[Guest post originário do Dinheirama] Você compra para compensar ou para recompensar?

Esse guest post foi publicado originalmente no excelente Dinheirama.

Imagine a seguinte história: Marta foi à loja de roupas mais concorrida do shopping de sua cidade e comprou uma peça de roupa por R$ 50. Eduarda, dez minutos depois, entrou na mesma loja e fez a compra de uma peça de roupa idêntica à comprada por Marta, também por R$ 50. Uma não conhece a outra e ambas fizeram a mesma compra, da mesma peça, pelo mesmo valor, na mesma loja e quase que ao mesmo tempo. Pergunta-se: qual dessas duas compras valeu mais a pena? Onde os R$ 50 foram mais bem gastos? É impossível saber, somente com esses dados.

Vamos então acrescentar mais algumas informações para responder a essa pergunta. Horas antes, Marta havia acabado de brigar com uma amiga. Foi uma discussão hostil, no ambiente de trabalho, que deixou Marta desgastada psicologicamente. Então, ela resolveu ir ao shopping – já que passa em frente dele todo dia, no percurso casa-trabalho-casa – a fim de comprar alguma coisa para “espairecer” e tentar amenizar o excessivo consumo de energia emocional existente em decorrência da briga.

Já Eduarda não. Horas antes, Eduarda havia recebido a ótima notícia de que havia sido promovida no emprego em que trabalha. Curiosamente, Eduarda trabalha numa empresa cuja sede fica do outro lado da rua onde Marta trabalha. Feliz com a notícia, resultado de meses de esforços e dedicação, ela resolveu celebrar essa conquista e, tendo em vista que também está disciplinada financeiramente, resolveu se dar esse pequeno luxo, essa pequena recompensa.

Onde essa peça de roupa tende a durar mais e trazer mais satisfação: no guarda-roupa de Marta, a triste, ou no guarda-roupa de Eduarda, a alegre? Qual compra tem mais chances de ser duradoura? Para bom entendedor, meia palavra basta.

Consumo consciente, vida plena
No dia-a-dia, são diversas as situações em que nos comportamos ora como Marta, ora como Eduarda. Nossas decisões de consumo, muitas vezes, têm comportamentos muito mais parecidos com o de Marta do que com o de Eduarda. Traduzindo: quem tem uma vida financeira enrolada e cheia de dívidas para quitar é porque, dentre outros motivos, gasta mais do que ganha. E, geralmente, faz isso porque faz compras para compensar necessidades emocionais, espirituais e psicológicas.

Engraçado como tentamos compensar necessidades espirituais com bens físicos, materiais. E, com isso, não só comprometemos nossa vida financeira, como também acabamos não valorizando aquilo que trazemos para casa em sacolas recheadas de compras no shopping. Uma compra como prêmio, como recompensa, evidentemente, tem muito mais chances de “durar mais”, não só porque ela é feita num momento emocional positivo, isto é, de conquista, como também porque é resultado de um prévio esforço anterior, seja ele uma conquista profissional, seja ela uma conquista pessoal.

Esse deve ser o prêmio por boas escolhas financeiras: dinheiro é útil na medida em que é gasto. Nada mais justo do que gastá-lo como forma de recompensar algum desafio do qual nos saímos vencedores. Permitir-se a prática de “pequenos luxos” não tem nada a ver com levar uma vida de ostentação ou da incorporação do slogan “eu mereço”, mas sim com a idéia de aproveitar aquilo para o qual você tanto se esforçou e lutou para conseguir. Uma compra como recompensa deve ser a conseqüência do merecimento e não a sua causa.

Razão versus Emoção
As compras que compensam frustrações emocionais não duram muito tempo. São más compras, principalmente porque são realizadas no momento em que a pessoa não é levada a agir com razão, mas sim com emoção – e emoções negativas, diga-se de passagem, como raiva, stress, sentimento de derrota etc.

Já as compras que recompensam vitórias e conquistas duram muito mais tempo. São ótimas compras porque são realizadas no momento em que a pessoa é levada a agir não com emoção, mas sim com razão. Há uma escolha racional decorrente de uma emoção positiva, e isso faz toda a diferença na hora de valorizar as boas compras.

Muito se diz que vivemos numa constante tensão entre compras de “necessidades” e compras de “desejos”, devendo-se priorizar a compra de bens que representam “necessidades”. Concordo com essa proposição, já que os fundamentos da bancarrota financeira passam necessariamente pela compra desequilibrada de supérfluos. No entanto, creio existir uma exceção a essa regra – e que na verdade acaba confirmando a regra: são os momentos em que as compras representam “recompensas”.

Ter tirado nota 10 em uma prova é ou não é motivo suficiente para abdicar – temporariamente, claro – daquela dieta rigorosa e se dar ao luxo de comer um pedaço suculento de torta “floresta alemã” daquela padaria da esquina? Eu acho que é motivo, sim! Não se trata de uma necessidade, mas de um desejo. Ora, quando se percebe a conquista de um objetivo na vida, seja ele qual for, nada mais justo do que abrir uma exceção e se dar essa recompensa de presente.

Você fez economia durante 4 meses, quitou suas dívidas, saiu dos financiamentos e zerou os problemas com os credores. Também já está seguindo um plano de independência financeira e fazendo investimentos com consciência. Que tal fazer uma “loucurinha” e jantar sábado à noite naquele restaurante ultra-super-hiper badalado e escolher um prato bem bacana? Se for para celebrar as conquistas do reequilíbrio financeiro, vá em frente.

Afinal, as recompensas funcionam como lembretes de que você é capaz de superar desafios e enfrentar etapas ainda mais elevadas. Elas também são meios bastante eficazes de elevar sua auto-estima, renovar sua energia para as próximas missões e preencher sua vida com memórias que valerão a pena serem curtidas. Porque se tem alguma coisa na vida cujo significado não se transforma com o decorrer do tempo, essa coisa se chama prêmio. Abandone o hábito das compras para compensar algo e transforme-as em compras para recompensar algo. E viva uma vida muito melhor! 😀

É isso aí!

Um grande abraço e que Deus os abençoe!

* Créditos da imagem: Free Digital Photos

p.s.: agradeço a todos pelos comentários e por terem movimentado bastante o blog nessas últimas semanas! Estou retornando das férias nessa semana (nada como voltar à boa e velha rotina!), e tentarei responder e atualizar todos os comentários, tanto no blog como no Twitter, no decorrer das próximas semanas! 😀

Print Friendly, PDF & Email

,

6 Responses to [Guest post originário do Dinheirama] Você compra para compensar ou para recompensar?

  1. Roberto2 2 de julho de 2012 at 20:30 #

    Poxa, Guilherme, este texto caiu como uma luva para mim.

    Ele diz toda a verdade!

    Obrigado!

    • Guilherme 7 de julho de 2012 at 13:45 #

      Valeu, Roberto2!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  2. RosaBsb 3 de julho de 2012 at 9:56 #

    Eu amo o Valores Reais!!!

    • Guilherme 7 de julho de 2012 at 13:45 #

      Muito obrigado, RosaBsB!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  3. Ana Lucia 9 de julho de 2012 at 10:39 #

    “Uma compra como recompensa deve ser a conseqüência do merecimento e não a sua causa.” Concordo demais! Boas dicas!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes