[Guest post originário do Clube do Pai Rico] Muito prazer, eu sou crédito. Mas pode me chamar de dívida

Esse guest post foi publicado originariamente no Clube do Pai Rico.

Uma das facilidades proporcionadas pela Internet é a possibilidade de realização de operações bancárias sem ter que se deslocar à agência. Essa facilidade, no entanto, priva o banco de poder oferecer, de modo imediato (por exemplo, por meio de afixação de cartazes junto à boca do caixa onde você iria pagar uma conta), alguns de seus serviços mais lucrativos (obviamente para eles, bancos), como títulos de capitalização, empréstimos pessoais e seguros (que, na maioria dos casos, são desnecessários e inadequados ao seu perfil econômico).

Para compensar essa perda, o que o banco faz? Se você não vai ao banco, o banco vai até você! :-)  Exemplo prático que ocorreu comigo recentemente – e que talvez possa também ter ocorrido com você: ao acessar a minha conta bancária via Internet Banking, a primeira e “vistosa” mensagem que apareceu na tela do meu computador tinha o seguinte teor: “Parabéns! Você tem um crédito pré-aprovado de R$ 40.000,00 para comprar seu próximo veículo. Clique aqui e contrate AGORA”.

Pooooooooxaaaa! Que “maravilha” de negócio é esse, não é mesmo? Dinheiro “fácil”, na mão, sem precisar de qualquer tipo de comprovante, afinal, já estava inclusive “pré-aprovado”. E tudo isso sem precisar ir até a agência. O crédito está a um clique de distância.

Conversa para boi dormir. :P

Se você for educado financeiramente, irá interpretar direitinho a palavra “crédito” como sinônimo de “dívida”, uma dívida bem cara para fazer você se afundar pelos próximos 12, 24, 36 ou 48 meses, transformando a compra de um belo carro em dois carros – só que, nesse caso, como você está comprando com dinheiro alheio – do banco – você estará levando somente um  carro. Pior: carro esse que, ao sair da concessionária, normalmente já perde de cara de 10 a 30% de seu valor de mercado.

O que estou querendo dizer? Simples: que você leia e interprete corretamente as palavras que estão sendo anunciadas por aí. Crédito é sinônimo de dívida, logo, deve ser lido como tal. Crédito consignado não passa de dívida consignada. Crédito imobiliário é dívida imobiliária. Cartão de crédito é, por óbvio, cartão de dívida. Crédito direto ao consumidor não passa de dívida direta ao consumidor. Crédito pessoal todo seu é dívida pessoal toda sua. Só sua. E dívidas precisam ser honradas, integralmente e no vencimento, sob pena de causarem muita dor de cabeça para você, tais como inscrição no SPC, cobrança judicial, telefonemas do seu “querido” banco etc. etc. etc.

Mas por quê os bancos e instituições financeiras usam a palavra “crédito”, ao invés da palavra “dívida”? Porque “crédito” é uma palavra bonita. Faz com que você se sinta importante. Dizer que você tem crédito com alguém significa dizer que você inspira confiança. Crédito é, assim, sinônimo de confiança. Só que, nas relações financeiras, também quer dizer a tomada de uma boa e nada insignificante dívida. As instituições financeiras costumam apelar aos sentimentos, apelar às emoções, para fisgar seus clientes mais incautos, e nada melhor do que fazer o cliente morder a isca do que juntar a expressão “você tem crédito” com um valor bem alto, que normalmente está acima de seus investimentos no banco. Tudo para dar a impressão de que você tem realmente tudo o que a propaganda do banco diz que você, na verdade, não tem.

Balela. Quando você, ao sair do Internet Banking de sua conta bancária, recebe um aviso de que tem um crédito pessoal pré-aprovado de R$ 20.000,00, isso nada mais significa do que você tem uma dívida pré-aprovada de R$ 20.000,00 – na verdade, a dívida é muito maior, porque você, se tomar o referido crédito, terá que devolver não só os R$ 20 mil, mas os R$ 20 mil acrescidos de todos os encargos financeiros que são cobrados nessa modalidade de empréstimo: juros, IOF etc. etc. etc.

