos EUA e Europa hoje, onde os imóveis desvalorizaram pelo menos de 20% do valor máximo que atingiram antes da crise), fazendo com que os preços do imóveis voltem ao seu valor por metro quadrado anterior ao “boom”, quando uma instituição financeira financia no Brasil o percentual de 80% do preço de um imóvel que talvez não mantenha seu valor de mercado no prazo de 15 ou 20 anos do financiamento concedido não é praticamente o mesmo que financiar 128% do valor do imóvel?

    Obrigado.

  188. Luiz Arruda 1 de fevereiro de 2012 at 8:25 #

    Mirian,

    então o risco em LCI está relacionado à “saúde financeira” do emissor, enquanto que nos CRI, às características dos imóveis (lastro).

  189. Mirian Leandro 1 de fevereiro de 2012 at 11:25 #

    Bom dia, Juliano….

    Esse assunto rende muitas discussões, não é? É bom assim vamos aprendendo mais…..

    A minha opinião é, antigamente tudo para se comprar era mais dificil, poucas familias de classe média tinha condições de comprar carros, trocar alguns eletro eletronicos com a facilidade que temos hoje. As coisas mudaram, as politicas públicas de habitação e financiamento, as leis do inquilinato e o poder de compra do brasileiro também mudou. Antes de 2005, era preciso desembolsar grande parte do valor do imovel (50%), o financiamento era de prazos curtos e os juros eram mais altos…..correto?

    A classe média atual compra imovel levando em consideração se a parcela vai caber no bolso….e como a população deve continuar crescendo, acredito que o crescimento continue…lógico que mais lento, e também que alguns preços deve se “ajustar”….

    Quando um brasileiro compra imovel, ele compra para moradia, o sonho da casa própria e não para esperar a valorização e vender, fazer especulação, como muito se fez nos EUA, que tem um mercado muito especulativo, as pessoas compram para ganhar dinheiro …..aqui ele só vai deixar de pagar o imovel se não tiver renda….se houver um colapso de desemprego…

    Os moldes de financiamento no brasil são mais seguros, o comprometimento da renda do brasileiro é muito limitado e não existe alavancagem, quem comprou um imovel de R$ 1.000.000, à 2 anos e hoje este imovel esta valendo R$ 3.000.000, não vai conseguir em banco algum financiar mais R$ 2.000.000, e nos EUA isso aconteceu….

    Se na visão que você esta colocando, os imoveis voltarem ao preço que estavam à 9 anos, daqui 10 ou 15 anos, pode ser que aconteça desta forma…. mas os financiamentos já estarão com uma boa % paga,na minha opinião não tem a menor possibilidade dos imoveis despencarem, pode ser que o preço diminua um pouco mais nada que cause reação negativa….

    O que acha?

  190. Mirian Leandro 1 de fevereiro de 2012 at 11:28 #

    Luiz,

    É isso mesmo…..a LCI a garantia é o emissor, então quando o investidor vai comprar deve analisar isto…e a CRI, a garantia são os imoveis que ficam em alienação fiduciária….

  191. Roberto Assunção 1 de fevereiro de 2012 at 11:34 #

    Os imoveis ficaram muito tempo sem valorização concordo que subiram muito, mas cairem vertiginosamente? o mercado inteiro tem que estar em surto.
    A especulação é um dos principais riscos para que uma bolha se forme, no mercado brasileiro o crédito imobiliário tem um risco insignificante, acho que não chaga à 4% do PIB.
    Eu morei no Exterior, para financiar uma casa não precisava nem comprovar renda…você acha que isso merece ser comparado com a nossa economia???

  192. Cirilo 1 de fevereiro de 2012 at 12:08 #

    Olha, respeito muito a opinião da Mirian sobre a questão imobiliária brasileira, mas reafirmo, que essas taxas de juros acima de 13% ao ano, considerando o IGPM próximo de 5~6% não é nada saudável.

    O Juliano abordou muito bem o que está acontecendo, o que houve foi uma bolha nos preços, o que indiretamente distorce os valores percentuais do financiamento.

    Você pode até receber um pouco mais em termos de rendimentos, mas sem dúvidas nenhuma você está carregando um risco bem grande, já que se esses clientes fossem clientes primes não precisariam de recorrer a financiamentos com essas taxas, sendo assim para simplesmente não poderem pagar mais, em um cenário de crise como o atual, não demora.

  193. Claudio Alves 1 de fevereiro de 2012 at 13:49 #

    Cirilo,

    Sou investidor destes papéis, o ultimo que comprei, foi com taxa de 12,5% a.a, sendo com LTV médio de 45% e todos os imóveis performados, os papéis tem rating, e sendo superintendente de um banco de 1º linha, posso dizer que os bancos compram este papel e repassam a 11% para os clientes “prime”.
    Tem CRI´s no mercado que tem outras caracteristicas, tipo LTV de 90% ou são imóveis em contrução, etc, deve-se analisar o risco.

  194. JULIANO 1 de fevereiro de 2012 at 14:24 #

    Olá Mirian.

    Obrigado pela sua manifestação.

    Concordo com vc no sentido de que no Brasil não ocorre o “exagero” que ocorreu nos EUA, onde era possível uma pessoa comprar 4 imóveis financiados e com o aluguel que recebia de 3 destes imóveis financiados ele pagava a “prestação” dos 4 e sobrava 1 imóvel para ele morar e viver “na flauta”.

    Concordo também que o maior risco que se corre no Brasil com relação aos preços dos imóveis é a possibilidade de um desemprego em massa e, daí, entramos nos aspectos macro-econômicos dos quais não poderiamos deixar de falar (“nível de renda”). E acrescentaria também o risco de não existirem mais financiamentos (por conta de alguma crise mais grave),situação em que os preços dos imóveis também não se sustentariam.

    Mas acredito que ambos concordamos, corrija-me se eu estiver errado, que a grande segurança dos imóveis (e, consequentemente, dos LCI e CRI vinculados aos seus financiamentos) passa pelas variáveis de manutenção do nível de renda, manutenção do emprego, desejo de manter a “casa própria” e outras variáveis que estão intimamente ligadas a manutenção de um país com economia em pleno desenvolvimento.

    Eu passei a ter alguma cultura econômica apenas na década de 90, mas eu tenho a lembrança de pegar àquela época (década de 90) muito do final do “boom” do “milagre econômico” que existiu na década de 70. E o final daquilo foi muita gente sem poder aquisitivo sendo executado na sua hipoteca (à época ainda não existia a figura da “alienação fiduciária”) pelo Sistema Financeiro da Habitação, pois o processo inflacionário corroeu o poder aquisitivo daquele salário que era bom o suficiente para pegar um financiamento 1 ou 2 décadas antes.

    Mas não precisamos voltar tão longe.

    O que eu quero dizer com isto é que é muito difícil saber, de fato, o que aguarda a gente no futuro. E, pensando como investidor, eu sempre vou me perguntar antes de investir em LCI e RCI se eu, de fato, quero financiar um imóvel sobrevalorizado para alguém que eu não conheço que irá me pagar em 10, 15 ou 20 anos?

    Mas não leve a mal este entendimento, eu também tenho uma posição contrária a comprar CDBs por exemplo, pois eu sequer sei qual a atividade que se valerá do meu dinheiro para funcionar.

    Sendo muito honesto, eu entendo que os financiamentos imobiliário estão distorcendo os preços que os imóveis deveriam ter. Isso se torna tão mais evidente numa cidade como são paulo quando se observa a diferença de preço gritante entre os imóveis para os quais é possível obter financiamento e imóveis para os quais não é possível obter financiamento. Nota-se, nitidamente, que aqueles imóveis para os quais não é possível obter financiamento mantiveram uma conexão com a renda das pessoas do mundo real e para aqueles imóveis para os quais se pode obter financiamento houve um nivelamento por alto dos preços e uma desconexão com a renda das pessoas.

    Vou dar alguns exemplos reais daqui da cidade de são paulo.

