Rentabilidade atualizada – até março/2012 – das debêntures BNDESPar de 2010, custódia, liquidez e outros assuntos correlatos…

Assim como temos, periodicamente, o tradicional artigo sobre as debêntures BNDESPar “do ano”, também fazemos, anualmente, um retrospecto de rentabilidade das últimas debêntures, artigo esse escrito graças à dedicação e esforço do leitor Flávio, que, assim como já havia feito em 2011, nos trouxe informações atualizadas da última emissão, na caixa de comentários do texto escrito semana passada, o qual transcrevo na íntegra, pela clareza das informações ali contidas:

“Depois de 15 meses da emissão de debêntures do BNDES, divulgo abaixo a rentabilidade das séries até o presente momento, de acordo com o preço do rendimento de cada ativo e não o seu preço de mercado:

BNDS15 (PREFIXADA) = 16,04% equivalente a 109,35% do CDI (14,57%)
BNDS25 (PÓS-FIXADA A 3 MESES) = 14,92% equivalente a 102,55% do CDI (14,52%)
BNDS35 (IPCA) = 16,90% equivalente a 115,50% do CDI (14,47%)

As séries iniciaram em datas diferentes: 13, 14 e 15/12/2010, respectivamente.

BNDS35 ainda está na frente em virtude da alta inflação apresentada no período. Parece que o Governo não esteve muito preocupado em atingir a meta de inflação (4,50%). Lembrando que a inflação acumulada no ano de 2011 atingiu 6,50% ( o topo da meta). Uma NTN-B de mesmo vencimento no momento atual está remunerando apenas 4,60% além da inflação.

BNDS15 com taxa de 12,51% obteve também um ótimo rendimento e comparando com as taxas atuais do títulos prefixado no mercado (LTN 2014 a 9,74%), podemos dizer que a aquisição significou uma excelente oportunidade.

BNDS25 com taxa pós-fixada a cada 4 meses, está rodando atualmente com uma taxa de 10,709% até abril de 2012 (quando será repactuada com uma taxa mais baixa). A mesma acompanhou a variação do CDI. Como a taxa de juros básica despencou, sua rentabilidade ficou menor perante as outras duas.

Entretanto, o ganho das debêntures BNDS15 e BNDS35 ainda é maior caso conseguíssemos vender pelo preço justo de mercado, uma vez que a AMBIMA precifica a debênture BNDS35 com uma taxa de IPCA + 5,17%, o que gera um retorno ainda superior ao informado acima (exatamente mais 4,42% de rentabilidade o que daria um retorno total de 22,06% no período até 16/03/2012). Quanto à série prefixada, eu estimaria um ágio de 3,85% acima da rentabilidade o que corresponde a um preço de mercado de 10,17% a.a. A série pós-fixada não teria ganho adicional caso estivéssemos marcando a mercado.

Quem estiver pensando em vender no mercado secundário para comprar as novas… Eu desaconselho. O spread e taxas cobradas na negociação podem levar a metade do ganho de mercado que será apropriado pelo detentor durante toda a vida do título e ainda tem a questão do IR (que por enquanto é 17,50%). Ao esperar completar 2 anos e obter a alíquota mínima de 15% sobre o rendimento, economizaríamos cerca de quase 0,50% a preços de hoje. Ainda assim, as taxas de venda não seriam menores do que as taxas de aquisição das novas.

Em relação à nova emissão, concordo com a sua avaliação, ou seja, as taxas estão em um patamar muito baixo em relação ao padrão de juros praticado até aqui no Brasil. Contudo, em relação aos outros países, nossos ativos de renda fixa ainda figuram na primeira colocação quando o assunto é retorno em relação ao risco.

Ainda acredito em um ganho comedido das séries prefixadas e de inflação perante o nosso custo de oportunidade (CDI), sem falar na ausência de taxas para quem já possui ações e debêntures.

Podemos projetar uma taxa de 11,20% para a série prefixada e 5,30% para a série de juro real (IPCA), o que daria uma inflação implícita de 5,60% entre os dois títulos. Caso a inflação fique acima desse patamar, a série de juro real ficaria melhor em termos relativos. Eu prefiro dividir o lote nas duas séries.

Para quem acredita na volta da “Festa dos Juros Altos”, ou seja, é viciado em CDI, a série pós-fixada também é uma excelente opção em relação a outros ativos pós como as LFT, CDBs e Fundos DI. Ela deve remunerar entre 102% a 103% do CDI”.

Taxa de custódia

O leitor TBB fez uma pergunta pertinente:

“Caso invista em Tesouro Direto, terei a isenção da custódia semestral?”

Por incrível que pareça, não, e isso está bem claro no material publicitário divulgado pelo BNDES. A isenção da taxa de custódia semestral só vale para quem tiver posição em ações ou outros títulos (exceto Tesouro Direto) custodiados em Bolsa:

Alguns – ou muitos – leitores do blog utilizam uma estratégia que considero a mais eficiente para o barateamento dos custos operacionais: utilização de corretoras para fins específicos. Ou seja, em vez de concentrarem seus investimentos numa única “casa”, eles buscam as corretoras mais baratas para aquela específica modalidade de investimento, o que significa, muitas vezes, utilizar a corretora “A” para ações, e a “B” para títulos públicos. Essa estratégia, aliás, já foi muito bem explicada pelo Jônatas no artigo Alocando ativos em várias corretoras e pagando menos taxas, no blog Efetividade. Se tiver interessado no assunto, leia também os artigos Dando nomes #2 aos bois (digo, às corretoras): 4 corretoras que cobram taxas não muito caras de corretagem e/ou podem te isentar da taxa de custódia e Agora já são 7 as corretoras que não cobram taxa de custódia para operar no Tesouro Direto!

Se você utiliza essa estratégia, e pretende investir nas debêntures do BNDESPar, é preciso prestar bastante atenção e fazer seu pedido de reserva por meio da corretora em que você investe em ações, e não naquela em que mantém seus investimentos em títulos públicos, por mais paradoxal que isso possa parecer à primeira vista (já que essas debêntures não deixam de serem títulos de natureza pública…).

As corretoras participantes estão listadas abaixo:

Coordenadores

BANCO ITAÚ BBA S.A.
BB – BANCO DE INVESTIMENTO S.A.
BANCO BRADESCO BBI S.A.

Coordenadores Contratados

BANIF BANCO DE INVESTIMENTO (BRASIL) S.A.
BANCO BTG PACTUAL S.A.
BANCO CAIXA GERAL BRASIL, SA
BANCO CITIBANK S.A.
HSBC CORRETORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.
BANCO J. SAFRA S.A.
BANCO VOTORANTIM S.A.

Corretoras Consorciadas

AGORA CTVM S.A.
ALFA CCVM S.A.
ALPES CCTVM S.A.
ATIVA S.A. CTCV
BANIF CVC S.A.
BANRISUL S.A. CVMC
BB INVESTIMENTOS S.A.
BES SECURITIES DO BRASIL CCVM
BRADESCO S.A. CTVM
CM CAPITAL MARKETS CCTVM LTDA.
CITIGROUP GMB CCTVM S.A.
COINVALORES CCVM LTDA.
CONCORDIA S.A. CVMCC
CORRETORA GERAL DE VC LTDA.
CRUZEIRO DO SUL S.A. CVM
CS HEDGING-GRIFFO CV S.A.
ELITE CCVM LTDA.
FATOR S.A. CV
FUTURA CCM
GERAÇÃO FUTURO CV S.A.
GRADUAL CCTVM S.A.
HSBC CTVM S.A.
ICAP DO BRASIL CTVM LTDA
INDUSVAL S.A. CTVM
INTERBOLSA DO BRASIL CCTVM
ITAÚ CV S.A.
Escritório Lerosa S.A. Corretores de Valores
LINK S.A. CCTVM
MAGLIANO S.A. CCVM
MAXIMA S.A. CTVM
MIRAE ASSET SECURITIES BRASIL
MUNDINVEST S.A. CCVM
NOVINVEST CVM LTDA.
OCTO CTVM S.A.
OMAR CAMARGO CCV LTDA.
PETRA PERSONAL TRADER CTVM S.A
H.H. PICCHIONI S.A. CCVM
PLANNER CV S.A
PRIME S.A. CCV
PROSPER S.A. CVC
RENASCENÇA DTVM LTDA
J. SAFRA CVC LTDA.
SANTANDER CCVM S.A.
SOCOPA SOCIEDADE CORRETORA PAULISTA S.A.
SOLIDEZ CCTVM Ltda.
SLW CVC LTDA.
CORRETORA SOUZA BARROS CT S.A.
SPINELLI S.A. CVMC
TALARICO CCTM LTDA.
TOV CCTVM LTDA.
UM INVESTIMENTOS S.A. CTVM
VOTORANTIM CTVM LTDA
WALPIRES S.A. CCTVM

Ou seja, praticamente todas.

Liquidez

Dúvida que surgiu na caixa de comentários do último artigo diz respeito à liquidez antes do vencimento. Embora seja mais recomendável mantê-las até a data de vencimento, para garantir a rentabilidade contratada, obter a menor incidência possível de imposto de renda etc. etc. etc. razões as mais diversas podem levar o investidor a resgatar o investimento antes do termo final de vencimento do título. Nesse ponto, o leitor Alex trouxe uma importante informação para aqueles que estão receosos quanto à eventual falta de liquidez das debêntures BNDESPar:

“A liquidez não é tão ruim assim, ainda mais considerando que o Tesouro Direto tem liquidez semanal. Se você precisar de dinheiro numa quinta-feira, azar o seu. Já estas debêntures podem ser negociadas diariamente no Bovespa Fix.

Neste link podemos acompanhar a negociação diária.

http://www.bmfbovespa.com.br/Renda-Fixa/OfertasNegocios/OfertasNegocios.aspx?idioma=pt-br

Hoje (13 de março de 2012) o volume está em R$ 12.000,00, mas o gap no book é pequeno, de 0,7%”.

Aproveitando o link, resolvi fazer uma pesquisa com o histórico de negociação na semana passada da debênture BNDESPar BNDP-D41, ofertada ao investidores na emissão de 2009, que oferecia rentabilidade prefixada de (hoje excelente) 12,74% a.a., com vencimento previsto para 01º de janeiro de 2013, daqui, portanto, a alguns meses, e sobre a qual comentamos nesse post datado do remoto dia 19.12.2009. O resultado apresentado foi esse da tabela abaixo:

Observe que houve negócios realizados em todos os dias da semana, ao menos em relação a essa específica modalidade de debêntures. Embora haja riscos de eventual prejuízo ou dificuldade na venda antecipada dos papéis – e isso está bem claro no material publicitário (“baixa liquidez do mercado secundário brasileiro de debêntures: o mercado secundário de títulos privados existentes no Brasil apresenta historicamente baixa liquidez.  Não há nenhuma garantia de que existirá no futuro um mercado ativo e líquido para negociação das Debêntures que permita aos subscritores sua pronta alienação caso estes decidam pelo desinvestimento”). – não deixa de ser alvissareira a notícia de que o retrospecto de negociações esteja sendo positivo para esse tipo de papel.

Ademais, esse risco foi, de uma certa forma, atenuado pela garantia de atuação do BB, Bradesco e Itaú como formadores de mercado. Vale a pena transcrever a informação contida na página oficial do investimento:

Negociação Antes do Vencimento: Caso você deseje negociar as Debêntures BNDESPAR antes da data de vencimento, a negociação deverá ocorrer exclusivamente nos ambientes autorizados para negociação com a debênture (plataformas eletrônicas BOVESPAFIX e CetipNET). As Debêntures que estiverem custodiadas na CETIP poderão ser negociadas em mercado de balcão organizado, sendo admitidas negociações cursadas fora do ambiente de negociação eletrônica CetipNet, devendo as negociações ser liquidadas por meio da CETIP e as Debêntures custodiadas e registradas no SND.

O Banco Itaú S.A., o BB – Banco de Investimento S.A. e o Banco Bradesco S.A. atuarão como formadores de mercado, oferecendo diariamente, observados os limites fixados, preços para compra e venda. Tais preços e limites podem ser consultados nos endereços eletrônicos de tais bancos e de tais ambientes. Uma política semelhante, estabelecida na oferta realizada em 2010, vem propiciando negociações constantes com os papéis da BNDESPAR.

Para a Emissão, você poderá solicitar acesso a essas ofertas diárias por meio do Agente de Custódia (vide “Custódia”), bem como solicitar a este que realize ofertas abertas em seu nome nos ambientes habilitados, observando os horários de negociação e os limites de transação.

Tributos e Emolumentos: Você deve ficar atento aos custos de transação (emolumentos) cobrados nos ambientes autorizados para negociação com a debênture (plataformas eletrônicas BOVESPAFIX e CetipNET). Atualmente, sobre o valor de cada operação realizada pelo investidor no BOVESPAFIX, é cobrada a taxa de 0,10% do valor financeiro de cada operação, limitado a R$ 40,00. Este valor será cobrado do investidor a título de liquidação na BM&FBOVESPA.

Adicionalmente, no que diz respeito a tributos, além dos tributos sobre os juros devidos, em caso de venda do título antes de seu vencimento por preço superior ao preço de aquisição, o ganho de capital auferido será objeto de tributação, com alíquotas conforme o prazo da aplicação (vide “Tributos”).

A BNDESPAR não pode afirmar nem garantir se haverá ganho ou perda financeira no caso de venda antecipada, fato que dependerá das condições de mercado na referida data. Cabe ressaltar que, caso você mantenha as debêntures até a data de vencimento, receberá a rentabilidade apurada no momento da compra”.

É importante destacar que essa taxa de negociação de 0,10% sobre o valor financeiro da operação não é cobrada na oferta pública, mas apenas nos casos de negociação (compra e venda) no mercado de títulos de renda fixa da Bovespa. É por essas e outras (IR maior, por exemplo), que não é recomendável a venda antecipada das debêntures. Assim como no Tesouro Direto, o ideal é carregar os papéis até a data de vencimento.

É isso aí!

Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

Print Friendly, PDF & Email

,

24 Responses to Rentabilidade atualizada – até março/2012 – das debêntures BNDESPar de 2010, custódia, liquidez e outros assuntos correlatos…

  1. joaquim 19 de março de 2012 at 0:47 #

    É possível ter Debêntures, Títulos TD, Ações compradas através do BB e depois seguir p/custódia p/corretora (por exemplo, SOCOPA) como uma espécie de portabilidade?

    • leandro 19 de março de 2012 at 22:05 #

      ola joaquim, já tive a experiência de realizar exatamente isso. Transferi minhas ações, TD e debentures do BB para a spinelli. Consegui transferir as ações e o td sem problemas, mas as debentures ficaram empacadas no BB e não tem santo que as tire de lá… minha sorte é que ainda continuo correntista do BB. caso queira os debentures, sugiro se planejar para carregá-las até o final na mesma corretora…

      • joaquim 20 de março de 2012 at 17:42 #

        Obrigado, Leandro. Já tenho Debêntures no BB…agora é relaxar e ficar por lá. Mas TD e Ações vou transferir p/alguma corretora, p/otimizar ganhos…heheh. Valeu!

  2. Guilherme Azevedo 19 de março de 2012 at 16:49 #

    Acho que somente alguns utilizam a estratégia de barateamento dos custos operacionais utilizado corretoras para fins específicos, como colocado. Vejo que a maioria utiliza os bancos para isso.

  3. Guilherme 20 de março de 2012 at 18:40 #

    Leandro, grato pela explicação ao Joaquim!

    Guilherme, pois é, na pesquisa que está rolando na barra lateral esquerda, a maioria dos leitores ainda opta por concentrar investimentos nas corretoras de bancos. Em específicas situações, e dependendo do objetivo, pode até ser válido (para fins de isenção de tarifa de manutenção de conta-corrente, por exemplo), mas, como regra geral, o melhor mesmo é operar nas corretoras independentes.

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  4. Sérgio 24 de março de 2012 at 20:34 #

    Boa noite!
    Alguém sabe se o custo para investir nas debêntures, é o mesmo em qualquer corretora? Ou seja, é cobrado apenas a taxa de custódia de R$ 6,90 semestralmente, ou dependendo da corretora, ela pode cobrar outras taxas? Gostaria de parabenizar o site Valores Reais pelas preciosas informações. abraços

  5. David D. 26 de março de 2012 at 0:23 #

    Sergio, eu fiz a mesma pergunta no post anterior e aparentemente o custo é o mesmo em qualquer corretora.

  6. Guilherme 27 de março de 2012 at 9:50 #

    Sérgio, é como o David disse, o custo é o mesmo em qualquer corretora. Obrigado!

    É isso aí!
    Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  7. Diogo Costa 27 de março de 2012 at 11:46 #

    Uma matéria interessante que saiu hoje na Valor Econômico, comentando um pouco mais sobre essa emissão das debêntures do BNDESPar.
    Segue o link: https://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/3/27/debenture-do-bndes-e-opcao-interessante-para-o-longo-prazo
    Eu só acho que demorou muito para sair uma matéria mais detalhada comentando sobre essas debêntures como mais uma opção para o investidor. Abraços.

  8. Diogo Costa 27 de março de 2012 at 11:48 #

    Outra coisa que me chamou a atenção é a sobretaxa, que vai ficar bem baixa. De 0,70% ficar em 0,35% é muito pouco na minha opinião. Lembrando que isso são especulações, ainda vai ser definido depois da oferta esses valores. Abraço.

  9. Guilherme 27 de março de 2012 at 13:40 #

    Diogo, grato pelo link! Já tá no Twitter.

    Realmente demorou um pouco para sair essa matéria. E, pelo tom da reportagem, parece que a procura tem sido alta…

  10. Augusto Rodrigues 30 de setembro de 2012 at 20:04 #

    Guilherme,

    Estava lendo a seção de riscos do prospecto das debêntures da CCR AutoBan.

    E me deparo com a descrição do risco abaixo:

    “A Taxa DI Over utilizada para a remuneração das Debêntures da Primeira Série pode ser considerada nula em decorrência da Súmula nº 176 do Superior Tribunal de Justiça”

    Pelo que entendi, as debêntures da primeira série podem ter o índice de remuneração alterado pelo próprio devedor, sendo que é necessário adotar um outro índice ou adotar um índice indicado pela justiça.

    A dúvida seria se,em tese, essa Súmula poderia ser utilizada nas debêntures do BNDESPar, visto que as debêntures da segunda série também são remuneradas pela Taxa DI.

    Obrigado pela atenção,

    • Guilherme 30 de setembro de 2012 at 21:21 #

      Olá Augusto e demais leitores,

      Sobre a sua dúvida: dificilmente essa Súmula poderia ser utilizada no caso das debêntures BNDESPar, não só por se tratar de uma Súmula já bem antiga, de 16 anos atrás, como também pelo fato de não estar previsto expressamente no contrato esse tipo de risco.

      Bom, espero nessa semana ter condições de atualizar os demais comentários postados no site.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  11. Diogo Costa 1 de outubro de 2012 at 14:05 #

    Oi Augusto, hoje saiu uma matéria na Valor Econômico bem interessante comentando um pouco mais sobre essas debêntures da Autoban. Segue o link: https://conteudoclippingmp.planejamento.gov.br/cadastros/noticias/2012/10/1/debenture-com-isencao-de-ir-chega-ao-pequeno-investidor
    É importante acima de tudo que você consiga tirar todas as suas dúvidas antes de entrar nesse tipo de investimento, em decorrência da liquidez ser muito baixa e o risco de crédito que também em alguns casos pode afetar mais na frente.

    Abraço, e uma ótima semana para todos do site.

    • Guilherme 6 de outubro de 2012 at 8:38 #

      Ótimo link, Diogo, e bem observado quanto aos riscos inerentes a esse tipo de operação.

      Como dizia Bernstein, risco e retorno estão intrinsecamente relacionados.