Se você tem um limite de crédito de R$ 10 mil no cartão de crédito, isso nada mais significa do que dizer que você tem um limite de dívidas de R$ 10 mil.

Mas é lógico que as instituições financeiras não vão dizer para você algo como: “Parabéns! Você tem uma dívida pré-aprovada de R$ 40.000,00 para comprar seu próximo veículo. Clique aqui e contrate AGORA”. Porque dívida é uma palavra que assusta, causa temor, e faz as pessoas não assumirem um negócio. Mas a maioria, traída pelas próprias emoções, contrata mesmo assim essas inúmeras ofertas de crédito travestidas de dívidas, dos mais variados tipos. Por quê? Porque, fisgadas pelo apelo emocional das instituições financeiras, não souberam ler corretamente o significado e o conteúdo das palavras que são anunciadas. O resultado não é somente o acúmulo de dívidas e mais dívidas, mas também a destruição, lenta e gradativa, do próprio equilíbrio emocional, pois o estresse gerado pela existência de dívidas passa muito longe de compensar a alegria fugaz e momentânea de saber que tem um crédit… ooops, dívida, pré-aprovada ao alcance de “um clique de mouse”.

Portanto, meus amigos, procurem ler as ofertas de crédito anunciadas aos milhares com as lentes da educação financeira: crédito é sinônimo de dívida, e como tal deve ser analisada. E, na medida do possível, evitada também. :-)

É isso aí!
Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

Créditos da imagem: Free Digital Photos

Print Friendly, PDF & Email

9 Responses to [Guest post originário do Clube do Pai Rico] Muito prazer, eu sou crédito. Mas pode me chamar de dívida

  1. Juliano 28 de junho de 2012 at 10:39 #

    Sempre que o banco me liga com essas ofertas eu digo que a última coisa que preciso no momento é de uma dívida.

    Depois da insistência de que é um ótimo negócio emprestar dinheiro a 2,99% ao mês, sempre rebato oferecendo dinheiro pra eles se me pagarem nessa taxa. A contra-oferta sempre encerra a conversa :).

  2. http://investindo-todo-mes.blogspot.com/ 29 de junho de 2012 at 16:20 #

    O artigo falou tudo!

    Abços

    ITM

  3. Investidor de Risco 30 de junho de 2012 at 15:55 #

    Muito bom… crédito é sinônimo de dívida e nem sempre isto é uma coisa ruim… depende da forma como ele é utilizado… eu sou um tanto qto conservador e dívida pra mim é coisa ruim (pessoalmente)… estou fora de dívidas e faço tudo que está ao meu alcance para nunca entrar numa…. porém ao mesmo tempo, a dívida (o crédito) é o principal motor da economia, é o que possibilita os investimentos no setor produtivo e o crescimento das empresas…

    abraços.

    • Guilherme 7 de julho de 2012 at 13:27 #

      Exatamente, IR, são os dois lados da mesma moeda. Crédito pode ser bom dependendo do uso e da finalidade.

  4. RosaBsb 3 de julho de 2012 at 9:50 #

    E os bancos não páram de ligar… qualquer dia, qualquer hora, em telefone fixo e celular, muito inconvenientes. Eu não deixo a atendente perder muito tempo comigo não, digo sempre preciso de 10 mil reais, sem cobrança de juros ou de correção monetária, pronto, desligam o telefone. Das próximas vezes, vou pedir 100 mil reais. Quem sabe assim me esquecem por um tempo.
    Assim como o Juliano, meu marido também oferece dinheiro nas mesmas condições e ai a conversa se encerra.

  5. Flavio 3 de julho de 2012 at 11:18 #

    RosaBsb, tem uma que é infalível: diz que você acabou de sair da prisão em liberdade condicional e que está precisando de R$ 100 mil com urgência.

    Nunca mais vão te ligar.

  6. Guilherme 7 de julho de 2012 at 13:28 #

    É Rosa, eles são bem chatos mesmo! Agora, essa dica do Flavio é fantástica…..rsrsrs

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes