BB, Bradesco, Itaú e Santander: qual banco oferece a melhor cotação para saque internacional no cartão de débito?

267 Flares Twitter 28 Facebook 229 Google+ 10 Filament.io Made with Flare More Info'> 267 Flares ×

Última atualização do texto principal: 1° de junho de 2013.

Se você tiver chegado até aqui vindo do Google, Twitter ou Facebook, em busca de mais informações sobre como tornar sua viagem ao exterior mais econômica, seja bem-vindo! :-D Aproveite também para navegar pelos mais de 470 comentários escritos logo após o texto principal, em que os leitores acrescentam novas dicas, depoimentos e macetes, para tornar suas viagens e suas compras ainda mais baratas e proveitosas! Boa leitura!

Com o aumento do IOF para compras no exterior usando o cartão de crédito, conforme anunciamos aqui semana passada, uma alternativa bastante atraente, e que deve ser seriamente considerada pelo leitor-viajante, que se preocupa mais em ter dinheiro no bolso do que com acúmulos eventuais milhas aéreas, é o uso do cartão de débito para realizar saque em moeda estrangeira usando ATMs locais. Por quê? Porque saques internacionais usando o cartão de débito de seu banco, para começo de conversa, pagam um IOF ridiculamente menor: 0,38%, em contraposição aos famigerados 6,38% cobrados pelas compras utilizando o cartão de crédito.

Aproveitando uma viagem que fiz semana passada para os Estados Unidos, resolvi criar mais esse serviço de utilidade pública para nossos leitores: utilizei cartões de débito de 4 bancos diferentes, no mesmo dia, e no mesmo caixa eletrônico, e vi diferenças substanciais na cotação utilizada em cada um deles para a conversão do dólar para a moeda brasileira. Vamos aos resultados (por ordem alfabética)? Vale lembrar que os dados abaixo não são hipotéticos: foram exemplos reais, práticos, utilizados “sacrificando”, digamos assim, minha conta bancária….rsrsr….em prol do interesse público em saber qual é o banco que oferece a melhor cotação para saque no exterior utilizando o cartão de débito.

Cotação de referência

Em primeiro lugar, é preciso atentar que todos os saques foram realizados no dia 30.03.2011, quando a cotação do dólar comercial ptax, para venda, iniciou em R$ 1,641 e fechou o dia cotado a R$ 1,6360, conforme dados disponibilizados na página do Banco Centra do Brasil.

1. Banco do Brasil

Utilizando um cartão múltiplo Ourocard, na função débito, US$ 100 foram sacados ao preço de R$ 175,54. Ou seja, houve um exorbitante ágio de cerca de R$ 0,12, uma vez que a cotação utilizada pelo BB considerou o dólar cotado a R$ 1,75 (em contraposição aos R$ 1,63 fechados no dia).

Mas não é só isso.

O BB ainda cobra, para cada saque no exterior utilizando o cartão de débito, segundo a tabela de tarifas disponível na Internet (vide página 5), e confirmada integralmente nesse estudo de utilidade pública, uma tarifa de US$ 2,50 + 2,5% do valor da operação. Traduzindo em miúdos: aos 100 dólares acima foram acrescentados mais US$ 2,50 de tarifa fixa + US$ 2,50 proporcionais ao valor da operação. Ou seja, + 5 dólares só de tarifa de saque. E isso sem considerar o IOF de 0,38%, que não sei se veio “incorporado” no momento do saque ou se é debitado da conta-corrente posteriormente (atualizarei o post assim que souber, mas tenho quase certeza que será lançado a débito posteriormente, embora isso esteja demorando para acontecer, afinal, o saque foi realizado na quarta-feira, e já estamos no domingo).

ATUALIZAÇÃO em 07.07.2012: a tarifa de saque no exterior usando a função débito do cartão múltiplo Ourocard passou a ter valor fixo de R$ 12 por operação, conforme Nova Tabela de Tarifas divulgada pelo banco (vide página 1).

Total da conta: US$ 105, ou R$ 184,22.

Quem for utilizar o cartão múltiplo do BB no exterior, tomem cuidado para não escolher a opção “Fast cash”, mas sim a opção “withdrawal” e, em seguida, a opção “from checking”. Isso evitará que se saque dinheiro do limite do cartão de crédito, e, portanto, dos juros exorbitantes cobrados por esse tipo de serviço.

2. Bradesco

Utillizar o cartão de débito do Bradesco é tão triste quanto utilizar um cartão de débito do BB. Isso porque US$ 100 foram sacados ao preço de R$ 172, ou seja, cotação de R$ 1,72 (comprovado no próprio extrato bancário) , em contraposição aos R$ 1,63 de fechamento do dia, portanto, num dia em que a cotação do dólar comercial navegou 12 centavos abaixo desse valor…

Vamos às tarifas.

O Bradesco, de acordo com a tabela de tarifas (vide página 6), US$ 2,50 + 2,42% do valor da operação. Ou seja, pelos 100 dólares sacados no exterior, foram cobrados US$ 4,92.

ATUALIZAÇÃO em 07.07.2012: a tarifa de saque no exterior usando a função débito do cartão vinculado à conta-corrente passou a ter valor fixo de R$ 7,90 por operação, conforme Nova Tabela de Tarifas divulgada pelo banco (vide página 6).

Total da conta: US$ 104,92, ou R$ 180,46.

Tal como no caso do BB, ainda não sei se o IOF foi “incorporado” no instante do saque, ou se será debitado posteriormente. Qualquer novidade, vou atualizando esse post.

De qualquer modo, utilizar o cartão de débito do Bradesco parece ser mais vantajoso que usar o do BB, não só pelo valor proporcional à operação ser menor (0,08% menor), mas também por utilizar uma cotação do dólar mais vantajosa, embora ainda alta.

Vale lembrar que, nos cartões de crédito (“crédito”, e não “débito), o Bradesco é o banco brasileiro que oferece as piores cotações para a conversão, para efeitos de milhas, utilizando um câmbio bem próximo do dólar turismo. Se utilizar cartão de crédito no exterior ficou ruim com o aumento do IOF, ficou pior ainda para quem usa cartões Bradesco no exterior (a exceção são os cartões Visa Infinite e Mastercard Black, devido ao fator multiplicador mais alto, conforme explicaremos em um post futuro).

3. Itaú

Atualmente, o Itaú tem oferecido péssimas cotações de dólar nos cartões Itaucard, bem próximas do dólar turismo. E o pior é que essa tendência também ocorre em relação à cotação utilizada no cartão de débito, para saque no exterior.

100 dólares sacados no exterior custaram a bagatela de R$ 168,66, ou seja, com a cotação de R$ 1,68, num dia de dólar comercial ptax fechado a R$ 1,63.

Felizmente (ou infelizmente, dependendo do ponto-de-vista), o IOF foi debitado já no dia seguinte, o que elimina qualquer dúvida a respeito de um possível “embute” do IOF no momento do saque.

De acordo com a tabela de tarifas disponível na Internet, cada saque no exterior na função débito tem um custo de R$ 9,00, independentemente do valor.

Total da conta: US$ 100 (= R$ 168,66) + R$ 9 + R$ 0,64 = R$ 178,30.

4. Santander

Coincidentemente, à medida que avançamos na ordem alfabética, vimos uma tendência à melhoria na cotação. O curioso é que essa tendência acabou se confirmando com o uso do cartão múltiplo Santander, na função débito. Para minha surpresa, esse banco apresentou a melhor cotação para saque internacional de conta corrente.

Resumindo: 100 dólares foram sacados ao preço do fechamento do dólar comercial ptax do dia: exatos R$ 163,60. No dia seguinte, houve, inclusive, e até de modo surpreendente, um ajuste a crédito na conta-corrente, de modo que o valor debitado da conta espelhasse fielmente o valor do fechamento do câmbio comercial do dia anterior.

Maaaassss……

Sempre há um “mas”, “porém”, “todavia”, nessa história toda, não é mesmo? Pois vamos ao “porém”: o saque internacional na função débito apresenta uma nada modesta tarifa de R$ 13,50 por saque realizado, de acordo com a tabela de tarifas disponível na Internet.

E tem mais: se você for sacar em outra moeda, que não o dólar (por exemplo, está na Europa e vai sacar em euro), prepare-se para um adicional: uma taxa de conversão de outras moedas para dólar americano no importe de 2,5% do valor da operação.  Atualizado: com a nova regulamentação dos cartões de crédito, essa tarifa de conversão deixou de ser cobrada.

Total da conta nos EUA: US$ 100 (R$ 163,60) + R$ 13,50 = R$ 177.

Vale lembrar que clientes do segmento Van Gogh tem direito a 2 saques internacionais isentos dessa famigerada tarifa de R$ 13,50. Porém (rsrsrs, sempre tem um “porém”), para ser cliente com esse “status”, é preciso pagar uma nada modesta tarifa mensal de R$ 55 ou R$ 45, a menos que você tenha R$ 100k aplicados em investimentos no banco (que, pela minha análise, são, em sua maioria, fracos, caros e pouco rentáveis, como, aliás, são, em geral, os fundos de investimentos de bancos, como já alertei nesse artigo: A matemática não mente: Tesouro Direto está dando um banho nos fundos dos bancos de varejo. Desde que…).

5. HSBC e CEF

Uma palavrinha final sobre o HSBC: dizem (veja bem, “dizem”, eu não tenho como comprovar na prática), que a cotação do dólar utilizado por esse banco se aproxima bastante do fechamento ptax do dólar comercial, ou seja, ele seria tão bom quanto o Santander, com a diferença prática – e super importante (essa sim comprovada) – que clientes do segmento Premier não sofrem cobrança de tarifa para saque realizado em ATMs do próprio banco localizados no exterior. Atualizado:  alguns leitores clientes do HSBC têm constatado que as cotações de saque no cartão de débito, infelizmente, têm sido bem próximas da do dólar turismo.

A CEF não oferece essa opção de saque no exterior na função débito. Sorry. :lol:

Dicas que valem dinheiro

1. Para usar o cartão de débito no exterior, geralmente é preciso autorização do gerente e/ou da central de atendimento do cartão. Às vezes, é possível você mesmo liberar o uso do cartão no exterior, via Internet Banking. Na dúvida, utilize os 3 canais de atendimento, ou seja, faça a solicitação no Internet Banking, converse com o gerente, e telefone para o 0800.

2. Atenção para o ATM que você irá utilizar no exterior: o banco dono do ATM pode cobrar mais uma tarifa sobre o saque, que pode chegar a até US$ 5 por saque realizado. No meu caso, vi que o Bank of America cobra US$ 3 por saque, independentemente do volume. Já o Chase não cobra tarifa alguma. Conclusão: se você estiver viajando para os EUA, utilize os ATMs do Chase, uma vez que ele não cobra tarifa de saque. O “porém” é que, pelo menos no meu caso específico, só vieram notas de US$ 20. Atualizado: de acordo com o relato de diversos leitores, o Chase, infelizmente, passou a cobrar tarifa de saque.

3. Há limites estreitos para saques no exterior, mais estreitos geralmente que os para saques nacionais – geralmente eles ficam limitados a US$ 500, por dia. Verifique se os limites que você tem são condizentes com sua viagem para o exterior e, se não forem, peça para aumentar. Atualizado: diversos leitores reportaram que os limites são por dia e por cartão, dependendo do banco. Dessa maneira, se você tiver dois cartões de débito do mesmo banco (um da bandeira Cirrus/Visa, e outro da bandeira Maestro/Master), leve ambos. Isso irá duplicar seus limites.

Afinal, não vale mais a pena comprar com o cartão de crédito?

Alguém já deve ter feito o raciocínio mental: “pera lá: US$ 100 em compras com o cartão de crédito no exterior, com o acréscimo de US$ 6,38 – devido ao IOF de 6,38% – daria US$ 106,38, o que, considerando o câmbio a R$ 1,6360, resultaria num valor final de R$ 174,03, logo, um valor mais baixo que todos os valores acima apresentados. Ôba, vou usar o cartão de crédito!”

O raciocínio não está totalmente correto, por três motivos.

Primeiro, porque ninguém vai ao exterior para gastar apenas US$ 100.

Segundo, porque, por razões que a própria razão humana desconhece, os bancos apresentam valores diferentes de cotação para fechamento da fatura do cartão de crédito e para saque no exterior na função débito. Eles ora favorecem a cotação do cartão de crédito – caso do Banco do Brasil, que, apesar da horrorosa taxa de câmbio para saque no exterior, fornece uma cotação para fechamento de fatura bem próxima do dólar comercial ptax (geralmente de R$ 0,02 a R$ 0,03 acima apenas) – ora favorecem a cotação do cartão de débito - caso do Santander, que, apesar da excelente taxa de câmbio para saque internacional na função débito, apresenta um ágio de R$ 0,03 a R$ 0,06 na cotação do dólar para efeitos de fechamento da fatura do cartão de crédito.

E terceiro, e mais importante, porque o valor de IOF é proporcional ao valor da compra (6,38% da compra, e não R$ 6,38 fixos, ou ainda US$ 6,38 fixos), e não uma tarifa fixa. Ou seja, quanto mais você gastar no cartão de crédito, mais dinheiro desnecessário e inútil (IOF) estará gastando. Aí eu pergunto: você gosta de gastar dinheiro à toa? :P

Mesmo assim, por conta da alta cotação utilizada pelos cartões de débito do BB e Bradesco, ainda pode valer a pena usar cartões de crédito de alguns bancos, inclusive do próprio BB, se você não tiver um cartão de débito que ofereça uma taxa de câmbio competitiva. Para resumir e ilustrar a controvérsia, abaixo está uma tabela comparativa de compras equivalentes a US$ 1.000 com cartões de débito e diferentes cotações de cartões de crédito.

Vale lembrar que, para que a tabela ficasse o mais próximo possível da realidade, simulei 4 saques no cartão de débito, de US$ 250 cada, uma vez que se mostra pouco distante da realidade da maioria das pessoas alguém conseguir sacar mil dólares de uma só vez em caixa eletrônico…

Outra variável importante é, caso você utilize o cartão de crédito, “torcer” para que, na data de fechamento da fatura do cartão de crédito, o valor do dólar comercial não aumente, pois isso fará com que você pague mais caro do que tivesse pago com dinheiro sacado da conta corrente no exterior.

Não incluímos na tabela o saque com cartão de débito do HSBC, embora leitores tenham reportado que esse banco oferece uma taxa de câmbio competitiva para saque em moeda local no exterior. Se assim for, sua situação se assemelharia à do Santander, e ficaria na frente inclusive do banco Itaú. Atualizado: vários leitores reclamaram que a cotação utilizada pelo HSBC, nos saques com cartão de débito, tem sido próxima à do dólar turismo, mais cara.

Também é importante relembrar, como, ademais, exposto na tabela, que alguns bancos podem cobrar tarifas extras sobre compras no exterior usando o cartão de crédito. É o caso dos cartões Ourocard do Banco do Brasil: conforme tabela já linkada aqui, página 5, compras no exterior são tarifadas em 2,5% sobre o valor da transação, + a paulada do IOF de 6,38%. Portanto, façam as contas antes de sacar o cartão de crédito na carteira! Atualizado: em virtude da nova regulamentação dos cartões de crédito, essa tarifa extra sobre compras no exterior foi abolida. Contudo, o famigerado IOF de 6,38% continua ativo!

Conclusões

Diante do estudo acima apresentado, e das surpreendentes constatações acerca de alguns cartões, já podemos tirar importantes conclusões.

Os dois fatores que mais impactam o valor final de suas compras no exterior são a cotação do dólar utilizada pelo seu banco + tarifa de IOF incidente sobre a operação. No caso da cotação do dólar, evite, sempre que possível, utilizar meios de pagamento que utilizem o dólar turismo como referência, como é o caso de compra de moeda estrangeira no Brasil, cartões de débito pré-pagos (os chamados Visa Travel Money – VTMs e similares que estão sendo lançados no mercado, da Mastercard e da Amex) e cartões de crédito que utilizem, na data de fechamento da fatura, o dólar turismo como parâmetro para conversão das milhas, como é o caso dos cartões Bradesco, incluindo aí os cartões American Express, que são administrados por esse banco. Atualizado: embora o cartão de débito pré-pago utilize de fato uma cotação próxima da do dólar turismo, ele apresenta a vantagem de você prefixar, “travar” uma cotação do dólar já no momento da compra ou recarga do cartão, o que evita o risco cambial. Além disso, ele pode ser uma tremenda mão na roda na hora de fazer o controle das despesas no exterior.

No caso do IOF, fuja, sempre que possível, do cartão de crédito, devido ao exorbitante valor incidente sobre as operações: 6,38%. Como demonstrado acima, se você está a fim de gastar dinheiro à toa, use cartões Bradesco ou Amex, pois, nesse caso, você estará no pior dos dois mundos: cotação de dólar turismo para fechamento da fatura (o pior câmbio) + IOF de 6,38% (a pior alíquota de IOF).

O melhor mesmo, se você quiser maximizar o valor do seu dinheiro nas viagens, é usar a melhor combinação, que consiste numa cotação do dólar o mais próximo possível do câmbio comercial + IOF de 0,38%. Nesse caso, o uso dos cartões de débito, para saque em ATMs locais, do Santander e Itaú e (possivelmente) HSBC se mostra imbatível, desde que respeitadas certas premissas, quais sejam: saque de grandes quantias, a fim de que o valor pago a título de tarifa de saque seja proporcionalmente o menor possível, escolha de uma caixa eletrônico que preferencialmente não cobre tarifa de saque (o Chase é um deles, se alguém aqui souber de outro poste na caixa de comentários), e, obviamente, a escolha da opção “cash from bank account” ou “withdrawal from checking” (saque da conta bancária) e não “cash from credit card” ou “fast cash” (onde haverá incidência de juros, pois o dinheiro estaria sendo debitado do limite do cartão de crédito).

Enfim, como bem lembrando pelo EvertonRIC, na caixa de comentários a esse artigo, a melhor maneira de economizar dinheiro em compras no exterior é usando o cartão de débito para fazer saque em moeda local, desde que a taxa de câmbio de seu banco seja próxima do dólar comercial.

Uma palavrinha final sobre outras modalidades de uso de moeda estrangeira

Sobre traveller´s check, esqueça. Eles eram úteis e importantes antes da popularização dos cartões de crédito/débito. Fora que quase ninguém hoje trabalha com eles, além de exigirem uma tarifa de emissão de R$ 50. ATUALIZADO: alguns leitores têm experimentado uma boa aceitação no uso de cheques de viagem no exterior. Não tenho mais informações a respeito. Se alguém quiser, sinta-se à vontade para postar sua experiência com o uso dos cheques de viagem, na caixa de comentários.

Sobre cartões de débito bancário na função compras (Visa Eletron e Mastercard Maestro), é tão atrativo quanto saque internacional na função débito, pois o IOF incidente continua sendo de 0,38%. Mas são 2 os problemas: muitas lojas no exterior não aceitam o pagamento na função “debit card” (não consegui fazer a compra numa loja da Apple e numa loja de aeroporto), alguns bancos cobram tarifa extra sobre compras com a função débito (caso do BB, que cobra 2,50% sobre o valor da operação), e o limite para compras costuma ser tão ou mais restrito que o limite para saque no exterior (portanto, para compras de valores altos, que justamente onde teria mais serventia a situação, como despesas de hotel e compras de eletrônicos/gadgets, a compra não será validada).

Sobre cartões de débito pré-pagos, como bem lembrado pelo Rafael (obrigado!), também constituem uma alternativa atraente, uma vez que evita que você tenha que circular com muito dinheiro em espécie, e “trava”  um valor de câmbio que pode ser útil em caso de variação cambial negativa, além de pagar IOF de apenas 0,38%. Os pontos negativos são: cotação de compra de dólar turismo, e tarifa fixa de saque em ATM local de U$ 2,50 ou EUR 2,50. Para usar, funciona como cartão de crédito normal – embora seja de difícil (ou quase impossível) utilização para compras na Internet.

Diversifique!

Ha ha ha, quem diria que, assim como nos investimentos, para compras no exterior a palavra mágica também seria a mesma: nada como diversificar, assim como recomenda o Ricardo Freire, do blog Viaje na Viagem:

“Uma quantia fixa em dinheiro vivo para emergências, saques no caixa automático para o dinheiro do dia a dia, cartão de crédito para gastos maiores e cartão de débito como plano B”.

Levar dinheiro vivo continua sendo importante, uma vez que alguns países exigem que, no ato da entrada no país, você leve consigo uma certa quantia em espécie para comprovar que terá condições de se manter no país por conta própria.

Comente!

E você, usa qual estratégia para fazer compras no exterior? Eu duvido que o brasileiro vá gastar menos no exterior por conta dessa medida, uma vez que o aumento do IOF serviu para compensar, em parte, o ajuste nas faixas de isenção do Imposto de Renda (vale lembrar que no mesmo dia saíram os dois atos normativos, um para o IOF, e outro para o IR). No entanto, é importante saber que há alternativas para tornar sua viagem financeiramente mais econômica, desde que se adotem estratégias inteligentes para compras no exterior. ;-)

Links para saber mais

- Blog Diário de Consumo: foi esse artigo que me motivou a usar o cartão de débito para saque no exterior. Obrigado pela economia, Fernanda! :D

- Blog Viaje na Viagem: boas reflexões do Ricardo Freire sobre esse tema tão sensível para nossos bolsos! :)

- Blog Sundaycooks: reflexões igualmente boas de Fred Marvila sobre o assunto.

- Post atualizado Dinheiro no exterior: dólar ou euro x débito x crédito x VTM, do blog Viaje na Viagem: excelente atualização de dicas sobre a matéria, do Ricardo Freire.

É isso aí!

Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

, , , , ,

510 Responses to BB, Bradesco, Itaú e Santander: qual banco oferece a melhor cotação para saque internacional no cartão de débito?

  1. Evertonric 4 de abril de 2011 at 6:03 #

    Amigo, quanta informação em um só artigo. Parabéns.
    Bom, eu já não utilizo o cartão de crédito a um bom tempo, e sei a dor de cabeça de comprar no exterior com este tipo de cartão. Em meu caso eu o utilizei no passado, trabalho com um cartão de crédito do Itaú, e no fechamento da fatura eles me cobravam uma taxa de cambio muito elevada, ainda assim na próxima fatura do mês seguinte eu sempre tinha que pagar um residuo do passado. Um absurdo!!! ao meu ver.
    Agora sobre a sua planilha, -linda por sinal,- vale mais um comnetário. Os dois primeiros (Santader e Itaú) colocados no “ranking” de menores valores, são cartões de débito, o que enfatiza sua teoria de que vale mais a pena a utilizações dos cartões de débitos.
    Um forte abraço.

  2. Henrique Carvalho 4 de abril de 2011 at 9:28 #

    Ótimo artigo Guilherme!

    Sempre tive este tipo de dúvida e não encontrava um material bem elaborado e completo para entender as diferentes opções.

    Obrigado pelo excelente trabalho de informação!

    Abraços!

  3. Rafael Seabra 4 de abril de 2011 at 9:58 #

    Excelente artigo, Guilherme!

    Fico muito grato pela citação ao artigo do Quero Ficar Rico e aproveito para deixar uma sugestão: dê uma olhada no VTM (Visa TravelMoney) – http://www.visa.com.br/travelmoney/

    Ele funciona como um cartão pré-pago, onde fazemos uma recarga aqui antes de viajar e gastamos lá como um cartão normal. É aceito em todas as lojas que trabalhem com cartões de crédito (99,9%). Utilizei em minha última viagem e gostei da experiência.

    Abraço!

  4. Igor 4 de abril de 2011 at 11:54 #

    Ótimo artigo.
    Não sabia da diferença de cotação entre débito e crédito. Vou até ligar pra central pra pedir a cotação utilizada.
    No meu caso, como tenho conta do banco real, tenho direito a 4 saques no exterior mas, em compensação, há essa tarifa de 2,5% se não for em dolar.
    Detalhe que já li relatos de pessoas que só conseguiam sacar 40 dólares em alguns caixas com o cartão do BB.

  5. Guilherme 4 de abril de 2011 at 13:21 #

    Everton, valeu! Inclusive editei o artigo acrescentando sua observação.

    Henrique, obrigado!

    Rafael, obrigado! Editei o artigo incluindo as informações novas que você colocou! E parabéns pelo site, Quero Ficar Rico ficando cada vez melhor!

    Igor, thanks. Aproveite quando estiver no exterior para sacar tudo usando cartão de débito. O Santander foi muito correto na conversão, na verdade, foi o único correto, dentre os bancos pesquisados. Não sei se a forte presença do Santander no mercado financeiro global pode influenciar nessa questão, a exemplo do que ocorre com o HSBC.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Flavio 8 de novembro de 2013 at 11:48 #

      Parabens pelo Post.
      Mas ainda acho melhor levar dinheiro vivo mesmo….hehehehe

  6. Rolando 4 de abril de 2011 at 13:47 #

    Artigo de primeiro. Informativo, prático e realista. Contra medidas arbitrárias e ganâncias dos bancos, criatividade e estratégia são necessários.

  7. Gustavo 4 de abril de 2011 at 17:40 #

    Qdo fui pro exterior da última vez fiz 2 saques de 100 dólares no Citi e no HSBC e pude comprovar que o HSBC é o mais vantajoso mesmo! Nao tenho valores exatos, mas a cotação para saque no exterior (pelo menos nos EUA) é muito parecida com o ptax comercial e não tem tarifa para quem é Premier. Realmente vale a pena. O Citi tb não cobra taxa para saque no exterior, mas a cotação é um poquinho maior que a do HSBC, mas beeeem mais vantajosa e honesta que os bancos que vc citou neste artigo.

  8. Daniel Vilela 4 de abril de 2011 at 22:09 #

    Oi Guilherme! (ou Hotmar?!?)

    Muito jóia este seu artigo! Acho que a cotação do dolar utilizada (tanto débito quando crédito) passa a ser mais um parâmetro para escolha de banco por aqui, mas certamente não seria o único e, para quem acaba viajando com menos frequência pra fora, acabaria provavelmente não sendo o mais importante. Não sei se ter conta em mais de um banco compensaria somente por este aspecto, já que a taxa de manutenção de conta seria mensal, mas convém cada um estudar seu próprio caso… Sobre o seu comentário das milhas no crédito, concordo que pagar a mais por elas não rola (nunca desista de um desconto a vista somente para ganhar milhas no cartão!!!) – mas, para efeito comparativo do IOF, neste comparativo futuro que você disse que pretende montar, acho que seria válido fazer uma simulação adicional àquela puramente em R$, jogando um valor em $ pras milhas – uns R$0,025/milha por exemplo pra poder dar uma estimativa pra quem vai usar do quanto a milha “compensa” ou não (o valor é só uma sugestão – eu sei que vai ter quem diga que dá pra conseguir passagem por milhagem que vale mais que R$0,025/milha, mas também tem quem diga que o perrengue de emitir passagem por milhagem desvaloriza em muito este valor). A sugestão aqui também vem pelo fato de que, no exterior, dificilmente existe um preço diferente para compra no cartão ou no cash como acaba acontecendo em terras-brasilis. Bom – é só uma sugestão que eu faço pra considerar – eu particularmente pretendo considerar este parâmetro junto com os demais, embora com a devida cautela como você mesmo colocou.

    Até +

    Daniel

  9. Guilherme 5 de abril de 2011 at 13:00 #

    Legal, Daniel, vou absorver seu comentário na hora de editar o futuro comparativo. Eu também considero, coincidentemente, o valor de 2 centavos de real por cada milha “paga” com boletos.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  10. Igor 5 de abril de 2011 at 16:11 #

    Acabei de ligar pra central do Itau e Santander e a cotação que me passaram foi a mesma tanto débito quanto crédito. a do Itau foi 1,61 e Santander(cartao do Real) 1,72.
    Nesse caso vou de Itau mesmo…

  11. Guilherme 5 de abril de 2011 at 23:24 #

    Olá, Igor, essa informação não confere.

    O Itaú cobra um valor mais próximo do dólar comercial, para cartão de crédito, e mais alto para cartão de débito, conforme minha experiência acima relatada.

    Já o Santander é o inverso.

    Assim, minha sugestão é: utilizar cartão de débito do Santander, no exterior.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  12. Renato Mechica 6 de abril de 2011 at 9:43 #

    Ótimo post! Só temos a agredecer o “sacrifício” das suas contas bancárias. Acho que o benefício para seus leitores é uma recompensa a altura.
    Obrigado!

  13. Renato Mechica 6 de abril de 2011 at 10:31 #

    Guilherme,
    Acabei de lembrar de uma picaretagem que o Santander fez comigo numa ida à Europa em julho passado e achei bom escrever para deixar todos alertas, já que você indicou o cartão de débito deste banco como o que tem melhor taxa de conversão: nessa viagem fiz dois saques com meu cartão múltiplo usando a função débito, com o objetivo de usar meus saques sem taxa, já que sou cliente Van Gogh.

    Qual não foi minha surpresa quando ambos os saques apareceram debitados do meu cartão de crédito e com a cobrança de tarifas assustadoras (o Santander simplesmente cobra R$8,00 + 3% do valor do saque (isso mesmo: 3%) como tarifa de saque internacional na função crédito).

    Liguei para a Central de Atendimento e me falaram que cobraram porque fiz os saques na função crédito, sendo que não fiz isso. Insisti e me falaram que era isso que aparecia no sistema deles e que eu teria que apresentar comprovantes do meu saque para minha gerente, para que ela enviasse para o banco para eles checarem; do lado deles eles nada fariam se eu não mostrasse comprovantes.

    Graças a Deus eu tinha tirado comprovantes dos caixas onde saquei, e mais graças ainda, ambos tinham textos indicando que saquei da função débito. Caso não tivesse isso, teria pago uma “bolada” de tarifa.

    O resumo da ópera é que o Santander me prejudicou e deixou todo o ônus da prova para mim, o que achei um absoluto desrespeito ao consumidor.

    Então, quero deixar esse alerta: se alguém for usar um cartão múltiplo para efetuar saque, tenha todo o cuidado para sacar na função débito e lembre-se sempre de imprimir comprovante e guardá-lo até que suas faturas cheguem, para evitar que sejam indevidamente cobrados.

    Desculpem se me estendi muito, mas acho que a experiência serve de bom alerta.

  14. MJC 6 de abril de 2011 at 14:58 #

    Oi Guilherme.

    Posso dar uma dica de post? Que tal um dando nome aos bois sobre os diversos planos de previdência privada?

  15. Guilherme 6 de abril de 2011 at 21:32 #

    Renato, obrigado! E muito interessante o seu depoimento, isso serve de alerta para ficarmos bem atentos ao extrato da fatura dos cartões.

    MJC, gostei da dica!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  16. LUCIANO 7 de abril de 2011 at 14:59 #

    Parabéns pelo blog e pelas valiosas informações aqui postadas, principalmente essa materia acima.
    Ajudou muito e vou indicar aos meus amigos.
    abraço

  17. Finanças Inteligentes 7 de abril de 2011 at 16:47 #

    Eu também duvido que o brasileiro vá gastar menos no exterior por conta dessa medida sem nexo algum. Na veradade o gasto no exterior ajuda até aliviar a pressão inflacionária que segue forte este ano. No acumulado de 12 meses já estamos nos 6,30% IPCA. E se pegar o IGP-M este valor é quase o dobro. Não entendo essa nossa política econômica…

    Abcs, muito bom seu post!

  18. Gouvea 7 de abril de 2011 at 17:15 #

    Então a disputa final ficou entre o Santander e o HSBC, entre os dois qual o mais vantajoso levando-se em conta todos os aspectos, taxa de manutenção de conta, vantagens e etc…

  19. Guilherme 7 de abril de 2011 at 20:38 #

    Luciano, obrigado!

    F.I., eu também não…

    Gouvea, ambos têm prós e contras. O Santander tem uma rede de agências maior, mas está tendo problemas em sua integraçao com o Real. Até bem pouco tempo, ouvia-se relatos de clientes que não conseguiam acessar o home banking. Já o HSBC parece ter um atendimento mais personalizado, uma vez que sua rede é menos capilarizada. Entretanto, não oferece tantas opções de investimentos quanto o Santander (na verdade, acho que todos os bancos oferecem produtos na média muito ruins para os clientes, basta comparar a tabela de rentabilidade deles com o Tesouro Direto).

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  20. Willy Fog 13 de abril de 2011 at 10:06 #

    Parabéns pelo artigo!
    .
    Muito informativo. Dificilmente se encontra por aí um artigo com tantas informações úteis sobre cartões como este.
    .
    Abcs

  21. Guilherme 13 de abril de 2011 at 21:14 #

    Obrigado Willy!

  22. Junior 14 de abril de 2011 at 20:32 #

    Ando sempre aqui e vejo artigos de ótima qualidade, bem escrito, didático, detalhado e o mais importante; prático para o nosso dia a dia.

    Parabéns é pouco.

  23. Guilherme 14 de abril de 2011 at 21:04 #

    Junior, muitíssimo obrigado pelos comentários! Isso me dá muita força para continuar escrevendo por aqui!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  24. Leandro 19 de abril de 2011 at 13:26 #

    Guilherme ou hotmar,

    Desde o Clube do Pai Rico (em 2007) que sigo seus posts (postava como leandrim). Passei pelo Aquela Passagem vendo ótimos posts seus sobre cartões de crédito e agora vejo esse, em seu próprio blog. Parabéns pelo blog, sempre muito competente.

    Saquei dinheiro pelo Santander no Chile no final do ano passado e a máquina do banco me cobrou uns 5 USD de taxa. Saquei no Tahiti e não me cobraram nada. Em ambos os casos a cotação ficou incrivelmente melhor do que o habitual e antigo “compre dólares ou euros no Brasil e troque no país de destino”. Nesse caso perdemos duas vezes: uma na compra no Brasil (sempre com um dólar exorbitante pelas casas de câmbio) e na troca no exterior (com um dólar ridiculamente baixo na conversão para a moeda local).

    A questão de câmbio, para mim, é muito mais um “perder menos” do que propriamente economizar. Os bancos metem a faca em qualquer lugar do mundo. Os hotéis, idem. Os restaurantes, também. Só os pequenos comércios é que oferecem taxas de conversão mais compatíveis com a realidade. Troquei dólar numa loja de presentes com cotação muito melhor do que nos restaurantes.

    Quanto aos cartões…O cartão de crédito do Santander é uma piada no exterior. O dólar deles é caríssimo. Em abril de 2011, no dia 11/4, quando fechou minha fatura, estava incríveis 10 centavos mais caro do que o dólar do Itaú (1,68 para 1,58). Inaceitável. Vejam a quantidade de reclamações sobre o assunto no Reclame Aqui. Já reclamei no facebook e vou iniciar uma campanha pelo boicote ao Santander no cartão de crédito no exterior. Só que para mim é o melhor no Brasil em termos de rapidez no cômputo das milhas e benefícios e opções de troca, pecando um pouco na conversão (o dólar usado para converter as milhas também é o famigerado “dólar média” – média do que eu não sei).

    Finalizando: cartão de crédito no exterior não tem jeito, tem que ser Itaú. E de débito, Santander. Ou seja, dá-lhe conta bancária e dinheiro de plástico na carteira.

    Grande abraço e siga nessa toada pois o blog é excelente,

  25. Guilherme 19 de abril de 2011 at 23:25 #

    Olá, Leandro!

    Nossa, vc é um companheiro de longa estrada, já! Desde 2007, já são 4 anos! Que bom que vem acompanhando meus posts, isso é um elogio e tanto, e ainda mais durante quase meia década! :D

    Gostei do seu relato, o que reforça minhas impressões positivas do cartão de débito do Santander, e negativas do cartão de crédito desse mesmo banco. Realmente, o pessoal lá fora “mete a faca” na hora da conversão. Acredito que haja uma correlação negativa com a demanda: ou seja, quanto mais utilizada a moeda local, pior tende a ser o fator de conversão para o cliente. Assim, locais em que há grande dispêndio de dinheiro, como hotéis, restaurantes etc., oferecem câmbio mais desfavorável, quando comparados com o pequeno comércio, onde a demanda é menor, e eles precisam girar dinheiro.

    Também gosto dos cartões de crédito Santander. Além dos fatores positivos que você citou, ainda destaco as promoções frequentes em relação às milhas – existe uma atualmente vigente, relativa à isenção no Pague Contas para contas de consumo em débito automático no cartão de crédito – a isenção de anuidade dos cartões Platinum, que está inclusa na mensalidade do pacote de serviços, o fato de serem cartões múltiplos com uma senha única, a variedade de cias. aéreas para resgates de pontos, as promoções de milhas envolvendo as próprias cias. aéreas, principalmente estrangeiras (LAN, TAP etc.), e um ótimo atendimento na Superlinha (pelo menos em minha experiência pessoal). A vitaliciedade dos bônus também é um fator muito interessante, além do próprio controle online, em um site dedicado e exclusivo, onde podemos monitorar com precisão a quantidade de pontos gerada por cada compra/conta paga.

    Existem, é claro, aspectos que precisam ser melhorados, principalmente quanto ao famigerado fator de conversão, daí a grande relevância de sua campanha de boicote ao uso do cartão no exterior. Sucesso!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  26. Laís 25 de abril de 2011 at 14:41 #

    Muito interessante o blog!
    Vou viajar só em outubro pros EUA, durante 2 semanas.
    É interessante comprar uns US$ 400 agora — aproveitando as taxas de câmbio favoráveis, mesmo a de turismo –, ou esperar um pouco?
    Resumindo: acha que a taxa de câmbio vai variar muito para mais até lá?
    Tenho conta no BB, com cartão Ourocard Universitário Internacional, e sou dependente no Cartão de Crédito do meu pai, Ourocard Platinum Internacional.

    Muito obrigada!

    • Paulo Moreira 6 de junho de 2011 at 9:31 #

      Olá, Laís

      Tem uma solução muito melhor pro seu caso, que é o que eu sempre faço quando vou viajar. Não compre dólar, isso é besteira. O BB tem um fundo de investimento vinculado ao dólar. Aplique o dinheiro lá, pois assim você garante a cotação. Quando for viajar, basta resgatar a aplicação quando for pagar as contas, assim vc vai ter o dólar garantido na cotação de hoje idependente do que aconteça com ele daqui até lá.
      A taxa de administração é de 2% ao ano. Mesmo que fique um ano lá, ainda vai gastar muito menos dinheiro do que comprando dólares aqui no Brasil.

      Vou pra Europa daqui a um mes e apliquei meu dinheiro em um fundo vinculado ao Euro quando este esteve numdos menores valores esse ano. Mesmo que suba horrores, minha viagem está lastreada!

      • Laís 10 de junho de 2011 at 14:54 #

        Oi, Paulo Moreira. Valeu pela dica!

        Sobre qual destes fundos de investimentos você está falando?
        http://www.bb.com.br/portalbb/page3,116,2139,1,1,1,1.bb?codigoMenu=1092&codigoNoticia=8103&codigoRet=1434&bread=1
        Seria o BB Cambial Dólar LP Mil?
        Eu li o prospecto por cima (depois leio com mais calma). Pergunto:

        1. Aplico inicialmente R$ 1000, certo?
        2. Aplicações posteriores (de R$ 200) devem ser mensais?
        3. Com base no câmbio do dólar comercial, certo? Seria ótimo, pois está baixíssimo!
        4. O IOF só é cobrado se eu quiser resgatar nos primeiros 30 dias, certo?
        5. E seria o IOF de 6,38%, e não de 0,38%, certo?
        6. Fui isenta de declarar o IRPF ano-base 2010 e provavelmente serei isenta neste ano. Se eu adquirir esse fundo de investimento, terei que declarar o IRPF e depois estar sujeita às alíquotas (15% a 22,5%) de prazo de permanência?

        Acho que está bom de dúvidas, né? Se não souber, sem problemas! Vejo com o meu gerente do BB después! :)
        Obrigada e boa viagem!

        • Guilherme 11 de junho de 2011 at 21:17 #

          Olá Laís!

          Esse fundo que você citou tem uma taxa de adm. de 3% a.a. Tá meio alta. Sei que outros fundos cambiais têm um ticket de entrada mais alto ainda. Não sei se a taxa de administração cara compensaria os eventuais ganhos com a aplicação financeira.

          2. As aplicações financeiras posteriores não precisam ser necessariamente mensais. Você só aplica quanto quiser.

          4. O IOF só é cobrado em caso de resgates até 30 dias da data da aplicação, correto. Só há esse IOF. Os “outros” IOFs se referem à compra de dólar em casas de câmbio e cartão de crédito.

          6. Êpa, vamos por partes. :D Quanto à declaração, não necessariamente, conforme as regras dispostas no site da Receita: http://www.receita.fazenda.gov.br/PessoaFisica/IRPF/2011/declaracao/obrigatoriedade.htm

          As alíquotas do IR de 15% a 22,5% se referem ao fundo de investimento em questão. Mesmo que você seja e continue declarando IR como isenta, terá que pagar IR sobre os eventuais ganhos de capital auferidos nesse fundo de investimento. “Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa”. :wink:

          Resumindo: para comprar dólares, na minha opinião, o negócio é “travar” uma cotação agora. É o que eu faria, embora existam, é claro, outras alternativas que podem também produzir bons resultados.

          É isso aí!
          Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  27. Guilherme 25 de abril de 2011 at 18:58 #

    Obrigado Laís!

    Eu compraria os US$ 400 já, aproveitando a atual cotação historicamente baixa do dólar. Se o dólar subir até outubro, você já se previne. E se cair ainda mais, compre mais dólares, uai….rsrsr

    Ou seja: tanto num caso quanto no outro, acaba sendo uma boa alternativa já “travar” uma posição em dólar…

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  28. Igor 28 de abril de 2011 at 0:16 #

    Atualizando, após a volta da viagem,
    Primeiro, antes da viagem, liguei para as centrais tanto do Itau quando do Santander pra perguntar sobre a cotação utilizada. A resposta errada foi de que era a mesma tanto para débito quanto crédito. Na prática, confirmei o que foi dito aqui.
    Santander próximo do dólar comercial no débito e longe no crédito. No Itau o oposto. Fora que o Itau cobra 9 reais de taxa e o Santander 13,50, sendo que o pacote do Santander já inclui alguns saques.
    Como dica, fica a dificuldade em usar o cartão multiplo na funcao debito. Por mais que eu pedisse, algumas vezes o vendedor acabava passando no credito. Entao a dica é pedir cartoes separados. Em um restaurante inclusive a maquina era meio antiga e nao tinha tecla para mudar pra opcao debito e acabei tendo que pagar no credito mesmo.

  29. Guilherme 28 de abril de 2011 at 0:46 #

    Igor, valeu pelo relato! Confirmando tudo o que foi dito no blog!

    E realmente, usar cartão múltiplo na função débito no exterior é um problema. Eu tive dificuldades até em usar cartões exclusivamente de débito no exterior. Parece que eles são meio receosos desse uso… sendo que, no Brasil, é o contrário: os lojistas acabam preferindo conceder desconto para pagamento no cartão de débito…

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  30. Laís 29 de abril de 2011 at 0:14 #

    Olá, Guilherme! Eu, novamente! Obrigada pela reposta.
    Pois é. O dólar já está dando sinais de que vai subir novamente. A minha dúvida agora é outra.
    Onde comprar dólar?
    Pesquisei em uma casa de câmbio confiável e achei a Confidence Cambio. Ela pratica o dólar turismo + R$ 0,01 ou R$ 0,02 + 0,38% (IOF).
    Liguei no Banco do Brasil e falei com o meu gerente, mas a cada hora, lançam uma informação sobre quais valores eu pagaria. Uma hora, dizem que tem uma taxa por evento de R$ 37,50, a dólar pouco acima do comercial. Noutra hora, que há 3% sobre o valor do dólar turismo, mas sem taxa por evento.
    Você sabe qual é o melhor lugar para comprar uns US$ 500?
    Obrigada novamente!

  31. Guilherme 1 de maio de 2011 at 10:44 #

    O melhor lugar são as casas de câmbio, quando comparadas com os bancos, que realmente cobram muito caro pelo serviço.

    A Confidence parece uma boa opção. Já comprei dólares com o Banco Rendimento (Cotação) e Ourominas, e também não tive problemas.

    A questão é sempre se certificar de que são operadores autorizadas pelo BACEN a comercializar moeda estrangeira. Eu dou preferência às casas maiores.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  32. Carol Souza Lima 9 de maio de 2011 at 13:27 #

    Guilherme,

    Voltei hoje de NY e só agora vi esse post. Me ferrarei, certamente, com todas as minhas compras o Credito do Santander. Paciência!

    De qq forma, sacamos mtoo em dolar pela função debito no Citibank, que cobrou, aparentemente, a tarifa de 2,50 usd por saque. Mas, apenas em alguns terminais. Em outros, cobrou 1usd apenas!

    Nao vi exatamente, ainda, qual o valor do dolar cobrado em cada saque, mas verei!

    Obrigada pelas dicas.

    Carol

  33. L.Peres 9 de maio de 2011 at 20:16 #

    Oi Leandro,

    Vou para o Tahiti mes que vem e sou cliente do Santander… e facil sacar da conta corrente por la? Vou estar em Bora Bora, Morea e Tahaa …

    obrigado,

    • Leandro 10 de maio de 2011 at 9:02 #

      Olá L. Peres,

      É mais fácil você sacar em Papeete, logo que chegar. O aeroporto é pequeno e perto da lanchonete tem caixa eletrônico. Esse aí não me cobrou nada pelo saque, pelo menos “não disse” que ia cobrar.

      Em Moorea vai ser mais complicado você sacar dinheiro. Só se for no aeroporto, que eu me lembro de ter visto caixa eletrônico. Na ilha mesmo (não andei muito) não vi banco.

      Em Bora Bora tem o centro de compras (Vaitape) que tem uns dois bancos. Ali dá prá sacar também, mas eu não sei se cobram taxas. Provavelmente não já que um dos bancos que eu saquei era o Banco da Polinésia e não me cobraram.

      Tahaa eu não fui, mas é bem provável que não tenha nada lá, só o hotel.

      O lugar é lindo e você não o esquecerá. Tenha uma boa viagem.

  34. JONATAS 9 de maio de 2011 at 20:55 #

    Parabéns pelo blog e dicas apresentadas.
    Fiz uma viagem recentemente e como sempre solicitei a liberação dos CCs Visa(Santander) e Amex. Para minha surpresa o função saque do Visa não foi liberada, tive que usar o Amex que normalmente tem uma taxação maior.Paguei mais e ainda fiquei sem as milhas. Reclamei junto ao Banco Santander eles confirmaram o erro e acabou ficando por isso mesmo. Caberia aí um processo?
    Um abraço

  35. L.Peres 10 de maio de 2011 at 13:54 #

    Oi Leandro,

    Obrigado pelas dicas.

  36. Nanna 10 de maio de 2011 at 19:37 #

    Mês passado andei pesquisando em Salvador váaarias casas de câmbio (inclusive a Cotação) e a melhor foi a Caixa Econômica. Consegui comprar a 1,64 (já com o IOF). O único problema é que a Caixa só trabalha com papel moeda e tem que ser correntista (ou ter uma poupança) pra trocar. O BB estava com a segunda melhor cotação, mas tinha além do IOF a taxa de 3% (pra correntista, pra não correntista é maior). Acho que quando o dólar cai bastante ou esta decaindo os bancos tem taxas melhores pq seguem o turismo, já quando o dólar está subindo as casas de câmbio acabam oferecendo taxas melhores. O melhor é sempre ligar pra uns 3 ou 4 lugares antes de sair de casa.

  37. Laís 10 de maio de 2011 at 22:45 #

    Nanna,
    você quer dizer que a Caixa Econômica Federal vendeu pela cotação do dólar COMERCIAL + IOF (de 0,38%)?

    E o Banco do Brasil, como eu disse lá em cima, a cada hora, lançam uma informação sobre quais valores eu pagaria. Uma hora, dizem que tem uma taxa por evento de R$ 37,50, a dólar pouco acima do comercial. Noutra hora, que há 3% sobre o valor do dólar turismo, mas sem taxa por evento. Nunca sei.

    Se na Caixa Econômica daqui de Campo Grande/MS for a mesma coisa que em Salvador, vou comprar lá. :)

  38. Nanna 11 de maio de 2011 at 2:01 #

    Laís, a Caixa Econômica Federal NÃO vendeu pela COMERCIAL. É que o dólar comercial neste dia estava bem baixo (acho que R$ 1,58) eles venderam pela cotação próxima do TURISMO + IOF (de 0,38%) , que estava BEM MELHOR que a do paralelo que é a que as casas de câmbio costumam usar.
    A taxa do BB era igual a da Caixa mas eles cobravam os 3%. Já troquei pelo BB e eles cobram 3% + IOF(de 0,38%) e ainda tentam te empurrar a qualquer custo Visa travel money ou travel cheque. Mas atenção, assim como o BB não é toda Caixa que opera com câmbio, é bom olhar no site e ligar antes.

  39. Nanna 11 de maio de 2011 at 2:02 #

    Outra coisa, quando ligar pergunte se eles estão com dinheiro disponível, pq costuma acabar. Fui um dia e quando cheguei lá eles estavam sem dólares pra trocar :(

  40. Laís 12 de maio de 2011 at 0:02 #

    Nanna, obrigada pelas informações. Cara, que sorte a sua. Ou melhor, você deve ter ficado bem atenta e comprado os dólares na hora certa.
    Hoje subiu e está a R$ 1,74. Mas bem melhor do que quando eu fechei o pacote de viagens, com o dólar cotado a R$1,79. =P
    Ah, sim. Já verifiquei as agências que operam câmbio e vou verificar se há disponibilidade de moedas no dia.
    No Banco do Brasil, ainda pediam que eu falasse com o meu gerente para ele mandar tipo um ofício com a solicitação. Aí, seria liberado somente no dia seguinte.
    Vou tentar fazer pela CAIXA. :)

  41. Guilherme 16 de maio de 2011 at 21:20 #

    Carol, muito legal seu depoimento! E seu blog também é muito bacana!

    Jonatas, eu entendo que cabe. Você estava agindo de boa-fé, e por um erro do banco não pôde usufruir de cotações mais justas e favoráveis no exterior.

    Nanna, muito bom seu depoimento sobre o comparativo CEF e BB. Não sabia que a CEF disponibilizava esse serviço.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  42. Arian 27 de maio de 2011 at 8:48 #

    Eu estou com um cartão debido-credito visa Internacional do Santander e não consigo utilizar a função debido no exterior, ja fale mais de 5 vezes com a central de atendimento e com o gerente do banco Santander. O problema ainda não foi resolvido. E no mesmo caixa e no mesmo pais consego utilizar o cartão na função debito do banco do Brasil. Alguem ja tevi um problema assim? Tem outro lugar onde posso reclamar?
    Obrigado

  43. Guilherme 27 de maio de 2011 at 19:26 #

    Arian, qual o valor que você está tentando sacar? Quando estive nos EUA, tentava sacar acima de US$ 100, mas não dava certo. Então eu resolvi sacar exatamente US$ 100… e não é que funcionou? :)

    Experimente sacar um valor menor, até conseguir retirar o dinheiro do caixa, e depois conte para nós a experiência!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  44. sdb 6 de junho de 2011 at 10:27 #

    Semana que vem estarei por la , vou analisar o CITI e postarei por aqui .

    Lembro que na viagem anterior era Dolar Comercial arredondado para o centavo acima + 0.38% e sem tarifas se sacado numa ATM do proprio Citibank (p.ex dentro de uma agencia)

    Grato pelo analise !

  45. Guilherme 8 de junho de 2011 at 21:29 #

    sdb, boa viagem e obrigado!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  46. Gustavo 10 de junho de 2011 at 10:08 #

    Excelente post.. Vou viajar para europa daqui há uns 3 meses, e vou ficar por lá durante uns 6 meses ~ 1 ano, a maior parte do tempo na Alemanha. Já estou avaliando minhas alternativas, e não estou gostando do que vejo hehe

    O post fala sobre os valores relacionados a dólares, gostaria de saber qual é a diferença para euros? Sou cliente bradesco e estou muito decepcionado com as taxas cobradas, uma delas sendo um extra de 2,13% a mais para conversão em outras moedas que não sejam dólar (além dos 2,42% + EUR 2,50), isto no saque na função débito.

    O VTM pra mim não parece uma boa alternativa, já que se paga dólar turismo + 0.38%, sendo que não acumula milhas, e fico com um pé atrás quanto a sua aceitação/caixas para saque na europa.

    Já o cartão de crédito, a cotação final para dólar nesse exemplo estava 10%+ mais cara que a cotação base, e no caso do euro até onde sei a conversão (e o ágio) são feitos duas vezes, encarecendo ainda mais. Possuo um Visa Infinite, mas tenho vergonha de usar ele com uma cotação dessas.

    Quanto ao uso do euro, alguém possui alguma sugestão? Desde já agradeço a ajuda :)

  47. Guilherme 10 de junho de 2011 at 12:35 #

    Olá, Gustavo, obrigado!

    Sobre os saques em euro, já pensou na possibilidade de usar seu cartão de débito de banco para sacar em moeda local nos ATMs da Europa? É preciso verificar se há uma taxa de conversão de euro para dólar, e depois outra de dólar para real, para ver se compensa. Pelo visto no Bradesco não compensa. Você teria conta em outros bancos?

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  48. jomar 19 de junho de 2011 at 22:29 #

    Muito bom artigo. Completo. Vou para Argentina e não usarei cartão de crédito, só dinheiro e débito(se possível apenas um saque).
    Valeu. Obrigado.
    JOmar

  49. jomar 19 de junho de 2011 at 22:30 #

    Obrigado.

  50. Guilherme 19 de junho de 2011 at 22:39 #

    Obrigado, jomar! E boa viagem!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  51. Renato Farinas 27 de junho de 2011 at 19:48 #

    Belíssimo trabalho, bem detalhado. Após ler suas dicas, decidi fazer um misto, a fim de nao impactar o montante do CC, onde incide os 6,38 %.
    Abraços

  52. Guilherme 2 de julho de 2011 at 8:29 #

    Obrigado Renato!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  53. luiz 5 de julho de 2011 at 20:21 #

    Muito obrigado pela ajuda. Foi muito útil, embora tivesse sido meio trabalhoso para você postar tudo isso, bem como fazer essas operações financeiras. Mais uma vez, valeu!

  54. Guilherme 5 de julho de 2011 at 20:31 #

    Obrigado Luiz! Realmente foi trabalhoso, mas valeu muito a pena, além de servir de inspiração para quem muitos outros blogs e até a grande mídia (Folha e Valor, p.ex.), fizessem matérias a respeito do tema!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  55. Cristiana 26 de julho de 2011 at 19:57 #

    Gostaria de agradecer ao seu trabalhoso post sobre os saques internacionais no cartão de débito. Utilizei o Santander nos EUA, sempre sacando no Chase, umas das melhores viagens que eu fiz. Sem gastos excessivos, economica, e o melhor de tudo, sem uma fatura astronomica para pagar na volta.

    Estou passando a dica adiante, e todo mundo se surpreende!

    Muito obrigada!!
    Abs

  56. Luiz 26 de julho de 2011 at 22:20 #

    Viajei para a Europa agora em julho e fiz saques usando o cartão de débito do HSBC Premier no dia 08/07. Que decepção: me cobraram R$ 2,35 por Euro, sendo que a cotação oficial no dia estava em R$ 2,228. Ou seja, um ágio de R$ 0,12 por Euro, ou 5% a mais! Fiquei indignado com essa exploração. Desse jeito, fica melhor usar o cartão de crédito, que gera milhas e me dá mais dias para pagar, nos quais posso deixar o dinheiro aplicado.

  57. Sergio 27 de julho de 2011 at 12:17 #

    Olá,
    Se desejar atualizar o link de tarifas do bb:
    http://www.bb.com.br/docs/pub/trf/tarifasPF.pdf
    Não sei se entendi mal, mas parece que não cobram por usar o CARTÃO DE DÉBITO no exterior, mas posso estar equivocado. E mesmo que não cobre 1 centavo, se fizerem um dolar a 10 centavos mais caro já desanima e torna desvantajoso.
    Tenho conta no Santander e no BB (visa electron). To querendo ver entre os dois qual será mais vantajoso.
    Liguei no BB, na minha agencia e ficaram de retornar.
    Tentarei citar aqui.
    Saudações!

  58. Sergio 27 de julho de 2011 at 18:32 #

    Olá pessoal!
    Bem, conforme prometido, estou aqui apresentando qual será a opção que escolherei: BB ou Santander.
    Liguei em ambas as agências e, como sempre, pessoal sabe de nada (infelizmente). Daí liguei nos locais sugeridos e obtive as seguintes cotações:
    Lembrando que a cotação do dólar de hoje é/fechou:
    ———————–compra—-venda
    Dólar comercial (em R$) 1,5575 1,5585 +1,28%
    Dólar turismo (em R$) 1,4500 1,5900 -5,23%
    Dólar paralelo (em R$) 1,5900 1,7300 0%
    —-
    Considerando o uso para DÉBITO:
    BB – dolar do dia: 1,62
    cobra 2,5$ por saque e 2,5% por qquer operação (aqui não entendi se tem mais 0,38% do IOF, ainda.. ou já tá embutido).
    *****
    Santander
    Cobram 0,38% do IOF e mais nada para uso no débito. Se for SACAR, te cobram (depende do perfil): 10 reais (ou 15 reais). No meu seria 10 reais, dai vi dois valores na tabela deles e não sei se o normal seria 13,50 ou 15,00.
    @@@@@@
    PREFERI O SANTANDER e vou usá-lo. Dólar MAIS BARATO e não cobra 2,5%.
    Concluindo: deposito uma grana de outra conta no Santander. Em NY tem Santander, tá mole demais pro Vasco.

    Abraço! Bom blog! Útil.

    • Eduardo Veiga 28 de julho de 2011 at 19:01 #

      Sérgio, poderia dizer qual n.º vc ligou bem como se esse valor de R$ 1,62 para débito se refere tanto para compras no débito como sauqe?

      Abraço

  59. Eduardo Veiga 28 de julho de 2011 at 18:58 #

    Moçada, liguei no BB no n.º 4004-0001 e depois digitei a opção “6”, relacionada a cartões.

    O dolar comercial fechou hoje cotado a R$ 1,56.

    O atendente me informou que faturas fechadas hoje estão com o Dólar a R$ 1,59, bem como saques e compras no débito realizados hoje no exterior também seguiriam essa taxa.

    Argumentei que ele deveria estar enganado com relação ao valor do dólar para saque e compras no débito mas ele me disse que essa era a informação o Banco passou a ele.

    Enfim, acho muito difícil que a informação esteja correta mas… é isso.

    Saudações

  60. soraya campos 30 de julho de 2011 at 15:17 #

    Olá. Voce sabe se o chase ainda nao está cobrando nenhum valor nos saques??
    Qual o limite de saque por maquina e diario?? vc sabe me informar??

    Obrigada

  61. Olavo Barros 4 de agosto de 2011 at 11:01 #

    Alguém sabe quais bancos não cobram tarifa de saque na Europa?
    obrigado!

    • Eduardo Veiga 4 de agosto de 2011 at 11:37 #

      O Citibank me ofereceu uma conta gratuita por 1 ano para testar e eu abri. Minha conta lá é a Premiun Network e não tem tarifa para saque no exterior.

      Oh, que coisa boa, dirá você!!!

      Nem tanto, liguei ontem no Banco e o dólar estava R$ 1,68 para saque. Fala sério!!!

      Até por ser é 1 banco com sede no EUA, pensava deveriam cobrar mais barato.

      No fim das contas, acaba sendo mais vantajoso sacar pelo BB, se essa câmbio de R$ 1,59 estiver correto mesmo.

      Saudações

  62. Guilherme 5 de agosto de 2011 at 8:54 #

    Cristiana, que bom que conseguiu economizar uma boa grana com as minhas dicas! Obrigado!

    Luiz, é uma pena que a cotação do HSBC tenha ficado tão acima.

    Sergio e Eduardo, de fato, usar os cartões de débito para compras no exterior também pode ser interessante. Entretanto, creio que a maior dificuldade resida nos 3 pontos enumerados no artigo. Tentei passar o cartão de débito na Apple Store da 5ª Avenida em Nova York, e não deu certo, a moça do caixa não aceitou. De qualquer forma, conseguindo utilizar essa opção, sem dúvida valerá a pena, principalmente por não ter que ficar andando pra cima e pra baixo com notas de dólar no bolso.

    Soraya, quando eu fui em março/abril, não estava cobrando, e é possível que ainda não esteja, pelo relato da leitora Cristiana.

    Olavo, em tese o HSBC não cobraria, desde que o saque seja realizado em ATMs do próprio HSBC. Mas o problema é a cotação do euro para saque, conforme mencionado pelo leitor Luiz no comentário acima.

    Eduardo, bom alerta para todos: cotação do dólar para saque faz toda a diferença, e eu concordo plenamente que eles deveriam cobrar mais barato.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  63. Sérgio 10 de agosto de 2011 at 16:56 #

    @Eduardo Veiga: liguei na agência do BB no aeroporto de Brasilia. Não me recordo do nome de quem me atendeu.

    PRESTE ATENÇÃO NA SAGA:

    Bem, havia relatado, antes de viajar minha PREFERÊNCIA pelo Santander e o motivo.
    Bem, havia estudado tudo, milimetricamente e na hora H a porcaria do banco me sacaneou.
    Vamos ao relato:
    1. Deixei tudo liberado para o exterior, antes de sair: cartão múltiplo de CRÉDITO E DÉBITO. Liguei no começo de JULHO e no fim, antes de viajar. Fiz testes com as senhas em compras no Brasil e em saques no próprio banco. Estava tudo funcional.
    Liguei e questionei se estava tudo certo, se inclusive o DÉBITO estava liberado para uso lá fora. Disseram que sim, que estava liberado tanto o débito quanto o crédito.

    2. FIZ UMA TRANSFERÊNCIA de um montante considerável de uma conta de outro banco para o SANTANDER. Ou seja, dinheiro não faltaria no exterior.

    3. Não me preocupei em trocar dólar, haja vista poder usar o DÉBITO e o crédito (somente em urgências).

    Chegando em Toronto, fui para Nova York. Ao longo do caminho tentei usar o cartão de débito para pagar a alimentação (burguer kings e etc.). NÃO ACEITARAM.
    4. NEW YORK: em todas as lojas, de todos os segmentos, pedia para usar o cartão de DÉBITO e ninguém conseguia usar o meu cartão como DÉBITO, apenas como CRÉDITO. Ou seja, ao invés de pagar 0.38%, estava pagando 6,38% em tudo.
    Pensei.. vou SACAR que é mais vantajoso. Vi que tinha uma agência na 5a avenida (dificil de achar). Depois de muito andar (com criança pequena): entro na banco e sou informado que não atendem “rental”(oreias), somente INVESTIDORES. Ou seja, não é um banco para atender clientes normais.
    Putz…
    5. Só me restava SACAR. Me deram um nome de um banco esquisito (Kroeg… ou algo por ai) e depois de rodar, brigar e etc. consegui chegar no mesmo. Entro no banco e você ve uma logo do Santander ao lado da do Banco (uma espécie de parceria). Digo que quero sacar 5.000 dólares. O caixa diz que não tem como sacar por ele, que eu teria que usar a máquina ATM dentro da agência e que teria o saque limitado a 500 dólares (10% do que queria.. putz). Falei com o gerente e o mesmo informou a mesma coisa: somente conseguiria sacar no ATM (máquina rede Plus) o valor de 500 dólares.

    6. Tentei andar mais um pouco. Acabei me rendendo e sacando em um ATM no meio da rua mesmo. Me cobraram 3$ pela operação (fora o que o Santander ganha). NÃO FOI VANTAGEM ALGUMA.

    7. LIGAÇÕES: começou minha odisséia de ligações para o SANTANDER no Brasil. Péssimo atendimento. Ninguém sabia o motivo de eu não conseguir usar o cartão como débito já que o mesmo estava liberado. E dai foram horas e horas ligando e perdendo tempo sem informações claras.
    Passei uns apertos e felizmente havia um colega que tinha um limite maior e pode pagar algumas coisas que eu não previa não poder pagar.
    Ontem a noite, fiz novo contato no Brasil e a atendente fez a gentileza de, depois de dizer que era normal não funcionar o débito no exterior e eu questionar se ela sabia a diferença de custo entre usar o cartão de débito ou crédito a mesma DESLIGA A LIGAÇÃO NA MINHA CARA.
    SANTANDER não é um bom banco. Não tem sedes no exterior e as parcerias que possui em nada fazem diferença para beneficiar o cliente.
    Além de gastar com ligações, não respondem suas demandas por email.

    RESUMO DA ÓPERA: precisei de pagar de forma adiantada o meu cartão de crédito para poder voltar a ter algum limite por aqui. RIDÍCULO isso. Muito maiores custos porque um banco não lhe permite usar a função DÉBITO no exterior, mesmo você tendo uma fortuna em sua conta. Questionei a outras pessoas (colegas) que me informaram ter feito uso do Cartão de DÉBITO nos EUA. Logo, o problema é de fato do Santander.

    Não pretendo ficar com o prejuízo dos 6% a mais, além das dificuldades em virtude da impossibilidade do uso do DÉBITO.

    Péssima experiência quanto ao pagamento de coisas. Priorizei este banco, não façam o mesmo e tenham certeza absoluta (de conhecidos) que o cartão que escolheram de fato funciona fora ou permite em algum canto saques de maiores valores.

    Boa sorte!
    Este é o meu review!

    • André 19 de outubro de 2011 at 0:51 #

      Sérgio, mas o cartão do Santander não tem a bandeira VISA, para saques na REDE PLUS ou MASTER para saques em ATMs de bandeira CIRRUS???????

      Eu estou indo para NY agora e a minha ideia é levar o cartão de débito SÓ PARA SAQUES.
      O meu cartão é visa e tem a rede plus. Dei uma olhada e a 1 milha do meu hotel TEM MAIS DE 100 LUGARES PARA SACAR!!! Nào estou entendendo essa sua dificuldade para sacar… na verdade fiquei até com medo!!! hehehe

      Eu quero sacar tudo lá… e pagar em dinheiro…

      Pelo que tinha visto, tinha uns mil lugares em Manhatan para saques da REDE PLUS!

      Estou tenso..hehehe

  64. Leandro 10 de agosto de 2011 at 22:48 #

    Sérgio,

    O Santander não tem cartão de débito liberado para o exterior. Isso me foi informado no 0800. Já liguei lá umas 500 vezes e uns dizem que pode, outros que não. Dessa vez a atendente foi incisiva: não existe débito do Santander no exterior.

    Quando ao saque, o limite diário do banco é de R$ 2.500,00. Os caixas eletrônicos do local podem limitar esse saque para valores máximos definidos pelo dono do Caixa. Nesse caso o problema não é do Santander, mas do banco americano.

    Como já tentei usar o débito do Santander no exterior e nunca rolou, só fico com o crédito e o saque mesmo.

    Não tenho vínculo com o banco, pois não gosto de banco nenhum. Só que até agora o Santander foi o que me serviu melhor, apesar dessas restrições.

    • Guilherme 11 de agosto de 2011 at 15:54 #

      Leandro, interessante esse dado! Pelo visto, o negócio ao se ter cartão Santander, é usá-lo somente para saques em ATMs!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  65. Sérgio 11 de agosto de 2011 at 2:27 #

    Olá Leandro,

    O problema é que eu acreditei na parte do povo do 0800 que dizia que existia. Vários bancos possuem isso, porque pensar que o SANTANDER não teria? Seria uma $%#$%^ em relação aos outros bancos?

    Isso me trouxe grande prejuízo. Não gostei nem um pouco da situação e o que ela me causou. Para piorar, voce liga do exterior para resolver e NADA. Pessoal muito mal preparado.

    Ontem tive que sacar 2x de 400$ no Canadá e foi me cobrado uma taxa de 1,5$ por cada saque. Hoje, fui a um banco chamado Canada Trust e não informaram qualquer cobrança e pude sacar 900 dólares (mais que o dobro de ontem e não paguei pela retirada por aqui). Creio que o Santander deva estar levando o dele (os 10 reais por saque).
    Isso já diminui um pouco o prejuiízo. Mas o meu problema maior continuou sendo os eua E TUDO QUE rolou lá e não consegui comprar ou resolver.

    PRECISAMOS DE FAZER UM POST AQUI COM O MELHOR BANCO PARA A FUNÇÃO DÉBITO FUNCIONANDO NOS EUA (a maioria do povo hoje viaja para Miami ou New York).

    Digite Santander New York e veja no que dá. Faz parecer que o Banco está lá de fato, funcionando como um banco para clientes PF.

    Saudações!

    • Leandro 11 de agosto de 2011 at 23:51 #

      Sérgio e Guilherme,

      Tive essa experiência uns anos atrás, na Europa. Na época o atendente me disse que dava prá usar o débito, o que foi confirmado pela minha gerente. Não rolou, mas na época não havia os 6,38%, então o prejuízo nem foi tão grande. Dessa vez já liguei pedindo para habilitar e a atendente disse que não existia o serviço. Acabei “avisando” minha gerente disso…

      O fato é que os bancos não estão preparados para clientes com conhecimentos mais adiantados sobre a sistemática deles. Os gerentes querem emprestar dinheiro, vender um “segurinho”, aplicar dinheiro na poupança, vender um título de capitalização, etc. A sensação que tenho é que a quantidade de clientes que pedem esse tipo de serviço (saque no exterior, débito, etc.) é irrisória. Um amigo acabou de vir dos EUA com o pai e, pasmem, levou TUDO em travel check. Ou seja, ele não sabia das opções e o banco deu menos ideias ainda.

      Isso funciona com investimentos, etc. E não é privilégio de bancos “populares”. Tive conta no personnalite e confesso que minha experiência não foi legal não. O cartão de crédito deles não rolou para uma compra de passagem internacional e não teve jeito de liberar…

      A ouvidoria do Santander funciona bem, mas não espere nada além de um pedido de desculpas. Imagino o transtorno que você deve ter tido, mas há no post aqui a informação de que o Chase não cobra nada pelo saque, p. ex. Não sei os limites por lá, mas disseram que tem de monte. O Santander informa que o limite DIÁRIO são R$ 2.500,00 e estou indo com essa informação no bolso e não querendo usar o Cartão de Crédito. Mês que vem eu vou para NY e vou dar uma testada no sistema.

      Saudações!

      • Guilherme 16 de agosto de 2011 at 19:50 #

        Leandro, pontuou muito bem: “O fato é que os bancos não estão preparados para clientes com conhecimentos mais adiantados sobre a sistemática deles”.

        Disse tudo. E é o que deve acontecer com a maioria dos leitores aqui do blog: sabem mais dos serviços do banco que os gerentes do próprio banco.

  66. Guilherme 11 de agosto de 2011 at 15:52 #

    Sérgio, inicialmente, agradeço aqui ter postado suas impressões sobre as inúmeras dificuldades de usar o cartão de débito para compras nos EUA, bem como sobre a péssima experiência utilizando os canais de 0800 aqui no Brasil.

    É lamentável, profundamente lamentável, que um banco da estrutura do Santander se preste a realizar esse “desserviço” ao cliente. Você se precaviu de todas as formas para aproveitar os benefícios do uso do cartão de débito para compras no exterior, bem como para saques, e o Santander, por meio de seus funcionários não preparados, não lhe presta as informações adequadas. Isso caracteriza despreparo no atendimento ao cliente, uma vez que o mínimo que se espera do banco é a prestação de informações corretas sobre limites e valores a serem utilizados com os cartões múltiplos do banco no exterior.

    Não dá para deixar barato essa situação. Sugiro o encaminhamento de reclamações formuladas por escrito junto ao seu gerente de conta, bem como ao SAC e à Ouvidoria. Instrua suas queixas com cópias dos extratos de compras no cartão de crédito, registros de ligações telefônicas para o Santander e demais documentos que julgar importantes.

    Cada cliente tem um tipo de experiência com seu respectivo banco, que gera impressões positivas ou negativas, a partir de circunstâncias específicas. No seu caso, pelas informações repassadas, você procurou de todas as formas a informação adequada, logo, você não poderia ser prejudicado.

    Receba aqui minha solidariedade e faço votos de que em sua viagem você possa superar esses problemas.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  67. Sérgio 12 de agosto de 2011 at 18:34 #

    @ Leandro: Chase não é o Banco parceiro do Santander por lá. Embora seja grande, você não vê logo do Santander nele. No outro você vê.
    Logo, se o Chase seria bom, este outro seria o que? EXCELENTE?

    BOA sorte na sua jornada!

    —-

    @Guilherme:
    Agradeço as palavras. Na verdade, fiz dois envios de mensagens. Na segunda vez cobrando a primeira com o protocolo e, até agora, nenhuma resposta do SANTANDER. Nada!
    Pedi cópia das minhas ligações ao banco desde o começo de Julho. Também, não responderam. Creio que estejam usando a nossa “nobre” CONSTITUIÇÃO em que ninguém é obrigado a produzir prova que o incrimine.
    Com as ligações ficaria fácil demonstrar que fiz vários contatos e os assuntos abordados.

    Ao contrário de você, imagino que reclamar na Ouvidoria vai dar em nada. Não vão pagar pelo prejuízo que tive. Eles tem obrigação de ter a informação fácil e CORRETA ao consumidor. Isso é O MÍNIMO.
    Se eu soubesse que não tinha a possibilidade de usar o débito, eu simplesmente me PLANEJARIA para ou levar dinheiro ou SACAR. Como podemos ver no corpo deste artigo, usar o Cartão de Crédito não é vantagem. Especialmente em grandes montantes (exceto pelo aspecto de segurança).
    Se eu inseri mais recursos para a conta neste Banco foi por algum motivo (ele não cobrava taxa de 2.5% que o BB cobra). Ou seja, aparentava ter alguma vantagem.

    Quem já viajou ao exterior e sabe como é dificil resolver coisas por telefone. Até ligar para a família as vezes é difícil. Imagine brigar com um banco no exterior.

    Ao retornar formularei o histórico do problema, lançarei a informação em todos os blogs e sítios de consumidor (como o ReclameAqui), bem como no PROCON e na Justiça.
    A questão aqui não é se um banco vai cobrar uma taxa ou outra. É, simplesmente, não informar que INEXISTE tal opção no exterior ANTES de você deixar seu país.
    Da última vez vim com 5000 dólares no bolso. Desta vez vim com 1 dólar.
    Se o banco informa ANTES que não possui o serviço você procura outro que tenha. Simples, assim. No máximo, muda sua estratégia para SAQUES no lugar de DÉBITO.
    Pense você e sua família na rua em outro país e, quando você vai usar seu cartão, ele só funciona para CRÉDITO (ainda bem que pelo menos para isso). Tem gente que o que tem de limite não pagaria sequer o HOTEL.

    Saudações. Bom final de semana a todos!

    • André 19 de outubro de 2011 at 0:59 #

      Sergio, os comentários seguintes me acalmaram…

      O que vc disse sobre o CHASE não ter parceria com o Santander, pelo que eu entendi NÃO PRECISA!

      O saque é feito em ATMs parceiros da REDE PLUS ou da CIRRUS, não é isso?

      Por exemplo, o meu é VISA (rede plus). Dá, mesmo sendo cliente do Santander, para sacar no HSBC e outros, é só o ATM deles ter o logo da REDE PLUS.

      Acho que não importa o Banco, talvez isso tenha dificultado seus saques!!

      Não é?

  68. Me 12 de agosto de 2011 at 19:29 #

    CEF tem sim como sacar com cartão de débito.

    • Me 14 de agosto de 2011 at 16:38 #

      Bom, no Cartao tem a bandeira do CIRRUS. Mas “todo mundo” q li na internet fala que CEF NAO faz saques. E agora??????????????????? kkkkkkkkkkkk Vu ligar pro banco.

  69. paulo 15 de agosto de 2011 at 11:35 #

    Bom dia, hj recebo na conta do Santander um aviso q o Iof passara para 9% caralho. isso chega a da raiva.fiz a conta no Santander,por ser conta universitaria.fiz um mastercard. mto bom o cartão. estou pensando em cancelar meu hiper,para fazer um visa.

    • Leandro 15 de agosto de 2011 at 21:19 #

      Paulo,

      Pode explicar isso um pouco melhor? 9% ao ano? IOF referente à cobrança de contas?

    • Leandro 15 de agosto de 2011 at 21:20 #

      Paulo,

      Pode explicar isso um pouco melhor? 9% ao ano? IOF referente à cobrança de contas?

      Obrigado.

  70. Guilherme 16 de agosto de 2011 at 19:25 #

    Sérgio, de fato é triste e lamentável a postura desse banco. No seu caso, ficou faltando esclarecimentos por parte do banco. Faço votos de que consiga fazer valer seus direitos de consumidor!

    Paulo, 9%!? Também estou curioso…

  71. Renato C 17 de agosto de 2011 at 23:16 #

    As pessoas de um modo geral não percebem algo que parece óbvio: as informações (sobretudo as bancárias) valem DINHEIRO. Isto é, uma informação errada dada por algum funcionário (e isto é, de modo oficial pelo banco, ainda que não por escrito) acarreta em PREJUÍZO por parte do correntista.

    Quem lida com bancos sabe que estas informações erradas dadas por parte de funcionários e/ou atendentes são coisas MUITO corriqueiras, portanto, o caminho acaba sendo sempre o da desconfiança e o da busca (sim, busca, porque até isto pode ser difícil) de documentos e tabelas dos próprios bancos especificando como se dão os serviços oferecidos. Ainda assim, as coisas podem dar errado…

    Os funcionários dos bancos são até esforçados, porém despreparados, sem treinamento, que caem ali de páraquedas para serem “largados” nas agências (que nunca estão com o seu quadro de atendentes completo) e atenderem o público.

    E o prejuízo sempre fica com o cliente (vítima), nunca com o BANCO, que ERRA sistematicamente ao informar sobre determinados produtos.

    Renato C (Que fica feliz quando um atendente é sincero diz que não conhece determinados produtos, ainda que seja obrigação dele sabê-lo ou ir atrás e não mandar você ligar para o 0800 e escutar musiquinha. E digo isto quando ele não pega o telefone para ligar para o 0800 e fica escutando musiquinha junto com vc rs – Puro atestado de incompetência)

    • Leandro 18 de agosto de 2011 at 15:52 #

      Prá mim você matou a charada. Informação vale dinheiro e eles não te passam corretamente.

      Já faz alguns anos (uns cinco para ser preciso) que eu não confio em informação nenhuma proveniente de gerente (e muito menos de 0800). Eles não sabem nada a não ser vender segurinho e aplicação em poupança, consórcio, essas coisas, e podem nos prejudicar. Achei esse post muito válido porque ele é empírico e de uma pessoa com informação avançada, como é o caso do Guilherme. Já faz um tempo que eu não saio seco acreditando no atendente ou na minha gerente. Eles são incompetentes e mal remunerados, são vendedores de produtos, nada mais.

      Esse caso do TED foi o cúmulo, por exemplo, mas eu jamais acreditaria nessa informação sem olhar para o extrato. Porque no fundo, o prejuízo será SEMPRE nosso e eles vão lavar as mãos e empurrar o problema prá frente, como é praxe no Brasil…

  72. Renato C 18 de agosto de 2011 at 6:49 #

    Para exemplificação do que eu disse:

    http://www.reclameaqui.com.br/1511003/banco-itau-s-a/confirmacao-de-ted-equivocada/

  73. Guilherme 18 de agosto de 2011 at 21:54 #

    Onde é que eu assino, Renato?

    Seu depoimento serviu de base para um novo artigo aqui no blog. Estou com o Leandro: você matou a charada…

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  74. Alan C 22 de agosto de 2011 at 2:38 #

    Belíssimo texto, Guilherme. Um flash de luz em tanta escuridão de informações sobre o assunto. Parabéns!

    O relato do Sergio quanto ao problema com o Santander é grave, mas parece pontualmente focado na questão do débito no exterior.

    As demais aspectos positivos do Santander continuam ou será que alguém mais teve problemas com compras no crédito (câmbio)?

    Saudações,

    Alan

  75. FLAVIO 23 de agosto de 2011 at 20:52 #

    Bom, dos piores, o Santander ainda é o melhor, Banco nao trabalha de graça, não defendo nenhum, mas como eu disse dos piores é o melhor. Eles cobram, 15 reais de tarifa de saque no exterior (acho que quer paga). O Banco do Brasil, por ser metade do governo deveria dar o exemplo e cobrar alguma coisa módica. Pura ilusão é a tarifa mais cara, o pior serviço, não entendo pois é o banco que tem a maior rede fora do Brasil da agencias proprias.
    Meu relato quem quer paga, se nao quer melhor levar em c ash

  76. Guilherme 23 de agosto de 2011 at 20:56 #

    Alan C, obrigado!

    Flávio, de fato, o BB deveria ter tarifas melhores, exatamente pelos motivos apontados por você: maior rede de agências próprias fora do Brasil.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  77. TANIA 25 de agosto de 2011 at 11:58 #

    O SANTANDER E’ O MELHOR BANCO PARA SACAR DINHEIRO NO EXTERIOR.COM O CARTAO DE DEBITO SANTANDER VOU AO CITIBANK E SACO 800 DOLARES E PAGO AO CITIBANK 3,00.SE VOCE SACAR SOMENTE UMA VEZ POR DIA,NAO TE COBRARAO NADA.PODE SACAR MAIS DINHEIRO NO BANCO,POIS OS CAIXA ELETRONICOS COBRAM MAIS E DAI SE MULTIPLICAM SUAS DIVIDAS.ATM(CAIXAS ELETRONICOS SO DAO ATE 200 DOLARES OU 300 DOLARES DE CADA VEZ E TE COBRAM 3 DOLARES A 5 DOLARES ,POR CADA RETIRADA DE DINHEIRO E MAIS AS TAXAS DO SEU BANCO NO BRASIL.
    AVISO:SAQUE SEMPRE DINHEIRO EM CAIXAS ELETRONICOS DE LUGARES GRANDES.MERCADOS,SHOPPINGS.NUNCA DE LUGARES PEQUENOS.EU JA PERDI 40 DOLARES POR SACAR 200,00 E SO VIREM 160 DOLARES NUMA LOJA DE 99 CENTS.AS NOTAS FICARAM PRESAS E HOMEM TIROU SO 160,00 E DISSE QUE NAO TINHA MAIS. EU FALEI COM MEU BANCO SANTANDER E O CARA ME ROUBOU O DINHEIRO.QUERIAM QUE EU FIZESSE UM REPORTER E EU DEIXEI PARA LA.NUNCA MAIS COMPREI NA LOJA DESTE CARA(99 CENTS).JA FUI A UM POSTO DE GASOLINA EM MIAMI E ME
    SAQUEI MENOS VINTE DO QUE TINHA PREVISTO.AGORA SO SACO NO BANCO DE UMA VEZ.
    O CITIBANK DA 600 DOLARES POR DIA,MAS SE SACO DO BRASIL,ME DA 800 POR DIA POR 3 DOLARES.SE NECESSITO SACAR MAIS O MEU BANCO ME COBRARA MAIS PELAS OUTRAS RETIRADAS.

  78. Luciano 26 de agosto de 2011 at 13:10 #

    Eu liguei pro BB e me informaram que a função saque em outras moedas incide somente uma taxa de 1%.
    Será mesmo? o cartão é platinum…..

  79. Guilherme 28 de agosto de 2011 at 13:49 #

    Tania, interessante seu depoimento. Só uma orientação: procure escrever de modo normal, evitando usar a tecla CAPS LOCK, pois, do jeito que você escreveu, dá a impressão de que está gritando.

    Luciano, só se mudaram recentemente as tarifas (de novo!) Melhor verificar se houve mudança consultando seu gerente ou – a melhor opção e mais confiável – verificar na página do BB na Internet se houve mudanças – tabela de tarifas pessoa física.

  80. FLAVIO 29 de agosto de 2011 at 11:37 #

    O BB cobra 1% de taxa para conversão de outras moedas pra US Dolar. E mais 2,5% em cima do valor sacado e mais taxa fixa de R$ 8 a 15 dependendo do relacionamento e do pacote de serviço. OU seja, o Pior Banco do Brasil pra saque é o Banco do Brasil.

  81. Rafael 31 de agosto de 2011 at 1:27 #

    Olá Tania,
    Muito valioso o seu relato. Só não entendi muito bem a parte que você disse: “SE VOCE SACAR SOMENTE UMA VEZ POR DIA,NAO TE COBRARAO NADA.PODE SACAR MAIS DINHEIRO NO BANCO,POIS OS CAIXA ELETRONICOS COBRAM MAIS E DAI SE MULTIPLICAM SUAS DIVIDAS.” Poderia explicar isso melhor?

  82. Rafael 31 de agosto de 2011 at 17:01 #

    Eu acho que o Santander Free não cobra taxa para saques no exterior, pelo menos é isso que está escrito no site do cartão: http://www.santander.com.br/portal/wps/script/templates/GCMRequest.do?page=5585&entryID=7910
    Dessa forma, seria a melhor alternativa sacar dinheiro nos EUA no débito, com a cotação do dolar comercial e em um ATM que não cobre tarifa (Chase). No site só não está claro se essa isenção de tarifa é somente na função crédito ou em ambas.

  83. Guilherme 1 de setembro de 2011 at 12:34 #

    Pois é, Rafael, eu também fiquei em dúvida a esse respeito. É preciso ter cuidado ao sacar dinheiro do limite do cartão de crédito, pois, embora possa não existir tarifa, existem juros cobrados pelo serviço, juros esses que são um dos mais altos do mercado. Prefiram sempre sacar do cartão de débito, e, caso o cartão seja múltiplo, escolher o saque da função débito (saque da conta-corrente).

  84. FLAVIO 2 de setembro de 2011 at 22:04 #

    O problema é que o Santander não tem débito no exterior não adianta. Sempre sacara do cartão, e que segundo informações o do Platinum é cobrado apenas RS15 reais pelo serviço SEM JUROS.
    Fiz o teste no Paraguai pra ver, qdo fechar a fatura informo….

    • Igor 30 de setembro de 2011 at 18:01 #

      santander tem saque da conta sim.

  85. Guilherme 2 de setembro de 2011 at 23:11 #

    Flavio, é possível sim, sacar da função débito no exterior.

  86. Alan C 4 de setembro de 2011 at 23:28 #

    Colegas,

    Fiz consulta ao meu gerente do BB e obtive as seguintes respostas sobre tarifas para operações no exterior:

    1 – saque função débito/crédito: u$ 2,50 + 0.38% de iof
    2 – compras débito/crédito: 6,38% de iof
    3 – compras no débito: 10 operações por dia limitados à R$ 10.000,00
    saque: 10 operações por dia limitados à r$ 2.000,00

    Pelo que li na página oficial, o BB já se aplica a Resolução 3.919 do Bacen.

    A tabela disponível indica R$12 para saque no exterior (crédito ou débito), diferentemente do que informar o gerente (U$2,50+IOF).

    De qualquer forma, parece que a cobrança do % sobre a operação não se aplica mais no BB.

  87. Guilherme 6 de setembro de 2011 at 19:56 #

    Grato pelas informações, Alan!

  88. FLAVIO 8 de setembro de 2011 at 19:31 #

    Guilherme, a informação que tive e comprovado pelo meu amigo é a seguinte, na Espanha, e somente lá, você saca direto da conta corrente, sem tarifas (lógico, o Santander é espanhol) até ai tdbo bem, mas em Portugal e na França, nada de débito, só no crédito…. Agora, se alguém conseguiu sacar no débito ou usar o débito pra compras me conta como….

    • Igor 30 de setembro de 2011 at 17:59 #

      Pelo que sei, o santander nao tem compras com débito, somente saque.

  89. FLAVIO 8 de setembro de 2011 at 19:33 #

    Esqueci de mencionar Ele veio de lá ontem, então são informações fresquinhas… Me contou que na Espanha pelo Santander é bem tranquilo, limite alto de saque no débito da conta. Sem tarifas….

  90. Guilherme 9 de setembro de 2011 at 9:48 #

    Flavio, ótimas dicas! E se a cotação de conversão do euro para reais for a do câmbio comercial, melhor ainda! Se alguém fizer um “tour” na Europa, começando pela Espanha, fazer uma “provisão” em euros talvez possa ser uma medida bastante econômica…

  91. Leandro 14 de setembro de 2011 at 16:12 #

    Olá,

    Pela primeira vez senti alguma firmeza em informações recebidas pelos atendentes do Santander. Questionei por twitter, depois por e-mail (e me responderam pelo telefone, seguindo a já citada estratégia do “não documentar nada”).

    Pois bem, disseram que o limite de saque para cartões com chip é de R$ 600,00 por dia, convertidos em dólar. Cartões sem chip baixam para R$ 300,00. Não há limite semanal.

    Como as contas Van Gogh top apenas liberam dois saques internacionais por mês livres de taxa acho que fica complicado a gente se livrar do pedágio da Dilma para compras no Cartão de Crédito, certamente a melhor opção do mundo. Com esses valores baixos, deixa de compensar realizar muitos saques (como eu tinha pensado)…

    Fica a informação.

    Abs!

  92. Guilherme 15 de setembro de 2011 at 22:07 #

    Grato pela informação, Leandro!

  93. Fabricio Bortoluzzi 20 de setembro de 2011 at 11:42 #

    Parabéns pelo texto. Informativo. Útil. Boa dose de bom humor e precisão de dados. Sucesso!

  94. Guilherme 21 de setembro de 2011 at 6:36 #

    Obrigado, Fabricio!

  95. FLAVIO 21 de setembro de 2011 at 8:49 #

    Quero ver o que a Dilma vai fazer com o dolar batendo 2 reais, não justifica essa alíquota ridícula pra não dizer ilegal de 6,38% no CC. E parece também que todos os bancos abandonaram a conversão no dólar comercial e estão todos convertendo no turismo…. (Itau, Santander, Bradesco, CEF, BB…)

  96. Guilherme 23 de setembro de 2011 at 6:18 #

    Pois é, Flavio, quem deixou para comprar dólares para viajar para o exterior ficou numa situação difícil, pois houve uma alta exagerada na cotação E, se resolver usar o cartão de crédito, ainda tem o IOF de 6,38%.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  97. Gouvea 30 de setembro de 2011 at 2:52 #

    Olá pessoal,

    segue abaixo uma lista de bancos estrangeiros que possuem agência no Brasil:

    http://www.riskbank.com.br/anexo/bestrang1204.pdf

    Será se vale a pena abrir uma conta nesses bancos, será se eles aceitam uma conta de serviços essenciais ou universitária(no minimo)…

    Será se vale a pena abrir uma conta no Bank of american ou no City Bank…

    E temos de falar do Banco Safra…será se vale a pena abrir uma conta no Safra…será se eles cobram pouco pelo uso de débito no exterior…e o cartão…

    Guilherme sugiro como novo post, um estudo detalhado para discutirmos a respeitos de abrir uma conta no Safra, Votorantim e demais bancos estrangeiros com filial ou agência no Brasil…

    Abraços a todos!

  98. Guilherme 2 de outubro de 2011 at 17:23 #

    Olá Gouvea, grato pelo link!

    Bom, em tese, todos os bancos com agências no Brasil deveriam permitir a abertura de contas de serviços essenciais. Entretanto, ocorre que nem todos eles são bancos de varejo. Alguns, por exemplo, devem ser restritos a clientes de alta renda ou private, como suponho serem o caso do JP Morgan e Credit Suisse.

    Dos listados ali, os que devem ser mais acessíveis ao público de varejo acredito serem o HSBC e Santander. Grato pela sugestão de matéria, já está registrada!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  99. Leandro 3 de outubro de 2011 at 20:24 #

    Olá,

    Estou nos EUA e relato minha experiência com o Santander.

    Cartão de débito Maestro (bandeira Mastercard) foi utilizado normalmente por mim nos outlets de Orlando e na Best Buy. O Visa não libera. É só pedir para o vendedor colocar isso. O dólar é estranhamente menor do que a cotação oficial (sexta-feira fechou a 1,88 e me cobraram 1,85 o fim de semana todo). Para saque é a mesma coisa, a cotação é a mesma. Detalhe que me disseram que o limite diário de saque era de R$ 600, depois que era de R$ 2.500,00 e, no teste para os EUA, realmente o limite é maior do que os R$ 600. Quanto aos R$ 2.500,00, depende do banco onde você saca. No Chase não deixaram, no Citi, saquei próximo disso… Todos os bancos cobram de USD 2,5 a USD 3 (alguns querem cobrar USD 5, principalmente os ATMS de farmácia).

    Se não fosse a maluquice que está a cotação do dólar, teria sido altamente vantajoso sacar aqui. Porém toda essa doidera do cambio acabou prejudicando minhas compras. Preferi, de todo modo, usar o débito e ter certeza dos valores pagos.

    Na minha conta Van Gogh Maxx não cobraram tarifa nenhuma para a função débito do cartão. Acho que está incluída. Diria para consultarem os gerentes, mas acho muito pouco provável que a solução dada (geralmente uma ligação telefônica, nada por escrito) seja esclarecedora e precisa. Infelizmente o método tem que ser empírico e sempre com um plano B na manga caso as coisas não deem certo. Também não tem o IOF adicional de 6% (apenas os 0,38% eu acho) o que torna o débito o modo campeão de compras…

    Sucesso a todos!

    • Igor 4 de outubro de 2011 at 0:35 #

      quando vc diz que sacou 2500 no citi, foi no caixa eletronico mesmo?

  100. Tiago 4 de outubro de 2011 at 7:42 #

    Olá, estou em Portugal e consigo fazer saque na função debito do meu cartão santander. Quando fui liberar a função internacional o meu gerente me pediu para mudar de bandeira, passar de visa para mastercard. Segundo ele o visa da problema na europa, mas na hora nem perguntei quais problemas. Devem ser os relatados acima, pois o meu passa direto e esta cobrando R$2,518 por euro e tarifa de R$10,00 de saque internacional.

    • claudia 16 de outubro de 2011 at 23:43 #

      Pois o meu Visa do Santander nao está aceitando débito aqui em Portugal. No caixa do “Multibanco” tentei sacar adébito e foi tudo direto para a faturado cartão. Na hora de pagar compras, tb nao consigo a debito. Alguem tem alguma solução para isso?Obrigada!!

  101. Juliana 4 de outubro de 2011 at 17:32 #

    Então quer dizer que se vc tiver um valor super alto no cartão de crédito para saque no exterior caso haja emergência é valido usar a função crédito?

  102. Gabriela Sarti 6 de outubro de 2011 at 15:06 #

    Não concordo quando se fala para esquecer os traveler checks… para viagens a grandes cidades dos EUA ele é bastante atraente se comprado no Santander… eles não cobram nenhuma taxa sobre o valor comprado e o valor é geralmente 5 centavos abaixo do dólar em moeda ou do visa travelmoney… e nos EUA vc troca sem tarifas os travellers nas agencias da American Express.

  103. Paulo 7 de outubro de 2011 at 0:21 #

    Leandro,

    O que você quis dizer com “O Visa não libera. É só pedir para o vendedor colocar isso”?

    Minha bandeira do cartão santander é visa. Não vou conseguir sacar no citibank nos EUA?

    Obrigado.

    • Igor 7 de outubro de 2011 at 10:53 #

      acho que o santander nao possui visa eletron no exterior, somente maestro.

      para saques funciona sim, mas para compras acho q nao.

    • Leandro 7 de outubro de 2011 at 14:22 #

      Saque é normal, qualquer um faz.

      Compra com cartão de DÉBITO é que só o maestro é que faz…

  104. Guilherme 8 de outubro de 2011 at 12:24 #

    Gabriela, muito interessante seu comentário! Fica a dica dos traveler´s checks como opção adicional de compras no exterior!

    Interessante que a compra no débito só o Maestro faça… na minha próxima viagem ao exterior, vou testar essa funcionalidade!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  105. André 18 de outubro de 2011 at 2:30 #

    Amigo, geralmente eu não comento em sites, mas vc merece um ENORME AGRADECIMENTO por este serviço gratuito de utilidade pública!

    Nossa, que abordagem vc fez!

    Simplesmente resolveu todas as dúvidas que eu tinha sobre o que fazer na minha viagem próxima.

    Mais uma vez, obrigado.

  106. André 18 de outubro de 2011 at 4:45 #

    Só uma correção, o Bradesco hoje não cobra mais % em saques internacionais.

    Eu já desbloqueei o meu cartão de débito do Bradesco (VISA – Rede Plus) para saques nos EUA e a taxa será de R$ 7,90 por saque.

    O limite máximo do saque, segundo eles, é de 600 reais.

    Mais tarde vou descobrir um pouco mais sobre a cotação para estes saques.

    O que eu posso dizer do Bradesco, até o momento é:

    – CARTÃO DE CRÉDITO = a cotação é um absurdo! Tenho um Master e um Visa Platinum e nunca mais vou gastar 1 centavo em dólar.

    – BRADESCO EXCHANGE = para compra em espécie ou cartão pré-pago (VTM ou o da AMEX) = não há cotação melhor para comprar em lugar algum! Para clientes PRIME tem um desconto, e a cotação deles é 5, 6, 7, 8 centavos abaixo das demais, como BB, Confidence etc.
    (hoje estava 5 centavos da Confidence e 7 do BB)

    Fora que eles entregam em casa, não sei se é só para clientes PRIME a entrega. O desconto na cotação para compra é, e posso garantir que não há melhor.

    A cotação para TRAVELER’S CHECK estava ainda 2 centavos mais barata que a outra, estava 2 centavos acima do dólar comercial.

    SAQUE INTERNACIONAL – como falei, é um preço fixo de R$7,90 e agora eu vou rezar para cliente PRIME ter algum desconto ou eles terem mudado também esta cotação…
    Tendo em vista que os meus cartões de crédito são absurdos! Eles deveriam jogar esse p/ baixo como vcs disseram que o Santander faz.

    Caso contrário, vou levar o cartão de outro banco p/ saques.

  107. André 18 de outubro de 2011 at 9:40 #

    É… horas de telefone, já falei com todas as pessoas possíveis e cada um me diz uma coisa.

    Já ouvi que é o dólar comercial, turismo e cartão de crédito.

    Já voltaram até a me dizer que os 7,90 não vale mais, voltou p/ aqueles 2 dólares + 2,5%…

    Acabei de fazer uma reclamação na ouvidoria p/ ver se alguém que saiba realmente como funciona, me explique.

    To achando que vou levar o Santander do meu pai… será que ele é o melhor p/ saques???

  108. Guilherme 19 de outubro de 2011 at 9:19 #

    André, muitíssimo obrigado pelos comentários e pelas observações a respeito do Bradesco, detalhando de modo abrangente as diversas opções de utilização de moeda estrangeira com esse banco! Acredito que isso será de grande valia para todos os demais leitores que sejam correntistas desse banco!

    Sobre a questão dos saques com o Santander, se for com o cartão de débito, acredito que seja a opção mais barata, pelas informações contidas no artigo.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  109. Bruna 25 de outubro de 2011 at 11:26 #

    Liii todas infos, achei otimo e me atualizei de tudo! Obrigada autor!!

    Resultado, liguei no 0800 do SANTANDER( aonde tenho o cartão multiplo internciaonal) e de cara falei ao atendente: “olha preciso saber uma série de coisas sobre compras no exterior, por cartão de credito e debito! Sei que voces dão diversas informações diferentes, e eu quero saber se vc saberá me responder tudo certo”.
    Ele: sim!

    Pois bem, começamos bem. ELe disse que a taxa de saque no exterior era de r$ 10,00 por saque.
    Ok, daqui em diante, ele não soube ou respondeu de forma que me fez desconfiar se ele estava correto ou não.

    1º: ele disse com todas as letras que não HÁ FUNÇÃO DÉBITO NO EXTERIOR. Ok, ai pode até ser.

    2º: qual cotação do dolar utilizada? ele me respodndeu. TURISMO!!
    Eu falei como assim, então vocês são o unico banco q não utiliza o dolar comercial. Isso é um absurdo!

    Fim de papo. Me stressei e desliguei o telefone.

    Agora me digam. Será que é verdade isso, o santander só utiliza o dolar turismo, (ele disse que é tanto pra saque quanto pra crédito) ??????????????????????????? Ou seja, tudo o que foi discutido aqui, vai por agua abaixo!!
    Me ajudeem!

    • Leandro 25 de outubro de 2011 at 13:05 #

      Bruna,

      Reitero o que eu disse nos comentários acima. Estive nos EUA faz 15 dias e a função débito existe quando usado o cartão Maestro (bandeira mastercard). A cotação utilizada, tanto para débito quanto para saque, é uma bem próxima do dólar comercial.
      Não sei qual é a tarifa que o banco cobra, já que meu pacote de tarifas me isentou delas na viagem. Fiz umas 20 compras no débito e não cobraram nada.
      Sem querer ser chato, desista de perguntar as coisas ao Santander. Eu perguntei pelo twitter e recebi uma resposta; da gerente, uma segunda e do 0800, uma terceira. Eles insistem que não existe débito internacional (mas não escrevem isso num e-mail, só respondem por telefone), mas na minha conta tem um monte deles. Será miragem?
      SEMPRE tenha um plano B, quando optar viajar com esses meios de pagamento (Débito e saque). O ideal é que você leve um pouco de dinheiro do Brasil e tente sacar lá logo que chegar. Caso não dê certo, tente o débito. Se ainda não der certo, safe-se com o crédito (que sempre funciona e não costuma dar problema).
      Disseram acima sobre travelers cheques. Eu não gosto, não uso e não usaria. Mas eles podem ser uma solução. Não se esqueça dos cartões de débito internacional, que também podem ser legais.
      Teste por sua conta e veja o que funciona. O santander é um bom banco, mas ninguém dá informação correta por lá, não adianta. Faça por você mesma e descubra. Na raça!

      • Bruna 26 de outubro de 2011 at 10:26 #

        Oi Leandro. Muito obrigada pela sua atenção!

        Realmente deve haver a opção de débito, embora eles falem que não. O que farei é testar essa função nas lojas nos EUA e ver se realmente funciona ou não. Vou testar primeiro com um valor pequeno e ver o que vai dar.

        Estou levando 2 mil dólares, divididos em travel card e também em espécie! (paguei R$ 1,62 em agosto.

        Mas o que me encheu os olhos realmente era a opção de pagar em débito, sem ter a preocupação de mudar o cambio no fechamento da fatura e principalmente por usar o dolar COMERCIAL.

        Me decepcionou muito o atendente falr que é o dolar turismo que é usado. E eu não duvido disso não. Sabe pq? paguei minha taxa sevis de estudante de $200 esse mês, e paguei R$1,86 no dolar.

        Terei q me conformar q não é o dolar comercial mesmo??? =/

        • Leandro 26 de outubro de 2011 at 11:35 #

          Bruna,

          Nos dias que saquei a cotação chegou a ser “melhor” do que o Comercial. Peguei aquela semana altamente turbulenta em que a cotação saiu de 1,70 para 1,90 em cinco dias. Nesses dias, os saques/débitos foram feitos com cotação de 1,854, enquanto o dólar estava a 1,86 ou 1,87.

          O ideal é você tentar fazer as compras pela noite (quando a cotação já fechou e não oscila). Durante o dia muda conforme o dólar (o que eles usam é o dólar do minuto da compra).

          Para saber se tem a função débito, basta pedir ao vendedor. Naqueles caixas de grandes lojas, em que é usado um sistema da loja, (não uma máquina de cartões) a primeira opção sempre será o débito (no Master). Por isso que descobri. Quando paguei com o Master me pediu uma senha (o PIN). Esse PIN é para pagar no débito. Para pagar no crédito é preciso cancelar e deixar a segunda opção. Sempre lembrando que nessas máquinas quando você usa a senha, é pq pagou no débito. Crédito, no exterior, raramente pede senha, ainda que seu cartão tenha chip.

          Não é o dólar turismo, isso é certeza. Voltei tem 15 dias, ou seja, as informações são recentes…

    • igor 27 de outubro de 2011 at 11:45 #

      O que não possui débito é o Visa. No meu cartão está escrito no verso “Visa Electron válido apenas no Brasil”.

      Tentei passar nos EUA e não funcionou.

      Pra saque funciona sim. Para o Mastercard pode ser que funcione como alguns relataram, mas eu não possuo este cartão.

  110. Tassiele 27 de outubro de 2011 at 19:41 #

    Olá, estou em busca das mesmas infos que vcs e estou impressionada ao ver tantas infos trocadas. Liguei hoje para o BB. Falei com 4 (sim, 4!!!) pessoas diferentes e as 4 me passaram infos diferentes. A primeira respondeu que a taxa do saque seria o mesmo do uso do cartão de crédito, ou seja 6,38%, referente ao IOF. Outra pessoa falou que só incide 1% referente ao “valor de transação” (acho que é muito bom pra ser verdade). Outra disse que só seria cobrado R$ 12,00 por saque (???) e outra me disse que sobre saque (meu cartão é Master) paga-se uma taxa de US$ 2,50 + 2,5% sobre o valor que sacou + 0,38% de IOF. Pelo que vi, estas infos conferem com outras do texto acima. Anotei o protocolo e amanhã tbm vou ligar para a ouvidoria. Sinceramente, quase nunca esses atendentes ajudam! :/

  111. Tassiele 28 de outubro de 2011 at 10:23 #

    Olá Pessoal, acabo de entrar em contato novamente com o BB (com a 5a. pessoa diferente) e foi outra info. Ele falou que as regras mudaram pelo Banco Central recentemente. Segundo ele, atualmente há uma taxa de R$ 12,00 por saque + 0,38% de IOF sobre o valor do saque. Se sacar em dolar ou real, NÃO há adicional de taxa de conversão (1%). Se for outra moeda, há! Mas não soube me informar qual é o dolar que será cobrado no saque: comercial ou turismo? Segundo ele, a operadora do cartão, no caso MasterCard, tem um “dolar específico” para esta cobrança. Pois é, nem sabia, mas temos outro dolar aí no mercado (tem que rir pra não chorar!). Resumindo tudo: ainda não sei o quanto pagarei nas minhas transações. Se alguém conseguir, por favor, heeeeeelp!!

  112. Guilherme 30 de outubro de 2011 at 18:01 #

    Tassiele, concordo: as atendentes deveriam ter um treinamento melhor para lidar com o público.

  113. Valdinei 2 de novembro de 2011 at 16:16 #

    Boa tarde pessoal,

    Considero bastante esclarecedoras as informaçoes postadas pelo nosso autor e pelos comentaristas. Contudo, gostaria de tirar uma dúvida: É possível carregar os cartões de débito pré-pagos (travel money) com o próprio dolar no caixa dos bancos? Ou seja, trocar dinheiro em espécie por créditos?
    Muito Grato se alguém solber responder!

  114. Guilherme 4 de novembro de 2011 at 9:36 #

    Valdinei, acredito que não. Mas não custa nada fazer uma tentativa numa agência, para ver se a operação é realizada.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  115. Valdinei 4 de novembro de 2011 at 12:43 #

    Prezado Guilherme,
    Obrigado pela resposta.
    Fui conferir no BB, e realmente, não aceitaram. Entretanto, não perguntei em casas de câmbio, mas assim que souber repasso por aqui.

    Forte abraço. Parabéns!

  116. Marcos 5 de novembro de 2011 at 12:55 #

    Olá! Vejam se entendi:
    Visa travel money usa só 0,38 de IOF mas usa dólar turismo por isso nao vale a pena. Valeria a pena com Euro?
    Cartão na função debito valeria a pena mas sempre vamos estar sujeitos a taxas e regras que mudam o tempo todo e ninguém sabe e as vezes nao funcionam. Fora o risco de tambem usarem a cotação turismo.
    Traveler cheques para mim estao bem fora de moda, talvez ainda bons nos EUA, na Europa nem pensar.
    Concordo que é bom diversificar.
    É isso?

  117. Valdinei 6 de novembro de 2011 at 9:38 #

    Assumo minha ingenuidade! É óbvio que nenhuma instituição financeira aceitaria carregar nosso Travel Money Cards com dólares. Tanto os bancos como as casas de câmbio compram nossos dolares, e em ato continuo, vendem os mesmos dólares carregando os cartôes.
    Fiz uma rápida pesquisa para adquirir um Travel Money Card e o resultado é o seguinte:
    Referência: Dolar Turismo vendido a R$1,79 (sexta feira, 04NOV11)
    1)Santander:
    – Não trabalham com Travel Money Card;
    – Estavam vendendo Traveller Check na cotação R$ 1,81.
    2)Banco do Brasil:
    – R$ 15,00 o cartão (bandeira VISA) + R$ 10,00 o cartão adicional;
    – Para correntistas: Cada dolar era vendido a R$ 1,79 + 3% taxa + 0,38% IOF = R$ 1,850;
    – Não correntistas: Cada dolar era vendido a R$ 1,79 + 4% taxa + 0,38% IOF = R$ 1,868; e
    – Não entrei em detalhes sobre a anuidade/validade/taxa administrativa do cartão (mas sei que há).
    3)Casa de cÂmbio CONFIDENCE
    – R$ 15,00 o cartão (bandeira VISA) + R$ 0,00 (zero) o cartão adicional;
    – Cada dolar era vendido a R$ 1,84 (já inserido o IOF);
    – Não há anuidade, nem taxa adm, nem prazo de validade. Entretanto, há cada 3 meses, se não ocorrer movimentação com o cartão é debitado 1US$.

    Forte abraço a todos!!

  118. Karter 8 de novembro de 2011 at 19:45 #

    Olá pessoal, há um bom tempo procuro um cartão de credito ou debito internacional, que possa ser usado em compra pela internet, MegaBonus da Unibanco/Itaú parece não mais existir, adquirir o Power Bonus da Ingenicard Internacional, mais esse não é possível fazer transações pela net…. Alguém poderia me sugerir um.

  119. Eduardo Carvalho 9 de novembro de 2011 at 15:25 #

    Gostei muitissimo! Alguém sabe informar quanto (em média) é possivel sacar da conta-corrente no exterior? Obrigado.

    • Igor 10 de novembro de 2011 at 16:21 #

      Isso depende da conta, banco, pais e banco onde é sacado.
      Em alguns lugares só consegui sacar o equivalente a 200 dolares.

  120. Thiago 10 de novembro de 2011 at 9:05 #

    Parabéns cara!!
    Post excelente! Alias, o site inteiro é ótimo!
    Meus parabéns! =DD

  121. Guilherme 12 de novembro de 2011 at 14:27 #

    Obrigado aos leitores pelas palavras de incentivo!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  122. Diego 12 de novembro de 2011 at 16:56 #

    Prezados, boa tarde.
    Em primeiro lugar, gostaria de parabenizar a todos, principalmente o criador do site.
    Pretendo em breve visitar o Peru e “financiar” a viagem com saques em conta corrente do Santander. Alguém já teve essa experiência? Há problemas, como o BB, ou é tranquilo? Ademais, segundo todos falaram, a cotação do dólar é boa pelo Santander, mas e a conversão de outras moedas (no caso, Novo Sol), também é camarada?
    Obrigado!

    • igor 13 de novembro de 2011 at 1:33 #

      Pelo que me lembro, a cotacao eh boa sim. Conseguia sacar o equivalente a 250 dolares por la.

      • Diego 13 de novembro de 2011 at 14:31 #

        Olá Igor, obrigado pela resposta!
        Excelente, é justamente a quantia que pretendo sacar de vez (250 dólares), para minimizar o gasto com taxas de saque e, ao mesmo tempo, não andar com muito dinheiro no bolso.
        Vi comentários que os caixas eletrônicos do BCP são os que cobram as menores taxas, você chegou a observar diferença entre os vários bancos?
        Obrigado mais uma vez.
        Diego

        • Igor 13 de novembro de 2011 at 19:02 #

          Eu só saquei no BCP, tanto no Peru quanto na Bolivia, e nao me cobraram taxa nenhuma.
          Apesar de nunca ter tido problema, tenho medo de ficar com os saques como única fonte de dinheiro. No meu caso, eu levo cartoes, de tres bancos alem de uma quantia em especie. No BCP, os caixas sao daqueles que engolem o cartao, ou seja, tensao ate o fim da operacao.

          • Diego 13 de novembro de 2011 at 22:54 #

            Obrigado!

  123. Guilherme 13 de novembro de 2011 at 20:44 #

    Olá, Diego, obrigado pelas palavras! E boa a dica do Igor em relação ao banco BCP. Seria uma espécie de “Chase” no Peru.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  124. arp 13 de novembro de 2011 at 20:44 #

    O HSBC tem este cartão :

    http://www.hsbc.com.br/1/2/portal/pt/para-voce/conta-corrente/cartao-de-debito

    Todos os bancos tem este tipo de cartão que pode usar debito internacional?

    O HSBC é bom ou não é?

  125. Guilherme 13 de novembro de 2011 at 21:01 #

    arp, nem todos os cartões permitem utilizar o débito internacional. É bom checar no banco se há a possibilidade de uso no exterior.

    O HSBC tem, como uma de suas principais vantagens, o fato de ter uma presença forte em alguns países, o que permitiria sacar dinheiro em moeda local, no exterior, sem pagar tarifas de saque, se o ATM utilizado for do próprio HSBC. A cotação do dólar também parece não ser das piores, não sendo tão boa quanto a do Santander, mas nem tão ruim quanto a do Itaú e Bradesco.

    No final das contas, a positividade ou não do serviço dependerá de quão estreita é sua relação com o banco em que você tem conta. Não creio valer a pena abrir conta em um banco somente para fins de utilização de um cartão de débito, se você for um viajante ocasional. O negócio é você tentar avaliar as opções disponíveis no banco em que você tem conta, e refletir sobre a possibilidade de complementá-las com serviços avulsos, como os VTMs e cashs de casas de câmbio.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • arp 17 de novembro de 2011 at 19:55 #

      Agradeço as informações.

      Li no blog da Fernanda que indicou no link segundo ela:

      Santander a taxa é de 3% em cima do valor do saque + R$ 8.

      HSBC a taxa seria R$ 8,00 somente por saque, porem ela diz que o cara tem que ser cliente Advance.

      Você levou em conta foi o valor do dolar na cotação ou todas as tarifas embutidas?

      O HSBC vai ser vendido mesmo acho que é melhor desencanar deste banco né?

  126. Anderson 16 de novembro de 2011 at 15:09 #

    Muito interessante Guilherme, essas informações, mas me diz uma coisa em euro esse classificação que tu fez pode mudar na lista de todos os bancos?

    Outra coisa acessei o site do santander e aqui fala sobre o cartão http://www.santander.com.br/portal/wps/script/templates/GCMRequest.do?page=8664&entryID=8362 nesse caso é so saque em ATMs ou posso pagar compras com debito, pois ouvi dizer que tem cartões que podem fazer isso, se sim sabe quais são os bancos?

    Abraços e Sucesso

  127. Guilherme 18 de novembro de 2011 at 7:03 #

    arp, levei em conta o valor do dólar. As tarifas ficaram destacadas, de fora, para melhor visualização das cotações. Quanto ao HSBC, o que correm são apenas boatos. Não acredito numa venda no momento.

    Anderson, se mudar, acredito que mude pouca coisa, devido às taxas de “reconversão”, isto é, de euros para dólares, e de dólares para reais, que alguns bancos adotam. Na prática, o ranking deve permanecer o mesmo, ou seja, provavelmente o Santander tendo a melhor cotação, e o Bradesco a pior – agora acompanhado do Itaú…

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  128. Luiz Valentim 19 de novembro de 2011 at 18:51 #

    Muito bom o artigo, que me tirou grandes dúvidas para o planejamento da viagem. Mas uma permaneceu: Viajarei para Uruguay, Argentina e Chile mês que vem e vou levar um cartão múltiplo itaú para saque e crédito e um de crédito Santander, mas penso em levar ainda um VTM para emergência. Agora minha dúvida: Seria melhor carregar o VTM em dólar ou peso, uma vez que o Banco Cruzeiro do Sul dá essa opção?

  129. Guilherme 22 de novembro de 2011 at 17:00 #

    Luiz, eu carregaria diretamente em peso, uma vez que isso diminuiria o fator de risco cambial – pode haver alguma conversão desfavorável na conversão de dólar para peso, vai saber.

    Ou então carregar metade em dólar, metade em peso.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  130. Aventino 23 de novembro de 2011 at 17:54 #

    Bom artigo. Estive nos EUA no início de outubro e utilizei para compras o cartão Visa TravelMoney emitido pelo Banco do Brasil. Como sou cliente do Citibank experimentei sacar dinheiro nos ATMs do Citi com o meu cartão de débito. Não me foram cobradas taxas para os saques e recebi na hora um comprovante de saque com a cotação do dolar utilizada e o meu saldo da conta em reais. No dia seguinte foi debitado o IOF da operação. Infelizmente não comparei com a cotação do dolar comercial. Para saques em outras moedas haverá a conversão para o dolar e depois do dolar para o real, como nos cartões de crédito. Os saques são isentos de taxa para clientes com pacotes de tarifas premium.

  131. Karen 24 de novembro de 2011 at 2:14 #

    Olá, resolvi compartilhar minha experiência recente com o VTM da Cotação/Banco Rendimento (em euros), e cartão nacional de débito com Visa Electron do Santander e do Bradesco. Fiz movimentações na França, Espanha e Inglaterra.

    O que eu esperava que fosse o melhor, foi o pior: o cartão Santander (igualzinho ao do Bradesco) não é aceito em vários ATMs, em nenhuma das funções (débito ou crédito), embora tenha sido liberado no Brasil especificamente para a função débito (compras e saques). Ao ligar para o SAC, tiveram a capacidade de pedir ‘desculpas pela informação errada prestada pelo atendente no Brasil’… Desculpas?! Eu queria era uma solução – imagina se estivesse viajando com apenas um cartão, por motivo de tratamento de saúde, e sem falar a língua do país: desculpas resolveriam o erro grosseiro de atendimento??

    O cartão do Bradesco sempre funcionou bem – já uso no Mercosul desde 2004, e o único problema são as taxas e tarifas. Se você souber usar (faça as compras ‘pequenas’ no cartão pela função Electron – sem débito de taxas de qualquer espécie – e deixe os saques para uma ou outra situação de precisar de dinheiro vivo), e não for fazer compras de grandes valores, funciona super bem. Ah! Embora o saque na ATM seja na função débito, você deve escolher ‘crédito’ primeiro, depois vem a opção de sacar da conta-corrente (checking). Para o cartão Bradesco, geralmente a ATM pede a senha de 6 dígitos, e para as compras, a de 4 dígitos.

    O que realmente valeu a pena foi o cartão VTM. Sim, a taxa de câmbio não é tão favorável, mas nada significativo se você usar até uns 5 mil dólares, e compensa, e muito, a facilidade de falar com os atendentes de forma bem fácil – fiz quase tudo por email -, e não cobrarem para a emissão do cartão nem um centavo (e me informaram que se eu quisesse, poderia solicitar a emissão de dois cartões da mesma ‘conta’, com senhas diferentes, por uma questão de segurança e comodidade, além de poder emitir cartões em euros, libras e dólares americanos). Saquei nos mais variados ATMs, sempre na moeda local, com a tarifa fixa de 2,50 da moeda local, e acompanhei TODA a movimentação via internet.

    Assim que tiver resposta da Ouvidoria do Santander, posto aqui.
    Boa sorte a quem vai viajar!

  132. Guilherme 25 de novembro de 2011 at 17:15 #

    Aventino, legal sua experiência com o Citi.

    Karen, bacana seu relato de uso dos diversos meios de pagamento no exterior. Para evitar contratempos, nada melhor do que fazer exatamente o que você fez: diversificar!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  133. Clivia Guzansky 1 de dezembro de 2011 at 13:22 #

    Boa tarde!

    tenho uma dúvida: embora seja certo que o IOF cobrado nas operações de débito e saques internacionais seja consideravelmente mais baixo do que aquele cobrado nas operações de crédito (6% de diferença), estive pensando se ainda assim não compensaria usar o crédito.

    Explico: li no site do meu banco (HSBC premier) que nas operações de débito e saque internacional a cotação utilizada é do dolar flutuante (que, pelo q li, é superior ao valor da cotação do dolar turismo, é isso mesmo?), enquanto que o do crédito é muito próximo do dolar comercial. Fiz algumas continhas usando algumas faturas anteriores em que havia feito compras em dolar e percebi q a diferença da cotação do dolar cobrado no crédito é aproximadamente dez centavos mais barata do que a cotação do dólar turismo, q supostamente serve de parâmetro para o dolar flutuante cobrado nas operações de débito e saque internacional.
    Fui clara? Deu pra entender?

    Por exemplo, no dia 03/11 meu marido comprou um aplicativo no site da apple pelo preço de U$1,99. Na fatura veio o valor real de R$3,40, o que significa que eles usaram a cotação do dolar em R$1,70 ou R$1,71. Naquele dia (q foi o dia do fechamento da fatura) o dolar comercial estava cotado em R$1,68, enquanto o turismo estava em R$1,80.

    6,38% de R$1,70 dá um pouco mais de dez centavos, quase onze. Ou seja, o valor do dolar operado no crédito + o IOF dá aproximadamente o mesmo valor do dólar turismo! Com a diferença de que no crédito também estou acumulando milhas!

    O que você acha?! Viajei na batatinha ou as minhas contas tem algum fundamento? Esse negócio de dolar flutuante é isso mesmo, mais caro que o dolar turismo??

    Obrigada!!

  134. Sabrina Schneider 4 de dezembro de 2011 at 21:42 #

    Quando usamos o cartão de crédito na função débito para fazer saques em dólar nos Estados Unidos, nos ATMs, o dólar cobrado é o turismo, e não o comercial. Por isso a diferença entre o valor cobrado pelo dólar em relação à cotação do dólar comercial no dia em que a operação foi realizada.

    A cotação do dólar comercial só é usada nas compras com o cartão de crédito. Quando efetuamos saques, pagamos a cotação do dólar turismo, a mesma que pagamos quando vamos na agência do banco comprar a moeda americana.

    • Leandro 7 de dezembro de 2011 at 12:25 #

      É justamente o contrário, Sabrina. No débito, o dólar é muito próximo do comercial. No crédito é o dólar limbo, modalidade criada pelo Santander entre o comercial e o turismo venda (oficialmente o que eles dizem usar na fatura).

      Nos saques, comecei a reparar que sacar com o master (maestro) geralmente é melhor do que com o Visa. Com o Visa sempre me cobram um residual a título de “variação cambial” mesmo no saque. No master, nunca cobraram.

      Em Orlando, peguei na máquina dinheiro mais barato do que a cotação oficial. Não sei se isso SÓ acontece comigo, mas só tenho elogios ao dólar do Santander no saque internacional e no débito…

      • Igor 7 de dezembro de 2011 at 15:38 #

        Melhor não elogiar, eheheh

  135. Alex 5 de dezembro de 2011 at 14:55 #

    Pessoal, alguém já sacou dinheiro naquela conta internacional do HSBC? Sabem qual o câmbio que é utilizado na conversão do saldo da conta nacional para a americana?

  136. Alexandre Rodrigues 6 de dezembro de 2011 at 22:24 #

    Olá pessoal, estou acompanhando o blog porque vou para Nova York daqui a alguns dias. E posso dizer que aqui tirei 97% das dúvidas. Muito bom e bem explicado ainda mais porque é a primeira vez que viajo para Nova York.

    Olhando o comentário da Sabrina voltei a ter uma dúvida: os bancos, mais precisamente o Santander, utilizam o dólar comercial ou turismo para compras no cartão de crédito? Eu sempre achei que era o comercial, até vir a fatura com a cobrança da estadia em Nova York (em dólar turismo). Daí liguei para o banco, e esse me informou que ele utiliza o dólar turismo. Alguém sabe me informar se essa cotação muda de banco para banco?

    Em função dessa diferença no dólar, eu optei pelo cartão de débito pré-pago VTM que, embora utilize a cotação do dólar turismo, não tem o IOF do cartão de crédito.

    Att.

    • Leandro 7 de dezembro de 2011 at 12:20 #

      Alexandre,

      A informação do 0800 é que a cotação é o dólar turismo venda. Mas não é. É menos do que o turismo venda e mais do que o comercial. É um limbo que não é esclarecido.
      A maior vantagem é fazer tudo no débito e sacar dinheiro lá para ir pagando as coisas. O crédito pesa muito no IOF depois…

      Att

  137. Guilherme 7 de dezembro de 2011 at 14:27 #

    Clivia, o que tenho observado na prática é que cada banco utiliza sua própria cotação do dólar na hora de fazer a conversão. Em alguns casos, isso chega a ser até arbitrário, pela falta de parâmetros objetivos para a cotação. Se no caso do HSBC, a cotação do dólar no cartão de crédito compensaria em relação ao dólar turismo, seria sim uma alternativa, mas as contas tem que ser feitas com rigor, para não haver perda de dinheiro.

    Sugiro que teste fazer saques em ATMs usando o cartão de débito do HSBC. Por ele ser um banco global, pode ser que a cotação do dólar no débito seja mais próxima ainda ao da cotação do dólar comercial.

    Leandro, obrigado por ajudar o pessoal na solução das dúvidas! Concordo com suas dicas: “A maior vantagem é fazer tudo no débito e sacar dinheiro lá para ir pagando as coisas. O crédito pesa muito no IOF depois…”

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  138. Alexandre Rodrigues 7 de dezembro de 2011 at 15:05 #

    Obrigado Leandro e Guilherme.

    No débito, vocês estão falando do VTM? Eu estou fortemente inclinado a fazer um para mim.

    Sobre a cotação do dólar turismo no Santander Free, acho que é mesmo, pois no dia que fechou a fatura o dólar turismo venda estava R$ 1,79 e na fatura veio 1,90 e mais IOF. Pelo menos no VTM eu não pago o IOF de 6,38%, e como eu já tenho o dinheiro na mão acho melhor fazer isso. Estou certo?

    Pensei levar tudo em dinheiro, mas ouvi dizer que os americanos acham suspeito pagar coisas de valor mais alto com dinheiro vivo. É certo isso?

    Obrigado.

    • Leandro 7 de dezembro de 2011 at 15:39 #

      Alexandre,

      Se o seu cartão for o santander free master, pode tentar usar o débito dele (como você usa no Brasil) para pagar as contas. Quando estiver em alguma loja com aquelas máquinas de assinar digitais, e ele pedir PIN, significa débito. Crédito, nos EUA, é assinado. (Isso só vale lá, no Caribe não existe débito, é tudo no crédito mesmo).

      Sacar dinheiro lá nos EUA, aos poucos, é uma opção. O problema são os custos disso (uns 13 reais por saque) que podem te onerar. De todo modo, se você for fazer um saque grande (tipo uns 800 dólares) esse valor compensa muito mais do que pagar os 6% a mais do crédito…. O IOF de 0,38% é devido em qualquer operação de câmbio. Os 6% a mais é que são do cartão. Portanto, na ponta do lápis, a diferença são 6%.

      Quanto a pagar coisas grandes com dinheiro, não vejo o menor problema. Eu sou um adepto dos cofres de hotel e nunca tive problemas com pertences (dinheiro inclusive). Mas meu estilo de viagem é de ir sacando aos poucos (uns 300 USD por saque) e ir pagando tudo no dinheiro (até a Dilma tirar esse negócio ridículo desses 6,38%). Lembre-se de que você é turista e turista vai viajar com notas altas e um bom dinheiro. Isso é esperado. O problema não são as notas, mas sim ser assaltado e perder tudo.

      Por isso o VTM é uma boa ideia sim, desde que usado como débito. Prá mim não serve porque para comprar isso aqui no Brasil o custo é alto, a mesma coisa que comprar dinheiro em espécie. Esse dinheiro custa uns 13 centavos a mais que a cotação oficial e eu não vejo motivo para pagar o ágio se posso sacar em moeda local pelo preço do comercial. Mas é fato que é uma boa ideia para segurança e sendo num país com ótima aceitação de cartões como os EUA, é muito bom por ser seguro e muito mais econômico que o cartão de crédito.

      Só NUNCA saia do Brasil com uma única opção. Tive muitos problemas para sacar dinheiro em Curaçao, por exemplo, e se não fosse o cartão de crédito e um pouco de dinheiro que eu tinha levado, teria passado sufoco. Sempre tenha um plano B e, de preferência, um C, para o caso de emergências.

      Em último caso, de desespero, lembre-se que existe a Western Union, que apesar de cara, pode te safar numa hora de tensão.

      • Guilherme 7 de dezembro de 2011 at 15:43 #

        Leandro, excelente depoimento de um expert no manejo de diferentes meios de pagamento para viagens no exterior!

        Aliás, gostei dessa dica de que no Caribe não existe a opção de débito. Quando eu for pra lá algum dia (espero…rsrsrr), estarei precavido. :-D

        É isso aí!
        Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

      • Igor 7 de dezembro de 2011 at 16:46 #

        Ir só com uma opção é suicídio mesmo. Eu sempre levo dinheiro e cartões de débito e crédito, inclusive de vários bancos.
        Os cartões de débito possuem um limite relativamente baixo, então é difícil você chegar e querer pagar uma conta de alto valor e acabar tendo o cartão bloqueado temporariamente.

  139. Guilherme 7 de dezembro de 2011 at 15:25 #

    Alexandre, há dois tipos de cartão de débito que você pode levar na sua viagem:

    – Cartão de débito bancário;

    – Cartão de débito pré-pago, do tipo VTM.

    Ambas as opções são interessantes, desde que se faça uma escolha consciente acerca do banco que cobre as menores taxas de conversão e tarifas possíveis.

    No VTM, o IOF é de 0,38%, porém, a cotação utilizada é a do dólar turismo, mais alta. Por outro lado, você “trava” uma cotação no ato da compra, e se precave de uma eventual alta do dólar no momento da viagem.

    Quanto a pagar altos valores em espécie, não há problemas. Vi compras lá nos EUA de valores altos – sujeito comprando iPad em diversas notas de 50 e 100 dólares, e não houve problema algum. Assim, acredito que, em regra, não haja problemas.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Igor 7 de dezembro de 2011 at 16:38 #

      Eu fiz três saques de 1000 dólares em NY e paguei muitas coisas no dinheiro. Algumas compras fiz no débito e no crédito, só quando estourava o limite de saque e débito.
      Claro que o cartão é muito mais utilizado, mas provavelmente nem todos pagam dólar turismo + 6,38%.

  140. Alexandre Rodrigues 7 de dezembro de 2011 at 17:12 #

    Leandro e Guilherme

    Obrigado novamente pelo longo post para esclarecer minhas duvidas.
    A clivia falou logo acima algo sobre a cotaçao do dolar comercial mais iof de cartao ser igual ao turismo. Eu tb ja havia feito essa conta e dessa forma tinha decidido comprar no credito, mas meu cartao santander free (nao sou correntista, só tenho o cartao) me cobra tarifa do turismo mais iof de cartao. Nesse momento decidi usar o VTM, pois me livro de 6% de iof. E como para sacar na casa de cambio ou banco no exterior o valor é do turismo, por segurança vou levar um pouco em dinheiro e uma quantia maior no VTM.

  141. Guilherme 7 de dezembro de 2011 at 20:09 #

    Igor, pelo que andei constatando, os bancos ultimamente têm “esticado” demais a cotação do dólar para cima, em prejuízo dos clientes. Além dos tradicionais Bradesco e American Express, que tradicionalmente se destacavam por apresentar uma cotação de dólar turismo, recentemente foi a vez do Itaú elevar a cotação da moeda, enfurecendo seus clientes, que formam grande parte do público. E como a cotação do BB também não é lá das melhores, sobram poucas alternativas para o viajante.

    Alexandre, ótima estratégia. Dessa maneira você se protege também das eventuais oscilações do dólar no momento da viagem ao exterior.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  142. Alexandre Rodrigues 8 de dezembro de 2011 at 11:57 #

    Olá pessoal,
    alguem sabe se vale a pena comprar o city pass para NY ou se dá no mesmo comprar os passeios na hora?
    Alguem tem alguma dica de lojas ou locais para comprar em NY? Principalmente roupas e calçados para o frio?
    Abs.

    • Leandro 8 de dezembro de 2011 at 12:14 #

      Alexandre,

      Depende do que você vai querer fazer lá. Como vai estar frio, é provável que você queira visitar museus. E aí, talvez, o city pass compense. Na minha opinião, não compensa.

      Existe uma boa análise sobre o assunto no site
      http://www.maosdevaca.com/2010/09/ny-city-pass-vale-pena.html

      Ele também compara com o New York Pass
      http://www.maosdevaca.com/2010/09/e-o-new-york-pass-compensa.html

      (Não sei qual a política do blog para links externos, mas fique à vontade, Guilherme, para excluí-los, se eles quebrarem alguma regra sua)

      Lojas para comprar: Qualquer uma! eheehehehe, New York tem lojas em todas as esquinas. Eu, particularmente, adorei Chelsea e as lojas da parte baixa da Broadway. Tem algumas lojas que também estão na 5th Avenida, mas também tem coisas mais baratas.

      Também compensa dar uma olhada na Century 21 (fica ao lado do WTC). Lá tem TUDO, bem barato. Só que é um trampo achar, porque a loja não é muito organizada (apesar do esforço dos vendedores, tem muita gente).

      Boa viagem e aproveite NY. Uma das cidades mais maravilhosas do mundo….

  143. Alexandre Rodrigues 8 de dezembro de 2011 at 13:05 #

    Obrigado Leandro pelas dicas, ja anotei os arredores e nomes de lojas.
    Ouvi dizer que se vc não comprar os ingresso para as atrações mais procuradas com antecedência é possivel que nao tenha na hora (estatua da liberdade, empire SB, etc). Por isso estava pensando em comprar, para garantir. Sabe se isso procede?

    Obrigado.

    • Leandro 8 de dezembro de 2011 at 14:02 #

      Não procede. Estátua da Liberdade tem a ferry boat a cada meia hora. Comprou ingresso, entra. É uma fila normal, não vi preferência nenhuma. O que você pode querer comprar antecipado é a entrada na coroa (que não vale a pena de jeito nenhum, meu maior mico em NY). De todo modo, você está livre disso, já que precisa comprar com muita antecedência. Só veja se ela não está fechada, tinha ouvido dizer que fechariam a Lady para reforma em 31/10/11…
      Empire State eu não fui. Top of the rock tem ingresso de boa também. Comprei e entrei. Não acredito que tenha muitos problemas com isso.

      Lembrando que o NY city pass não te dá ingressos, mas sim vouchers. Eles precisam ser trocados nas bilheterias depois. Se o motivo for o medo de falta de ingressos, não faz diferença. Aliás, faz sim, no dia em que fui ao Top of the rock, a fila era maior para trocar os vouchers do que para comprar ingressos.

      Faça uma boa viagem!

  144. Alexandre Rodrigues 8 de dezembro de 2011 at 16:18 #

    Leandro

    Eu andei lendo no site que realmente a estatua esta fechada…mas fiquei curioso pq tu não gostou da coroa? Na realidade era um lugar que eu queria ir…
    E para os shows e espetaculos (rocketes, radio city…) não precisa comprar antecipado?

    Obrigado.

  145. Leandro 8 de dezembro de 2011 at 17:23 #

    Alexandre,

    Não tem nada para ver lá, nem a vista vale, já que ela fica quadriculada. É uma escada apertada, em caracol, de mais de 350 degraus, que te leva a um lugar onde cabem (apertadas) umas 5 pessoas e que não agrega nada à viagem (em termos de vista, fotografia, beleza, história, etc.) Você chega cansado, tonto (fica virando, virando, virando…) para tirar umas fotos quadradinhas e pequenas, que ficam muito melhores quando tiradas no pé… Enfim, um grande mico.

    Shows e espetáculos é melhor comprar antes para conseguir descontos… Às vezes, dependendo do dia e da hora, também estão lotados. Se você quer muito ir a algum específico, é sempre bom comprar antes…

  146. Alexandre Rodrigues 9 de dezembro de 2011 at 9:27 #

    Olá pessoal
    Alguém sabe me informar se é possivel e se é seguro ir do jfk até manhattan de metrô? (parece que vc faz uma parte com o airtrain e depois pega um metrô). Meu voô chega as 6:30h de uma segunda.
    Obrigado pelas dicas e pelo excelente blog, estou tirando varias dicas dele, é simplesmente maravilhos.

    • Guilherme 11 de dezembro de 2011 at 18:07 #

      Alexandre, as dicas do Leandro são realmente ótimas. Alias, fique à vontade, Leandro, para indicar esses links externos de boa qualidade. Também gosto do site Mãos de Vaca, cujos donos tiram seu sustento das receitas, sobretudo, dos livros. Eles fazem um trabalho honesto, bem-feito e super útil!

      Alexandre, há uma alternativa ao metrô, que eu usei para o transporte JFK > Manhattan > JFK. Trata-se do Go Airlink, empresa que faz serviços de transfer em vans (shuttles): http://www.goairlinkshuttle.com/ Você faz a compra dos bilhetes pela Internet, preenchendo os formulários com os dados do seu itinerário, imprime o recibo e, ao desembarcar lá no JFK, procura pelo guichê da empresa (que geralmente fica logo na área de desembarque) e apresenta o recibo impresso no Brasil. Eles têm várias vans que saem de tempo em tempo (15min a 15 min, p.ex.), pegando os passageiros e os levando para Manhattan nos principais hotéis da cidade (os quais você informa previamente no ato de preenchimento do cadastro).

      A viagem até Manhattan é longa, dependendo do trajeto que o motorista da van fizer, você pode levar até 2 horas ou mais, tanto para ir para a cidade, quando para voltar para o aeroporto. Além disso, os americanos, em geral, são meio mal-humorados, então não espere “gentilezas” do motorista…rsrsr, que vai, no ato de levar o pessoal, “socando” você dentro da van, apertadíssima, por sinal….rsrs

      A volta também é bem tranquila: como você já informa previamente no Brasil o horário aproximado que deseja que te busquem no hotel, é só fechar as contas e descer pro saguão, e ficar esperando a van chegar. Rola uma certa preocupação: mas será que vão chegar mesmo? Que nada: a van chega no horário combinado! É verdade que junto comigo tinham várias outras pessoas que iriam para o JFK também com o serviço, e que a “apertação”….rsrsr…continua na volta pro aeroporto.

      Em compensação, o preço é bem interessante: no meu caso, paguei U$ 35,06 pelo pacote completo (ida+volta). Pela comodidade de não se preocupar com táxis, e pela praticidade de a van aportar na frente do hotel, tanto na ida quanto na volta, pra mim valeu a pena.

      Mas isso é só uma opção. Avalie suas necessidades, e veja qual se encaixa melhor no seu perfil!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  147. Leonardo BH 9 de dezembro de 2011 at 16:44 #

    As informações deste blog foram muito úteis pra mim quando procurava alternativas para o IOF de 6,38% e agora tenho a oportunidade de contribuir com minha experiência em viagem a Alemanha em Novembro/2011.

    Há alguns meses, solicitei ao Santander um cartão somente de débito internacional (não múltiplo para evitar problemas de sistema em que o saque é cobrado como crédito). Recebi um Mastercard Maestro, segundo a gerente o Santander não emite Visa de débito internacional (informação não muito confiável).

    Uma semana antes da viagem solicitei no atendimento Santander Cartões a liberação para uso do cartão de débito internacional em viagem.

    Minha experiência com os saques internacionais na Alemanha foi excelente, consegui sacar até 800 Euros de uma vez em caixas automáticos do próprio Santander em agências do banco que são facilmente encontradas por lá. Fiz tentativa de sacar 1000 euros mas não foi autorizado, diminui para 800 e passou. Na semana seguinte em um caixa automático comum (não Santander) fiz outra tentativa de saque de 1000 euros e o próprio sistema indicou que o máximo naquela ocasião seria 500 euros (que não deixa de ser um bom valor).

    A taxa cobrada para cada saque é de R$ 10,00 (note que isso pode variar de acordo com o pacote de serviços do cliente). A cotação geralmente ficava em 3 a 4 centavos a mais que o Euro comercial. Ex: em 12/11/2011 o Euro estava a R$2,40 segundo o site do banco central e o saque foi a R$2,43, uma semana antes tinha comprado Euro a R$2,56 em casa de câmbio! Sacando valores altos dá pra diluir bem a taxa de saque de R$10,00.

    Pra mim foi a melhor opção nesta viagem, quase não usei cartão de crédito.

    • Guilherme 11 de dezembro de 2011 at 18:31 #

      Olá, Leonardo, excelente depoimento! Fico feliz que as informações aqui postadas tenham lhe ajudado a conseguir fazer seu dinheiro render mais na viagem para o exterior. Algumas notas interessantes:

      – Saques de valores altos (até 800 euros) de uma só vez funcionando bem;
      – Cotação bastante próxima do euro comercial, o que torna a operação ainda mais atrativa, quando comparados com o euro de casas de câmbio (turismo) e o uso de cartões de crédito (IOF).

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  148. wagner 9 de dezembro de 2011 at 18:27 #

    Alexandre,

    Na Times Square tem a escadaria vermelha de onde tiram fotos.Em baixo dela há umas bilheterias “ticket alguma coisa” que vendem ingressos para vários shows no dia; com desconto.
    Nos museus; como o de História Natural, vc. tem a opção de pagar o “quanto pode” ou quer…
    Roupas pra frio tente um endereço em NY : http://www.burlingtoncoatfactory.com

    Divirta-se.

  149. Alexandre Rodrigues 10 de dezembro de 2011 at 21:14 #

    Wagner

    Obrigado pelas dicas, certamente vou anotar e usá-las. Sobre ir de metro de JFK até Manhattan vc sabe alguma coisa? É seguro fazer este caminho as 6:30h?

    Att.

    • Leandro 10 de dezembro de 2011 at 22:39 #

      Alexandre,

      Não há problemas de segurança em NY. Você verá inúmeros policiais em todas as esquinas. Além disso, saiba que há mais policiais à paisana do que os oficiais.

      Conte, também, que você demorará uma hora (no mínimo para sair do aeroporto, entre imigração e malas). Pode usar o transporte coletivo sem problemas.

      Eu estava com um transfer, então não sei o caminho. Mas quanto à segurança, pode ficar despreocuado.

      Sucesso!

  150. Valerio 10 de dezembro de 2011 at 22:47 #

    O Banco Itaú desde abril ou maio de 2011 não mais informa na fatura impressa do cartão Itaucard a cotação do dólar utilizada para a conversão das compras internacionais. Por que será que deixou de informar? Provavelmente para que os consumidores não notassem o aumento na taxa. A taxa de conversão obtida pela divisão do valor em reais pelo valor em dólar de cada compra é variável dependendo do dia da compra, e portanto não é a taxa de conversão efetivamente cobrada no dia do fechamento da fatura. Se você quiser saber a taxa de conversão do dia do fechamento da fatura deverá acessar a fatura via acesso online no site do Itaucard.

  151. Guilherme 11 de dezembro de 2011 at 17:52 #

    Valério, realmente o Itaú vem decepcionando seus clientes com essa política em que falta um pouco mais de transparência na hora de divulgação de informações.

  152. Guilherme 11 de dezembro de 2011 at 18:14 #

    Alexandre, outra dica, meio off-topic, mas tá valendo: evite o café da manhã “gordurento” deles. Pra quem não está acostumado, é pedir pra passar mal. Eu tinha ido pra famosa loja da Apple na 5ª Avenida (aquela mesmo da entrada de vidro), de manhã bem cedo, pra entrar na fila para tentar comprar o iPad (quem disse que eu consegui, com tanto chinês já na fila!? …rsrs). Fui sem tomar o café da manhã. Na volta pro hotel, azul de fome, resolvi experimentar numa lanchonete de rua (as tais “delis”), por um preço que até que não era tão “caro” (algo entre 5 e 8 dólares, salvo engano). E veio o seguinte pacote: um copão de café, 2 omeletes, bacon, pão torrado besuntado de manteiga, e batatas assadas. Como se pode perceber, uma refeição bem light….

    Nunca mais….rsrsrs

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  153. Alessandro 11 de dezembro de 2011 at 23:50 #

    O Citibank é o melhor de todos, pois nenhum cliente paga taxa de saque (somente IOF) e pode ser usado para compras normalmente em qualquer loja do exterior. Os saques são justos em termos de cotação do dólar comercial.

    • Eder 12 de dezembro de 2011 at 13:40 #

      Alessandro, acabei de ligar no Citi e eles informam que a cotação é a do turismo, ou seja, R$1,94 não a do comercial!!!

  154. Alexandre Rodrigues 12 de dezembro de 2011 at 13:50 #

    Obrigado pela dica do break fast…Eu tb pretendo comprar um apple, um macbook air, mas pensei em fazer no best buy que o preço é uns 100 dolares mais barato (no site esta custando 1499,00 dolares. Sempre tem fila na loja da apple?

    Att.

  155. Guilherme 13 de dezembro de 2011 at 17:33 #

    Alexandre, da vez que eu fui, a fila era só para comprar o iPad. Para outros produtos, não tem fila!

    Vai fazer uma bela economia comprando o Macbook Air lá nos EUA! E ainda mais na Best Buy!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  156. Alexandre Rodrigues 14 de dezembro de 2011 at 10:08 #

    Obrigado Guilherme
    Vc sabe informar se os hoteis dão uma “colher de chá” para hospedes que chegam antes do check in? O meu é as 15h e chego em Manhattan as 10h. Sem cobrar taxa extra ou pelo menos deixar guardar as bagagens.

    Outra coisa
    Eu sei que nao tem mágica, mas alguem tem alguma dica para passar na alfandega em SP carregado de produtos? Praticar cada item em uma nota separada eu ja pretendo fazer. Ja ouvi dizer para esperar alguem com muita mala passar e dai tu vai atras, comprar coisas no free shop e colocar as sacolas bem na frente das malas.

    Att.

    • Leandro 14 de dezembro de 2011 at 11:01 #

      Alexandre,

      Hoteis guardam malas sem problemas. Só é muito improvável que você consiga entrar no quarto antes das 15 hs.

      Quanto à alfândega, depende o que você quiser trazer. Se for muito eletrônico é complicado. Depende da sorte. Quando cheguei, o aeroporto de Guarulhos estava um caos e o japa da receita ia só pegando os formulários sem demora e sem perguntas/investigações. Se você for chegar num dos vôos que descem em torno de 6 horas, é bem provável que você chegue no meio da muvuca e não dê prá eles controlarem nada.

      Já numa outra viagem que fiz, os caras estavam colocando malas no raio-x. Era a esmo, mas podia ser você.

      A questão é que 90% das pessoas que vêm dos EUA voltam com as malas abarrotadas… Você será mais um. É realmente uma questão de sorte/azar. Não creio que esse papo de free shop resolva algo não.

      Boa viagem.

    • Leandro 14 de dezembro de 2011 at 11:06 #

      Ah, só outra coisa. Você já esteve em Guarulhos antes? Já chegou lá 6 da manhã?

      Se ainda não tiver passado por essa “experiência”, prepare-se. É impossível marcar alguém com mala muito grande à sua frente, já que há milhares de pessoas esbaforidas (a maior parte dos vôos noturnos da Europa e dos EUA chega em SP entre 5:30 e 7:00 hs, ou seja, é o pior horário que existe para descer lá) se empurrando para pegar as malas e entrar nas filas do controle de passaportes e da alfândega. Nesse horário, essa estratégia não vai funcionar. Mais tarde um pouco, sim. Se seu vôo tiver conexão no Panamá, Lima, etc., é provável que chegue em SP em situação menos caótica. Aí até dá prá fazer essa estratégia de marcação de pessoas com mala, etc. Se for às 6 da manhã, esqueça.

      Até.

  157. Alexandre Rodrigues 14 de dezembro de 2011 at 11:48 #

    Obrigado Leandro pelas dicas. Meu vôo é direto JFK/GRU e chego as 10:30h.
    Eu nunca cheguei as 6h da manhã. Mas pelo que entendi de seu post é menos provavel que te parem se tu chegar no das 6h ao inves de mais tarde que tem menos movimento, certo?
    E vc acha ser seguro deixar as malas guardadas no hotel?

    Obrigado.

    • Leandro 14 de dezembro de 2011 at 11:51 #

      Sempre deixei malas no hotel e nunca tive problemas. Deixe com os cadeados que normalmente usa nos aeroportos e é provável que tudo fique bem.

      É menos provável ser parado às 6 da manhã sim. Mas é questão de sorte, como disse antes. Vai que no dia que você descer as coisas estão mais tranquilas e o fiscal resolve pegar justamente você. Com esse tipo de coisa não dá prá ter certeza absoluta de nada…

  158. Guilherme 17 de dezembro de 2011 at 18:03 #

    Alexandre, o Leandro já respondeu de forma perfeita suas perguntas! Concordo com o que ele disse, tanto em relação ao hotel (é tranquilo deixar as malas no bagageiro do hotel, mas é difícil entrar no quarto antes do horário inicial do check-in), quanto em relação à alfândega (é aleatório mesmo).

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  159. Alexandre Rodrigues 18 de dezembro de 2011 at 14:56 #

    Olá pessoal
    Estou embarcando amanha para NY e agradeço muito as dicas que li no blog e as que foram respondidas para mim.
    Um grande abraço a todos e parabéns pelo blog, é excelente mesmo.

    Att.

  160. hugo de freitas 19 de dezembro de 2011 at 19:30 #

    vou p santiago do chile e gostaria de saber qual o melhor banco(atm) para saque no cartão de débito da minha conta no bradesco.
    qual banco cobra a menor tarifa p utilização do caixa eletrônico.

  161. Anderson Antunes 21 de dezembro de 2011 at 12:29 #

    Parabéns pelo post, vou para Orlando e Cancun em março, se quiser fazer mais algum teste me avisa.

  162. Guilherme 22 de dezembro de 2011 at 17:39 #

    Alexandre, Hugo e Anderson, boa viagem! Obrigado!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  163. Ga 24 de dezembro de 2011 at 14:28 #

    Pessoal, complementando as informações. Solicitei a liberação do saque internacional com o cartão de débito com a gerente do Santander e ela informou que o limite para saque é o valor para pagamento no cartão de débito. O meu era R$2500 e saque de $1280 em NY efetuado em 28/11 no Citibank foi cobrado R$2429,17 (dólar do dia R$1,87308; tarifa do Citibank $2,50 ou $3; Iof 0,38%). Optei pelo Citibank, pois Chase e HSBC só liberavam notas de $20. Os bancos fecham no fds, mas consegui entrar inserindo meu cartão (coloque o cartão, deixe 1-2s e retire…até ajudei uma pessoa que não estava conseguindo). Fiz 1 saque de $500 com meu cartão do HSBC no Chase e foi cobrada tarifa de $2,50. Saques de $500 no HSBC foram gratuitos. Tarifas do HSBC: 23/11: R$949 + R$3,60 IOF (dol. dia 1,8621) – 24/11: R$963,50 + 3,66 IOF (dol. dia 1,8756) – 29/11: R$951 + R$3,61 IOF (dol. dia 1,8475). O único problema é se você comprar muito nos primeiros dias devido aos limites para saque, então é bom levar um pouco em dinheiro.

  164. Guilherme 28 de dezembro de 2011 at 21:18 #

    Grato pelo depoimento, Ga!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  165. Anderson Antunes 3 de janeiro de 2012 at 15:53 #

    No dia 21/12 eu fiz a seguinte pesquisa em relação ao dólar utilizado por alguns cartões de crédito:

    Cartão Porto Seguro: US$ 1 = R$ 1,94
    Bradesco Cartões: US$ 1 = R$ 1,92
    Itaú Cartões: US$ 1 = R$ 1,92

    Nesta data a cotação do dólar comercial era de R$ 1,855, pelo que pesquisei na Internet o Itaú modificou a política da cotação do dólar há uns 3 meses. Ou seja a cotação atual dele está mais próxima do dólar turismo que do comercial.

  166. Guilherme 3 de janeiro de 2012 at 19:06 #

    Olá, Anderson, grato pela sua pesquisa!

    Interessante que o Itaú resolveu fazer companhia para o Bradesco, que é conhecido por ter uma das cotações mais altas do mercado. Ponto negativo para o Itaú. :(

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  167. Giovana 5 de janeiro de 2012 at 14:46 #

    Que maravilha encontrar este artigo!
    Passei todo o ano de 2011 pagando caro pelo dinheiro que comprava no exterior, porque estou fazendo mestrado na Europa. Sabe informar como estão as coisas este ano? Preciso de euros e libras e faço compras com cartão de crédito do BB nas duas moedas. Quando fazia saques na agência, pagava 13,50 eur por cada saque de até 600 euros e achava que saía mais barato pagar com cartão o que não precisasse de dinheiro vivo. Após ler o artigo e ver como são altas todas as taxas do BB, até fico triste e sem saber como fazer em 2012.

  168. Guilherme 6 de janeiro de 2012 at 17:28 #

    Giovana, obrigado!

    Sobre sua dúvida, sugiro ver a possibilidade de abrir conta em algum outro banco que ofereça cotação mais favorável para compras e saques, como Santander e (talvez) HSBC, que são bancos internacionais com forte presença também no Brasil.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  169. Gouvea 8 de janeiro de 2012 at 2:36 #

    Alguém já conseguiu abrir uma conta de serviços essenciais no Santander e no HSBC?

    No site do Santander fala que eles fazerm a abertura de conta de serviços essenciais mas no site do HSBC eles não falam na possibilidade.

    Pelo jeito o negócio é abrir uma conta universitária no HSBC e uma essencial no Santander..

    Abraços.

  170. Renato C 8 de janeiro de 2012 at 15:29 #

    Olá Gouvea,

    A informação que eu possuo é que o banco não é obrigado a aceitar a abertura de uma conta de serviços essenciais, contudo é obrigado a transferir o seu pacote de serviços essenciais (ou cancelar o seu pacote de serviços, o que, na prática, já o coloca automaticamente no essenciais).

    Isto é, tente abrir uma essencial nas duas… caso não consiga, basta abrir uma universitária e cancelar o pacote de serviços (isto só pode ser feito na agência).

    Até !

  171. Luiz 9 de janeiro de 2012 at 17:27 #

    Acabei de ligar no atendimento do BB e fui informado que o BB não cobra tarifa por saque no exterior, apenas incidiria o IOF de 0,38%. A cotação do dólar no BB hoje para saque no exterior seria de R$ 1,88 (3 centavos acima do dólar comercial fechado na sexta).
    Além disso, o atendente me informou que para compras no cartão de crédito não existe cobrança daquela taxa de 2,5% informada no artigo. Incidiria apenas o IOF de 6,38% e a cotação do dólar seria igualmente de R$ 1,88 hoje.

    • Andre 11 de janeiro de 2012 at 13:54 #

      Luiz

      Liguei hoje no 0800 do BB, e a informação recebida foi diferente da sua.

      Para saques, a tarifa é de R$12,00 (tanto no débito como no crédito) e além do IOF (0,38% no débito) também incide uma tal taxa de conversão de 1% do valor da transação. Quanto à cotação, é um mistério: a atendente me informou que hoje (11/01) está em R$1,84 (não é o comercial, nem turismo e nem PTAX – o detalhe é que não conseguimos encontrar onde consultar essa cotação, que aparece apenas no sistema da atendente)

      Recentemente fiz uma compra no exterior na função débito (no comprovante de pagamento do cartão apareceu como compra a débito), mas como não vi o lançamento na minha conta corrente, liguei e descobri que foi lançada como compra a crédito e a atendente me informou que isso deve ter acontecido porque o estabelecimento não tem autorização para a função débito (?). Mais um mistério do BB!

      Se alguém tiver alguma experiência boa, por favor me avise.

      Em tempo: gostei muito do tópico!

      • Leandro 11 de janeiro de 2012 at 14:46 #

        Andre,
        Se você der uma lida pelos comentários, vai ver que já há postagens sobre o assunto relativo a outros bancos, mas que devem servir para o BB. A diferença entre os bancos se dá quanto a tarifas, cotação do dólar e etc., mas os serviços acabam sendo similares.

        Isso porque quando a gente sai do país, vamos adotar as redes Plus (Visa) e Cirrus (Master). Para sacar, basta buscar quase qualquer caixa eletrônico.

        Quanto às tarifas vai ver, também, que não existe nenhuma informação correta sobre o assunto. Os atendentes não sabem, os gerentes não sabem, os diretores e superintendentes também não. Pela minha experiência isso se deve ao fato de que as transações são feitas pela Visa e pelo Master. O banco é apenas um intermediário. Além disso, o volume de pessoas que usa isso corretamente não deve ser relevante para as estatísticas…

        Assim, ele cobra algumas tarifas realmente. O IOF de 0,38% ocorre em qualquer transação internacional. Os 6,38% são cobrados em operações com cartão de crédito, inclusive no saque na função crédito, por previsão expressa no decreto que regulamentou isso. Esses R$ 12,00 são lenda e podem ser comprovados por quem usou. Uma dica é tentar uma vez, olhar o extrato do cartão e ver se foi cobrado. Se sim, pare de usar. Se não use que não será. Acredite: você não terá essa resposta do seu banco.

        Quanto à função débito é outra coisa maluca. Eu já usei muito nos EUA, as máquinas de lojas de lá eram habilitadas para isso. Só que saí do Brasil com a informação de não seria possível fazer isso (do 0800, da gerente e do twitter) e descobri, por acaso, quando digitei a senha numa compra e olhei o extrato da conta e vi o débito. Assim, se você for aos EUA e eles pedirem o PIN code (senha) é porque será débito. Operação de crédito é apenas assinada.

        Já quando estive no Caribe, por exemplo, tentei usar a função débito nas máquinas de lá e não rolou. O atendendente selecionava debit na máquina, mas não pedia senha nenhuma e ia prá fatura do cartão de crédito.

        Não sei qual é a disponibilidade dos amigos quanto a acessar o home banking e a fatura do cartão no exterior, mas é a única possibilidade real para saber o que está acontecendo. Ou então usar dinheiro vivo, o que é bom, mas não muito seguro.

        Sucesso a todos.

        • Igor 11 de janeiro de 2012 at 15:48 #

          Quanto ao uso da função débito, eu usei meu cartão BB apenas débito e funcionou sem problemas.

          Porém, quando utilizava o cartão múltiplo do Itaú, todas as minhas compras foram parar no crédito. E como o comprovante era bem claro dizendo que a transação tinha sido registrada no débito, fui no gerente e exigi a correção.

          Como eu sabia que seria uma missão impossível, aceitei o estorno no IOF, que foi feito.

          Isso ocorreu tanto nos EUA quanto no México. Não podemos é aceitar prejuízos por causa de problemas bancários.

        • Andre 11 de janeiro de 2012 at 17:15 #

          Leandro,

          Passei agora à tarde no banco e falei pessoalmente com a gerente da minha conta do BB, Eis as informações:
          -Tarifa para retirada no exterior (saque) tanto na função débito como crédito: R$ 12,00,
          -Tarifa para retirada no exterior com Visa Travel Money: U$ 2.50,
          -Tarifa de manutenção da conta VTM (quando inativa por mais de 18 meses e cobrada a cada 6 meses): U$ 3.00,
          -Taxa de conversão: 1% do valor da operação (cobrado apenas quando a operação for em moeda diferente do dólar americano),
          -Cotação do dólar: continua um mistério – Ao passar no banco a gerente consultou no sistema e estava R$ 1,87 (fechamento do PTAX R$ 1,805) e ela também não soube me dizer que cotação é essa e nem onde consultar diariamente!
          -Quando o estabelecimento não está cadastrado para uso na função débito, realmente a transação passa para a conta do cartão de crédito.

          Essa taxa de conversão antigamente era de 2,5% da transação, mudou recentemente, e realmente para transações em dólar americano ela não existe mais (tanto no débito como no crédito). O que a gerente me disse é que as transações internacionais a crédito diminuíram muito em função do maldito IOF, e por isso o BB eliminou a taxa.

          Minha experiência pessoal: a primeira vez que viajei para os EUA em 1997 levei o então recém lançado mundialmente Visa Electron e tive algumas dificuldades, pois poucos lojistas o aceitavam, mas nem por isso tive grandes problemas: consegui fazer minhas compras, sacar dinheiro em terminais Plus e tudo o mais. Acredito sinceramente que nos dias de hoje não haja problemas para se usar a função débito. O detalhe é esse que o Igor comentou, os cartões de função múltipla podem dar esse problema, e a saída deve ser brigar pelo estorno do IOF e torcer para que a cotação esteja menor no dia do vencimento da fatura.

          A minha estratégia para a próxima viagem será usar o cartão do meu filho que é só de débito, pois não tenho tempo útil para solicitar um da minha conta, e ir transferindo o dinheiro para a conta dele conforme a necessidade. Uma solução para aqueles que têm tempo para isso, é solicitar ao gerente um cartão que seja apenas de débito e habilitar para uso internacional.

  172. Guilherme 11 de janeiro de 2012 at 7:19 #

    Olá Gouvea, a dica do Renato C pode ser valiosa, pois foi um caso que aconteceu comigo recentemente: tinha uma conta com tarifa mensal, e solicitei a migração para o pacote de serviços essenciais. Tudo foi feito com bastante tranquilidade.

    Luiz, essa informação de não cobrança de tarifa por saque no exterior não procede. Vide: http://www.bb.com.br/docs/pub/trf/tarifasPF.pdf página 1. O que talvez tenha sido suprimido seja a taxa de 2,5%, pois fiz uma rápida pesquisa nessa nova tabela de tarifas do BB e não achei a tarifa correspondente. Se for isso mesmo, lá vou eu atualizar o artigo mais uma vez….rsrs

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Luiz 11 de janeiro de 2012 at 15:23 #

      Pois é, o atendente me disse que não havia mais essa taxa de 2,5% para compras no crédito ou saques diretamente da conta. Mas já viu como é né… ninguém nunca sabe de nada.
      Com relação à tarifa de saque, o mesmo atendente disse que é cobrado apenas para os saques do cartão e não existiria tarifa para saques diretamente da conta. E eu fiz questão de perguntar de novo pra deixar bem claro!

      Agora uma coisa que está me deixando encucado é isso:
      Como vou viajar em fevereiro, andei comprando alguns ingressos e passagens diretamente dos EUA pela internet e na fatura passada veio tudo direitinho, com o IOF e a definição da taxa de conversão. No entanto, na fatura deste mês veio a seguinte cobrança: AJUSTE A DEBITO VAR.CAMBIAL COMPRA EX – R$ 100,78!
      Alguém sabe o que é isso? Que variação cambial é esta se o dólar abaixou da data da fatura até hoje?

      • Andre 11 de janeiro de 2012 at 17:32 #

        Luiz,

        Essas tarifas do BB passaram a vigorar dia 02/01/12:(http://www.bb.com.br/docs/pub/trf/tarifasPFAnt.pdf)no final da página 1 e aparecem na tabela como Utilização de canais de atendimento para retirada em espécie no Exterior (aparecerá no seu extrato como RETIRADA-exterior).

        Quanto ao ajuste a débito o que acontece é o seguinte:

        Quando o BB fecha sua fatura para imprimir e enviar a você, ela usa a cotação do dia, mas a taxa efetiva será a do dia do pagamento da mesma, e nesse caso o negócio é torcer para diminuir o valor do dólar, que assim você recebe o estorno do valor pago a mais. No caso dos seus ingressos e passagens, o que ocorreu foi justamente o contrário (no dia do pagamento da fatura a cotação estava maior que no dia do fechamento).

        Não sei se outros bancos têm outra sistemática de conversão para as compras no exterior, parece-me que alguns fazem essa conversão no dia da compra, mas não sei se há o ajuste posterior.

  173. Henrique 13 de janeiro de 2012 at 10:41 #

    Bom dia a todos,

    Inicialmente gostaria de agradecer, todas informações acima são ótimas!!!!

    Bom, vamos lá! Estou de malas prontas para minha primeira ida aos Estados Unidos, uma viagem a Orlando/FL para março/12.

    Assim, eu tenho duas dúvidas:

    – O que é mais vantajoso? Comprar na função débito (Cirrus, Itaú ou Santander) ou saque em moeda local nos ATM’s?

    – Vou ficar 10 dias, quanto devo levar em papel moeda?

  174. Guilherme 15 de janeiro de 2012 at 13:27 #

    Henrique, ambas as opções – compras na função débito e saque em moeda local – apresentam, em tese, as mesmas vantagens de cotação mais próxima à do dólar comercial. No entanto, algumas lojas não permitem compras na função débito.

    Quanto à quantia em papel moeda, é difícil dar uma regra geral, pois varia conforme suas necessidades de gastos com alimentação, transporte, passeios e compras. Como regra de bolso, um valor em torno de US$ 100 por dia seria o básico.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  175. Felipe 15 de janeiro de 2012 at 14:22 #

    Boa Tarde a todos!

    Inicialmente obrigado pelas informações acima! Estou tendo muitas dúvidas em relação aos bancos brasileiros, nenhum sabe me informar sobre dúvidas internacionais e eu basicamente não entendo muita coisa de banco rs! Além disso ninguém aqui entende sobre o cartão Payoneer da Mastercard, do banco americano Choice Bank.

    Será que poderia me ajudar? É o seguinte, eu comecei a trabalhar no Brasil para uma empresa americana, e eles depositam o $ no meu cartão de débito Payoneer em USD. Posso retirar o $ em qualquer uma das ATM, porém eu não sei quais as taxas serão cobradas por cada banco e qual deles valeria mais a pena, se seria o BB, Bradesco, Santander, Itaú ou HSBC. Eu gostaria de sacar e pagar as MENORES taxas e ter uma boa cotação do dólar para o real no dia. Acredito que não tem como retirar o $ em dólar mesmo, né? E é possível retirar uns USD 2.000 no mesmo dia? Acredito que se eu retirar o maior valor possível de uma vez vale mais a pena, correto? Não tenho idéia de qual seria o limite em relação a isso de cada banco.

    Se puderem me ajudar, vou agradecer muito! Já agradeço desde já!

  176. Danilo Belcaro 15 de janeiro de 2012 at 23:11 #

    Outra variável importante é, caso você utilize o cartão de crédito, “torcer” para que, na data de fechamento da fatura do cartão de crédito, o valor do dólar comercial não aumente, pois isso fará com que você pague mais caro do que tivesse pago com dinheiro sacado da conta corrente no exterior.

    Sobre essa parte, a cotação que você vai pagar vai ser a do dia do pagamento da fatura, e não do fechamento, a diferença vai ser reajustada na próxima fatura, portanto, do dia que fechou até o dia do vencimento você pode pagar no dia que a cotação se apresentar mais baixa.

  177. Cássio 16 de janeiro de 2012 at 17:36 #

    Bom, dei uma olhada meio por cima sobre o assunto, estou indo para o Canadá e estou buscando informações para comprar por lá.

    Vou utilizar um cartão múltiplo emitido por uma cooperativa de credito, onde é administrada pelo SICOOB. É uma vantagem incrível você utiliza o cartão no debito e credito e é cambiado em dólar comercial, uma vantagem. E em relação a ser sempre vantajoso efetuar compras no debito eu discordo, pois dependendo o valor do bem comprado e o numero de parcelas pode ser vantajoso, por mais que seja pago 6,38% de IOF, porque a compra não seria avista. Fora que com outros bancos é utilizado normalmente dólar de turismo e mais o IOF de 6,38% no credito, acaba compensando por ser dólar comercial a utilização no credito sendo o cartão emitido pela SICOOB. Tem também o acumulo de milhas, que no meu caso o cartão dá 1,5 pontos por dólar. Tenho outro da Credicard que me da 2,0 pontos por dólar, mas eles utilizam um dólar estipulado por eles, sendo entre dólar comercial e turismo, sendo caro também.

    Se eu não possuísse uma conta corrente e um cartão onde fosse cobrado o valor do cambio comercial eu optaria pelo cartão pré-pago (VISA TRAVEL MONEY), que o valor pago do IOF é de 0,38%, a desvantagem é que cobram dólar de turismo, mas ainda é mais vantajoso utilizar um cartão pré-pago com cambio em turismo do que utilizar os cartões do banco do Brasil, por exemplo, que alem de utilizar dólar de turismo utiliza altas taxas para saque e utilização na função de debito, fora que é cobrado 1% de taxa de conversão quando a moeda é diferente de dólar americano.

    • Leandro 16 de janeiro de 2012 at 20:08 #

      Você pode ter razão em quase tudo o que fala, mas parcelamento é uma invenção tipicamente brasileira. Esqueça isso no exterior. Lá eles vendem produtos, não dinheiro como aqui.

      Boa viagem!

  178. Elizandra 17 de janeiro de 2012 at 9:27 #

    Muito esclarecedor o site e os posts, e dá pra ter uma ideia sobre as taxas cobradas pelos bancos. Contudo, as informações mencionadas aqui referem-se ao dolar. Como estarei passando um mês em Londres, precisarei de libras esterlinas, e no BB, por exemplo, só trabalham com dolar ou euro. Acho que pagaria muitas taxas se dependesse da conversão de euro para a libra. Assim sendo, seria mais vantajoso adquirir um VTM? Considerando o valor da libra, nem pensar em depender do cartão de crédito, pois está sempre subindo. Caso adquira um VTM, seria melhor adquirí-lo por casas de câmbio ou procurar por bancos brasileiros com essa opção. Vocês teriam dicas para me auxiliar?
    Abraços

  179. Renato 17 de janeiro de 2012 at 17:11 #

    Outra dica para o uso da função débito e ou crédito. Alguns estabelecimentos já estão oferecendo a opção de pagar em reais, sim em reais, não importa a moeda de origem.
    Principalmente em outlets e freeshops que possuem um grande número de turistas.
    Já paguei em reais em outlets em Orlando e Miami.
    Freeshops já pagos em reais, Nova York JFK, Frankfurt e Beijing. Em ambos tinha a opção de pagar débito e ou crédito, mas sempre optei pelo crédito por ter programa de milhagens atrelado ao cartão.
    Cotação do dólar na conversão é a do estabelecimento, mas você faz uma conta prévia (cotação+IOF) e em todas valeu a pena, pois na maioria das vezes eles utilizavam um dólar próximo(inferior) ao turismo.
    Como a compra é em real, não existe cobrança de IOF de forma separada na fatura. (Obviamente o estabelecimento embutiu a IOF na cotação de cambio deles.

    • Marcio 22 de janeiro de 2012 at 11:54 #

      Renato, você está dizendo que chegou no outlet em NY, e passou o cartão de crédito em reais? Ótimo, gostei muito da notícia! Mas me diga uma coisa, já chegou sua fatura, não foi cobrado iof de 6,38% por se tratar de uma compra no exterior?
      Digo, mesmo já sendo em reais ainda é uma compra no exterior. Se você puder esclarecer.
      Outro ponto, qual outlet em NY você conseguiu essa proeza? To indo pra lá mês que vem…
      Obrigado!

      • Igor 22 de janeiro de 2012 at 15:13 #

        Aconteceu comigo também em NY, alguns lugares me ofereciam a opção de pagar em reais. O problema é que se for no Itau, acontece o mesmo do paypal, reconversão pra dólar e real novamente.

        No México em alguns lugares eu tinha opção de pagar em peso ou dólar.

        • Guilherme 22 de janeiro de 2012 at 18:26 #

          Boa notícia, Igor e Renato! Mais uma opção para tentar fugir das altas cotações de dólar, normalmente cobradas nas faturas dos cartões, e já “travar” um valor certo para a compra, sem se preocupar com riscos da variação cambial futura!

          É isso aí!
          Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  180. Diego 18 de janeiro de 2012 at 0:15 #

    Prezados,

    Recentemente viajei ao Peru, tendo previamente me abastecido de valiosas informações neste post. Graças a estas optei por abrir uma conta no Santander apenas com o intuito de sacar no exterior, a qual devo encerrar nos próximos tempos, já que terminou a viagem (faço de tudo para deixar na mão dos bancos e afins o mínimo possível, rsrsrs).

    Como pequena retribuição, gostaria de deixar registrados os dados de meus saques no Peru: valor em moeda local ou em Dólar, quando for o caso, data, valor debitado de minha conta, banco dono do ATM usado (utilizei ATMs do BCP, do Scotiabank e um que tinha a marca “GlobalNet”, imagino que seja uma espécie de banco24horas) e a respectiva cotação da moeda sacada no dia segundo o BACEN.

    Verão que a forma que escolhi para levar dinheiro para o exterior acabou sendo bastante vantajosa e que também em saques em moedas diferentes do Dólar o Santander é mais que excelente.

    06/12 – saque de 700 soles + tarifa informada de 5,60 soles. BCP. Debitado da conta: R$ 471,05.
    471,05/705,60 = 0,6675. Cotação de fechamento do Novo Sol no dia: 0,6642.
    10/12 (sábado) – saque de 500 soles – sem informação de tarifa. ScotiaBank. Debitado da Conta: R$ 339,53.
    339,53/500 = 0,67906. Cotação de fechamento do Novo Sol no dia útil seguinte (dia 12): 0,6753. No dia anterior (dia 09): 0,6743.
    11/12 (domingo) – saque de 200 dólares + tarifa informada de US$ 3,50. GlobalNet. Debitado da conta: R$ 368,87.
    368,87/203,50 = 1,8126. Cotação de fechamento do Dólar no dia útil seguinte (dia 12): 1,8219. No dia anterior (dia 09): 1,8123 compra e 1,8130 venda.
    12/12: saque de 500 soles – sem informação de tarifa. ScotiaBank. Debitado da conta: R$ 340,57.
    340,57/500 = 0,68114. Cotação de fechamento do Novo Sol no dia: 0,6753.
    19/12: saque de 500 soles – sem informação de tarifa. ScotiaBank. Debitado da conta: R$ 348,62.
    348,62/500 = 0,69724. Cotação de fechamento do Novo Sol no dia: 0,6930.

    Assim, vê-se que obtive cotações impressionantemente próximas da comercial, mesmo havendo aí duas conversões (imagino que o sistema informatizado do Santander use a mesma sistemática dos cartões de crédito).

    A título de comparação, num VTM que levei por precaução (não sabia se o cartão do Santander ia efetivamente funcionar) meus saques, antes de descontada a tarifa, resultaram em uma cotação de 0,76 (já considerada a cotação de carregamento, em Dólar).

    Por fim, menciono que usei para os saques um cartão exclusivo de débito (não múltiplo).

    Forte abraço.

    ps. uma informação fora do assunto do tópico mas que pode ser útil para alguém: foi instalado recentemente um ATM em Copacabana, na Bolívia. Registro isso porque antes de viajar pesquisei sobre o tema e só encontrei sites afirmando a inexistência de ATMs na localidade. De todo modo, o jeito como levei dinheiro para essa cidade acabou sendo tão vantajoso quanto sacar no ATM (coisa que não fiz): levei Novos Soles e troquei em casa de câmbio, o que garantiu uma cotação exatamente igual à que obteria sacando no ATM rsrsrs.

    • Diego 18 de janeiro de 2012 at 11:00 #

      Esqueci de inserir o custo do IOF (0,38%). Então acabou sendo ainda mais próxima da comercial a cotação…
      De todo modo, embora seja (bem) levemente superior a cotação dos saques no ScotiaBank, parece que os ATMs deste banco efetivamente não cobram tarifa de saque. Assim, fica a dica para quem irá para nosso vizinho sul-americano: procure sacar nestes ATMs, que, por sinal, estão em cada esquina das principais cidades.

  181. Leandro Felix 18 de janeiro de 2012 at 14:21 #

    Olá pessoal, gostei muito desta matéria sobre cartões. Era disso que eu estava precisando saber. Atualmente moro em Tabatinga-AM, faz fronteira com a Colombia. Pela cidade Leticia, na Colombia, tem como viajar para o Caribe e outras partes do mundo mais barato de que no Brasil. Esse ano eu pretendo ir no Panamá, gostaria de saber quais os bancos que poderiam me dar mais vantagens de compra la fora. Aqui em Tabatinga só existem 3 bancos: BB, Bradesco e Caixa. Atualemnte tenho conta no BB.

    Grato pelas colaboração e atenção de todos.

  182. Luciano Martins 19 de janeiro de 2012 at 23:12 #

    Pode até ser antiquado e fora de moda levar dinheiro vivo para viagens no exterior mas não é tão simples assim habilitar o cartão de débito para realizar saques no exterior. Estive agora mesmo falando com atendentes dos meus bancos e tive as seguintes informações:
    Bradesco
    taxa – 7,90
    Sem cobrança de IOF
    Cotação do dolar – flutuante
    Limite de saque – 600 reais por dia
    A conversão é feita na ordem – real, dolar e moeda local

    Santander
    taxa – 10,00
    Cobrança de IOF – 0,38%
    Limite de saque – 2000 reais por dia limitado a 10 transações por dia
    Débito automático – é possível realizar este serviço e tem os mesmos limites do saque.
    A conversão é feita na ordem – real, dolar e moeda local

  183. Anderson 20 de janeiro de 2012 at 16:31 #

    Cara fui no BB e informaram que cobram 3% em cima do valor carregado + 55 pilas + iof de 0,38 para carga ou recarga hoje o euro lá tava a 2,3434. É isso mesmo? eu não sei mas não sinto segurança no que estes caras do Banco diz você faz perguntas e muitas vezes não sabem informar.

    Hoje qual Banco fornece o VTM mais barato?

  184. Anderson 27 de janeiro de 2012 at 20:04 #

    Pessoal fui em outro BB que opera com cambio manual olha a divergência:

    Sobre o VTM 50 reais + iof 0,38 euro hoje 2,3636 , perguntei 3 vezes tem mais taxa, a resposta foi não para as 3 eu não entendo porque tanta divergência entre agencias central de atendimento.

    Desta vez perguntei sobre em “espécie” falaram que cobram 70 reais + 3% de taxa em cima do valor adquirido não sei mais nada (3% será que o cara da outra agencia achou que isso cobra no VTM também ou a pessoa deste esta enganada), alguem conhece alguma agencia com profissionais que possam atender e informar as taxas com convicção. Sinceramente não acho que o BB tem capacidade de nos atender fora do pais, se aqui dentro ta dificil imagina no exterior.

  185. Aline 31 de janeiro de 2012 at 1:18 #

    Meu Deus!!!! Vou ficar maluca com tanta informação…… :s

    Olha, eu vou viajar pra Austrália e ali permanecer pelo menos 1 ano. Só quero poder pagar as continhas lá –que não devem passar de AUS1000/mês (hopefully).

    Hoje tenho conta no Itaú com uns R$42000 e não tenho cartão de crédito. Qual seria a melhor opção –fazer esse cartão Santander Free pra pagar las cuentitas lá e usar o débito internacional pra pagar a fatura do crédito? Aquilo que você disse sobre o Itaú não ter boa tarifa para saque no exterior não se aplica a pagamento de contas, né????

    Please please!!!! Preciso de um conselho de quem manja… Não entendo de todos esses lances aí… Estou o dia todo lendo a respeito pra não bater muito a cabeça qd chegar lá…

  186. vanessa 31 de janeiro de 2012 at 11:40 #

    resumindo quero saber qual o melhor banco pra se ter um cartao de debito, para saques internacionais? Pois estou tirando o do Banco do Brasil… E quero saber as vantagens e as desvantagens!!! aguardo

  187. Leandro 31 de janeiro de 2012 at 13:22 #

    Vanessa,
    Todas essas informações estão aqui nos comentários e no corpo do texto. O blog é colaborativo, assim o trabalho que alguém teria para compilar essas informações será o mesmo que você terá para lê-los…
    Dê uma olhada que você poderá tirar suas próprias conclusões. Até porque não há uma resposta definitiva e cada banco tem seus prós e contras.
    Esse post é muito rico.

    Sds.

  188. Cadu 2 de fevereiro de 2012 at 14:06 #

    Tenho a compartilhar algumas informações.
    A tarifa por saque no exterior no cartão de débito em conta corrente no Banco do Brasil é de R$12,00 acrescido de 0,38% do IOF mais 1% sobre o total da transação a título de conversão da moeda. Esse 1% é valido apenas para moedas que não o dolar e o euro.
    O câmbio é o flutuante (mistério) a atendente me informou que quem fornece o câmbio ao banco é a bandeira do cartão, no meu caso VISA.
    Consegui um link da visa que faz a conversão e dá a seguinte informação:” Use o conversor de moeda abaixo para ter uma indicação da taxa que você pode receber quando utilizar o seu cartão Visa.” não sei se é a taxa que vc realmente vai receber, porém fiz uma comparação com a tpax do BACEN de ontem 01/02/2010. a pTax ontem foi fixada em 1,737 o site informa 1,739, se realmente for isso é uma benção. Fica a pergunta será que podemos confiar? Segue o link da VISA: http://corporate.visa.com/pd/consumer_services/consumer_ex_rates.jsp?src=ex_rez

    • Guilherme Marconi 3 de fevereiro de 2012 at 16:49 #

      Cadu, se for isto mesmo, por favor informe à gente, pois irei viajar em abril, e se o valor do dólar for este mesmo, irei solicitar um cartão Visa o mais urgente possível!

      Abraços

      • Cadu 5 de fevereiro de 2012 at 17:13 #

        Guilherme, aguardei o pessoal do blog responder. Entrei em contato novamente com o BB, agora na central de atendimento do ourocard platinum. Dei sorte, já que fui transferido a um supervisor. Foi super solicito e até brincou dizendo que quem ia para o exterior era ele, em fevereiro. Bem a informação foi a seguinte: esse dólar, que eu informei acima é base de cálculo para o cartão de crédito, ou seja, para operações no cartão de crédito a taxa de câmbio é da bandeira do cartão. Já para as operações de débito na conta corrente ele me informou que o câmbio é flutuante (mistério) e quem distribui a taxa do dia é o BACEN. Não sei se é verdade. Mas, acredito que sacar no ATM é sempre uma boa opção. Faça as contas com diversas taxas e aplique as tarifas do seu banco. Espero ter ajudado.

  189. katia Santos 3 de fevereiro de 2012 at 11:28 #

    Olá,

    Adorei as dicas. Tenho uma dúvida, estou indo para o Chile, vou fazer a travessia dos Andes de bike, estou comprando uma bicicleta em Santiago, eles vão me entregar no aeroporto, valor: 1.600 dolares, pagarei na no momento da entrega. Qual a melhor opção, débito ou crédito? Desde já agradeço.

    Abs.

  190. Diogo 6 de fevereiro de 2012 at 19:19 #

    Lembrando que no Santander o saque no cartão de crédito no exterior não paga juros, apenas paga-se a tarifa de saque. Ou seja, no Santander não vale a pena pagar no débito, já que no crédito vc acumula pontos. Saquei na Argentina e além de não cobrar juros o IOF não foi de 6,38%, foi 0,38% ou 2,38% (não me lembro bem). O único risco que vc corre é se o dólar subir, mas ele também pode cair e sair mais barato a operação. Segue o link:

    http://www.santander.com.br/portal/wps/script/templates/GCMRequest.do?page=8281&entryID=8067

    • Jonatas 6 de fevereiro de 2012 at 20:59 #

      Diogo boa noite. Pelo que fui informado pelo atendimento do Santander, esta informação não procede já que o IOF por lei é de 6,38% e não depende da vontade do banco. Mas como cliente Santander torço para que esteja correta, pois saque na função crédito sempre havia sido a minha preferência. Se mais alguem sacou recentemente no exterior na função crédito pelo Santander favor relatar sua experiência. Grato

      • Diogo 7 de fevereiro de 2012 at 10:49 #

        Só estou relatando o que aconteceu comigo. Saquei 1.000,00 pesos na Argentina três vezes, sendo que é cobrato 16,84 pesos de tarifa. Ou seja, no total deu 735 dólares, o que equevalia na época (setembro/11) a 1.385,36 reais. E na fatura só cobrou R$ 4,01 de IOF, sendo que eu gastei R$ 73,81. Dessa forma, o IOF foi zero para os saques, cobraram apenas para as compras. Talvez a conversão que administradora do cartão utilize seja mais próxima do comercial e com o IOF empate com a cotação do banco disponível na fatura.

  191. Matheus 6 de fevereiro de 2012 at 19:41 #

    Galera, eu estou indo morar na Alemanha e vou precisar movimentar dinheiro da minha conta bancária do Banco do Brasil para uma conta alemã que eu abrir lá.

    Eu pensei nessa forma de pegar dinheiro vivo no caixa eletrônico no cartão de débito da minha conta corrente do Banco do Brasil e ir lá depositar o dinheiro na conta alemã, até pra que eu possa movimentar o dinheiro lá como eu quiser. Me informei umas 10x por telefone e cada pessoa fala uma coisa sobre a cotação da moeda. É impossível obter uma resposta confiável do Banco do Brasil, eu acho isso um absurdo. A pessoa fica sem poder a quem recorrer, quase todo tipo de informação no Banco do Brasil relacionado ao exterior é incerto, incrível.

    O que me foi falado foi o seguinte. O meu cartão é Ourocard, VISA plus, lá posso retirar o dinheiro por débito e será cobrado uma taxa de 12 reais por retirada. O limite da retirada fica condicionada ao limite da sua conta (corrente ou poupança). Normalmente as contas normais tem limite de retirada de 1.000,00 reais por dia por motivos de segurança. Não chegaram a falar sobre o IOF de 0,38%, mas é provável que cobrem sim.

    Tem um amigo que mora na Alemanha há 3 anos e ele me deu a dica do Banco do Brasil e me falou a mesma coisa, que cobram 4 euros por retirada, porém acredito que ele esteja referindo o valor de 12 reais. Só que ele não fala se é cobrado outra taxa além dessa, que inclusive perguntei, mas ele mesmo não sabe dizer. Mesmo se cobrar e for somente 0,38% de IOF, pra mim está mais que bom.

  192. Matheus 7 de fevereiro de 2012 at 13:09 #

    Só pra esclarecer. Fiz milhões de pergunta ao Banco do Brasil e cada atendente falou uma coisa diferente.

    Seguinte, hoje depositei na conta de um amigo uma grana e pedi pra ele sacar pra mim.

    Ele tem o Ourocard Internacional, conta poupança e o cartão é de débito. Foi no caixa eletrônico sacou 1600 Euros e não saiu, falou do limite. Então sacou 500 euros e foi cobrado na conta do Banco do Brasil de imediato 1201,22 reais. Hoje o Euro está 2,28 arredondado, Euro de VENDA.

    Fazendo as contas:

    1201,22 / 500 euros = cotação do euro utilizado sem considerar as taxas embutidas => 2,402

    Mesmo que tirasse 12,00 de taxa única + IOF 0,38% + 1%, não daria 1201,22 reais pra retirar 500 euros.

    Bom já perdi a paciência e não sei mais a quem recorrer.

  193. Anderson 9 de fevereiro de 2012 at 18:31 #

    Mateus tu tem que ver realmente se o banco usou 2,28 pois pode variar no dia e então deve calcular com todas as taxas que o Banco do Brasil cobra, isto deveria vir descriminado eu já me cansei de tentar obter uma resposta correta nestas centrais de atendimento. Deveriamos indicar para algum canal de comunicação tentar obter estas informações fazendo um reportagem só assim algo poderia mudar é uma absurdo não deixar claro como funciona estas taxas!

  194. Renata 15 de fevereiro de 2012 at 13:15 #

    Olá, estou indo para Lima PE e preciso saber se lá eu consigo sacar com um cartão do Bank of America. Aqui no Brasil eu saco em Real nos caixas 24horas, acredito que seria melhor eu usar esse cartão para sacar lá, assim pagaria apenas a taxa de conversão da moeda local (já que a conta é em dolar) do que sacar em Real aqui (pagar taxas) e depois trocar por dolar novamente.

  195. Edmo 18 de fevereiro de 2012 at 12:11 #

    Não sei porque falam tão bem do Santander. Sou correntista do Santander e acabo de passar três horas no telefone tentando descobrir as taxas de conversão, para cair aqui e ver que ninguém também consegue.

    resumo da ópera: Santander está cobrando Dolar turismo no crédito E NO DÉBITO TAMBÉM. Acabei de usar o cartao de crédito em viagem nos EUA e meu dólar depois do IOF acabou morrendo em 1.88!!! a cotação do dia do fechamento, 10 de fevereiro 2012 foi de 1,77. ou seja, não está barato.

    Estou indo para a Noruega agora e não consegui uma viva alma que me informasse a taxa de conversão de coroas norueguesas (moeda local) para dólar. é um mistério! incrível. E para meu desprazer, o telefone do câmbio, que teoricamente teria as respostas, não atende sábado.

    Tentei comprar VTM mas o maldito banco não comercializa. Por incrível que pareça, embora extremamente desrecomendado por todo mundo, comprei 1500 USD de traveller cheques, não me cobraram 50,00 e a cotação era melhor que o de compra de dinheiro em espécie. paguei 1.78 quando se fosse comprar nota seria 1.81. mais uma vez, dólar turismo. Dólar comercial tá virando enterro de anão.

    Já saquei dinheiro no exterior e me lasquei. estava na austrália, saquei dinheiro e tive o desprazer de ver a conversao AUD pra USD, depois USD pra BRL, mais o IOF. Já comprei coisa em Real lá fora pra me lascar também, pois fazem BRL -> USD -> BRL e todo mundo sabe que em cada transação de moeda, o consumidor sai perdendo… cachorro que leva mordida de cobra tem medo de linguiça. quando passei no ultimo free shop, no brasil, nem arrisquei pagar em real. paguei em dolar mesmo pra não arriscar. era pros outros mesmo a encomenda…

    resumo da ópera:

    banco santander:
    saque no crédito: IOF 6,38 + dolar turismo + taxa -> fuja!

    saque na conta corrente em moeda local:
    conversão moeda local MANDRAKE – NINGUÉM SABE INFORMAR pra dólar + dólar turismo + IOF 0,38%

    compra em moeda local diferente de dolar no cartão de crédito
    conversão moeda local MANDRAKE – NINGUÉM SABE INFORMAR pra dólar + 3,3% + IOF 6,38% + dólar turismo USD -> BRL. alguém tem algúma dúvida que não vale a pena?? isso que é cartão platinum… ou seja, botam pra reiar em todo mundo seja conta mínima ou van gogh (grande bosta)

    Banco do Brasil (minha esposa)
    saque conta corrente: IOF 0,38% + dolar misterioso flutuante + taxa. o cartão de crédito teoricamente saberia informar a taxa, mas na prática também não sabem.

    Saque conta corrente em moeda local (diferente de dolar):
    conversão MANDRAKE moeda local -> USD x 1% + IOF 0,38% + taxa.
    saque cartão de crédito: não nos informamos.

    a vantagem do BB até agora é que eles atendem mais rápido. minha esposa só precisou de meia hora pra descobrir que ninguem sabe informar P. nenhuma. enquanto eu fico rodando feito uma quenga veia

    vou trocar meus travellers e rezar pra ser suficiente e não ter que sacar dinheiro. quando sacar vou monitorar quanto que foi a cotação e informo aqui. até agora, pelas informações passadas, DEPOIS DE MUITA ESPERA, são muito desfavoráveis. O Banco Real até que era bom, mas o Santander é um lixo. um lixo de banco. não recomendo a ninguém essa m. nem pra correntista van goch. é um lixo de banco. não abram conta nele.

    • Diego 18 de fevereiro de 2012 at 17:01 #

      Edmo,

      Compreendo sua indignação: de fato a ignorância reinante entre as pessoas destacadas para atender ao público é algo inacreditável, e diariamente todos sofremos com esse tipo de coisa. Chego a pensar que se um dia uma empresa oferecer um atendimento de massa decente vai comprar o país inteiro…

      Mas, quanto ao saque no exterior, acho que vc pode ter esperanças.

      Se fores ler atentamente o artigo e também os comentários verás que não há obscuridade sobre a taxa de conversão usada pelo santander nos saques de conta corrente; várias pessoas (inclusive o autor do artigo) constataram que referida taxa de conversão da moeda é equivalente à do dólar comercial (aqui, é conveniente lembrar que o conceito de “dólar turismo” é inapropriado, pois passa a idéia de um valor prefixado, igual em todos os lugares).

      Vc afirma que também nessa hipótese (saque da conta corrente) é utilizada uma taxa de conversão bem superior à do dólar comercial, mas, na sequência, informa que sacou do cartão de crédito no exterior e foi cobrado um ágio de mais de R$ 0,10 por dólar, sem mencionar experiências com saque da conta corrente. Note que são situações absolutamente diversas, não podendo ser traçado paralelo entre elas.

      Diante da ausência de relato de saque da conta corrente, presumo que a fonte dessa informação (a princípio, equivocada) de que há ágio elevado tenha sido o atendimento do santander; bem, vc sabe mto bem que não dá pra confiar neste.

      Então, sou levado a concluir que todas as experiências e todos os dados relatados desde a publicação deste post sobre o uso de uma taxa de conversão favorável ao consumidor no santander ainda permanecem válidos, e sugerir a você que se aproveite dessa ferramenta na sua viagem à Noruega.

      Por fim, quanto ao saque em moeda que não o dólar, não posso afirmar com certeza como funcionará com as Coroas, mas recentemente publiquei um comentário (longo até) sobre saques que fiz em Nuevos Soles. Se o examinares, verás que a taxa de conversão foi vantajosa para mim; já que também é uma moeda diversa do dólar, imagino que possivelmente o santander adotará o mesmo procedimento.

  196. JONATAS 18 de fevereiro de 2012 at 19:14 #

    De fato não dá para confiar nas informações fornecidas nos call centers e nem mesmo diretamente nas agências pois são conflitantes, ficamos dependentes das experiências individuais. O ideal seria o Santander e outros bancos também, se manifestarem neste espaço ou pelo menos colocarem a informação nos seus respectivos sites e assim nos dar o direito de escolha. O Banco Central também deveria se manisfestar e explicar qual é a regra do jogo para não ficar essa má impressão de terra de ninguém.

  197. Luiz 24 de fevereiro de 2012 at 23:04 #

    Gente!!!! no site do BB tem a tabela de tarifas…teve mudanças a partir de 16-02-2012.
    http://www.bb.com.br/docs/pub/trf/tarifasPF.pdf
    Ainda não tive saco pra ler mas tem todas as informações sobre as tarifas cobradas inclusive de saques no exterior.
    Quanto a opção de debito em reais nos EUA… aconteceu comigo.. na Century 21 de NY. No recibo de pagamento veio informando o valor em reais que foi debitado na conta corrente.

  198. fernando 25 de fevereiro de 2012 at 16:11 #

    Olá pessoal, eu vou fazer minha primeira viajem para usa, minha dúvida, e se preciso desbloquear ou avisar previamente o banco que estou indo viajar ou simplesmente posso chegar lá e usar meus cartoes de credito(BB, Itaú,bradesco , hsbc,santander) normalmente.. Grato

    • Jonatas 26 de fevereiro de 2012 at 13:07 #

      Fernando é extremamente recomendável avisar ao seu banco. Não é porque já esteja bloqueado mas porque pode ser bloqueado. Recomendo anotar o protocolo de atendimento.

    • Igor 26 de fevereiro de 2012 at 19:21 #

      Isso depende do cartão e do banco e normalmente pode ser feito pela internet.
      Itau precisa desbloquear tanto débito quanto crédito. BB e Santander apenas crédito. No HSBC, pelo menos o débito não é necessário desbloquear, já o crédito não sei.

  199. Valerio 26 de fevereiro de 2012 at 15:23 #

    Estando nos EUA, em 26.02.2012 usei o cartão Visa BB para sacar da conta corrente USD 200. No extrato da conta corrente apareceu o débito de R$ 370.83. Esse valor que é cobrado na conta corrente por conta da retirada já inclui o IOF e a tarifa de R$ 12. Logo, a taxa final de conversão ficou em 370.83 / 200 = 1.85415. Antes da aplicação das taxas fixas de saque pelo BB (R$ 12) e pelo banco nos EUA (USD 5), a taxa de conversão seria de (370.83 – 12) / (200 + 5) = 1.75039, que já inclui o IOF de 0.38%.

    No mesmo dia usei o cartão de crédito para um pagamento, e pelo valor em reais informado por SMS, a taxa de conversão foi de 1 USD = 1.7097. Aplicando o IOF de 6.038%, que é cobrado na fatura do cartão, a taxa de conversão ficará em 1.8188. Logo, mais barata do que a taxa cobrada para a retirada de USD 200 em dinheiro.

    Porém, considerando que as tarifas para retirada em dinheiro são fixas, a taxa de conversão final vai depender do valor da retirada. Quanto maior o valor da retirada, menor o seu impacto. Para compensar fazer retirada em dinheiro ao invés de usar o cartão de crédito para pagamento, o valor mínimo da retirada teria que ser de USD 308.

    • Igor 26 de fevereiro de 2012 at 19:18 #

      A outra opção seria utilizar o cartão de débito para pagar as contas. Seria a cotação de 1,75 com 0,38% de IOF e nao pagaria as tarifas de saque.

  200. Matheus Fernandes 1 de março de 2012 at 21:01 #

    Alguém já usou o cartão de crédito da conta digital do Itaú ou o cartão Santander Free no exterior?

  201. gyShf 1 de março de 2012 at 21:47 #

    Ótimo post!
    Tô me sentindo um recém formado de administração, economia ou seja lá o que for..

    Se tudo der certo, estarei viajando para Miami em Janeiro/2013.
    Dentre todos esses números, o que mais me atraiu foi o VTM mesmo, paga pelo dólar turismo, HOJE 13 centavos mais caro que o comercial, mas pelo menos não entra nesse jogo de faturas de banco..
    Bom, seguindo a recomendação acredito ir também com um cartão de crédito ITAÚ VISA e outro de débito ITAÚ ou do BB, além do VTM e uns 250 dólares em mão.

    Não sei qual é o valor exato que vocês gastam no exterior, mas não pretendo e nem vou superar 5.000 reais em compras, portanto não sei se esses números afetariam tanto uma compra “não tão alta”.

    A única coisa que me desanimou de verdade foi saber que tanto Itaú quanto BB são os piores da categoria, justamente os que possuo, mas nem por isso penso em contratar outro banco, já tô querendo me livrar de um pra ficar com um único, 3 então, jamais. De qualquer forma continuarei lendo o tópico para maiores informações.

    Obrigado!
    Abraços de Curitiba/PR

  202. Mateus Galvão 6 de março de 2012 at 15:52 #

    É importante dizer que ao sacar no exterior o viajante está realizando uma operação de câmbio, e o tipo de cambio vendido é o turismo, e não o dolar comercial, que só pode ser vendido a bancos ou a pessoas (comerciantes) legalmente estabelecidos como importadores, para pagamento de bens ou serviços provenientes do exterior. Grato.

    • Diego 7 de março de 2012 at 12:26 #

      Impressionante como o pessoal faz confusão com esses dois conceitos, dólar comercial e dólar turismo. Além, é claro, de não ler (ou não entender) absolutamente nada do que escrito pelos comentadores anteriores.

      Bem que poderia sair um artigo sobre comercial x turismo, pra explicar pro pessoal que a nomenclatura não tem nada a ver com o que banco cobra de nós.

    • Leonardo BH 7 de março de 2012 at 17:13 #

      É importante dizer que neste post e nos comentários as pessoas estão relatando experiências práticas e na prática os bancos usam a cotação de dólar que quiserem. Exemplo: na minha experiência em Novembro/2012 na Alemanha a cotação para os 4 saques que fiz com cartão de débito Mastercard do Santander foi muito perto da comercial, bem diferente da cotação do cartão de crédito do mesmo banco (que é mais perto do turismo). Grato.

  203. Jaisson 7 de março de 2012 at 9:02 #

    Alguém sabe se para compras no exterior na função débito é cobrado alguma tarifa além do IOF? Como por exemplo, os 9 reais de tarifa de saque no exterior? Tenho conta no Itaú. Procurei bastante na internet mas ainda não encontrei.

    • Igor 7 de março de 2012 at 18:56 #

      Para compras no débito não há tarifa.

  204. Maria Adriana 8 de março de 2012 at 13:08 #

    Parabéns!Adorei as dicas, mas eu tenho uma dúvida, se eu quiser comprar pela internet um produto estrangeiro com o cartão de credito…A cotação vai ser exatamente desse jeito q vc explicou?

    • Diego 8 de março de 2012 at 18:08 #

      Sim.

  205. Maria Adriana 8 de março de 2012 at 13:09 #

    Aguardo resposta.

  206. Jonatas 13 de março de 2012 at 15:47 #

    Em Cusco – Peru – tentei fazer um saque da conta corrente no ATM do BCP e a indicação no painel era de saque de no máximo 700 soles em notas de 20 soles mas não consegui sacar mesmo após tentar 3 vezes. Optei então por sacar em DÓLAR no mesmo ATM, o único valor disponível na tela foi de 200 USD com taxa de 2 USD debitando na minha conta corrente o valor de 348,35. Saindo, mais a frente, vi um ATM do ScotiaBank e ao acessa-lo, além das opções da tela, eu poderia colocar outro valor. Saquei então 800 soles (sem informação de tarifa) e veio debitado na minha conta corrente o valor de 516,04.Então, se você paga tarifa por saque, o ScotiaBank parece ser mais vantajoso já que podes sacar um valor maior. Não vi a opção de saque em DÓLAR no ScotiaBank. Como eu posso realizar até 2 saques gratuitos no exterior parei por aí.

  207. Jonatas 13 de março de 2012 at 16:09 #

    Só um comentário geral. O dólar comercial cai e o dólar turismo demora uma eternidade para acompanhar e com muita má vontade. Agora quando o comercial pensa em subir o turismo já está lá cima. Capitalismo tupiniquim.

  208. Moacir 16 de março de 2012 at 16:16 #

    Alguém sabe se o segmento Bradesco Prime tem alguma vantagem para saques no exterior???
    Tipo isenção de certo número de saques ou limite maior para retiradas????

    Grato…

    • Igor 16 de março de 2012 at 20:07 #

      acho que apenas hsbc e citibank oferecem saques ilimitados no exterior e o santander dois, se nao me engano.
      ja o limite maior eh possivel que tenha, mas soh confirmando mesmo.

  209. Jane 22 de março de 2012 at 17:01 #

    Gostei muito das comparaçoes dos bancos BB, Bradesco, Itau, Santander, HSBC e CEF. Foi muito clara suas explicaçoes. So’faltou o Citibank, sera’que vc pode escrever algo a respeito? Ou incluir ela no seu proximo trabalho?
    Obrigada.

    • Guilherme 23 de março de 2012 at 10:37 #

      Olá Jane, não tenho conta no Citibank. Mas vamos ver se alguém que o seja possa se manifestar aqui sobre as taxas praticadas por referido banco.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

      • Mauricio 23 de outubro de 2012 at 22:29 #

        Para viagens mais longas, o citibank é muito bom. Em uma viagem de 6 menses para os Estados Unidos tinha direito a 4 saques mensais sem nenhuma tarifa bancária, apenas IOF. Na época, a cotação era equivalente ao cartão de crédito e aproximadamente R$ 0,02 menor do que em saques com o cartão do BB.

  210. Amora 31 de março de 2012 at 11:21 #

    No chile fiz um saque no caixa eletronico do aeroporto de 150 mil pesos chilenos, o que da uns 600 reais. só nessa operaçao o caixa eletronico ja saiu me cobrando 3 mil pesos de taxa, uns 12 reais. Meu cartao eh banco do brasil, so quando chegar la vou saber quanto paguei de IOF e tarifa do banco.

  211. Régis 1 de abril de 2012 at 10:22 #

    E sobre o Global Travelcard?

  212. Cristiana 17 de abril de 2012 at 15:33 #

    Só tenho usado o débito e saque de conta corrente do Santander nos EUA. Em algumas lojas não era possível utilizar o débito por desinformação dos próprios funcionários….Ah! Na loja Century 21 de NY e NJ as compras são convertidas na hora em reais, paguei no cartão de crédito com a conversão de dólar comercial.

    Agora estou indo para Buenos Aires, a minha última viagem para a Argentina foi em 2010 e só usava cartão de crédito na época. Quero sacar e pagar no débito do Santander, alguém já usou na Argentina? Teve algum problema para sacar?

    Abs

    • Igor 17 de abril de 2012 at 17:14 #

      Pra sacar eh tranquilo, fui no inicio do ano e fiz varios saques sem problema. Pra comprar, se o cartao for multiplo, nao funciona como debito, apenas credito. Nesse caso, voce deve pedir um cartao exclusivamente debito.

      • Guatavo V. 20 de abril de 2012 at 16:47 #

        Igor, com cartão múltiplo de qual banco não se consegue efetuar compras no débito? O meu do Itaú funciona normalmente e o do minha namorada, que é Bancoob/Sicoob tb funciona de boa.

      • Gustavo V. 20 de abril de 2012 at 16:49 #

        Igor, com cartão múltiplo de qual banco não se consegue efetuar compras no débito? O meu do Itaú funciona normalmente e o do minha namorada, que é Bancoob/Sicoob tb funcionou tranquilo.

        • Igor 20 de abril de 2012 at 17:46 #

          Itau e Santander. As máquinas não davam opção de escolher entre débito e crédito e utilizavam a função crédito. Já um cartão puramente débito, BB e HSBC, funcionaram sem problema. Para deixar claro, estou falando de Argentina.

          • Gustavo V. 20 de abril de 2012 at 18:22 #

            Humm tá. Vou ficar atento qdo for a Argentina. Estive no Peru há pouco tempo e pra mim apareciam as opções débito e crédito logo ao colocar o cartão (Itaú) na máquina, exatamente como ocorre aqui no Brasil. E em ambas funções as compras foram aprovadas. Obg pela info.

      • Cristiana 7 de maio de 2012 at 13:56 #

        Oi Igor,

        Obrigada pela informação, estou indo na quinta-feira para Buenos Aires e vou levar os cartões do Santander. Eu não só tenho cartão múltiplo, mas só o saque já ajuda muito! Irei pedir em breve um cartão apenas de débito do Santander….na minha última viagem a NY e Las Vegas algumas lojas acabaram passando no crédito. Em Orlando não tive problemas em usar débito com o cartão múltiplo.

        Abs

  213. Wozniak 20 de abril de 2012 at 3:21 #

    Pessoal, alguem sabe quais sao os limites diarios para saque no debito internacional? Sei que isso depende de banco para banco, mas infelizmente não encontrei essa informação. Meu interesse é fazer saques em euro e franco suíço.

    • Leandro 20 de abril de 2012 at 11:51 #

      Depende o banco. O HSBC informa que o saque é de até 500 USD e o débito em conta de 300 USD (acredito que concomitantemente) por dia. Isso no segmento Premier. Para francos e euros é o valor em dólares convertido para a moeda.

      O Santander eu não sei. Já me passaram todo tipo de informação. Eu saquei 800 USD de uma vez pela rede Maestro. Acredito que o limite deva estar nessa faixa…

    • Igor 20 de abril de 2012 at 12:33 #

      Difícil dizer pois há o limite do caixa e do banco.
      Em geral são valores de mais ou menos USD250, mas já consegui sacar USD1000 em NY com o santander.

      • Leandro 20 de abril de 2012 at 13:39 #

        Os 800 USD que saquei também foram em NY, na rede do Chase. Foi o melhor que consegui até hoje.

        • Igor 20 de abril de 2012 at 17:47 #

          Os 1.000 USD foram sacados no Citibank.

    • Cristiano 20 de abril de 2012 at 20:58 #

      Saquei USD 1200 com tarifa de R$ 8 no caixa eletrônico da agência do BB de Nova Iorque (11 W 42nd St, entre 5th e 6th Av). Foi como se estivesse sacando da conta-corrente no Brasil… não testei valores maiores porque não precisei.

      • Cristiano 5 de maio de 2012 at 16:43 #

        Complementando e retificando a informação. Precisei sacar quantia maior hoje e, em conversa com o funcionário da agência (sim, também abre aos sábados e domingos), o mesmo informou que o limite diário é de R$ 6.700, sendo que o caixa eletrônico só libera US$ 2.400 por operação. A tarifa por operação é de US$ 2,50 mais 0,038% de IOF. Como a cotação do dólar BB de hoje estava em R$ 1,98, foi possível sacar US$ 3.380 (R$ 6.692,40) em duas operações (2.400 + 980), pagando US$ 5 (R$ 9,80) de tarifa mais IOF (R$ 25,45 = 18,06 + 7,39).

    • Leonardo BH 27 de abril de 2012 at 13:40 #

      Se não leu todos os comentários anteriores sugiro ler. Têm vários depoimentos de saques. Inclusive um meu em que cheguei a sacar EUR 800 na Alemanha em ATM do próprio Santander. Em ATM de outros bancos na rua o máximo que saquei foi EUR 500 mas era o limite do ATM e não do banco.

  214. Wozniak 20 de abril de 2012 at 13:10 #

    Interessante, se eu conseguir sacar na faixa de 500€ ou 600CHF por semana fico satisfeito. Estou inclinado a abrir uma conta no santander ou então no Itaú. O bacana é que o Itaú possui a iConta, só não sei afirmar se existe a possibilidade de habilitar saque internacional no debito usando essa “conta digital”. Problema é que já tive muito stress no Itau e to querendo evitar. Já no Santander eu desconheço se tem conta digital, semana que vem vou passar na agencia e perguntar. Se bem que li por aí que boa parte das vezes os funcionarios dos bancos dificultam a abertura de conta digital justamente por não tem taxas. Se existir no Santander, devo encontrar os mesmos obstaculos. Para completar, em janeiro tentar um saque internacional na Suíça e Alemanha com o cartao débito da CEF, sem sucesso… tentei em todos os ATMs que encontrei pela frente: UBS, Credit Suisse, Raiffeisen, Valaris, Deutsche Post, Kantonal Bank e etc. Conversei com meu gerente a respeito, ele nem sabia (ou fingiu não saber) que era possivel realizar saques no exterior com cartão de débito.

    • Igor 20 de abril de 2012 at 17:56 #

      Não tenho conta na CEF, mas já vi em algum lugar que os cartões de lá não possuem função de débito internacional. Além disso, o fornecimento de cartões de débito internacional varia de acordo com o banco. No BB, assim como no HSBC, as contas comuns já possuem um cartão de débito internacional. No itau apenas cliente 5 estrelas ou personnalite (nao sei iconta). Os limites diários/semanais também dependem não só do banco como do “segmento”.

      • Gustavo V. 20 de abril de 2012 at 19:55 #

        A minha conta no Itaú era comum e o cartão era débito/crédito internacional. Mudei pra iConta e recebi um novo cartão que tb é débito/crédito internacional. Parece que antes o Itaú só oferecia cartão de débito internacional para o alto segmento, mas agora deve ser praticamente pra todos.

  215. Diego 22 de abril de 2012 at 20:23 #

    Na minha opinião, o melhor banco de todos INFELIZMENTE já não existe mais, era o BANCO REAL, uma pena que o lixo do SANTANDER comprou, ele sim fazia jus ao slogan “O Banco do relacionamento”….!!!

  216. hell 23 de abril de 2012 at 23:36 #

    Muito informativo. Mesmo assim, ainda prefiro o Banco do Brasil, porque não confio em empresas estritamente privadas.

  217. Elaine 26 de abril de 2012 at 13:27 #

    Olá. Lí tanta coisa que estou um pouco confusa, se eu fizer o cartão de débito Internacional do Itaú só tenho despesas com a conversão da moeda e iof? Alguem sabe qual o mínimo exigido para permanencia de 15 dias na França, levando em conta que tenho atestado de acolhimento? Gostei muito da postagem.

  218. Jonatas 27 de abril de 2012 at 23:13 #

    Estou em Montevidéu e ao chegar no aeroporto, fiz um saque em conta corrente em um ATM dentro do HSBC. O ATM, se não me engano, era da rede BANRED onde os saques são limitados a 5000 pesos ou 300 dólares e ainda é cobrado uma taxa. Os 5000 pesos em meu extrato ficou em 479,27 reais. Já nos da REDBROU é possível fazer saques bem mais altos. Saquei 15.000,00 pesos e não apareceu nenhuma informação de taxa. No extrato o valor ficou em 1420,25 reais. Reais são aceitos em muitos lugares com a cotação de 1 real = 10 pesos. Nas casas de câmbio hoje, a maioria está 9,80, vi uma na 18 de julio a 10,00 e outra no início da av Constituicion prox a 18 Julio, após o IMM a 10,20. Os meus cartões Santander não estão funcionando na função débito, então pagar em pesos após saque em cc parece ser a melhor opção até porque tenho direito a 2 saques gratuitos pelo meu pacote bancário.

  219. Nane 3 de maio de 2012 at 17:21 #

    Viajo para Cancun em Junho, pretendo levar um pouco de dolares em espécie e sacar a moeda local em um caixa eletronico direto da conta,além do meu cartão que é o VIsa Platinum do BB de onde sou correntista, o que devo fazer? E as compras na função credito? Faço outro cartão de outro banco que ofereça uma cotação melhor? Agradeceria uma resposta…Alguém sabe qual o limite para saque do BB.

  220. Carlos 4 de maio de 2012 at 23:30 #

    Sobre o saque com os cartões BB, o site do banco tem algumas informações úteis, especialmente em relação à limitação da bandeira Visa:

    8. Como funcionam os saques em conta corrente no exterior?
    R: Clientes portadores de cartão BB Visa Electron e cartão Ourocard MasterCard conseguem efetuar saques em conta corrente, com êxito, na rede internacional VISA/PLUS e MasterCard/Cirrus, respectivamente. Entretanto, devido às limitações dos bancos no exterior quanto ao reconhecimento de cartões múltiplos (débito e crédito), alguns terminais com bandeira VISA/PLUS não oferecem a opção “saque em conta corrente”, abrindo somente a opção “crédito”.
    Por isso, recomenda-se para clientes que viajarão ao exterior que desejam realizar saques em conta corrente, o uso do cartão BB Visa Electron ou do Ourocard MasterCard (função crédito pode estar inibida ou não).
    Outra solução que atende, em caráter excepcional, aos portadores de cartão Ourocard VISA que desejam sacar a débito da conta corrente em outros países é a inibição da função crédito, entretanto essa ação impedirá compras na função crédito.

    9. Meu cartão é de débito e de crédito, estou no exterior, precisando efetuar saque em dinheiro. Como identificar os terminais habilitados?
    R: Os terminais habilitados para saques com cartões Visa estão identificados com adesivos com a marca PLUS e os habilitados para saques com Mastercard, estão identificados com adesivos da marca CIRRUS.
    Alguns terminais podem permitir saques de ambas as bandeiras.
    Antes de concluir o saque, verifique se o terminal dispõe de saque em conta corrente e no cartão de crédito. Grande parte dos terminais no exterior só oferece a opção “saque no cartão de crédito”.

    10. Como escolher qual tipo de saque (conta corrente, cartão de crédito ou poupança)?
    R: O direcionamento do saque vai depender das opções que serão disponibilizadas pelo terminal:
    “credit account” (conta cartão), o saque será na função crédito;
    “checking account” (conta corrente), o saque será na função débito, em conta corrente;
    “saving account” (poupança), saque direcionado para débito da poupança.

    11. Desejo sacar na conta corrente com meu cartão VISA, mas o terminal não disponibiliza essa opção. Como proceder?
    R: Caso o terminal disponibilize somente a opção “credit account” o saque será direcionado para a conta cartão, para os clientes que possuam limite de crédito disponível e função crédito ativa. Caso o cliente não possua limite de crédito disponível e/ou possua a restrição “FUNÇÃO CRÉDITO INIBIDA”, o saque será direcionado para a conta corrente.

  221. Junia 5 de maio de 2012 at 11:12 #

    Ajuda

    Procurei nos comments mas não consegui responder minha pergunta. Estou no Japão, fui ao caixa eletronico e fiz 2 retiradas na conta corrente (havia essa opção no caixa), um dia após o outro de 40 mil ienes cada (mil reais). Pois bem. O banco retirou o dinheiro da minha conta corrente normalmente na função débito só que está novamente me cobrando na fatura do cartão de crédito. É normal ou devo entrar em contato com a agencia???
    Obrigada

  222. Wagner 14 de maio de 2012 at 14:32 #

    Galera, só pra deixar minha experiencia agora quando fui a NY na semana santa em 2012. Fiz uso de saques e compras no debito de minhas contas no HSBC (premier) e Citibank (private). Tinha costume de usar o Citi em viagens anteriores e sempre obtive boas cotações, porem este ano eles meteram a faca. Estao fazendo uso do dolar turismo e o hsbc também nao esta longe, pouca coisa melhor. Enfim, estou indo viajar novamente e pretendo usar dessa vez minha conta do Santander. Se alguem souber a cotação deles atualizada eu agradeço.
    Abs
    Wagner

  223. Igor 14 de maio de 2012 at 23:27 #

    Minha última viagem deu, da melhor pra pior cotaçao, Santander, HSBC, BB e Itau.

  224. Luiz 15 de maio de 2012 at 10:45 #

    Não utilizem o HSBC, ele está cobrando a cotação do dólar turismo nos saques do cartão de débito. Não adianta reclamar no SAC nem na Ouvidoria, pois eles respondem que podem fazer o que quiserem. O HSBC era um ótimo banco, mas agora está se lixando para os clientes…

    • Guilherme 16 de maio de 2012 at 7:31 #

      Caramba, dólar turismo!? O HSBC me decepcionou de vez com essa política… :-( Valeu pela informação, Luiz! É um banco a menos para se utilizar nas compras no exterior…

  225. Valéria 18 de maio de 2012 at 12:07 #

    Seria bom vocês deixarem bem claro o tipo de conta que foram feitas esses testes. Por exemplo, eu tenho uma mísera conta comum no Itaú, que NÃO É Personalité, e a taxa fixa para cada saque internacional é de R$25,00 – confirmado no início do ano, quando verifiquei os dados antes de viajar para a Argentina -, o que faz com que o Banco do Brasil seja mais vantajoso para os pobres mortais, por exemplo (que foi o meu caso).

    • Guilherme 6 de julho de 2012 at 8:22 #

      Olá Valéria. De março de 2011 para cá, houve mudanças substanciais nas tabelas de tarifas de todos os bancos. Estou atualizando gradativamente as informações do post principal, fazendo os destaques referentes às partes específicas das atualizações.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  226. Fernanda 15 de junho de 2012 at 10:24 #

    Olá, bom dia pessoal.
    Gostaria de uma ajuda de vocês.
    É a primeira vez que vou fazer uma viagem para fora. Estou indo para Buenos Aires em Outubro e estou com muita dúvida do que realmente levar.
    Nao possuo conta corrente. Somente conta poupança mas na Caixa Econômica, que nao me deixa usar o cartão como débito no exterior, nem para saques.

    Pensei em levar dinheiro vivo e trocar por pesos no Banco de La nacion no aeroporto, onde dizem ter as melhores cotações para se trocar o real.

    Tenho o cartão de crédito mastercard (dependente) e eles informaram que utilizam o valor do dólar de venda para fechamento da fatura. Que valor seria esse? Então para eu saber aprox. como fazer o cálculo seria: a minha compra + IOF 6,38% x valor do dia do dólar de venda?

    Alguns colegas me disseram para comprar o Visa travel Money, que é melhor do que andar com o dinheiro todo vivo por lá.

    O que vocês me indicariam? Ficarei bastante agradecida se puderem me dar algumas dicas, pois estou meio perdida..

    Abraços.

    • JONATAS 15 de junho de 2012 at 18:23 #

      Parabéns, BsAs é espetacular gosto muito dela. Caso queira acompanhar as cotações acesse este site que esta sempre atualizado, http://dolarhoy.com/. Hoje devido as mudanças econômicas da Cristina, mais do que nunca o dólar está muito valorizado. Como vc tem ainda 4 meses para viagem vc pode ir comprando a moeda americana aos poucos. O Real é muito aceito e normalmente com uma cotação muito boa, melhor que as casa de câmbio e não deixa de ser uma boa opção. Quanto a estar com muito dinheiro, vai depender dos dias que vc ficará lá e a sua previsão de gastos diários, se o hotel tiver cofre beleza. Cartão de crédito pode ser usado mas com cuidado e a cotação normalmente é bem próxima do dólar turismo. A notícia ruim que que BsAs não é mais aquela pechincha de anos atrás. Espero ter ajudado

  227. Débora Gritti 16 de junho de 2012 at 17:04 #

    Pessoal, boa tarde. Após todas essas dicas, muito úteis, gostaria de uma opinião. Pretendo viajar para NY em dezembro. Vocês acham interessante já ir comprando dolar e levar uma boa quantidade em espécie, apesar do risco de perda, furto, etc, ou, devido à alta dessa moeda atualmente, guardar na poupança e quando viajar transferir para a conta corrente para sacar lá e usar como débito ou será melhor já comprar um cartão travel money e ir abastecendo ele aos poucos até dezembro? Estou meio confusa quanto a isso. Antecipadamente agradeço a todos. Um abraço.

  228. Fernanda 18 de junho de 2012 at 12:47 #

    Olá Jonatas, boa tarde.

    Obrigada por alguns esclarecimentos.

    No caso, eu vou ficar em Bas durante 4 dias.
    E irei ficar em um Hostel com um grupo de amigos em quarto individual, mas acredito nao possuir cofres lá, e também nao sei se iria confiar, se de fato houvesse algum rsrs

    Então, ainda faltam 4 meses sim para eu viajar. Você acha melhor eu levar tudo em dólar?

    Estive pensando em levar aprox uns US200 para eventuais gastos, e uma quantia em real para trocar no Banco de La Nacion assim que desembarcar no Aerop de Ezeiza. E também o meu cartão de crédito para caso surgir uma compra ou outra, claro que não muita coisa, pois nao compensa devido a essa alta do dólar e ao aumento do IOF, correto?

    Uma outra dúvida, este site Dolarhoy, inclusive mostra a cotação deste Banco de La nacion. Eu olho a cotação de Venda, certo? Hoje lá mostra para o REAL a cotação de venda de 2,0400. Para eu saber então quantos pesos dariam R$500,00 reais neste banco da Nacion, é somente fazer a multiplicação, dando assim: ARS 1020?

    Ou incide alguma outra taxa nestas conversões, você sabe?

    Obrigada mais uma vez pela ajuda.

    Um abraço.

    • Jonatas 19 de junho de 2012 at 12:30 #

      Olá Fernanda boa tarde.
      Buenos Aires tem muita coisa para ver e fazer. Não sei quais os seus gostos por isso te recomendo o site Mochileiros.com e o Viaje na Viagem do Ricardo Freire que estão sempre atualizados pelos viajantes.

      Viajar em grupo é sem dúvida muito mais seguro; a recomedação é aquela que locais túristicos sempre são visados pela malandragem então é manter uma atenção, sem stress, e cuidar da bolsa ou mochila. Hosteis normalmente são seguros, procure a avaliação do seu na internet o Tripadvisor é excelente.

      Se você for levar dólar dê preferência a notas de menor valor 10 e 20 é bem mais seguro e fácil de controlar que as de 100.

      A sugestão é esta mesmo, variar, dólar, reais e cartão. O real é muito bem aceito e o dólar nem se fala e nos pagamentos à vista “en efectivo” você ainda pode conseguir um bom desconto. O cartão é bem aceito porém você fica sujeito a variação cambial da data de pagamento da fatura. Infelismente BsAs não é mais aquele paraiso de compras por isso, se me permite, te aconselho a não perder seu precioso tempo batendo perna em lojas. Para ter uma noção dos preços consulte o site da Fallabela que é uma loja de departamentos multi-marcas e do Carrefur http://www.carrefour.com.ar/ e Disco http://www.disco.com.ar/ para supermercado.

      O valor maior será sempre o que você pagará pelo câmbio e assim que eles ganham.

      O normal é não ter taxa nenhuma.

      Quanto a 1000 pesos +- 450 reais vai depender realmente do seu estilo de viagem. Pesquise os dias de entrada gratís em locais túristicos, use transporte público ou rache um táxi, ambos são bem baratos se comparados ao Brasil, mais o melhor é o velho e saudável andar à pé. Divida a cidade em blocos e explore calmamente, delicie-se. Vá aos supermercados e compre produtos para o café da manhã e jantar e aproveite a cozinha do hostel. No almoço os pratos executivos são uma excelente opção, prato principal, bebida e sobremesa por um preço legal.

      O VTM é uma opção segura mais não sei muito detalhes e se vale à pena, custo benefício no seu caso, pois nunca usei.

      Mais uma vez espero ter ajudado.

      Obrigada mais uma vez pela ajuda.
      Que nada é só retribuir com seus comentários aqui no site.

  229. Fernanda 18 de junho de 2012 at 12:49 #

    Desculpe

    Corrigindo:

    *Eu olho a cotação de Compra, sendo hoje cotada a 2,0400.

    • joaquim 18 de junho de 2012 at 15:55 #

      Fernanda, tenha cuidado com casas de câmbio em BsAs, o melhor lugar (mais confiável e melhor preço) é o Banco de La Nacion do Aeroporto mesmo!

      Mais seguro que viajar com dólar em espécie é ter Visa Money ou Traveler Cheques. Não arriscaria ter tudo em espécie.

      Outra dica: faça compras de roupas na região da Calle Aguirre (um exemplo, Outlet da Lacoste fica na Aguirre 875).

      Abc

  230. Fernanda 19 de junho de 2012 at 9:51 #

    Olá Joaquim,

    Obrigada pelas dicas.

    Sim, já me programei para trocar alguns reais no Banco de La Nacion. Realmente ouvi dizer que as cotações de lá são boas.
    No site dolarhoy aparece a cotação do dia pra este Banco de La Nacion.
    Neste caso, eu olho o da COMPRA, certo? Seria somente multiplicar pelo valor de reais que eu desejo para saber o valor que terei em pesos?

    E pelo que vi, você já conhece Bas, certo?

    Este cartão Visa Travel é bem aceito nos estabelecimentos por lá? Digo restaurantes, cafés, boates talvez?

    E não sei há quanto tempo você foi, mas… hoje, vamos supôr um valor aprox. de 1000 pesos, seria um valor bom para gastos em Bas? Claro que cada um tem um perfil, mas.. por alto mesmo, só para eu ter uma noção. :)

    Obrigada.

    Abraço.

    • joaquim 21 de junho de 2012 at 21:36 #

      Oi Fernanda,

      Faz tempo que fui, não sei como estão as coisas por lá com aceitação de Visa Travel,mas em geral são bem aceitos pois equivale a um cartão de débito. A segurança é em relação a não ter muito dinheiro em espécie nas mãos.Sei que Traveler Cheque é bem aceito.

      Sobre que valor vc deve olhar na cotação, minha dica é raciocine sempre assim: A casa de câmbio VENDE pesos, dolar, real , etc para você por X e COMPRA de você por Y. Pode observar que as cotações de VENDA são maiores que de COMPRA, então quando você vai trocar REAL por Pesos, veja os valores de COMPRA de real (casa de câmbio COMPRA real de vc)…será que confundi você? :) Tomara que não!

      Uma realidade da Argentina é que eles estão em crise, dependendo do nosso turismo, o táxi é muito barato, vc percorre toda a cidade de ponta-a-ponta por cerca de 30 pesos!Um show de tango tradicional entre 75-150 pesos, incluindo jantar, compras no Caminito em feirinhas, com 100 pesos vc faz a festa (mulher gosta de uma feira!!!..hahahah). Sobre compras, evite os shoppings para roupas (são mais baratos q no Brasil, mas caros para os padrões de BsAs) como lhe falei anteriormente. Se 1000 pesos é suficiente para compras, dependendo do seu perfil, provavelmente vc terá bastante coisas p/trazer com esse valor.

      Ah, outra dica se informe sobre lojas com produtos fabricados na Argentina(por exemplo, os alfajores – Havanna), vc como turista tem direito a ressarcimento do valor de imposto cobrado – tem um selo indicando TAX FREE nas lojas e vc recebe cupom p/receber dinheiro de volta! (http://www.dicasviagem.com.br/promocoes/compras-em-buenos-aires-tax-free-devoluo-de-impostos.html)

      Espero ter ajudado em algo

      abc

  231. Flavio 20 de junho de 2012 at 10:31 #

    O Freire tem um post em seu blog que destrincha essa questão de dinheiro no exterior:

    Dinheiro no exterior: dólar ou euro x débito x crédito x VTM

  232. Leonardo BH 20 de junho de 2012 at 11:31 #

    Compartilhando mais uma experiência de saque com cartão de débito do Santander na Europa: em viagem pelo Reino Unido em Junho/2012 fiz saques de 400 a 500 libras em ATMs do próprio Santander. Enquanto a libra comercial estava em média R$3,15, no saque o custo foi de R$3,19 já contabilizando a taxa de R$10,00 por operação. Pelo crédito a libra ficava em mais de R$3,40 com o IOF. As casas de câmbio aqui vendiam a libra também nessa faixa de R$3,45. Ou seja, mais uma vez o saque internacional do Santander foi a melhor opção. Tentei fazer saques de valores mais altos para diluir mais a taxa de saque mas os ATMs que peguei no caminho estavam limitados a 400 ou 500 libras. O Santander têm muitas agências e ATMs no Reino Unido então dessa vez nem precisei sacar em ATMs de outros bancos.

  233. Fernanda 21 de junho de 2012 at 9:30 #

    Muito obrigada pessoal (especialmente Jonatas, Joaquim e Flávio)!!!

    Valeu pelas orientações mesmo!! Serão bastante úteis.

    Gostaria de perguntar uma coisa a vocês sobre o Free Shop, se vocês souberem me informar:

    Os produtos no Free Shop geralmente são expostos em dólar, certo?
    Comprando com cartão de crédito a gente pode escolher pagar em dólar ou real real certo? E aí optando por pagar em dólar a gente conta com a variação cambial do fechamento da fatura ou então pode optar por pagar em real e fazer a conversão no próprio Free Shop, correto?

    Esta conversao ainda no Free Shop nao é recomendada? Ouvi dizer que a conversão deles é ruim por ser muito alta. Geralmente são acima das cotações dos cartões de crédito?

    Liguei na operadora do meu cartao e ela me disse que utiliza a cotação do dólar de Venda, no caso do dia do fechamento da fatura. Que cotação de venda é essa?

    E o dólar sofrendo instabilidades como agora, será que nao é mais recomendado já fazer a conversão para reais para saber AO CERTO quanto irá pagar, do que contar com a cotação do cartão e uma possível disparada do dólar e vir mais caro?

    Obrigada.

    Um abraço.

    • Jonatas 21 de junho de 2012 at 16:04 #

      Vamos lá. As compras no Free Shop podem ser pagas com cartão, em dólar ou na moeda local isto é, no Brasil dólar e real e na Argentina dólar e peso. Normalmente os frees do Brasil são um pouco mais caros que o do Ezeiza, pelo menos no item perfume. Vc pode dar uma consultada nos sites para ter uma noção dos preços. http://www.dutyfreedufry.com.br/ e http://www.freeshop.com.ar
      Recomendo que vc pesquise no freeshop ao sair do Brasil e ao chegar em BsAs. Usar cartão pode não ser vantajoso pois normalmente a cotação é próxima o dólar turismo e ainda tem o IOF. Costumo, quando retorno,catar até os centavos para usar nas compras no freeshop. Qualquer à disposição.

    • Eduardo Veiga 21 de junho de 2012 at 16:19 #

      Fernanda, simples assim: pagando no cartão de crédito, prefira pagar em R$ no free shop, pois não tem incidência de IOF de 6,38%.

      Antes, quando o IOF era de 2,38%, era vantajoso pagar em US$, mas agora não.

      Abraço

    • Leonardo BH 22 de junho de 2012 at 10:40 #

      Um exemplo prático: terça da semana passada (12/06) passei no Free Shop e a taxa de câmbio que eles estavam praticando era R$ 2,19. Minha fatura do Itaú fechou dias depois com o câmbio a R$ 2,15, + o IOF de 6.38% = R$ 2.28. No Internet Banking do Santander o dólar está variando esses dias em torno de R$ 2,12, com o IOF vai pra R$ 2,25. Ou seja, pagar em reais no Free Shop é mais vantajoso a não ser que você tenha muita certeza que o dólar vai cair MUITO até o fechamento/pagamento da sua fatura.

  234. Jean 24 de junho de 2012 at 0:36 #

    Pessoal, estou indo pra Argentina agora em julho. Minha dúvida é a seguinte: com o meu cartão BB Ourocard Intertional Visa (ele é debito e crédito) posso sacar dinheiro (em pesos) da minha Conta Corrente?
    Há limite para saque (se sim, é por saque, dia ou mês, é de quanto)?

    Obs.: eu já habilitei no Banco o uso no exterior via caixa eletrônico.

  235. Fernanda 25 de junho de 2012 at 11:50 #

    Muito obrigada gente!!!
    Não sabem o quanto estes comentários estão me sendo úteis.
    Já estou anotando tudo.

    Obrigada pelas dicas e esclarecimentos Jonatas e Joaquim. :)

    Vou acompanhando o blog, pois gostei bastante e tenho certeza que ainda vai me ajudar um bucado.
    E depois da viagem eu volto para compartilhar as experiências com vocês. Valeu!!!

    Abraços!!

  236. Flavio 25 de junho de 2012 at 14:36 #

    Jean,

    Eu já fiz isso com meu Ourocard International, na Argentina e no Uruguai.

    Mas tem que habilitar para uso no exterior.

    A melhor coisa a fazer para sanar suas dúvidas é ligar para o seu gerente e perguntar.

    • Jean 25 de junho de 2012 at 17:42 #

      Obrigado Flavio.
      No meu caso, eu já habilitei. Mas achei tão estranho, porque a pessoa do Banco que me ajudou fez isso de uma maneira tão simples no caixa eletrônico (coisa que eu mesmo poderia fazer), só informando a data em que iria cessar o direito a usar no exterior.

  237. Lena 26 de junho de 2012 at 15:47 #

    Ola,e para transferencia bancaria internacional qual e o melhor banco?

  238. Renato C 3 de julho de 2012 at 9:52 #

    Pessoal, estou em NY e no dia 29/06 saquei da conta corrente do Santander na cotação 2,09 (acima do dólar comercial que estava 2,00 ; dólar turismo estava 2,16). Além disto, paguei R$10 de tarifa.

    No dia 02/07, minha tia sacou do BB na cotação 2,05 em dia que o dólar comercial estava 1,98 e dólar turismo 2,12.

    Ambos, BB e Santander, utilizaram um intermediário entre o dólar comercial e turismo.

    Falow, Renato C

    • Renato C 17 de julho de 2012 at 20:04 #

      Pessoal,

      Saquei hoje do Santander novamente e tive a cotação 2,03775 (o dólar comercial está agora em 2,0221), isto é, dólar muito próximo do comercial.

      Mas por que no meu primeiro saque o dólar foi bem acima do comercial e desta segunda vez foi muito próximo do comercial?

      Resposta: Acho que eles se baseiam no fechamento do dólar do dia anterior, isto é, no meu primeiro saque o dólar do dia anterior estava 2,07 e caiu para 2,00. Contudo, eu não me aproveitei desta queda (eles não repuseram nada em minha conta). Hoje, eu saquei na cotação 2,03775 e o dólar de ontem foi 2,0365 na venda.

      Resumo: O Santander se baseia numa cotação muito próxima a do dólar comercial, contudo a do fechamento do dia anterior ao dia do seu saque.

      Falow, Renato C

      • Guilherme 19 de julho de 2012 at 9:58 #

        Oi Renato,

        Bom saber que o Santander continua com essa cotação bem próxima da do dólar comercial. Dessa forma, continuam válidas as informações do post principal.

        E boa viagem! Já tá quase um mês na Big Apple, hein!? :D

        É isso aí!
        Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  239. Rose 3 de julho de 2012 at 15:26 #

    Galera, acabei de retornar de Miami/ Orlando e gostaria de deixar aqui meu relato para tentar ajudar as pessoas que irão viajar a decidir pela melhor opção.
    Antes de viajar li aqui que os ATMs do Chase não cobrava taxa de saque, o que não é mais verdade. Todos os saques que fiz da conta corrente do Santander foram cobrados U$3,00 por saque pelo ATM Chase e U$2,95 pelo ATM do Banco SunTrust.
    Bom, tenho uma conta Van Gogh MAX e portanto 2 saques internacionais sem cobrança de tarifa, depois disso foi me cobrado R$10,00 por cada saque. Vou colocar abaixo a tabela com o Cotações de Fechamento Ptax4/ do DOLAR-DOS-EUA (fonte Bacen) e o dólar cobrado pelo Banco Santander em cada saque
    Data Dólar Ptax Dólar Sandander
    19/06 2,0440 2,0631
    21/06 2,0363 2,0293
    22/06 2,0555 2,0618
    24/06 2,0718 2,0553
    26/06 2,0743 2,0875
    Vcs podem notar que o dólar ficou muito próximo da cotação oficial, as vezes até abaixo, mas no próximo saque por coicidência ou não ficava um pouco acima. Fazendo a média já incuindo as taxas o dólar para saque na conta do Santander ficou na média de 2,07, bem melhor do que os 2,17 que eu teria que pagar se fosse comprar dólar em espécie antes de viajar.
    Lembre-se que quando forem fazer o cálculo vcs devem incluir o valor da tarifa cobrada pelo ATM.

    Outra descoberta que fiz é que o limite de saques em ATMs nos própios bancos são maiores que em ATMs de farmácia, por exemplo, No Banco foi de U$800,00 e nas farmácias, hotel, era apenas U$400,00.

    Agora a grande descoberta mesmo e por acaso é que esse limite é por cartão, ou seja, como eu tinha cartão de débito tanto visa quanto martercard eu conseguia sacar U$800,00 em cada, ou seja, meu limite diário era de U$1600,00, sendo que no Santander tinham me dito que meu limite era de R$2500,00, ou seja, não perca seu tempo perguntando para os bancos, ninguém sabe informações corretas sobre isso.
    Ah só pra fazer um comparativo, comprei algumas coisas no cartão de crédito do BB e paguei a fatura na sexta, já incluindo o IOF o dólar saiu a 2,19.

    Boa viagem e boas compras!

    • Igor 3 de julho de 2012 at 22:53 #

      Muito bom!
      A única correção é que você deve considerar a taxa do câmbio de venda no dia, ou seja, bate as quatro casas decimais.
      Ano passado, consegui sacar 1000USD nas agências do citibank. Havia uma tarifa também, que não me lembro o valor, mas que diluida pelo valor do saque torna muito bom o custo beneficio.

      • Rose 4 de julho de 2012 at 8:46 #

        Obrigada pela observação Igor, eu utilizei a cotação do dólar Ptax Venda fornecida no site do Banco Central. Muito bom saber que nas agências do citibank esse limite pode ser ainda maior. Na minha próxima viagem vou tentar sacar lá.

        • Igor 4 de julho de 2012 at 12:41 #

          Eu que agradeço. Vou pra Flórida no fim do mês e aprendi mais uma, que o limite é por cartão. Como tenho um cartão de débito puro e mais três múltiplos, posso fazer até quatro saques se precisar.

  240. Marcia 3 de julho de 2012 at 22:09 #

    Fui para Buenos Aires recentemente e este site foi muito útil na escolha de como e quais cartões utilizar. Por isso vim retribuir a ajuda com a minha experiência.
    Especialmente para quem pretende ir a Buenos aires aconselho levar real. (Vi um relato da Fernada). Se vc tiver todo o dinheiro pra gastar, só leve cartão por precaução. Levei VTM (paguei R$ 15,00 por ele), real e cartão de crédito só para emergência. O real lá está bem valorizado. Tem lojas aceitando real (e muitas a cotação chega a ser superior no banco e pechinchando consegui cotação a 2,30. Em uma loja na galeria pacífico a vendedora disse que o real sairia a 3,00, mas nem levei o produto. Cheguei em um sábado e troquei um mínimo com o taxista Marcelo (famoso por fazer transfer brasileiro, ja conhecido). Ele trocou a R$ 2,20. O banco de la nacion de ezezia estava fora do ar mas a cotação do real era 2.04. Nos demais dias, o maior valor que encontrei em bancos foi R$ 2,19 (no banco de la nacion). Consegui numa agencia de turismo (comprei um pacote de tango) por 2,60 (comprei o pacote e comprei pesos). Não recomendo fazer o que eu fiz, rs… mas recebi notas pequenas, não peguei nenhuma nota de 100,00 ou 50,00. O VTM não saquei, mas acho que a tarifa de saque é U$$ 5,00 só utilizei lá como cartão e não paga nenhuma tarifa. E e ainda recebia no email e sms (apesar deles terem dito que isso seria cobrado e não aceitei pagar e recebi de graça) o valor que tinha gasto e quanto ainda tinha de saldo. Foi aceito normalmente, não tive problemas. Mas o real foi a mais ou menos 1,88.
    Quanto a violência, falta de segurança de lá… Não vi nada demais. Tudo tranquilo, mas tbm não me expus, nao exibi câmeras e evitava usar bolsas (usei aquelas “cartucheiras” por baixo das roupas). O que vi foram muitos vacilos de turistas, coisas como deixar a bolsa na cadeira ao lado, em carrinho de bebe, no carrinho do supermercado sem ninguém olhando etc…
    O dutyfree de guarulhos vc escolhe se quer pagar em real ou dolar e divide ainda rs. O de ezezia só em dólar e não divide. Não comprei nada no dutyfree (sai ilesa rs) mas é tentador. Se não quiser gastar, nem perca muito tempo lá.
    Se eu puder te recomendar um lugar para conhecer va no tigre é lindo.

  241. Marcia 3 de julho de 2012 at 22:21 #

    Ah sobre os valores dos produtos no freeshop… tinha de tudo: achei produtos com os mesmos preços, achei mais barato lá em ezezia (mais comum) e achei mais barato em guarulhos tbm). A diferença era de U$$ 5,00 a U$$ 10,00 (falo isso dos produtos que vi tipo make, perfume, chocolate e bebidas).
    E meu cartão ourocard internacional visa habilitei pela internet. Bem simples mesmo, não cheguei a usar, por isso não sei se funciona, mas entrei em contato com o gerente e ele disse que tava habilitado e não precisava fazer mais nada.

  242. Fernanda 4 de julho de 2012 at 17:44 #

    Olá Márcia, boa tarde.

    Que legal o seu post! Gostei bastante e me esclareceu muitas coisas.

    Então, quer dizer que o real está sendo bem aceito por lá? Como você disse, se eu tiver o $$ em cash é melhor levar do que trocar por pesos lá?

    Veja o que você acha: uma amiga minha tem em torno de US300,00 dólares e está querendo me vender a um preço bom (um pouco abaixo do que eu acharia em casas de câmbio). Você acha viável eu levar estes dólares? Seria bom mais pelo caso do Free Shop, né. Por exemplo o de Ezeiza que você disse que só aceita em dólares e não divide rsrs

    No meu caso, eu nao tenho conta corrente, só poupança e ela nao aceita o cartão nem para saque nem débito no exterior. Vou levar o $$ em cash. Aí você me recomenda levar tudo em reais mesmo? Você chegou a trocar pouca coisa por peso lá?

    E não entendi muito bem essas cotações que você colocou, igual, achou uma loja que era 3,00. Isso quer dizer que 1 real valia 3 pesos? Estava ótimo este valor no caso então, não é?

    Ô Márcia, se puder me passar seu email e eu puder tirar algumas dúvidas com você, se importaria? Pois como coloquei no post lá em cima, estou indo para Bas agora em Outubro e estou cheia de dúvidas rsrs E como você voltou de lá agora, acho que poderia me ajudar.

    Ou se preferir, posso te passar o meu email aí você responde nele.

    Aguardo seu retorno.

    Obrigada.

    Fernanda.

  243. Marcia 6 de julho de 2012 at 17:06 #

    Fernanda, me passa teu e-mail que eu esclareço melhor suas dúvidas.
    Eu ia até sugerir isso, mas depois desisti. rs.
    No aguardo.

    • Eric 10 de julho de 2012 at 23:37 #

      Oi, Marcia!

      Não entendi essa parte:
      “…Mas o real foi a mais ou menos 1,88.”
      Isso foi no VTM??

      Tem como explicar??? hehe

      obrigado!

      • Marcia 11 de julho de 2012 at 11:51 #

        Erick, creio que me empolguei tanto no meu relato que não fui clara rs.
        Então agora vou exemplificar. Coloquei no meu VTM R$ 300,00 ou que virou $ 566,00.
        Outra coisa, quando fiz tinha uma senha, mas em Buenos Aires tive que assinar todas as vezes. O comerciante passa o vtm como se fosse crédito, mas pra gente desconta como débito. Não recebemos nenhuma fatura.

        • Diego Rodrigues 11 de julho de 2012 at 13:50 #

          Márcia,

          Você poderia me recomendar alguns lugares para trocar real por peses à uma boa cotação?

          Estou indo para B. aires agora, segunda feira.

          Grato,

          Diego.

          • Fernanda 13 de julho de 2012 at 12:07 #

            Ei Diego,tudo bem?

            Depois compartilhe a sua experiência em Buenos Aires conosco também.

            É sempre bom obter mais informações :)

            Abraços.

            • Guilherme 13 de julho de 2012 at 17:08 #

              Compartilhe mesmo, Diego, se puder! Isso ajudará outros leitores! :)

              É isso aí!
              Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

        • Diego Rodrigues 11 de julho de 2012 at 13:51 #

          Olá Márcia,

          Você poderia me recomendar alguns lugares para trocar real por peses à uma boa cotação?

          Estou indo para B. aires agora, segunda feira.

          Grato,

          Diego.

          • Marcia 16 de julho de 2012 at 8:35 #

            Diego,

            Não acessei a internet esses dias e estou vendo seu comentário enquanto vc viaja rs. Mas eu troquei dinheiro com a taxista (Marcelo Bautista) que só faz transfer com brasileiros e eu tinha acertado com ele anteriormente a corrida e com a agência de turismo na Calle Florida. Mas não se preocupe, lá a oferta de câmbio é enorme, é só ficar atento e procurar um lugar confiável. Boa viagem e conte na volta sua experiência. É sempre válida.

    • Fernanda 12 de julho de 2012 at 14:54 #

      Olá Marcia, tudo bem?

      Meu email é: fernanda.pamorim@hotmail.com

      Aguardo seu contato para que possamos conversar e esclarecer algumas dúvidas rsrs

      :)

      Um abraço.

  244. Guilherme 7 de julho de 2012 at 14:12 #

    Gosto muito de acompanhar os comentários desse post!

    As histórias são bem interessantes, vindos de todos os lugares do mundo – América do Sul, EUA, Europa! – e as dicas de economia são fantásticas!

    E o melhor é que elas vêm “temperadas” com dicas de compras, passeios turísticos… enfim, um ótimo “point” para nos ajudarmos uns aos outros!

    Obrigado a todos por compartilhar as informações. Com o conhecimento adquirido, podemos realizar mais viagens gastando menos dinheiro. :D

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  245. GabrielAntunes 7 de julho de 2012 at 19:38 #

    Não costumo perder tempo comentando ou elogiando artigos, afinal so um bom artigo merecem comentarios.
    E é assim que eu digo, otimo artigo, me ajudou muito tem saber mais sobre as cotações do dolar embora eu tenha mais interesse não em viagens mas em uso do paypal, entre outros que usam o dolar. Conclui que pra mim o Itau é o que mais enquadra na minha perpectiva. Mesmo muita gente falando que o Bradesco ainda tem as menores taxas, mas não compensa por usar o dolar turismo.

    • Guilherme 8 de julho de 2012 at 14:01 #

      Obrigado, Gabriel!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  246. Mauricio 9 de julho de 2012 at 17:58 #

    Pessoal, estou na suiça e no momento do saque no cartão do Santander, o mesmo não tem a opção de escolher entre saque do cartão de crédito ou da conta corrente. Quando saquei nos EUA, você escolhia de onde sacar. Quando saquei da minha conta nos EUA as taxas foram muito boas, mas quando saquei aqui não sei de onde virará o rombo, se for do cartão além da cotação alta tem o juros do cartão.

    Alguém poderia me orientar?

    Abraço,

    • Guilherme 9 de julho de 2012 at 20:13 #

      Maurício, sugiro que você solicite o bloqueio da função crédito do cartão múltiplo.

      • Rose 10 de julho de 2012 at 10:15 #

        Guilherme, tentei solicitar esse bloqueio da função crédito dos meus cartões multiplus do Santander e nem na agência e nem por telefone eu consegui. Disseram que não tem como, que eu teria que solicitar outro cartão só de débito. Nos EUA não deu problema, consegui sacar na conta corrente tanto utilizando meu multiplo visa qto Master.

        • Guilherme 10 de julho de 2012 at 10:25 #

          Oi Rose, nesse caso, para evitar qualquer tipo de cobrança na função crédito, é bom testar o caixa eletrônico, e ver se há a opção de usar o “Cirrus”/”Maestro”, que são as bandeiras do débito. Normalmente, quando se introduz um cartão brasileiro no exterior automaticamente o ATM mostra as opções relativas às funções crédito/débito internacionais.

          Como última dica, baseada estritamente em minha última ida à Europa (Portugal/Espanha), quando saquei nos cartões Visa (Santander, BB) houve problemas: mesmo eu tendo escolhido a opção débito, o saque foi realizado na função crédito. Nos cartões Mastercard não houve esse tipo de problema.

          Dessa maneira, a minha dica derradeira é tentar usar o cartão múltiplo Mastercard, mas isso com base estritamente em minha experiência pessoal.

          É isso aí!
          Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  247. Debora Weber 11 de julho de 2012 at 0:32 #

    Obrigada, estou mais confiante para escolha do banco que abrirei conta: Santander.
    Que agora cobra R$ 15,00 por saque, mas ainda compensa pela insenção de anuidade e conversão do dolar como visto no exemplo do post.

    Como colaboração queria deixar um link fornecido pelo site do banco, onde a Federação Brasileira de Bancos tem um serviço de comparativos que parece ser muito confiável e completo.

    http://www.febraban-star.org.br/

  248. Fernanda 12 de julho de 2012 at 14:51 #

    Olá Marcia,

    Meu email é:

    fernanda.pamorim@hotmail.com

    Aguardo seu contato para que eu possa esclarecer algumas dúvidas que ficaram :)

    Abraços.

  249. Mauricio 15 de julho de 2012 at 13:52 #

    É pessoal, sugiro apenas que para não ter problema, solicite um cartão de débito, sem a função crédito. Acabei de fazer isso no Santander, e nas próximas viagens vou apenas utilizá-lo sem surpresas. O cartão de crédito será usado apenas quando não tiver outra alternativa.

    Já foi o tempo que comprar com o cartão era uma boa, além do IOF, temos que pagar a cotação do turismo para a maior parte dos bancos.

    Antes as compras utilizavam o dólar comercial, mas agora não mais.

    Vale outro conselho, para saques nos EUA, o limite depende do caixa eletrônico (muitos com limites baixos), assim a depender do valor da compra acredito que possa ficar mais barato passar no débito (lembro apenas que você poderá ter problemas se seu cartão for múltiplo).

  250. Anderson 16 de julho de 2012 at 16:45 #

    E o reembolso do IVA no Uruguai não compensa usar o cartao de credito? ou existe outra maneira de receber o iva?

  251. Chacal 18 de julho de 2012 at 7:32 #

    Tava pensando em adquirir um Visa Travel Money, mas agora acho que vale mais a pena sacad o dinheiro no exterior ( tenho Santander ). Para compras maiores, usar o crédito mesmo, ja que depende muito mais da taxa de fechamento do dolar da fatura do que quallquer outra coisa.

  252. Paulo Moreira 24 de julho de 2012 at 4:27 #

    Senhores, venho compartilhar minha experiência usando o cartão de débito do BB e o crédito MASTERCARD, sem bandeira, em viagem pela China.

    Em 9/05 fiz um saque no débito de 2500 Yuans. Pelo valor de mercado, seria 780 reais, mas paguei um total de 805 reais, um ágio de 3,26%. Não tenho discriminação dos valores que compuseram o total, apareceu apenas um valor em minha conta (imagino que estejam já inclusas as taxas pertinentes).

    Fazendo compras no Cartão de Crédito (Mastercard) o ágio em relação à cotação do dia foi de cerca de 4,3% e ainda teve a cobrança dos famigerados 6,38% do IOF.

    Portando, no Crédito eu pagava um total de 10,68% além do valor, incluindo todas as variantes (cotação, taxas, IOF) enquanto que sacando direto da minha conta do BB, a diferença foi de 3,26%.

    Ou seja, sacar me gerou uma economia de 7,42% em cima do valor total, ou, analisando de outra forma, sacando eu tive 70% de economia nas taxas que se somam ao valor de mercado da moeda.

    Antes era tão simples, simplesmente passava o cartão de crédito e pronto. Hoje precisamos fazer todas essas contas e arriscar nossa segurança com grande quantidade de dinheiro nos bolsos para tentarmos fugir desse governo que não cansa de nos sufocar. E tem mais, logo logo nossos governantes vão se dar conta do atalho que estamos tomando e irão aumentar o IOF pros saques também…

    Aquele abraço a todos e boa viagem!

    • Guilherme 4 de agosto de 2012 at 12:27 #

      Ótimo depoimento, Paulo! Mostra que o uso do cartão de saque da conta-corrente apresentou grandes e importantes economias!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  253. Haila Ferreira 27 de julho de 2012 at 18:24 #

    Os cartões de crédito tem limites para uso no exterior?

    Posso pedir para aumentar o limite do de saques no exterior?

    Você mencionou que tem lojas que não aceitam débito, os cartões pré-pagos não são de débito?

    Obrigada.

    • Guilherme 4 de agosto de 2012 at 12:26 #

      1) Depende do banco emissor. Geralmente eles têm.

      2) Pode.

      3) Sim, mas na prática funcionam como cartões de crédito, uma vez que o valor não é debitado da conta-corrente, mas do limite total do cartão.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  254. Cherie 6 de agosto de 2012 at 15:27 #

    Uma amiga vai viajar agora dia 12 de agosto de 2012, e foi ao ao banco (bradesco) para desbloquear seu cartao na função crédito e débito. Segundo ela, a gerente informou que o limite diário de saque no exterior é de 600 reais, no qual incide IOF de 6,38% mais taxa de saque (a amiga não soube informar).

    Essa info sobre o IOF procede? Por que se entendi bem, isso significaria que acabou a “mamata” de 0,38% sob saque/débito!

    • Joao Carlos 6 de agosto de 2012 at 23:22 #

      Sim, procede para as compras no exterior com cartão de crédito.

    • Scan 18 de março de 2013 at 19:23 #

      Diga a ela pra pedir um cartão de DÉBITO no banco. Aí, quando sacar no exterior, terá a certeza que o IOF será de 0,38%.

  255. Cristiano 20 de agosto de 2012 at 20:03 #

    Para compras no exterior com o cartão de débito do Bradesco, o dólar utilizado na conversão seria o comercial acrescido do IOF de 0,38%?

  256. Rodrigo 21 de agosto de 2012 at 21:00 #

    Estou em uma luta para saber o valor da conversão pelo Bradesco. Fui na agência e o gerente não soube explicar. Liguei no fone fácil, deram outra informação. Acabei abrindo uma reclamação no site eo gerente me ligou, falando mais bobeira ainda. Acabei de abrir uma conta no Santander (Van Gogh), onde, segundo relatos é o melhor negócio… se alguém tiver mais informações sobre o Bradesco, também agradeço!

  257. Fernando 23 de agosto de 2012 at 11:18 #

    Atendendo o pedido de comentar o uso de traveller cheques, fiz uso dos mesmos em minha última viagem aos EUA. Comprei direto do site do Bradesco, com débito na minha conta e entrega pelo correio no meu endereço. O banco cobrou uma taxa equivalente a US$ 10,00 pela emissão dos travellers. A taxa é fixa, independente da quantidade que se compre. Por isso, comprei logo o limite máximo: US$ 3.000,00.

    Há cobrança de IOF de 0,38% e a cotação foi R$ 0,02 inferior à do dólar turismo no dia da compra. Achei interessante.

    Quanto ao uso nos EUA, fiquei chocado com a aceitação. Em QUALQUER lugar os travellers eram aceitos como dinheiro vivo, sem qualquer cobrança de taxa para a troca. Paguei até lanchonete com traveller. E o melhor: sempre recebendo o troco em dinheiro. Claro que no dia que tentei pagar uma conta de US$ 20 e poucos dólares com um traveller de US$ 500,00, o cidadão ficou me olhando com uma cara feia pra burro. Mas acabou aceitando…

    Já havia usado traveller anteriormente na Europa. Foi um fiasco: as lojas não aceitavam e em qualquer casa de câmbio se cobrava taxas extorsivas para trocar. Sempre perdia uns EUR 3,00 a cada 100 que trocava.

    Em resumo: Para os EUA, recomendo muito o uso do traveller. Para a Europa, nem pensar.

    • Guilherme 23 de agosto de 2012 at 11:49 #

      Excelente depoimento, Fernando! Bom saber que os travellers são bem aceitos nos EUA, além do fato de a cotação ser inferior à do dólar turismo, o que já representa um ganho em relação à compra de papel moeda.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Igor 23 de agosto de 2012 at 20:29 #

      Retornei de viagem dos EUA semana passada. Minha estratégia era usar 100% o cartão de débito e fui com cartões do Itau, Santander, HSBC e Citibank. Levei também cartão do BB e Bradesco mas acabei não utilizando.

      Infelizmente nem sempre foi possível a utilização do cartão de débito. Em alguns estabelecimentos aparentemente apenas o crédito era aceito. Em outros, recusava um mas aceitava outro, recusava o santander mas quando passava o itau era aprovado, por exemplo. Acontecia até de aceitar o cartão de uma pessoa e recusar o de outra do mesmo banco. Não deu pra saber o que ocorreu. Quando o débito não funcionava, a solução era apelar pro dinheiro ou crédito.

      Resumindo as cotações, com dolar oscilando entre 2,01 e 2,05, na primeira quinzena de agosto:
      Caixa crédito: 2,03
      BB crédito: 2,0579

      Santander débito: entre 2,02 e 2,05
      HSBC débito: entre 2,08 e 2,09
      Itau débito: entre 2,07 e 2,13
      Citibank débito: entre 2,14 e 2,15

      Santander com a melhor cotação como já era esperado, seguido por HSBC e Itau. Infelizmente o HSBC tem um limite diário relativamente baixo e não serve como única opção. O citibank, apesar de possuir limite diário de R$12.000, foi a surpresa negativa com uma cotação absurdamente alta, equivalente ao cartão de crédito da caixa com o IOF.

      Observações:
      Em geral, os cartões de débito pedem senha e os de crédito assinatura. Por algum motivo, o cartão de débito do HSBC é reconhecido como um cartão de crédito, e ele acaba sendo aceito em locais que outros não são.
      Nas bombas de gasolina, o cartão brasileiro normalmente não é aceito e temos que pedir ao funcionário da loja pra passar o cartão. No último abastecimento, passei todos os cartões e o débito do citibank foi aceito direto na bomba. Não foi nenhuma vantagem devido à cotação.

      • Guilherme 24 de agosto de 2012 at 20:53 #

        Excelente seu depoimento, Igor! Suas experiências pessoais reforçam dois pontos importantes: CEF para cartão de crédito e Santander para o débito continuam sendo as melhores opções para quem pretende tirar melhor proveito das compras no exterior.

        Outro dado que chama a atenção, sem dúvida, é a cotação do Citibank… eu esperava uma cotação melhor, até por se tratar de banco internacional.

        Grato pelas informações, atualizaram bem o post e deram novas dicas aos viajantes!

        É isso aí!
        Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  258. Leandro 8 de setembro de 2012 at 5:18 #

    Estou na Europa, e solicitei a gerente as taxas para saque no cartao de debito do Bradesco:
    Tarifa de saque é U$ 2,50 (dólar) + 2,42% sobre o valor sacado.
    Fui checar a tabela mencionada no texto, a taxa de 7,90 unica é apenas para saques no cartao de credito nao debito
    Ps ainda nao saquei… Assim que sacar posto o resultado

  259. Lidiane 11 de setembro de 2012 at 21:52 #

    Gente, fiquei confusa com uma coisa. Se eu tiver, por exemplo, 5 mil reais na minha conta e o meu limite for de R$ 1.200,00 no cartão só poderei utilizar um total de R$ 1.200,00 no débito ou posso utilizar os R$ 5.000,00?

    • Igor 12 de setembro de 2012 at 13:02 #

      O limite do débito é independente do crédito.
      Você deve consultar o seu com o banco, pois não é igual ao saldo da conta corrente.

  260. Fernanda 17 de setembro de 2012 at 12:01 #

    Olá pessoal, tudo bem?

    Estou indo para Buenos Aires agora em outubro e gostaria de tirar uma dúvida:
    Estou pensando em levar o Visa Travel Money para colocar um pouco de reais para não ter que ficar andando com muito dinheiro “vivo” por lá
    Eu não tenho conta corrente, por isso a opção de cartão de débito não é válida para mim.

    Eu fiz a cotação em 2 casas de câmbio em Belo Horizonte. Uma delas o peso argentino está a 0,50 no VTM, eles cobram R$15,00 para confeccionar o cartão e eu posso colocar quantos pesos eu quiser. Eu fiz a cotação com R$300 reais o que me daria 600 pesos.

    A outra casa de câmbio a cotação para o peso no VTM é 0,4738, não me cobra para confeccionar o cartão, mas tem o valor mínimo de recarga de 1000 pesos, o que faria R$475,00 reais.

    Qual é a melhor opção? Eu estou o valor de 1000 pesos muito alto para colocar no VTM. Não sei se ele é bem aceito por lá. E se eu for fazer saque nele é cobrado o valor de 10 pesos por saque, independente do valor.

    O que vocês me sugerem?

    Me ajudem por favor, pois estou com esta grande dúvida.

    Obrigada

    Um abraço.

    • Marcelo 17 de setembro de 2012 at 17:29 #

      Fernanda

      O valor que vc esta levando é pequeno, eu levaria em reais e trocaria por pesos na agência do Banco de La Nacion dentro do Aeroporto, é pelo câmbio oficial do dia, vc precisará de dinheiro vivo para despesas pequenas do dia a dia.

      • Fernanda 18 de setembro de 2012 at 22:55 #

        Oi Marcelo, tudo bem?

        Pois é, sei que o valor é pequeno. Mas pensei nesta quantia somente para colocar no VTM mesmo e diminuir um pouco do meu montante de dinheiro vivo, entende?

        Sei que é pouco e que as coisas estão bastante caras por lá. Mas não vou muito com o intuito de gastar d+, fazer compras exorbitantes não rsrs É mais para “turistar” mesmo. Conhecer lugares, comer e beber kkkkkk Mas obrigada pela informação.

        Como até escrevi abaixo, tirei de cabeça a ideia do VTM. Vou só levar os reais mesmo, trocar uma parte no Banco de La Nacion e o restante ir utilizando onde for possível ou senão fazendo cambiação por Buenos Aires mesmo. :)

        Obrigada.

        Um abraço. Fernanda

  261. Renato C 17 de setembro de 2012 at 17:25 #

    Olá Fernanda,

    Em termos de cotação, a melhor opção para ti é levar reais e trocar por pesos no “Banco de La Nación Argentina”.

    Tem um na saída do aeroporto de Ezeiza (troque depois de fazer o desembarque). Foi o que fiz.

    Veja as cotações no site: http://www.dolarhoy.com/indexx.php#real

    Caso não se sinta à vontade para andar com tanto dinheiro vivo, considere 3 paliativos: 1) use pochete anti-roubo por debaixo da calça (google imagens para ver, caso não conheça), 2) deixe a maior parte do dinheiro no hotel, dentro da mala fechada com cadeado, 3) tenha parte do dinheiro em cartão Visa Travel Money, como você está querendo fazer.

    Entre estas 2 opções apresentadas por ti, a dA segunda casa de câmbio possui uma cotação mais interessante.

    Atente-se que quanto mais dinheiro no VTM você tiver, no caso da Argentina, mais você estará gastando dinheiro no quesito segurança (não é uma boa cotação o VTM). Pelo que você falou, o melhor é mesclar dinheiro vivo + VTM.

    Caso você não esteja desembarcando em Ezeiza, é preciso procurar uma outra localidade para o Banco de La Nación que faça câmbio.

    Leia mais em:
    http://www.viajenaviagem.com/2009/10/chegando-em-buenos-aires-transfer-e-dinheiro/

    Abraços, Renato C

    • Fernanda 18 de setembro de 2012 at 22:52 #

      Olá Renato, tudo bem?

      Obrigada pelas informações. Eu vou desembarcar em Ezeiza sim! No caso, acho que pelo que eu tenho lido, a melhor opção é trocar mesmo no Banco de La Nacion.

      Acho que desisti de levar o VTM. Eu até adquiri uma dessas pochetes para colocar por dentro da calça sim. Vou levar tudo em reais, trocar uma parte no Banco de La Nacion, mesmo por que ainda vou acertar o restante do Hostel e também para despesas diárias.

      Ouvi dizer também que o real está até bem aceito por lá… tem muitos locais, restaurantes essas coisas que fazem a conversão na hora. Tem até as placas anunciando quanto está o real.
      Ou então, se precisar, troco em alguma agência de câmbio pelas ruas mesmo.

      Não vou mexer com esse VTM não. Além da cotação estar desvantajosa, eu ainda tenho que pagar pelo cartão e tudo mais.

      Aí levarei os reais e também o cartão de crédito, caso precise.

      O lance de deixar o dinheiro no Hotel não sei se vai ser uma boa no meu caso. Eu vou ficar em Hostel. O meu será aquele invidivual, onde ficará somente eu e meus amigos, mas não conheço o Hostel e pra deixar dinheiro na mala assim é complicado né.

      Uma sugestão que gostaria de você. Eu levando tudo em reais, quanto desse montante você acha que devo trocar no Banco de La Nacion? em % ou em frações, sei lá.. quanto você acha?
      Ou acha bom trocar a metade e ficar com a outra metade em reais para ir cambiando por Buenos Aires mesmo? O Banco costuma dar somente notas altas, não?

      Mais uma vez, muito obrigada pela atenção e pelos esclarecimentos.

      Abraços. Fernanda

  262. Fernanda 18 de setembro de 2012 at 23:00 #

    Renato, mais uma dúvida, por gentileza:

    No site dolarhoy eles colocam lá da seguinte maneira (exemplo com o real):

    Compra: 2.20 Venda: 2.35

    Qual seria o valor no meu caso, para trocar os reais por peso? Eu olho o valor de compra?

    E outra coisa: nas casas de câmbio aqui de BH eles me informam o valor do peso de 0,50 ou 0,47.
    Como eu faço pra saber o preço igual no site dolarhoy, neste caso. Porque no Dolarhoy eles informam 2.20, 2 e alguma coisa… Este valor de 0,50 na verdade seria quanto?

    Não sei se deu para entender bem a minha dúvida rsrsrs

    Um abraço. Fernanda

  263. Andre 19 de setembro de 2012 at 7:37 #

    Olá pessoal,

    Participei dos comentários no fim do ano passado, fui viajar, fiz saques no cartão Santander e foi sensacional.
    Pelo visto, continua tudo igual… até um pouco pior, já que não há nenhum cartão de crédito atrelado ao dólar comercial, nem mais o Itaú.

    Eu pesquisei muuuuito ano passado, perdi muitas horas e vejo que a galera também sofre aqui.
    Uma coisa importante, não ligue para o atendimento telefônico do seu banco, por mais absurdo que possa parecer, eles não tem a mínima ideia do que vc estará falando.

    E mais, se vc é cliente BB, Itaú (hoje em dia), Bradesco (como eu) etc., resumindo, se vc não é cliente HSBC ou Santander, vc se lascou… não tenho mais visto comparativos precisos, mas a diferença entre eles deve ser pequena no crédito e no débito, TODOS tendo o TURISMO como base.

    Agora, se vc é cliente HSBC e Santander ainda há uma saída, o saque usando débito lá fora.
    O Santander é o melhor de todos.
    Se vc é cliente VanGogh, tem direito a 2 saques por mês, se sua viagem pega o fim de um mês e começo de outro, vc vai poder sacar 4 vezes de graça.

    Isso foi o que eu fiz, deixei meu cartão Bradesco em casa e levei o Santander do meu pai.
    Os meus saques foram muito próximos do comercial, economize cerca de 500 reais em relação a minha mulher que levou vtm (ela gastou mais reais e levou menos dólares).

    Lá fora, vi que algumas pessoas tem colocado informações imprecisas, os saques no Chase etc., é tudo com limite baixo, de 500 dólares, no máximo, para sacar mais tem que ir em uma agência do Citibank.
    Talvez seria legal testar uma agência do próprio Santander… eu não testei.

    É duro, mas não tendo conta nesses 2 bancos… acho até perda de tempo pesquisar formas do seu dinheiro render mais. Infelizmente o Brasil é a mãe dos bancos e o carrasco dos consumidores.

    É muito triste… mas é verdade, procure gastar tempo preparando a viagem, procure um vtm, leve um pouco de dinheiro, compre no crédito quando precisar… normalmente.

    Só se vc for cliente HSBC ou Santander, se preocupe em sacar lá no exterior todo o grosso do dinheiro.
    Só neste caso!

    Se descobrirem algo novo, estou sempre lendo… ansioso por 1 mísera notícia boa.

    • Guilherme 23 de setembro de 2012 at 9:45 #

      Obrigado pelo seu depoimento, André!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  264. Renato C 19 de setembro de 2012 at 12:22 #

    Olá Fernanda,

    Eu trocaria tudo que pretendo gastar na viagem direto no Banco de La Nación, pois é a melhor cotação e faria logo isto tudo de uma vez. Até porque, no seu caso, ou você andará com pesos na carteira ou com reais… isto é, estará com dinheiro de qualquer jeito.

    Algumas lojas (como de roupa) têm uma cotação para pagamento em real mais vantajosa do que a própria cotação do Banco de la Nación. Portanto, além de carregar pesos, considere levar alguns reais consigo também.

    E não se esqueça de pedir o tax refund caso vá fazer compras, para ter parte do dinheiro de impostos de volta.

    Eu sempre me confundo com isto de cotação de compra e venda também. Mas pense o seguinte… o banco sempre vai ganhar, não você. Isto é, ele compra o real por 2,20 pesos e vende o real por 2,35 pesos.

    Uma cotação de 0,50 significa que para 1 real que você der, você terá 2 pesos (no banco de la nación terá 2,20 pesos).

    50 centavos = 1 peso
    1,00 real = 2 pesos

    O Banco não irá lhe dar trocado, mas, você consegue notas intermediárias sim.

    Cuidado com notas de peso falsas em táxis (rs).

    Abraços, Renato

    • Fernanda 20 de setembro de 2012 at 1:13 #

      Muito obrigada Renato!

      Valeu mesmo pelas dicas!

      Vou seguir a fio rsrs

      Depois volto para compartilhar a experiência.

      Um abraço.

      Obrigada!!!

  265. Cris 24 de setembro de 2012 at 18:36 #

    Guilherme, esse post se tornou igual a previsão do tempo antes de uma viagem, sempre olho os novos comentários!

    Estou com dificuldades em achar relatos a respeito da Europa, em particular leste europeu. Alguém usou saques do Santander por essas bandas?!?

    Abs!

    • Guilherme 6 de outubro de 2012 at 9:06 #

      Obrigado pelos comentários, Cris, e boa viagem pro leste europeu! Não deixe de postar aqui, posteriormente, suas experiências com saques no cartão de débito por aquelas bandas!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  266. Renato C 24 de setembro de 2012 at 20:15 #

    Olá Cris,

    Fiz saques na conta do débito pelo Santander em Londres e foi pago o valor da cotação da libra mesmo, talvez um pouquinho acima só, não lembro. Lembro que foi uma cotação muito boa.

    O detalhe é que, ao menos em Londres, você pode sacar num caixa automático do HSBC (usando o cartão Santander) que não haverá cobrança adicional alguma por isto.

    O HSBC é mais difundido que o Santander.

    Abraços, Renato C

    • Cris 1 de outubro de 2012 at 10:50 #

      Olá Renato,

      obrigada pelo relato. Bom, chego pela Itália, mas vou seguir para o leste europeu. Vou levar um visa travel money e um pouco de cash para os gastos iniciais e qualquer emergência. Espero conseguir sacar pelo Santander!

      Abs
      Cristiana

  267. Renato C 24 de setembro de 2012 at 20:19 #

    Ah, e todos nunca se esqueçam de comunicar ao banco, antes da viagem, os dias de sua viagem e o local onde você estará. (Sim, é algo mega específico e pode ser feito pelo internet banking).

    Além de verificar que o cartão está liberado para saque internacional, obviamente.

    Abraços, Renato C

  268. Bruna 25 de setembro de 2012 at 1:18 #

    Acabei de chegar aqui pelo Google e já devorei todas as informações.
    Deixo aqui minha experiência e também uma dúvida.

    Fui para Buenos Aires com meu marido em Abril desse ano para ficar 4 dias.
    Levamos 1.000 dólares, guardamos 500 para o freeshop hehe :) e cambiamos 500 para os gastos do dia a dia no La Nacion (me desculpem não lembro a cotação dolar x peso, mas é a melhor que tem é a desse banco).

    Sobre saque: na epoca o peso estava mais ou menos R$ 0,45 por 1. O valor praticado pelo Itau para saque era de R$ 0,47.
    O saque tinha taxa única de 15 pesos debitados na hora por saque independente do valor.
    Nós sacamos somente em dois dias, pois o dolar trocado deu para os 4 dias (sem contar hospedagem) e nos dias que sacamos faziamos a conta 600 pesos + 15 = 289 reais + IOF de 0,38%. No final das contas achamos muito barato e se soubessemos nem teriamos levado dolares. Fomos descobrir que compensava por acaso porque ficamos na rua sem dindin nenhum para pegar taxi. Espero que ajude quem precisa!

    Agora minha dúvida é mais um pedido de ajuda: estamos indo para Cancun mês que vem e gostariamos de ver mais relatos sobre a cidade. O que compensa? Sei que aceitam dolar em tudo que é lugar lá, mas vi que trocar real x peso vale mais a pena do que trocar real x dolar. Será?

    Obrigada!

    • Fernanda 3 de outubro de 2012 at 0:21 #

      Ei Bruna, tudo bem?

      Vi o seu relato sobre Buenos Aires. Deixa eu te fazer umas perguntas rsrsrs (note que é no plural rsrs)

      Esses 1000 dólares que vocês levaram, foi em espécie? O Hotel que vocês ficaram tinha onde deixar o dinheiro ou vocês ficaram andando com essa quantia por lá?

      Esses saques que você falou que fez lá, foi em qual banco? Qual e a bandeira do seu cartão? Foi super tranquilo realizar saques por lá, então?

      E quanto ao débito, você utilizou alguma vez? Você saberia me dizer se usando o débito, mesmo sendo aqueles cartões com chip que você digita a senha, o pessoal lá costuma exigir a identidade junto?

      Se puder me responder, lhe agradeço. Estou indo pra lá este mês e estou com essas dúvidas rsrs

      Obrigada.

      Fernanda.

  269. Fernanda 1 de outubro de 2012 at 22:27 #

    Olá pessoal, tudo bem?

    Estou com uma dúvida enorme, espero que possam me ajudar!

    Estou indo para Buenos Aires agora em outubro e pretendo levar R$1500 reais e USD300.
    Só estou achando muito arriscado levar isso em dinheiro vivo.
    Eu não tenho conta corrente, somente conta poupança da Caixa, o que não me dá direito a efetuar saques nem usar como débito no exterior.

    A minha mãe tem uma conta corrente no BB. Vocês acham que seria possível eu ir com o cartão dela e utilizá-lo na função débito? Seria muito arriscado se o pessoal pedisse a identidade? O cartão dela é com senha.

    E outra coisa, liguei no BB e eles informaram que para cada compra na função débito realizada no exterior é cobrado o IOF de 0,38% + 1% sobre o valor total da compra.
    E para cada saque é cobrado o mesmo IOF de 0,38%, estes 1% e R$12,00.

    Acham que é possível eu fazer dessa maneira? Aí levo uns R$400 em dinheiro vivo e os dólares e o resto deixo nesta conta da minha mãe e uso o cartão na função débito ou para saque, caso eu precise.

    Falando nisso.. alguém que já foi para BUenos Aires é fácil encontrar caixas automáticos do BB?

    Espero que possam me ajudar.

    Obrigada

    Fernanda

  270. Flavio 2 de outubro de 2012 at 14:25 #

    Fernanda,

    Você não precisa sacar nos caixas do BB, e nem vai ser fácil encontrá-los em Buenos Aires.

    Para sacar no exterior basta que o seu cartão tenha a bandeira Plus, Cirrus ou Maestro. Geralmente elas ficam no verso do cartão. Aí é só encontrar um caixa – de qualquer banco – que aceite essas bandeiras.

    Mas lembre-se de sacar da conta corrente. Se você sacar do cartão de crédito, além das taxas e do IOF ainda vai pagar juros.

    • Fernanda 3 de outubro de 2012 at 0:16 #

      Olá Flávio, tudo bem?

      Entendi!! o cartão dela tem o nome PLUS atrás… é da bandeira Visa.
      Então é só ir em qualquer terminal de qualquer banco que tem essa bandeira e sacar? Só que é como se fosse realizar um saque em um terminal 24hs aqui no Brasil, não? Ou seja, viria AQUELA FACADA de taxas a cobrarem em cima, não?

      Mas aí tudo bem.. isto é para saque. Só que na função débito, você acha que eu levando o cartão da minha mãe, é possível que mesmo sendo cartão com chip e senha (e que eu tenho a senha), o pessoal pode exigir minha documentação?

      Pois a taxa do BB para saque é de R$12,00 por saque + o IOF e + uma taxa de 1% sobre o valor total da compra. Peguei esta informação no BB ao ligar hoje. Então ficar realizando muito saque la nao compensa, por isto gostaria de usá-lo mais no débito. Só que como o cartão está com o nome da minha mae, fico com receio de me pedirem a identidade mesmo eu digitando a senha, entende?

      Obrigada pela orientação das bandeiras.

      • Fernandes 3 de outubro de 2012 at 17:15 #

        Fernanda, deixa eu me meter, relatando minha experiência pessoal. Não sei se é a regra por lá, mas quando estive em fevereiro em Buenos Aires, usei o cartão de débito duas vezes e em ambas as ocasiões o vendedor pediu o meu documento de identidade e conferiu a foto e a assinatura. Então, no seu lugar, eu não arriscaria viajar com o cartão de sua mãe, contando em usar na função débito.
        Sugiro que você faça como o Flávio esclareceu, afinal o único custo adicional que você teria seriam os R$ 12,00 por saque, já que o IOF é pago de qualquer jeito, seja no débito ou sacando. Lógicamente, o mais inteligente é sacar o minimo de vezes possiveis, apenas uma ou duas vezes, para não ficar dando R$ 12 para o banco neh?

  271. von bach 3 de outubro de 2012 at 16:39 #

    ola fernanda…se vc ficar num hotel que tenha “caja fuerte” ou seja cofre no apto vc deve deixar o grosso do dinheiro no cofre e todos os dias vc vai tirando e cambiando e qto ao cartao da sua mae eu nao acho correto usar pq nao eh seu, embora seja muito dificil q alguem vai complicar a sua vida por isso, no mais desfrute buenos aires.

  272. Fernanda 3 de outubro de 2012 at 22:18 #

    Oi Fernandes e Von Bach!!!

    Pessoal, muito obrigada pela orientação.
    Realmente não irei usar o cartão da minha como débito, pois como vocês me disseram e li em outros lugares, realmente eles pedem identificação mesmo você digitando a senha.

    E Fernandes, realmente essa do saque é a melhor opção.. saco o menor número de vezes possíveis, visto que também nao irei ficar muito dias em Buenos Aires. É melhor dessa maneira!

    E Von, eu irei ficar em Hostel e lá eles nao têm cofre. Eles disseram que tem armários com lockers nos quartos, mas pelo que li dos comentários nao é muito seguro, às vezes não fecha direito.

    Irei levar aquelas polchetes que escondem embaixo da roupa sabe.. e andarei com algum dinheiro em espécie e outra parte no cartão que vou usar para saque.

    Muito obrigada pela atenção de vocês e pelos esclarecimentos.

    Aproveitarei sim, obrigada!! E volto para compartilhar a experiência e ajudar futuros viajantes com destino a Buenos Aires.

    Um abraço.

  273. Marcos 16 de outubro de 2012 at 8:52 #

    Olá pessoal,
    Cheguei ao site após levar um susto com minha conta do Citibank.
    Abri a conta no Citibank única e exclusivamente para fazer saques no exterior, pois o gerente jurou que o cambio utilizado era o ‘comercial’. A conta no Citibank me custa R$ 24 com direito a 4 saques mensais.
    Dia 14 de agosto saquei 100 Euros para testar e na hora de verificar o câmbio tomei um susto: o Euro comercial estava naquele dia em R$ 2,4982. Me cobraram R$ 2,68, ou seja, uma diferença de 7,5%, SEM CONTAR O IOF de 0,38% que veio depois em separado.

    Estava quase abrindo uma conta no Santander para tentar economizar ao menos 7%. No entanto, liguei para várias agências, inclusive o pessoal de câmbio e a maioria não sabia informar. Por fim, alguém que parecia saber mais me disse que o câmbio cobrado pelo saque no exterior era uma cotação cerca de 3% acima da cotação do euro/dolar comercial.

    Agora tenho um paradigma: alguns usuários do fórum relataram que a cotação foi a do euro/dolar comercial (ou muito próxima), enquanto o banco dá uma outra informação.

    Alguém teve alguma experiência recente para confirmar o spread cobrado pelo Santander ou HSBC, ou seja, a diferença entre o cambio comercial e o cobrado no momento do saque?

    O interessante é que essa é uma informação que nenhum banco quer dar, pois é lá onde eles mais ganham dinheiro. O cliente saca e não percebe o assalto, pois essa diferença não é explícita (o cliente tem que ver a cotação do dia e ele mesmo fazer a conta). As taxas de saque (R$ 5, R$ 8, R$ 13, R$ 15, etc…) representam pouco perto do quanto se perde na hora de fazer um saque. Por exemplo, para quem for sacar 1000 Euros, perde-se na conversão cerca de R$ 200 !!!!!!!

    Abraços!

  274. Gouvea 17 de outubro de 2012 at 12:17 #

    Estive em Cancun e vou relatar como foi do ponto de vista financeiro hehe:

    Caixas eletronicos do HSBC em varios lugares, tendo conta no banco, nao se paga taxa de saque, ja que esta utilizando um caixa proprio do banco. Acho que e o mais vantajoso.

    Caixa eletronico do Santander dificil de encontrar e encontrei apenas um e estava fora do ar em um domingo, da propria agencia.

    Consegui pagar em algumas lojas utilizando a funçao debito do cartao BB.

    Como exemplo, fui na loja da Oakley, e tinha a possibilidade de pagar em reais, mas somente em especie = os preços eram em dolar e conversao para real era de 1 dolar para 2 reais, bem mais abaixo que a cotaçao utilizada no Brasil para compra de dolar, no cartao o pagamento seria debitado em pesos.Podem ter outras lojas que aceitem pagamento em reais.

    100 reais equivalem a 600 pesos. Entao estava pensando, que e mais negocio levar o cartao de debito do hsbc e pagar na funcao debito nas lojas e em ultimo caso, sacar da conta corrente e levar reais para comprar, nao so em cancun mas em outros paises da america latina, como argentina, pois os preços sao mais em conta que comprar no brasil.Mas os preços sao mais baratos no Panama do que em Cancun, uma pequena diferença.

    fui de Copa Airlines, alguem conhece o programa de milhagens deles.

    PS: teclado desconfigurado.

    Araços.

    • Guilherme 28 de outubro de 2012 at 9:58 #

      Oi Gouvea e Marcos, grato pelos comentários.

      Gouvea, o programa de milhagem da Copa é o Mileage Plus, o mesmo da United Airlines. Ou seja, integra a rede Star Alliance.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  275. Daniel 21 de outubro de 2012 at 16:57 #

    Olá !

    Ótimo post!
    Você poderia atualizar a planilha com os novos valores de tarifas ? Poderia manter o câmbio.
    Vlw

    • Guilherme 28 de outubro de 2012 at 9:56 #

      Oi Daniel, pretendo sim fazer uma reciclagem no post no futuro! Grato pela dica!

  276. Doc 23 de outubro de 2012 at 21:12 #

    O Chase não está cobrando taxa nenhuma para saque – testado diversas vezes em setembro e outubro nos EUA.

  277. Jaqueline 29 de outubro de 2012 at 13:20 #

    Pessoal, estou indo pra Buenos Aires agora em Novembro e já li muito que compensa bastante fazer a conversão no Banco La Nacion que tem um em Ezeiza. A pergunta pode ser meio idiota, mas chegaremos lá no sábado, o banco estará aberto?

    valeu!

  278. Gouvea 1 de novembro de 2012 at 23:13 #

    Então, indo para Buenos aires, é mais negócio trocar o real por peso lá do que no Brasil?

  279. andre gustavo 2 de novembro de 2012 at 10:20 #

    Gouvea,compensa levar dolar e trocar lá.Estive em BsAs em Setembro e eles pagam no cambio “blue” ARS$ 5,80 por dólar enquanto a cotação oficial é ARS$4,70. Agora,cuidado com quem vai trocar. Faziamos apenas com os motoristas de taxis conhecidos do hotel.Taxistas em BsAs são famosos por trocar notas falsas,tem que se ligar.O real eles estão pagando ARS 2,50.

  280. Joel Campos 12 de novembro de 2012 at 21:02 #

    Encontrei esse site (http://www.cambiobr.com.br), mas ainda não comprei.
    É mais barato que o Itaú(USD 2,182,74 = R$1.000,00) já com o IOF; enquanto que nesse site diz (USD 2,140, = R$1.000,00) já com o IOF.

  281. Leonardo BH 29 de novembro de 2012 at 17:09 #

    Meu relato mais recente com saque internacional com cartão de débito Santander: Nov/2012, EUA, terra dos ATMs, têm pra todo lado… Dica: escolher ATM perto de agência do banco ou em outros lugares seguros como aeroporto por exemplo, você consegue limites maiores de saque do que nos ATMs de malls, farmácias, mercados e hotéis. Consegui sacar $1.000 em um ATM do US Bank dentro do Sea World. Não saquei menos que $800 em outros ATMs. Pra quem chega em Miami uma dica: na saída do desembarque no caminho para o trem que leva ao car rental têm um ATM do Bank Of America onde saquei $800. As taxas de saque variaram de $2 (Bank Of America) a $5 (Wells Fargo), mas geralmente era $3. A tarifa que o Santander me cobrou continua R$10,00 por saque (embora na tabela de tarifas seja um pouco maior). A cotação do dólar para saque ficou entre R$2,05 e R$2,07 no período de 11/11/2012 a 20/11/2012, continua muito perto do dólar comercial.
    Outra ótima opção que usei foi pagar as compras com o cartão de débito, mesma cotação do dólar e sem a taxa de saque. Infelizmente nem todas as lojas aceitam o débito, algumas simplesmente não têm a máquina com teclado virada pro cliente, em outras a transação no débito não passa.

    Saque/débito do Santander continua uma excelente opção para fugir do IOF 6.38% :)

    • Guilherme 1 de dezembro de 2012 at 16:57 #

      Olá, Leonardo, muito obrigado pelo seu relato. São ótimas opções para fugir dos 6,38% do IOF. E boa a dica desse ATM de Miami. :)

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Cristina 26 de dezembro de 2012 at 15:31 #

      Leonardo, obrigada pelo relato!
      Estou prestes a viajar para o Chile e fiz uma reserva de hotel pela internet, que me cobrou 10% antecipados no cartão de crédito do SANTANDER.
      Fiquei desapontada (até porque já tinha lido esse post do Valores Reais) quando a taxa de câmbio usada por eles era bem próxima do Turismo (diferença de R$0,03 para menos), e não do Comercial.
      Mesmo a cotação do cartão sendo melhor que da casa de câmbio mais barata que liguei, o IOF do cartão de crédito (6,38%) fez valer mais a pena comprar em casa de câmbio, que só cobra 0,38%!!
      Enfim, a minha surpresa toda foi a cotação turismo do cartão de crédito do Santander…
      Em breve descubro se o Santander está usando cotação comercial ou turismo para saque/débito no exterior.
      Abraços!

  282. André 17 de dezembro de 2012 at 13:12 #

    Para contribuir:

    Saquei 100 euros em uma ATM do Banco de Chipre aqui em Atenas com o cartão de débito Bradesco. No ATM não teve nenhuma informação de tarifas para o banco. Pediu apenas minha senha e o valor de saque. O valor debitado foi de 302,44 na minha conta, sendo 7,50 de tarifa. O euro “comercial” hoje está em 2,75. Por esse valor, compensa continuar pagando em cartão de crédito mesmo com IOF, pois ainda tem as milhagens…

    Abraço!

  283. Henrique 17 de dezembro de 2012 at 14:54 #

    Parabéns pelo texto! Muito elucidativo.
    Vou pra Barcelona no natal e ainda não sei onde trocar reais por euros.
    Tô pesquisando as taxas das casas de câmbio e bancos.

    Alguém, tem alguma dica de como fazer isso da forma mais ‘vantajosa’. Já que vantagem mesmo não há nenhuma.

    Abraço!

  284. Gouvea 28 de dezembro de 2012 at 23:07 #

    Olá pessoal, vou a Paris e pergunto se alguém sabe qual o banco mais vantajoso para saque, se o HSBC ou o Santander, se tem agencia desses bancos em Paris, pois tendo uma agencia ou um caixa eletronico próprio pode-se não pagar tarifa.

    Abs.

  285. Carlos 30 de dezembro de 2012 at 14:56 #

    Muito bom o texto!
    Mas as tarifas estão um pouco desatualizadas e não consigo encontrar as informações para o banco do brasil e santander…
    Estou indo para a Italia, levando um cartão de débito BB e um de crédito / débito Santander. Gostaria de saber além dos 12 reais para saque na conta corrente aqui do Brasi quais as outras taxas envolvidas atualmente? E também, gostaria de saber se ao passar o cartão, na função débito, para compras, pago outra taxa além do IOF de 0,38% e se os bancos limitam compras no exterior pelo cartão de débito.
    Abraço!

  286. Fabiano Pereira 31 de janeiro de 2013 at 11:27 #

    Show de bola suas palavras !!!
    Feito a tempo mas que facilmente pode se ter uma idéias de como funciona o sistema.
    Parabenizo pela excelente explanação e comprometimento para com o próximo.
    Se houvessem mais pessoas como você, o capitalismo selvagem no Brasil que é não faria tantas vítimas.
    Abraço.

  287. Camila 11 de fevereiro de 2013 at 19:15 #

    Tenho algumas dúvidas, apesar do post muito bem elaborado e esclarecedor. Tenho o cartão Santander Free Visa (múltiplo), mas pelo que li nos comentários, os cartões múltiplos são fria, pois ao sacar/comprar no débito, pode ser descontado do crédito. Gostaria de saber se no EUA também é assim. Vou para a Califórnia ficar 30 dias em San Diego e eu não tenho cartão de debito separado, tentei pedir no super linha Santander, mas o atendente informou que tenho que ir direto a agencia, porém a agencia só abre dia 13 e minha viagem é dia 23, tenho medo de não dar tempo de chegar. Outra opção é usar o cartão de débito da conta poupança do meu marido, mas ele não vai comigo, então teria que sacar dinheiro ao invés de comprar no débito, certo? Nos eua ele conferem os dados? Outra duvida, ouvi dizer que o Visa não faz compras no débito, apenas saque, já o mastercard faz compras no débito. Isso procede? E a última, meu cartão multiplo está com a tarja rachada e isso nunca foi problema, pois ele é de chip. Nos eua as máquinas não aceitam cartões de chip? Será que o problema na tarja pode me prejudicar? Já solicitei segunda via, mas por conta do carnaval não sei se dará tempo, apesar que o prazo para entrega é de 8 dias úteis e o 8º dia é dia 22, um dia antes da minha viagem. Por favor, alguém pode me ajudar? Não sei o que faço, papel moeda está muito caro!!

    Abraços e obrigada!

  288. Renato C 12 de fevereiro de 2013 at 12:47 #

    Camila,

    1) De um modo geral, o cartão múltiplo funciona sim. Ao inserí-lo na máquina para saque, você irá escolher a função saque da conta (e não do cartão) e não haverá problema.

    2) Tente sim usar a função saque deste cartão do seu marido, é uma boa.

    3) Acredito que haverá sim problemas no uso deste cartão com a tarja magnética ruim.

    4) Por precaução, se eu fosse você, eu levaria um traveller’s check ou faria um cartão VTM da Confidence Cambio em dólar. Peça, ao solicitar o cartão, que eles insiram o seu nome nele. http://www.confidencecambio.com.br/

    Boa Viagem, Renato C

  289. Renato C 12 de fevereiro de 2013 at 12:48 #

    Ah, e procure fazer o cartão da VTM pessoalmente, em alguma loja Confidence.

  290. camila 14 de fevereiro de 2013 at 18:20 #

    Eu consegui pedir um cartão de débito internacional no Itau, bandeira mastercard. Deve chegar no máximo na quarta-feira que vem, viajo no sábado. Pedi também do Santander, vamos ver se chega a tempo. O VTM, se pedido pessoalmente, fica pronto na hora?

    Obrigada, Renato C. =)

  291. Cris 19 de fevereiro de 2013 at 12:30 #

    Olá a todos!

    Voltei da Europa agora e utilizei o meu cartão Santander Platinum para saque em Budapeste, Viena e Atenas. Apenas em Atenas consegui sacar diretamente da minha conta corrente com câmbio comercial (2,70) em 24/01 no Banco Piraeus. Tanto em Viena quanto em Budapeste, os saques foram pelo cartão de crédito. Quando voltei para o Brasil liguei pra minha gerente e reclamei que dois saques não foram pela conta corrente, mesmo eu tendo selecionado essa opção no caixa eletrônico. Ela falou que nem todos os bancos tem “parcerias” com o Santander, e antes de viajar é importante saber quais bancos é possível sacar pela conta corrente.

    Bom, se isso é verdade ou não, eu não sei…só sei que nos EUA nunca tive problema. De qualquer forma, já solicitei meu cartão de débito, é mais seguro e não tem opção de o saque cair no crédito, e vc ainda pode utilizar o débito.

    Ah sim! Em Viena era o caixa do Volksbank, o de Budapeste perdi o comprovante.

    Abs.

  292. Cris 19 de fevereiro de 2013 at 12:39 #

    Uma dica quanto ao VTM (talvez alguém já deve ter comentado sobre isso)

    Eu tinha um do Confidence e como eu viajei com o Euro subindo, resolvi fazer um VTM de outro banco. Liguei pro Cotação e descobri que eles negociam o cambio. Por exemplo, eles me passam a cotação deles (2,85), digo que vi em outra Casa de Cambio por menos (2,80), e logo depois eles concordam com a cotação mais baixa. Mesmo se a compra é de valor baixo é fácil negociar, tanto para VTM quanto papel moeda. No Confidence não consegui negociar o cambio nem na loja ou no telefone.

  293. Scan 26 de fevereiro de 2013 at 14:29 #

    Boa tarde.
    Telefonei agora para o Banco Santander perguntando sobre o desbloqueio do cartão Visa Platinum para crédito, débito e saque no exterior (Europa Central e França).
    A atendente assegurou serem as três funções passíveis de desbloqueio, MAS…
    Sempre tem um “mas”.
    NÃO É GARANTIDO que, ao se fazer o saque num caixa eletrônico, este seja computado como débito.
    Isto é: pode-se fazer um saque, mas este poderá ser tratado como uma função de crédito, sobre a qual incide o imposto de 6,38% e a flutuação cambial até a data de vencimento da fatura.
    Segundo ela, depende do caixa onde se fará o saque.
    Ou seja, não há como prever se pagaremos ou não o imposto do qual estamos tentando fugir.
    Alguém tem mais informações sobre esta excrescência?
    Obrigado e saudações.

  294. Scan 26 de fevereiro de 2013 at 14:37 #

    Boa tarde, Cris.
    Você disse “…já solicitei meu cartão de débito”
    É um cartão de débito do Santander para garantir que os saques no exterior não sejam “transformados” em crédito?
    É possível isto? Porque o Santander informou que não existe um cartão somente de débito que funcione no exterior: somente o de crédito/débito.
    Obrigado

    • igor 26 de fevereiro de 2013 at 20:01