  12. Augusto Rodrigues 14 de janeiro de 2013 at 17:35 #

    Ola amigos(as) investidores(as),

    Para aqueles que compraram as debentures BNDSPAR 2010, devem saber que vai ocorrer o pagamento dos juros da terceira serie (BNDSPAR 35). De acordo com o BNDS, cada debenture da terceira serie vai gerar um valor bruto de 153,633610 (pagamento de juros).

    http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Institucional/Relacao_Com_Investidores/Debentures_BNDESPAR/

    Logo, basta multiplicar o número de debentures da terceira serie adquiridas por esse valor para obter o valor bruto total de juros que serão depositados na conta da corretora.

    Conforme a noticia do BNDS, deve-se descontar a mordida do famigerado imposto de renda (15%) para obter o valor líquido.

    A dúvida, caso alguem possa ajudar, é se existe mais algum imposto ou emolumento ou qualquer coisa parecida que pode ser descontado desse valor bruto.

    É que eu não gostaria de ficar totalmente dependente das informações da corretora.

    Outra dúvida seria para os que tem debentures na corretora do BB. Eles irão depositar diretamente o valor, descontado o IR, na conta corrente ?

    Att

  13. Flavio 15 de janeiro de 2013 at 0:03 #

    Correto Rodrigues, o BB irá depositar o valor líquido (já descontado dos 15%) na conta corrente sem nenhum custo adicional. Depois você deve receber um comprovante (muito parecido com o de movimentação de ação) informando sobre o crédito dos juros.

    Aliás, falando sobre debêntures do BNDES. A debênture prefixada do BNDESPAR lançada há pouco mais de três anos (BNDP-D41 ou BNDP14) venceu no primeiro dia útil deste ano (02/01/2013). Lançada exatamente no dia 17/12/2009 e definida com uma rentabilidade de 12,74%aa, já era esperado que o retorno total da debênture depois de 763 dias úteis seria de 43,77%. O que nenhum Brasileiro poderia esperar, era que a taxa de juros de curto prazo – a nossa querida taxa CDI – que dita o preço do custo de oportunidade de qualquer investimento em renda fixa, pudesse ficar tão baixa nesse período (rendimento total de 33,20% o que é equivalente a 9,93%aa). Portanto, senhores felizardos detentores desse ativo, vocês acabaram de perceber um retorno de 126,66% do CDI em termos brutos. Em termos líquidos, com o pagamento do IR de 15%, o retorno total foi de 37,21%, o que é equivalente a 11,01%aa, ainda assim maior do que o CDI cheio (aproximadamente 110,35% do CDI). Absolutamente fantástico.

    Na verdade, para ficar completo, temos que obter o rendimento real desse ativo, ou seja, o rendimento considerando o poder de compra atual. Para isto, temos que descontar a inflação desse período. O IPCA de dez/2009 até dez/2012 foi de 19,38%, o que correspondeu a uma inflação anual incrivelmente alta (6,08%) e acima da meta de inflação.

    Portanto, o rendimento real bruto foi de 20,43%, o que corresponde a uma taxa real de juros de 6,33%aa. Já o rendimento real líquido, depois do pagamento dos impostos foi de 14,93%, o que corresponde a um retorno real líquido de 4,70%aa.

  14. Augusto Rodrigues 15 de janeiro de 2013 at 8:32 #

    Flavio,
    Muito obrigado pela resposta. E é uma pena que não consegui entrar nas ofertas anteriores de debentures, principalmente esta a debenture que voce esta se referindo.

    Agora uma curiosidade. Sei que existe riscos financeiros, mas com o lançamento de debentures por parte do BNDS, o investidor que tem como meta a aquisição de imóvel a longo prazo poderia, ao invés de entrar num consorcio ou algo similar, ir comprando as debentures que tenham vencimento próximo a data estimada para compra ou entrada de um imóvel.

    O mesmo raciocínio vale para aposentadoria.

    Considerando que somente existe o custo da custódia, ate que seria uma boa ideia. Claro, tem que considerar também os riscos financeiros e ter uma reserva a parte para gastos inesperados.