    1A) (pode ser financiado integralmente) Pede-se em um apartamento novo de 220 metros quadrados no bairro do morumbi (próximo ao panamby, mas longe do jardins) o valor de R$1.800.000,00.
    1B)(não pode ser financiada integralmente) Pede-se por uma casa usada, mas sem necessidade de reforma, também no morumbi (próxima ao Hospital Albert Einstein e do jardins) com 600 metros quadrados de terreno e 450 metros quadrados construídos o valor de R$1.000.000,00.

    2A) (pode ser financiado integralmente) Pede-se em um apartamento novo a uma quadra da avenida paulista de 40 metros quadrados e 1 vaga o valor de R$400.000,00.
    2B) (não pode ser financiado integralmente). Pede-se em um apartamento usado de 200 metros quadrados e 3 vagas, também a uma quadra da avenida paulista o valor de R$950.000,00.

    Claro, que exemplos são exemplos e poder-se-ia trazer alguma situação que não se encaixe no meu argumento, mas a principal lição que eu estou tirando das minhas observações dos preços dos imóveis em São Paulo é que qualquer apartamento que se enquadre dentro dos limites de financiamento (atualmente R$500.000,00, já foi R$300.000,00) tende a ter seu preço nivelado para cima, sem muito critério. E as pessoas aceitam pagar esses preços nivelados por cima, não porque o imóvel vale o preço pedido, mas apenas porque existe uma instituição financeira que aceita financiar até R$500.000,00 sem fazer muitas perguntas. Para aquele que esta comprando (como você já disse em seu texto, normalmente está se comprando a primeira casa própria) comprar nestes termos é trocar o aluguel pelo financiamento, acaba sendo uma vantagem. Mas há um problema nesta história, que é justamente saber se quem está comprando terá, de fato, renda para pagar por vários anos um imóvel comprado acima do preço que deveria estar.

    E neste aspecto, não há preocupação dos financiadores. O financiador pergunta apenas quanto o financiado ganha e se 30% da renda for suficiente para pagar a primeira parcela, tá tudo bem. Aprova o negócio e depois repassa o direito de receber essas prestações para algum investidor que queira assumir o risco do negócio. Claro, depois que todos os intermediários (bancos, financeiras, corretores, etc) já ganharam sua devida taxa ou comissão.

    Não tenho nada contra este sistema, acho que todos merecem trabalhar e ser remunerado pelo seu trabalho, mas no caso dos financiamentos imobiliários entendo que esta atividade está distorcendo o preço dos imóveis de tal maneira que em algum momento terá que haver uma correção. Se, quando ocorrer esta correção, as instituições financiadoras tiverem conseguido passar para frente todos os direitos creditórios relativos a estes financiamentos de imóveis no topo da “bolha”, só quem vai amargar o prejuízo são os investidores que compraram estes títulos. Se, quando ocorrer esta correção, as instituições financiadoras não tiverem conseguido passar para frente estes títulos, teremos também uma crise bancária. A se verificar….

    Pessoalmente, me causa algum incomodo o fato de que esta natureza de título LCI e CRI só estarem sendo disponibilizados para o grande público (investidor não qualificado) apenas agora quando os riscos de se possuir este tipo de título é maior do que no passado, pois entendo que já estamos no topo dos preços de imóveis (salvo um milagre quer permita um aumento da produtividade e da renda do brasileiro que permita que os preços aumentem ainda mais).

    Mas, enfim, falei mais do que devia. Respondendo mais objetivamente a sua pergunta (Se eu concordo com o que você escreveu). Concordo sim com o que você escreveu, mas entendo que existe um sentimento de otimismo norteando a sua perspectiva de futuro. Ficarei muito contente se você estiver certa e eu errado, pois eu já vivi em um Brasil muito mais miserável do que é hoje e eu não gostaria de voltar a viver nele mas, como pessimista que sou, não sei se gostaria de ser o “feliz proprietário” do direito de receber parcelas de prestações lastreadas em imóveis sobrevalorizados.

    De qualquer forma, obrigado pela resposta e pelo debate e fique a vontade para discordar do meu entendimento.

  195. Diogo Costa 1 de fevereiro de 2012 at 14:56 #

    Penso da mesma forma Juliano! Apesar de ter alguns investimentos imobiliários, não me sinto muito seguro com eles, e todo dia procuro alguma notícia nova sobre o mercado imobiliário. É só observar as revisões das principais construtoras do País, muitas cresceram de forma desorganizada e agora estão revendo suas metas e buscando melhorar o seu fluxo de caixa. Aqui em Recife, também existe uma euforia nos preços dos imóveis, algo bastante exagerado na minha opinião. Abraços.

  196. Carlos 1 de fevereiro de 2012 at 18:49 #

    Mirian,

    CRI só existe apartir de 300 mil?

    Obrigado

  197. Luis Otávio 1 de fevereiro de 2012 at 22:43 #

    Sofisa lançou LCI a partir de R$ 1,00 com vencimento para 3, 6 e 12 meses. Simples e fácil! Abraços.

  198. Diogo Costa 8 de fevereiro de 2012 at 10:53 #

    Hoje saiu uma matéria na Valor Econômico, falando que a Caixa pretende voltar ao mercado com um lançamento de CRIs de R$300 milhões voltada ao público de varejo do Banco. Ou seja, mais uma oportunidade para o pequeno investidor diversificar seus investimentos, é importante observar a relação risco x retorno dessa emissão, eu não entrei na primeira pois achei muito baixo o retorno, além do mais pra CRI tem que ser atrelada a algum índice de inflação pra valer a pena! Na primeira emissão de CRIs a rentabilidade foi de 10% + taxa referencial. Abraços.
    Segue o link: https://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/2/8/caixa-voltara-ao-mercado-com-emissao-de-r-300-milhoes

  199. Mirian Leandro 9 de fevereiro de 2012 at 9:30 #

    Carlos,

    Já existeno mercado CRI´s a partir de R$ 10.000, com remuneração por volta de 11% a.a pré , e a liquido ….

  200. Mirian Leandro 9 de fevereiro de 2012 at 9:30 #

    Carlos,

    Já existe no mercado CRI´s a partir de R$ 10.000, com remuneração por volta de 11% a.a pré , e a liquido ….

  201. Diogo Costa 9 de fevereiro de 2012 at 10:55 #

    Artigo interessante falando sobre o mercado imobiliário brasileiro, apesar de ser analisado por um profissional da área(pode haver otimismo na sua opinião e só mostrar as vantagens), eu penso que vale a pena a leitura, quanto mais informações sobre a situação e as condições desse mercado melhor.
    Segue o link: https://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/2/9/ha-uma-bolha-imobiliaria
    Abraços.

  202. João 9 de fevereiro de 2012 at 20:58 #

    Investimentos em CRIs não são garantidos pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Passo longe …

  203. Carlos 9 de fevereiro de 2012 at 21:06 #

    Diego,
    bem bacana noticia!!

    A caixa esta DESPERADA para capitar, tanto que o governo vai injetar 4B.

    Para os financiamentos imob. continuar nesse ritmo a caixa terá que buscar outras alternativas alem da poupança.

  204. Carlos 9 de fevereiro de 2012 at 21:10 #

    Mirian,

    Esse CRI é da BM?
    Se sim, qual o prazo? e a LTV?

    Acreditando que passando essas informações por aqui, mas pessoas podem se interessar

    Obrigado.

  205. Gil Rodrigues 9 de fevereiro de 2012 at 23:06 #

    Excelente trabalho de divulgação da LCI, uma boa alternativa de renda fixa.

    Você encontra planilha de cálculo do rendimento da LCI em:
    Planilhas to go

  206. Mirian Leandro 10 de fevereiro de 2012 at 9:36 #

    Bom dia, Carlos,

    A BM ( Brazilian Mortgages) é uma Cia hipotecária, emite LCI.
    http://www.bfre.com.br/brazilianmortgages/pt

    A emissão de CRI é feita pela Brazilian Securities, a duration é de 5 anos e o LTV é por volta de 42%.
    Me passe seu email que lhe passo o material publicitário….

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvest.com.br

  207. David D. 13 de março de 2012 at 23:47 #

    Qual a formula para calcular equivalencia de LCI com CDB DI descontando o IR, conforme foi feito na tabela acima?

  208. helena SILVA 14 de março de 2012 at 11:41 #

    Carlos,

    O Banco Santander também tem LCI no portifólio de seu investimento a partir de R$ 30 Mil.

  209. Mirian Leandro 14 de março de 2012 at 11:51 #

    David D,

    Você quer fazer uma planilha comparando a LCI e o CDB?

    Na LCI a taxa é liquida, no CDB você tem que descontar o IR conforme tabela regressiva:

    Até 180 dias – 22,5%
    De 181 a 360 dias – 20%
    De 361 a 720 dias – 17,5%
    Acima de 720 dias – 15%

    Mirian Leandro

  210. Jota 16 de março de 2012 at 8:07 #

    No sofisadireto.com.br você encontra LCI com 94% da CDI e sem limite mínimo para aplicação. No mesmo site você encontra também algumas alternativas de CDB nos mesmos moldes. Mas como o próprio texto acima indica, ela perde para a LCI devido à retenção do IR.

    Forte abraço a todos!

  211. Diogo Costa 19 de março de 2012 at 16:44 #

    Mais uma matéria interessante sobre LCI no site da Exame, acredito que seja mais uma opção na diversificação de LCIs e com um baixo custo.
    Link: http://exame.abril.com.br/seu-dinheiro/renda-fixa/noticias/a-aplicacao-de-baixo-risco-mais-rentavel
    Abraço.

  212. Guilherme 20 de março de 2012 at 18:43 #

    Grato pelo link, Diogo!

  213. Murilo 7 de abril de 2012 at 15:16 #

    Para complementar o texto supracitado, tomo a liberdade de retificar alguns dados. Sou funcionário da Caixa Econômica Federal e as LCI´s realmente necessitam que se abra uma conta corrente, no entanto a tarifa de 22 reais é apenas uma de tantas outras que possuímos. Automaticamente, ou a critério gerencial, devido ao volume de aplicação, pode-se isentar a manutenção mensal incidente na conta. E o cliente possui sim TED e DOC gratuitos.

  214. Augusto Rodrigues 8 de abril de 2012 at 16:58 #

    Murilo,

    Aproximadamente de quanto volume é necessário ter para ser isento da manutenção mensal da conta ?

    E qual seria a faixa de LCI da Caixa Economica Federal ?

    Att

  215. João Kogut 14 de maio de 2012 at 12:33 #

    Meu padrasto está vendendo algumas letras do governo para alguns japoneses, mas essas letras valem milhões e tipo elas tem corres tbm, por exemplo eu sei q a roxa q é mais cara e gostaria d saber se é a mesma coisa doq essa LCI?

  216. Davi Lenz 18 de maio de 2012 at 18:37 #

    Sofisa acabou de lançar LCI com liquidez após 60 dias e vencimento em 1 ano, oferecendo 90% do CDI. Achei interessante para quem faz questão de liquidez mas não se importa de perdê-la nos 2 primeiros meses. Vejam tabela comparativa:
    http://www.sofisadireto.com.br/rentabilidade/

  217. Guilherme 20 de maio de 2012 at 10:40 #

    Obrigado pela notícia, Davi!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  218. Fabio 12 de junho de 2012 at 1:11 #

    Olá a sofisa está anunciando que realiza LCI a partir de R$ 1,00 acho que é uma banco que está fora de sua relação de 4 bancos. Se souber de algo agradeço peça informação

  219. Dnama. 13 de junho de 2012 at 11:12 #

    O FGC garante até R$ 70.000,00 por CPF, mas é interesante ressaltar que, na atual conjuntura, é preciso Rentabilidade, Liquidez, e, principalmente Segurança. O Risco CAIXA é Soberano, ou seja, para a CAIXA chegar a uma situação de “instabilidade”, imagine a situação da concorrência. Resumindo, garantia de LCI é na CAIXA.

  220. Carlos Lima 13 de junho de 2012 at 16:50 #

    Pessoal,

    É arriscado focar apenas em taxas altas, procurem bons emissores, e leiam sobre ele…

    Veja nesta matéria de dezembro, uma nota da Moody´s, agência de classificação de risco

    http://exame.abril.com.br/mercados/noticias/10-noticias-para-lidar-com-os-mercados-nesta-sexta-feira-56

    Fala sobre a carteira de crédito
    http://www.austin.com.br/Press_Release/467/Austin_afirma_o_Rating_de_longo_prazo_AA-_(duplo_A_menos)_para_o_Banco_Sofisa_SA

  221. Guilherme 6 de julho de 2012 at 7:53 #

    Olá, Fabio, de fato o Sofisa passou a oferecer LCIs, conforme o Davi escreveu no comentário acima.

    Dnama, boas observações.

    Carlos, ótimos links!

  222. Ludmila Ramos 6 de julho de 2012 at 9:12 #

    Guilherme,

    Sabe me informar as garantias desta operação? É a sofisa? Qual volume que vocês possuem emitidos ?

    • Guilherme 7 de julho de 2012 at 14:14 #

      Ludmila, eu realmente não sei lhe informar. Mande um email para eles, a respeito.

      Os meus volumes nesse tipo de aplicação sempre ficam dentro da cobertura do FGC (ou seja, menos de R$ 70k, na verdade, bem menos).

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  223. Gouvêa 11 de julho de 2012 at 13:29 #

    Olá pessoal, alguém já investiu na LCI do Sofisa? Já tinha investido no CDB do Sofisa, espero que o rendimento da LCI seja superior ao CDB.

    Abraços.

  224. Mirian Leandro 11 de julho de 2012 at 15:02 #

    Gouvêa,

    A LCI não tem tributação, essa é uma das diferenças entre ela e o CDB, logo ela vai render mais …..

  225. Ricardo 17 de julho de 2012 at 18:59 #

    Olá Guilherme, meus parabéns pelo artigo. Foi muito esclarecedor.

    Tenho uma ponderação e uma dúvida:

    DÚVIDA: Por que apenas a CEF e o Itaú Personnalité comercializam a LCI? Ou seja, em sua opinião, por que os demais “grandes bancos”, como Santander, BB e Bradesco não têm a LCI como um produto de investimento em seu portfólio? Seria talvez pela necessidade da alta aplicação mínima?

    PONDERAÇÃO: ao problematizar a LCI, você cita bastante os pacotes de tarifas (ou “cestas de produtos”) como inconveniente da necessidade de ser correntista. Quero lembrar que os bancos não podem obrigar os clientes a aderirem a tais pacotes para que se abra a conta corrente, o que configura “venda casada”. Na prática, sabemos que isso é muito comum; contudo, é sempre possível argumentar com o atendente sobre a real necessidade de adesão a este pacote.

    Att.
    Ricardo

    • Guilherme 19 de julho de 2012 at 9:55 #

      Oi Ricardo,

      Na verdade, o Santander até começou a oferecer LCI, mas para o segmento Van Gogh. BB parece que não oferece a LCI, mas a LCA, que tem um perfil semelhante. Já o Bradesco, de fato não oferece (ao menos que eu saiba).

      Quanto aos pacotes de serviço, bem lembrado por você. A solução, nesse caso, seria aderir ao pacote de serviços, investir na LCI, e depois solicitar a mudança do pacote para a conta de serviços essenciais. Dessa forma, o cliente continuaria com a LCI investida, mas sem ter que pagar o pacote de serviços.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  226. Mirian Leandro 18 de julho de 2012 at 11:46 #

    Ricardo,

    Os outros bancos também possuem LCI , mas na maioria só oferecem para o segmento private, e muitos deles adquirem lastro de outros emissores.

    Abçs

    Mirian Leandro
    mirian.leandro@ourinvestprivate.com.br

  227. Diogo Costa 8 de agosto de 2012 at 10:39 #

    Oi Guilherme, hoje saiu uma matéria bem interessante na Valor Econômico, sobre algumas LCIs que não possuem lastro em crédito imobiliário. É bom ficar atento, com essas operações de LCIs de alguns Bancos. Abraços
    Segue o link: https://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/8/8/banco-emite-lci-sem-lastro-em-credito-imobiliario

  228. Renato Domingos 31 de agosto de 2012 at 11:12 #

    Eu gostaria de saber o outro lado da operação, como são lastreados? O banco compra um imóvel rentável (alugado), paga o proprietário e emite uma LCI para o Investidor? O banco vira dono deste imóvel se houver o resgatedo investidor?

  229. Aziz 2 de setembro de 2012 at 23:27 #

    Caro amigo,
    no caso da LCI, o banco é responsável pela minha aplicação independente se o lastro imobiliário der problema?
    Ou seja se eu aplicar um valor superior a 70 mil e o lastro for ruim a Caixa Garante?
    Eu só perderia se a CEF quebrar?
    Penso no que aconteceu nos Estados Unidos.
    abraços
    aziz

    • Guilherme 5 de setembro de 2012 at 20:03 #

      Diogo, obrigado pelo link!

      Aziz, sim, a CEF garante.

  230. Danyelle 17 de setembro de 2012 at 20:48 #

    Adorei seu texto… porém sou funcionária da CAIXA, e gostaria de esclarecer que a tarifa da cesta especial tem direito a 3 DOCs Internet gratuítos, e possuímos também outras opções de cestas, como a de R$12,80, R$15,00 e R$17,00, todas com pelo menos um DOC Internet gratuíto.

  231. Maristela 17 de setembro de 2012 at 22:26 #

    Olá Guilherme.Gostei de seus esclarecimento sobre LCI mas gostaria de saber se o banco cobra taxa de administração ou coisa parecida.

  232. Osias Marques 18 de setembro de 2012 at 8:57 #

    A LCI em nenhum momento é cobrado o IR Pessoa fisica?

  233. Guilherme 23 de setembro de 2012 at 9:44 #

    Danyelle, grato pelos esclarecimentos.

    Maristela, não, o que o banco pode cobrar é a tarifa de manutenção de conta-corrente.

    Osias, em nenhum momento.

  234. Edvaldo Arauj 13 de novembro de 2012 at 23:10 #

    Ótima matéria sobre LCI. Gostaria de saber porque nenhum banco informa o histórico de rentabilidade da LCI?

    • Guilherme 15 de novembro de 2012 at 18:04 #

      Obrigado, Edvaldo! Eles não informam porque não há interesse da parte deles, cujo principal negócio de investimentos acaba sendo a indústria de fundos.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  235. Marcelo 9 de fevereiro de 2013 at 11:24 #

    Olá, Guilherme. Encontro-me com algumas duvidas sobre um investimento que me proporcione uma rentabilidade um pouco melhor do que a Poupança. LCI vem mostrando um real negócio para investimento pela ausência do IR. Porem o que me diz sobre a carteira da caixa “FOCO – Índice de Preços RF LP” existe o risco por conta do atrelamento ao PREÇO porem é possível opinar a respeito comparativamente?

    • Guilherme 17 de março de 2013 at 23:23 #

      Marcelo, não conheço o referido produto de investimento, portanto, não poderei opinar a respeito. É bom que se diga que todos os investimentos que possuem rentabilidade superior à poupança, mesmo na renda fixa, apresentam riscos, que devem ser analisados e devidamente mensurados.

      Os fundos atrelados a índice de preços vêm sofrendo bastante ultimamente, em função do cenário pouco animador de tendência de alta da taxa SELIC.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  236. Maicon D. 5 de março de 2013 at 14:26 #

    O banco Sofisa também trabalha com esse tipo de investimento.

  237. Gouvea 17 de março de 2013 at 22:43 #

    Olá pessoal, é melhor investir na LCI ou no CDB do Sofisa? no caso de liquidez diária.

    • Guilherme 17 de março de 2013 at 23:26 #

      Gouvea, em termos de liquidez diária, o melhor é o CDB. Embora a LCI renda um pouco mais, o fato é que ela exige uma carência inicial, o que prejudica a liquidez em caso de necessidade de resgate antecipado.

  238. Gouvea 18 de março de 2013 at 17:11 #

    Olá Guilherme, para investimento em LCA e LF é possível conseguir um rendimento superior ao CDB/LCI do Sofisa, para liquidez diária ou pelos menos liquidez a partir de 2 meses?

    O que seria FDIC e qual a sua rentabilidade?

    Á partir de quantos porcentos compensa pegar uma LCA/LF ao invés de investir no CDB do Sofisa com liquidez diária?

    Abraços.

    • Guilherme 18 de março de 2013 at 18:23 #

      Gouvea, para conseguir rendimentos superiores na LCA ou LF, é preciso abrir mão da liquidez. A tolerância à “iliquidez” deve ser bem avaliada, nesse caso, pois há pessoas que não conseguem ficar com seu investimento “preso” a determinado produto financeiro por alguns meses.

      FDIC são fundos de direitos creditórios, uma modalidade de investimento na renda fixa, que investe em carteiras de crédito. Apresenta um risco mais elevado, e uma rentabilidade também maior; porém, eu não recomendo esse tipo de aplicação, justamente pelos riscos envolvidos – vale destacar que os principais grandes bancos brasileiros não trabalham com esse tipo de produto.

      Sobre sua última pergunta, acredito que a partir de uns 95% já compensaria mais investir numa LCA ou LF, pois aí haveria um “prêmio de risco” que você estaria assumindo por investir num produto com carência de resgate. Mas é bom sempre avaliar os riscos envolvidos, principalmente o banco que está oferecendo o produto – geralmente, bancos médios e pequenos oferecem taxas melhores, mas o risco também é maior nesses casos.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  239. Gouvea 18 de março de 2013 at 21:10 #

    Guilherme, muito obrigado pela ajuda.

    Neste caso, a LCA do BB renderia menos que a LCI/CDB do Sofisa? Teria que procurar um banco menor que ofereça uma rentabilidade á partir de 95%.

    Abraço.

    • Guilherme 18 de março de 2013 at 22:42 #

      Gouvea, provavelmente sim, renderia menos. Só que a vantagem é que se trata de um produto comercializado pelo BB, logo, dificilmente você correria riscos.

      Aí é uma questão de analisar a relação custo/benefício, se vale realmente a pena migrar para um produto de banco menor, com uma taxa maior, mas correndo o risco de o banco sofrer uma intervenção do BC.

      Eu particularmente tenho a tendência de assumir riscos maiores somente na renda variável. Em se tratando de renda fixa, sou mais conservador.

      Mas veja qual é o perfil que mais se adapta à sua situação particular.

  240. karla 23 de abril de 2013 at 20:36 #

    o Banrisul – Banco do Estado do Rio Grande do Sul- também está trabalhando com LCI

  241. roberto martins 1 de maio de 2013 at 9:56 #

    Podem fazer uma simulação com valores ??? Assim teremos como melhor analisar a LCI

  242. João Pereira 1 de maio de 2013 at 14:30 #

    Nem mesmo a Renda Fixa representa um porto seguro aos investidores, se não forem observados alguns cuidados.

    Que o diga os portadores de NTNs, que vem experimentando forte oscilação em seus preços, notadamente para baixo, nos últimos meses.

    No que diz respeito às badaladas LCIs, em especial aquelas emitidas pelo não menos badalado Banco Sofisa, vale ficar atento aos questionamentos que foram colocados e apresentados no artigo que segue, postado no jornal Valor Econômico em Agosto/2012, ou a quase 9 meses atrás.

    O destaque é para o fato de que, apesar do Banco Sofisa afirmar o contrário, o mesmo não possui linhas de crédito imobiliário que justifique sua captação através da emissão de LCIs.

    Para o investidor, isto pode ser um problema pois, diante da quebra do banco, o FGC pode não ser usado para a cobertura das perdas.

    Dou destaque a dois trechos do texto cuja íntegra temos logo à seguir.

    … “O Valor apurou, entretanto, que o entendimento do BC é que as LCIs devem ter como lastro créditos imobiliários.” …

    … “No caso de um desenquadramento, Ferrari também afirma que o investidor pode ter dificuldade para receber o pagamento do Funda Garantidor de Créditos em uma eventual liquidação financeira da instituição emissora.” …

    Trata-se de mais um fator de risco à ser observado.

    A Caixa pode até pagar menos aos investidores que comprarem suas LCIs, se comparado às taxas praticadas pelos bancos de porte médio.

    Entendo que a diferença é o prêmio a ser pago à instituição (no caso, a Caixa), por conta da segurança que a mesma oferece nestas operações.

    Um abraço à todos!

    Segue texto:

    Banco emite LCI sem lastro em crédito imobiliário
    Valor Econômico – 08/08/2012

    Por Karla Spotorno e Silvia Rosa | De São Paulo

    Criadas com o objetivo de oferecer novas alternativas de captação de recursos para os bancos que financiam o setor imobiliário, as Letras de Crédito Imobiliário (LCIs) viraram uma febre no mercado graças à isenção tributária dos rendimentos dos investidores. Agora que o estoque desses papéis no sistema financeiro já alcança algumas dezenas de bilhões de reais, começam a aparecer casos de papéis emitidos sem lastro em créditos imobiliários.

    Ao menos um banco, o Sofisa, tem vendido a investidores papéis que não têm por trás carteiras de crédito imobiliário ou outro tipo de financiamento para o setor. Segundo o próprio banco confirma, suas LCIs são baseadas em outras modalidades de operações de crédito, como capital de giro, que contam com imóveis em garantia.

    A Lei 10.931 de 2004, que autoriza a emissão desses títulos, prevê que as LCIs devem ser lastreadas por “créditos imobiliários garantidos por hipoteca ou por alienação fiduciária de coisa imóvel”. Essas operações podem ter como referência carteiras de crédito para pessoas físicas ou jurídicas, essas últimas voltadas para o financiamento de construtoras ou projetos imobiliários. O emissor dos títulos pode ser um banco múltiplo, uma sociedade de crédito imobiliário, uma companhia hipotecária ou qualquer outro tipo de instituição, desde que autorizada pelo Banco Central.

    O Sofisa não tem operações de crédito imobiliário e, de acordo com informações disponíveis em seu site na internet, suas LCIs têm como lastro imóveis que foram dados em garantia de operação de financiamento. “A oferta de LCIs pelo Banco Sofisa Direto está condicionada à existência de lastro, ou seja, de operações cujas garantias sejam imóveis”, destaca o banco em sua página.

    Em entrevista concedida ao Valor em 16 de julho, Bazili Swioklo, diretor do Banco Sofisa Direto, afirmou: “o lastro das nossas LCIs é o imóvel dado em garantia nos empréstimos que concedemos para nosso clientes”. O banco opera principalmente com empresas de médio porte. A finalidade dos créditos concedidos é diversa. Há operações para capital de giro e para aquisição de equipamentos, por exemplo, segundo informa o próprio banco. Essas operações não têm as características das linhas de financiamento imobiliário, tanto em prazo como em risco.

    O Sofisa vem ampliando a captação por meio desse instrumento. De acordo do último balanço publicado pela instituição, o estoque dos papéis emitidos somava R$ 76,392 milhões ao final do primeiro trimestre, com crescimento de 112,7% em relação ao registrado no final de 2011. O estoque representava 2,3% da captação total do banco, de R$ 3,287 bilhões.

    Recentemente, o Sofisa investiu em uma campanha publicitária que contou com a participação do ator Dan Stulbach. No vídeo veiculado na TV aberta, o ator oferecia as LCIs do banco para investidores pessoa física e ressaltava o retorno até 20% superior à nova remuneração da poupança e a isenção do Imposto de Renda (IR) sobre o rendimento.

    Praticamente todos os grandes bancos têm lançado mão desses instrumentos baseados na carteira de crédito imobiliário. Mesmo bancos médios como BVA, Pine e ABC, que não atuam diretamente com a linha de financiamento imobiliário, têm emitido esses títulos com lastro na carteira de empréstimos a construtoras ou a projetos imobiliários, algo permitido pela legislação.

    Por contarem com isenção de IR, esses papéis têm tido grande demanda, principalmente entre investidores de private banking. O estoque de LCIs registrado na Cetip cresceu 49% nos últimos 12 meses encerrados em junho, somando R$ 56, 727 bilhões. Mas nem todas as operações são registradas, algo que não é obrigatório.

    A responsabilidade pela fiscalização é do Banco Central. Procurada, a autoridade monetária informou que não comentaria o tema. O Valor apurou, entretanto, que o entendimento do BC é que as LCIs devem ter como lastro créditos imobiliários.

    A lei que autoriza a emissão de LCIs divide opiniões no mercado financeiro e entre advogados. Há quem entenda que é possível emitir LCI sem crédito imobiliário, como faz o Sofisa. “A legislação permite que transações para “usos gerais”, que contêm garantias imobiliárias, se enquadrem como lastro de carteira de LCIs”, diz Arturo Profili, sócio-diretor responsável pela área de renda fixa e produtos estruturados da Capitânia Asset.

    Para Alexandre Tadeu Navarro, do escritório Navarro Advogados, a lei “não permite a emissão da LCI com lastro em crédito de outras naturezas, mesmo que a garantia seja imobiliária.” A emissão sem lastro em crédito imobiliário também é vista com reserva por Carlos Ferrari, sócio do escritório de advocacia o N, F&BC. “A simples garantia de um imóvel não teria poder para modificar a natureza da operação.”

    O advogado destaca que, se a operação não estiver de acordo com a legislação, a instituição financeira pode ser autuada pela Receita Federal por não ter recolhido o IR nas emissões de LCIs. O investidor também pode ser cobrado por ter auferido um rendimento acima do que era devido e pode ter que pagar a diferença na declaração de ajuste do IR. No caso de um desenquadramento, Ferrari também afirma que o investidor pode ter dificuldade para receber o pagamento do Funda Garantidor de Créditos em uma eventual liquidação financeira da instituição emissora.

    Assim como nos CDBs, o risco de crédito do papel é o da instituição financeira emissora.

    O apetite das instituições pela LCI é facilmente compreendido. A captação a partir da letra imobiliária custa muito menos para o banco do que, por exemplo, o CDB. Como a LCI é isenta de IR para a pessoa física, o banco pode prometer um retorno bruto menor. Uma simulação no site do Sofisa Direto mostra essa vantagem para o banco e para o investidor. A LCI de seis meses paga 93% do CDI. O CDB de seis meses, 103%. Quem aplicar R$ 10.000 na letra imobiliária recebe, no final do período, R$ 10.351. No CDB, recebe R$ 10.311, 57. Atualmente, ao emitir uma LCI, um banco médio paga entre 85% e 95% do CDI. Ao emitir um CDB, um banco médio paga ao investidor entre 95% e 112% do CDI.

    No Banco BVA, o estoque desses títulos soma R$ 800 milhões e representa 15% da captação total da instituição. O lastro das operações são financiamentos a projetos imobiliários, que somam hoje uma carteira de R$ 1,6 bilhão. “O mais importante é que o tomador desse crédito seja do setor imobiliário”, afirma Ivo Lodo, presidente do BVA. Lodo destaca que a remuneração paga pelo banco em uma LCI, de até 108%, chega a ser de três a cinco pontos básicos inferior à de um Certificado de Depósito Bancário (CDB) emitido pela instituição. O prazo médio das operações é de seis meses, e todas as emissões de LCIs e seus lastros são registrados pelo banco na Cetip.

    Já no Pine, o estoque de LCIs alcançava R$ 19 milhões em julho, menos de 1% da captação total do banco. As emissões têm como lastro o financiamento a empresas do setor de construção civil, que hoje representam 9% da carteira de crédito total do banco.

    O Banco ABC Brasil também esclareceu que as LCIs emitidas pelo banco são lastreadas em empréstimos a incorporadoras e construtoras, que são direcionados para aquisição e investimentos em imóveis. O estoque de títulos emitidos pelo banco somou R$ 169,745 milhões no segundo trimestre, o que representa 1,4% da captação total.

    • Guilherme 5 de maio de 2013 at 18:24 #

      Olá, João, excelentes ponderações! Todo o cuidado é pouco nesse terreno.

      Continua valendo a velha máxima, toda rentabilidade é proporcional ao risco. Maior rentabilidade = maior risco.

      Abç!

  243. Audrey 17 de maio de 2013 at 0:16 #

    Qual banco grande oferece maior rendimento? E é possivel fazer a lci a partir de uma conta corrente de serviços essencias?

    • Guilherme 24 de julho de 2013 at 9:32 #

      Audrey, quanto à primeira pergunta, não sei te responder. Mas, para ter um parâmetro, ter uma LCI que pague 84% do CDI líquido já é um ótimo investimento, pois, para um prazo de até 180 dias de aplicação, significa um rendimento equivalente a um CDB DI que pague 107,74% do CDI bruto.

      Abç!

  244. Paulo 22 de maio de 2013 at 15:14 #

    Boa tarde Guilherme,

    Estou fazendo um trabalho sobre LCI, e verifiquei que no COSIF (elenco de contas do SFN) não existe uma conta específica para ela. Existe para LI. Pelas leituras que tenho feito, entendo que LI e LCI são títulos diferentes, a começar pelas entidades autorizadas a emitir, mas mesmo assim fiquei na dúvida, se posso considerar LI e LCI como títulos semelhantes e equadrá-las no mesmo título contábil… Sei que o foco aqui não é contabilidade, mas se eu conseguir entender diferenças e semelhanças entre as duas, consigo definir a questão contábil. Desde já agradeço.

    • Guilherme 23 de maio de 2013 at 17:28 #

      OI Paulo, eu também não sei se há semelhanças ou diferenças entre as LIs e LCIs. Infelizmente não vou poder te ajudar nesse tópico.

      Mas continue suas buscas que certamente conseguirá achar alguma informação mais concreta a respeito.

      Abç!

  245. David 12 de junho de 2013 at 16:27 #

    O Banrisul tem LCI, até 94% do CDI (para acima de 721 dias, sem resgate antecipado, a partir de R$ 1 mi).

    Com resgate antecipado, as taxas começam em 83,5% do CDI, a partir de R$ 100 mil.

  246. Frota 5 de julho de 2013 at 11:40 #

    No Banco do Brasil a carência é de 60 dias e prazo máximo de 720 dias, valor mínimo de aplicação apenas R$ 1 mil.

    • Guilherme 7 de julho de 2013 at 18:04 #

      Oi Frota, obrigado pela dica. O BB está melhor do que a CEF no que tange à aplicação mínima, pois a CEF exige R$ 30 mil de aporte mínimo inicial.

      Abç!

  247. Rafael 18 de julho de 2013 at 20:08 #

    Recentemente o Banco do Brasil também aderiu a essa nova forma de investimento, e o montante inicial é bem razoável comparando com os outros bancos: R$20.000

  248. Ana 19 de julho de 2013 at 9:30 #

    Por favor me respondam a minha duvida esta após o comentario da Miriam no inicio dos comentarios, aguardo resposta,,, Ana,

  249. Ana 19 de julho de 2013 at 9:38 #

    PESSOAL AQUI ESTA MINHA DUVIDA. Guilherme,sou leigo no assunto e por orientação do Banco do Brasil que esta fazendo LCI agora fiz o investimento no valor baixo 10mil será que é essa forma nova que a Mirian Leandro esta citando, ao ler os comentarios fiquei temerosa como alguns.O que faço para sanar as duvidas, A gerente do banco disse que não tem riscos.Ana Lucia. Bjos… Bom dia. Sem efeito o comentario acima.

    • Guilherme 19 de julho de 2013 at 18:18 #

      Olá Ana, fique tranquila, o BB é um banco sólido, e a LCI conta com a proteção do FGC de até R$ 250 mil.

      Abç!

      • André 27 de julho de 2013 at 21:58 #

        OLá Quilherme, a caixa esta pagando 83,32% de cdi liquido em um valor de R$100 mil.
        Eu achei pouco, qto daria por mês nessa taixa, o prazo é de 60 dias.
        E a caixa paga R$70 mil de proteção do FGC, sera que o bb paga até R$250 mil mesmo?
        Estou achando uma diferença muito grande de valores.
        Obrigado e um abraço.

        • Guilherme 28 de julho de 2013 at 10:29 #

          Oi André, obrigado pelas informações.

          Na verdade, os R$ 250 mil de proteção valem para todos os bancos.

          Quanto ao percentual do CDI na LCI Caixa, de fato, não é dos mais atrativos, embora esse percentual equivalha a um CDB DI de cerca de 107%, para resgates inferiores a 180 dias, quando a alíquota do IR é de 22,5%.

          A Caixa paga um valor relativamente baixo em função do quesito “risco”: como é um banco com baixo risco de calote, irá pagar menos. Isso obedece à lógica do mercado: quanto menor o risco, menor o retorno.

          Logo, para obter maiores retornos com LCI, seria indispensável assumir maiores riscos. Bancos privados chegam a pagar mais de 90% do CDI líquido. Só que é preciso muita cautela nesse tipo de situação – vide o caso do banco BVA.

          Abç!

  250. Artur 27 de agosto de 2013 at 16:45 #

    Falaste em bancos que trabalham com LCI: CEF, ITAU. E o Bradesco? Não citaste este banco. O que achas do modelo de LCI deste banco.

    Abs.

    • Guilherme 13 de setembro de 2013 at 10:39 #

      Artur, não conheço a LCI do Bradesco, então não tenho condições de opinar sobre.

  251. Abbadon 3 de setembro de 2013 at 9:27 #

    O Banco do Brasil informa que o rendimento da LCI é de 75% do CDI.

    Isso é pouco, não é ?

    • Guilherme 13 de setembro de 2013 at 10:40 #

      Abbadon, de fato, é pouco, comparado às demais alternativas do mercado, inclusive da CEF.

  252. marco custódio 12 de setembro de 2013 at 9:00 #

    Oi, a CEF já está aceitando aplicações em LCI a partir dos 30 mil reais, sendo que a partir deste valor já tenho isenções na cesta de serviços incluindo Docs/Ted gratuitos. Bom custo benefício a se contar que já se sai economizando R$264,00 / ano.

    • Guilherme 13 de setembro de 2013 at 10:41 #

      Exato, Marco, a isenção da cesta de serviços é um dos atrativos de se aplicar em LCI.

  253. William 21 de outubro de 2013 at 17:37 #

    Olá a todos. Na procura por mais informações sobre esse tal LCI vim parar nessa página. Obrigado por mastigar todas as informações para mim… hehehe agora é só digerir tudo…
    Sou correntista do BB e minha “gerente” de conta me ofereceu esse produto. Eu tinha cerca de R$45k em Poupança e aceitei passar R$40k para LCI. No momento ela não me deu maiores informações a respeito desse produto, mas agora que eu li mais sobre isso, acho que no fim das contas não foi um grande negócio. Estou com uma taxa de 75%, e estou pensando sacar todo o valor após o vencimento (2 meses). Vou estudar um pouco mais sobre investimentos para aplicar em alto mais rentável. Não tenho pretensão (nem necessidade) em mexer nessa grana nos próximos 2 ou 3 anos, portanto, algo de médio prazo estaria OK.
    Alguma dica?

    • Guilherme 21 de outubro de 2013 at 20:19 #

      Olá Wiliam, obrigado pelas palavras!

      Sobre o seu investimento, realmente, o valor está um pouco baixo.

      Para o prazo de investimento sugerido por você, de 2 a 3 anos, eu recomendo CDBs pós-fixados ao DI que paguem pelo menos 95% do DI, fundos referenciados DI que cobrem no máximo 0,7% de taxa de administração, ou LFTs do Tesouro Direto com corretoras que cobrem taxa zero de custódia. Isso porque o BC está sinalizando continuar com o processo de alta da taxa SELIC, chegando a patamares de 10% ou mais, o que favorece as aplicações pós-fixadas.

      A LCI do BB também é pós-fixada, só que a taxa do DI, mesmo considerando que não há IR, está baixa.

      Abç!

      • lexicon@bol.com.br 2 de dezembro de 2013 at 17:03 #

        A vantagem do BB é a maior liquidez da LCA(liquidez diária imediata) e do LCI(liq diária após 60 dias)

  254. Daniele Pereira 27 de novembro de 2013 at 22:25 #

    Gostei muito da explicação, parabéns!
    Fiz hoje uma pesquisa e o Banco do Brasil também esta oferecendo a LCI com carência mínima de dois meses, o valor mínimo é de R$ 40.000,00, porém a rentabilidade é 75% do CDI, isento de IR e isenção de tarifa na conta corrente.

  255. lexicon@bol.com.br 2 de dezembro de 2013 at 16:33 #

    No BB, o LCA tem liquidez diária e não tem carência. Aplicação mínima de 30K. Resgates e aplicações podem ser feitas pela internet.
    Quando pretendo aplicar valores inferiores a 30k, por exemplo 10k, resgato 20k e reaplico 30k no mesmo dia.
    O LCI do BB tem carência para resgate de 60 dias.
    Quanto ao FGC(seguro de até R$250mil), o LCI está coberto e o LCA não.

    O BB paga 84% do CDI nas LCA, um pouco menos que outros bancos, mas a vantagem da liquidez diária imediata e inexistência de carência acaba definindo minha preferência pelo BB.
    Quanto ao Itaú, pelas informações que tive(a confirmar), é necessário ser cliente Personalitté (que exige aplicações de 250k para ficar livre de tarifas) para ter acesso ao LCI e LCA, e para investimentos mínimos de 100k, paga 85% com carência de 6 meses e de 86% para carência de 1 ano.
    Santander(p/ clientes Van Gogh) exige 30k com carência de 6 meses, pagando +/- 86% e com carência de 1 ano +/- 87% do CDI.
    Banco BVA, que está em liquidação(=falência) pagava entre 100 e 105% do CDI na LCI. Quem tinha até 70 mil recebeu do FGC o valor aplicado 70 dias após a intervenção do Bacen no BVA. Quem tinha mais que isso, por enquanto só recebeu os 70k, e o restante aguarda a liquidação do banco.
    Após a quebra do BVA, o FGC aumentou de 70 para 250 mil, portanto pode ser um bom negócio investir em LCI de bancos pequenos e receber taxas maiores. É recomendável que o investidor obtenha os certificados de cada aplicação.

    • fabio 4 de dezembro de 2013 at 12:26 #

      Agora LCA tb é coberto pelo FGC. []‘s

      • Guilherme 7 de dezembro de 2013 at 21:12 #

        Excelente resumo, lexicon!

        Muito interessante e muito atrativa essa LCA do BB, justamente pelos motivos citados: liquidez diária e sem carência.

        Abç

  256. Terezinha 3 de dezembro de 2013 at 20:39 #

    LCI: também comercializada pelo banco Santander há mais de 24 meses – valor mínimo de R$ 30.000, e prazo mínimo é de 6 meses

    • Henrique 18 de dezembro de 2013 at 19:11 #

      Obrigado pela dica vou verificar

  257. Henrique 18 de dezembro de 2013 at 19:10 #

    Muito esclarecedor, obrigado sanou todas as minhas dúvidas de maneira simples.

  258. Márcio Antonio de Sousa 17 de janeiro de 2014 at 15:52 #

    Boa Tarde, acabei de fazer um LCI no BB e descobri que irei precisar desse dinheiro investido, mesmo sabendo da carência de 60 dias. Posso fazer o resgate do valor aplicado sem perdas?

    • Guilherme 18 de janeiro de 2014 at 13:26 #

      Márcio, em princípio não, terá que esperar o prazo de 60 dias vencer.

      Em último caso, pergunte ao gerente de conta-corrente se há essa possibilidade.

  259. Tiago Silva 12 de março de 2014 at 22:43 #

    Só uma ressalva, na CEF o valor mínimo de investimento na LCI é de 30 mil.

  260. William 13 de março de 2014 at 20:17 #

    Olá novamente.
    Somente para atualizar, o BB Banco do Brasil atualizou a sua taxa do LCI para 80% CDI na virada do ano… e até onde sei, as demais regras seguem iguais, p. ex. quanto à carência, etc.

  261. Ricardo 13 de março de 2014 at 20:50 #

    Guilherme, não sei se você viu, mas a Caixa está permitindo aplicar em LCI e CDB através do homebanking. Gostei da novidade. Um abraço.

    • Guilherme 13 de março de 2014 at 21:01 #

      Olá Ricardo, boa novidade, essa. Aos poucos, a Caixa vai melhorando seus serviços de Internet Banking.

      Você sabe como estão as taxas praticadas? Vou procurar me informar também…

      Abç

  262. Rosana 9 de abril de 2014 at 16:07 #

    Guilherme,

    Eu quero investir em LCI pela Octo, será que é uma boa ideia? No site consta que não há custos administrativos, embora as informações sejam mínimas.
    Entrei em contato, e apesar das respostas serem rápidas, são muito fracas, me passaram que eu envio o valor e depois um e-mail informando à corretora qual o tempo, valor e banco parceiro deles no qual investirei.
    Geralmente o procedimento é esse mesmo?
    Pensei que fosse como ações ou o TD, que você compra diretamente.
    Outra coisa que não deixam claro é a % do CDI que é paga. Recebi uma tabela com os valores, mas já informando que aqueles valores podem mudar, mas não existe local onde consultarmos uma tabela atual.
    É assim mesmo que funciona?

    Os bancos parceiros deles são os seguintes:
    ABC, Daycoval, Pine (LCI/LCA), Indusval, Barigui
    Alguma sugestão? Ou escolho o que tenha a melhor taxa?

    Os valores iniciais na tabela enviada é de 30 k, mas o atendimento afirma que posso investir menos, 10k, por exemplo. E isso consta no próprio site também.
    “A partir de R$10.000,00 é possível investir em LCI sem burocracia e com comodidade.”
    http://www.rico.com.vc/mercado/investimentos/renda-fixa/lci
    Estou achando estranho essa divergência de dados.

    Agradeço mais uma vez por sua atenção!

    • Rosana 9 de abril de 2014 at 16:08 #

      Esqueci… o prazo máximo é sempre 720 dias?

      • Guilherme 9 de abril de 2014 at 20:11 #

        Oi Rosana,

        A Octo não está agindo com seriedade. Ela tem o dever de prestar a informação de forma correta, isto é, quais são os bancos disponíveis, o valor mínimo de aplicação em cada banco, o percentual do CDI correspondente, e o prazo. Tudo de forma detalhada, e sem fazer confusão, como se você quisesse aplicar hoje.

        No caso da Octo, ela age como uma intermediária, fazendo a ponte entre você e o banco que trabalha com a LCI.

        Se no site diz que o valor mínimo é de R$ 10 mil, ela tem que informar qual é o banco que trabalha com esse valor. Se nenhum banco trabalha com menos de R$ 30 mil, ela está prestando informação falsa, e pode ser denunciada na CVM por isso.

        Quanto ao prazo máximo, novamente a Octo está errando, já vi bancos oferecendo letras de até 3 anos de prazo.

        Eles devem informar melhor, estão cometendo um grave erro ao prestarem informações tão confusas e contraditórias. Se eles continuarem assim, uma possibilidade é você ir em outras corretoras ou bancos que prestem no mínimo um serviço decente de informação, isso é o mínimo que se espera de uma instituição financeira (séria).

        Abç!

        • Rosana 11 de abril de 2014 at 6:54 #

          Guilherme,

          Agradeço muito por sua resposta, você me ajudou bastante! :)
          As informações são muito vagas. O atendente me falou inclusive que eu poderia tentar investir menos, mas que não garante que o investimento seria feito, pois depende da disponibilidade do banco.
          Esse tipo de investimento com a Octo desanimou….
          Entrei em contato com a Órama, pois no site as informações são poucas também, mas pelo menos, está bem claro que o investimento mínimo é de 5k. Só o prazo, de 361 dias que achei estranho.

          Abraços,
          Rosana

          • Rosana 11 de abril de 2014 at 7:00 #

            Guilherme,

            Outra dúvida: todos os bancos que fazem esse tipo de investimento com aportes menores pelas corretoras que pesquisei são de segunda linha. Exceto o Daycoval, nunca ouvi nada sobre os outros.
            Pergunto: apesar da garantia do FGC, não é arriscado esse tipo de investimento, já que receber o valor investido de volta em caso de falência da instituição parece não ser tão simples assim?
            Por isso minha estratégia é começar com valores menores, já que meu perfil é conservador.

            Agradeço mais uma vez por sua atenção,
            Rosana

            • Guilherme 13 de abril de 2014 at 10:35 #

              Oi Rosana, quanto à sua segunda dúvida, sim, é um risco associado ao desconhecimento do banco.

              Como você bem concluiu, a grande maioria das LCIs com quem as corretoras trabalham são de bancos desconhecidos, ou seja, bancos médios e pequenos.

              Penso ser interessante apenas para efeitos de diversificação, ou seja, colocar ali um dinheiro que não vai ser necessário no curto e médio prazo.

              Talvez uma solução intermediária seria a de investir em bancos grandes que aceitam aplicações de valores relativamente baixos.

              O BB trabalha com LCIs, salvo engano, com aportes a partir de R$ 1 mil. Contudo, a rentabilidade é bem baixa, creio que 75% do CDI.

              Porém, há a garantia do BB por trás, ou seja, é certeza de que você recebe o dinheiro de volta.

              Abç

          • Guilherme 13 de abril de 2014 at 10:30 #

            Olá Rosana,

            Sim, se a Octo continuar assim, certamente sua base de clientes irá diminuir, afinal, o mercado é aberto e só vencem aqueles que prestam os melhores serviços.

            Quanto à Órama, sim, o valor é bem mais razoável, e o fato de o prazo ser de 361 dias se deve a que, no momento, o único título disponível é esse de vencimento aproximadamente anual.

            As disponibilidades variam, pode ser que, daqui a uma semana, haja oferta de títulos com prazos de vencimento menor.

            Mas pelo menos tudo isso é informado previamente ao investidor, no próprio site.

            Abç

            • Rosana 13 de abril de 2014 at 14:52 #

              Guilherme,

              Agradeço por suas esclarecedoras respostas.
              Pelo que disse, achei mais viável o LCI da Órama por ser de um ano e além disso, pagam 100% do CDI.
              Além disso, um dos sócios do site faz parte do Dinheirama, o que me traz mais tranquilidade em relação ao investimento.
              Só preciso me cadastrar no site, mas antes enviei um e-mail com algumas dúvidas. Sempre gosto de checar a qualidade e velocidade no atendimento antes de tomar uma decisão como essa.

              O atendente da Octo respondeu meu e-mail. Ele explicou que os aportes menores podem ocorrer desde que várias pessoas queiram o mesmo produto no mesmo momento, pois assim o valor do aporte exigido é dividido entre todos. Meio impossível, não? E por ser de 2 anos, meio arriscado mesmo com bancos menores.

              Uma boa semana!

              • Rosana 13 de abril de 2014 at 15:16 #

                Guilherme,

                Tenho outra dúvida agora….
                Na tabela da Octo constam os ratings dos bancos. Lá são todos AAA, AA+, AA-, no máximo B.
                No site da Órama não aparece essa informação.
                Então fui pesquisar no Moody’s e desde novembro de 2010 até agosto de 2013 o rating do banco Máxima é E +. Antes disso não há dados disponíveis.
                Pergunto: você investiria em um banco com esse rating?
                Será que é por isso que estão pagando 100% do CDI enquanto os outros (AAA e cia) pagam 96, 98%?

                Agradeço mais uma vez por sua atenção,
                Rosana

                • Guilherme 13 de abril de 2014 at 17:31 #

                  Olá Rosana!

                  Nossa, excelente iniciativa essa de procurar a classificação dos bancos!

                  E o rating do Máxima é bastante baixo, o que talvez justifique eles ofertarem uma taxa acima da média do mercado.

                  Bem, colocadas as coisas nesses termos, eu não investiria num banco com esse rating, a não ser se as taxas fossem excepcionalmente atraentes (acima de 100% do CDI=, e o prazo também não fosse muito longo (no máximo 6 meses).

                  Em matéria de renda fixa, aí incluídas as LCAs e LCIs, eu prefiro ser mais conservador, optando por produtos provenientes de bancos de primeira linha, ainda que a rentabilidade seja inferior.

                  Para ganhos de rentabilidade – associados, obviamente, a maior risco – eu prefiro outras classes de ativos, tais como ações e fundos imobiliários.

                  Abç!

              • Guilherme 13 de abril de 2014 at 17:27 #

                Oi Rosana, você faz uma ótima avaliação ao realizar um “teste de atendimento” antes, por meio das perguntas às corretoras.

                Assim, é possível verificar se a corretora tende a prestar um serviço decente também nos produtos que oferece.

                Dito em outros termos: corretoras que zelam por um bom atendimento ao cliente, via de regra, tendem a oferecer também produtos melhores.

                Sobre a resposta do atendente da Octo, realmente não convence. Melhor mesmo procurar outra instituição.

                Abç e boa semana!

                • Rosana 14 de abril de 2014 at 12:07 #

                  Guilherme,

                  Agradeço mais uma vez por suas resposta e por sua opinião em relação a LCI citada. :)
                  Devido ao meu perfil conservador, melhor mesmo procurar outra oferta nesse sentido. No momento, acho que irei continuar mesmo com o TD, mas de olho em oportunidades nesse sentido em outras corretoras.

                  Abraços!

                  • Guilherme 14 de abril de 2014 at 13:53 #

                    Concordo, Rosana, continue com o TD que apresenta um excelente custo x benefício na renda fixa.

                    Abç!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Dica da leitora: investir em LCI por meio de corretora de valores! « Valores Reais - 10 de abril de 2011

    [...] artigo O que é LCI: Letra de Crédito Imobiliário?, a leitora Manoela postou o seguinte comentário: “Consegui comprar uma LCI do Banco BVA sem ser correntista, através da XP Coretora. Lá [...]

  2. Recomendações de investimentos em momento de alta inflacionária e bolsa de valores andando de lado. | Efetividade - 2 de maio de 2011

    [...] o amigo Guilherme já escreveu um artigo bem completo sobre o assunto no blog Valores Reais, clique aqui e leia o [...]

  3. 3 princípios para uma carteira de investimentos mais inteligente, do mestre John Bogle « Valores Reais - 3 de setembro de 2012

    [...] O que é LCI: Letra de Crédito Imobiliário? [...]

  4. Como se planejar financeiramente | Felipe M. LimaFelipe M. Lima - 5 de setembro de 2013

    [...] LCI ( http://www.valoresreais.com/2011/03/13/o-que-e-lci-letra-de-credito-imobiliario/) [...]

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes

38 Flares Twitter 11 Facebook 23 Google+ 4 Filament.io 38 Flares ×