    Mesmo assim.. não deixa de ser uma boa ideia. Poderia ate mesmo gerar um artigo não ?

    Att

  15. JJ 1 de julho de 2015 at 7:55 #

    Bom dia, Guilherme

    Tudo bem?
    Vim a este tópico antigo pois tenho debêntures do BNDES compradas em:
    # 2010 com taxa de IPCA + 6,2991% para vencer em 2017;
    # 2012 com taxa pré-fixada de 11,169% para vencer em 2016;
    # 2012 com taxa de IPCA + 5,399% para vencer em 2019

    Ontem recebi a notícia que o BB atualizou Home Broker permitindo negociação no mercado fixa (http://www.infomoney.com.br/onde-investir/renda-fixa/noticia/4129127/com-novo-home-broker-pretende-estimular-mercado-renda-fixa) e isso me despertou a dúvida se não seria melhor vender essas debêntures que (aparentemente estão com lucro) e comprar títulos do TD com melhores taxas nesse mesmo período de vencimento , por exemplo, NTN B 2019 está IPCA + 6,71 (depois do calote grego e crise política do nosso governo, e eliminação do Brasil da Copa América, esse última brincadeirinha….hehehe)

    E aí Guilherme, qual sua sugestão?

    Grato!

    • Guilherme 1 de julho de 2015 at 18:54 #

      Olá JJ!

      Interessante essa notícia da atualização do home broker do BB, não sabia!

      Em relação à sua dúvida, sim, vale a pena liquidar essa debêntures e, com o dinheiro obtido, comprar o Tesouro IPCA 2019, que está num patamar de taxa bastante atraente. É o que eu faria, já que você consegue a menor alíquota de IR para todas essas debêntures.

      Abraços!

      • JJ 3 de julho de 2015 at 11:52 #

        Oi Guilherme,

        Mandei bala na ordem de vendas das debêntures, consegui vender da pré-fixada de 2016 e IPCA+6,29, agora estou esperando ver se a ordem de venda da IPCA+5,39% de 2019 é negociada.

        Já comecei bem o teste do Home Broker renda fixa do BB…hehehe… liquidez quase imediata das Debêntures do BNDESPAR. Já estou na expectativa para o dinheiro cair na conta D+1 e transferir para corretora aproveitar os NTNB 2019 com boas taxas.

        Guilherme, você sabe como eu posso calcular exatamente a rentabilidade que obtive nessas debêntures incluindo os cupos que foram pagos?

        Tinha um leitor chamado Flávio que fazia essas contas aqui nos comentários né? Se ele estiver por aí, quem sabe me ajude.

        Abraço e obgdo pela ajuda nessa decisão!

        JJ

      • JJ 3 de julho de 2015 at 19:49 #

        Oi Guilherme,

        Só p/informar que as debêntures que faltavam (IPCA +5,39%) foram negociadas hj 24h após a ordem de ontem.

        Até que foi rápido, né?

        Testei e aprovei a funcionalidade do mercado de renda fixa do home broker do BB!!

        Agora vou deixar a grana no Fundo DI do BB com tx adm de 0,7%, esperando um pico nas NTNB2019 (IPCA 2019).

        Abraço,

        JJ

        • Guilherme 3 de julho de 2015 at 20:26 #

          Olá JJ, excelentes negociações, parabéns!

          Bom saber também que o sistema do BB está bem funcional para as debêntures. As da BNDESPar têm ótima liquidez, já que são bem procuradas no mercado secundário, devido às ótimas taxas de juros e à segurança do investimento.

          Vamos ver se o Flavio se manifesta e nos dá uma luz sobre como calcular a rentabilidade……rs…..

          Abç e bons investimentos!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Debêntures incentivadas (com isenção de IR) chegam ao mercado – o caso das debêntures da Autoban « Valores Reais - 8 de outubro de 2012

    […] sempre atentos e participativos leitores Augusto Rodrigues e Diogo Costa nos trouxeram a notícia bem interessante sobre o lançamento de debêntures incentivadas pela concessionária de rodovias […]

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes