8 números que você deveria contar (ou ao menos levar em conta)

“Tudo o que é medido é melhor controlado”, já dizia Mauro Halfeld, colunista de finanças pessoais da rádio CBN, ao frisar a importância de você controlar as despesas e as receitas para ter uma vida financeira mais saudável. Entretanto, essa regra básica de mensuração não é válida apenas para cuidar das próprias finanças. Afinal, de que adianta você ter um saldo de R$ 100, 200 ou 300 mil no banco, se você vive acima do peso ideal, não consegue dormir mais do que 5 horas por dia, e se empanturra nos finais de semana com sanduíches gordurosos e porções gigantescas de batata frita, regadas a muito refrigerante ou cerveja?

Os números, de certa forma, governam nossa vida, mas isso não quer significar que somente os números que estão em sua conta bancária ou na declaração de ajuste anual do imposto de renda é que são importantes. De maneira alguma. Há outros números que você deve igualmente contar – ou ao menos levar em conta. Vamos a eles.

1. A quantidade de quilos que você levanta no leg press.

Quantos quilos você é capaz de suportar na cadeira extensora? E no supino reto? Não se engane: é preciso ter resistência para enfrentar as nossas demandas diárias, e por “resistência” não estou falando apenas de modo figurativo. Não. É preciso ter literalmente resistência física para ser capaz de aguentar a pressão no trabalho, o estresse do trânsito nosso de cada dia, as tarefas domésticas…

Ok, você não precisa necessariamente fazer o leg press para treinar resistência (o sub-título foi feito apenas com o propósito de chamar sua atenção :-D), mas você precisa gerar força muscular através de algum exercício de resistência. Uma das coisas que mais tenho observado quando vou para lugares públicos, como restaurantes, supermercados, bancos, aeroportos etc., é a quantidade inacreditável de pessoas que estão fora de forma, seja pela barriga (de chope) proeminente, seja pela excessiva magreza. Ter um corpo saudável não é apenas questão de estética: trata-se antes de mais nada de uma questão de saúde, que é capaz, sim, de impulsionar você para níveis mais elevados de desempenho em sua vida profissional (e também pessoal). Afinal, como já diziam os romanos, “mente sã em corpo são”.

2. Quanto tempo você leva para correr 5 km?

Perguntinha básica: você consegue pelo menos andar 5 km? Não é porque nossas vidas profissionais sejam sedentárias que nossa vida como um todo precisa ser sedentária também. O corpo humano é uma máquina que foi projetada para se movimentar, como bem alertou Nuno Cobra, no excelente A semente da vitória. Entretanto, a tecnologia está sendo toda projetada para “quebrar” o funcionamento dessa maravilhosa máquina humana, seja por meio de veículos que utilizamos até para ir no supermercado mais próximo, seja por meio de escadas rolantes que impedem que façamos o mínimo de esforço cardiovascular para subir ou descer até determinado ponto.

Exercícios cardiovasculares são vitais para manter nossa saúde em níveis ótimos, e, particularmente, para garantir que nosso coração tenha capacidade de bombear sangue para as diferentes partes do corpo humano. Como já alertava Loehr e Schwartz, no excelente livro Envolvimento total: gerenciando energia e não o tempo:

“Como nós somos avaliados mais pelo que fazemos com nossas mentes do que com nosso corpo, temos tendência a desprezar o papel que a energia física tem no nosso desempenho.”

E temos mesmo. Infelizmente (meus cumprimentos se você constitui a exceção).

3. A taxa de mg/dL de seu colesterol LDL e HDL.

Fala sério, quando foi a última vez que você fez check-up? Não vai me dizer que foi quando teve que entregar o exame de hemograma completo para tomar posse no cargo público após ser aprovado num exigente concurso público, 2 anos atrás… 😛

No mundo hiper-mega-super competitivo de hoje, em que somos obrigados a nos concentrar nos números cabulosos das metas impossíveis de se atingir, sob pena de perder nossos empregos, é natural que desviemos o foco de números até mais relevantes do que os bônu$ da empresa, como é caso das taxas de colesterol que habitam em nossos vasos sanguíneos. Temos uma preocupação excessiva em acumular $$$ em nossa conta bancária, mas não nos preocupamos em evitar o acúmulo de toxinas em nosso corpo, local em que habitaremos até o fim de nossas vidas. Os resultados nefastos de não cuidarmos de números que de fato importam para nossas vidas aparecem seja na forma de peso extra a carregar todos os dias, seja na forma de cabelos brancos que aparecem já por volta dos 30 a 35 anos de idade. Aí eu questiono: é isso que você quer para sua vida?

4. A quantidade de calorias que você ingere por dia

Eu iria além: quantidade e qualidade das calorias que você consome diariamente. Preferencialmente, por meio de alimentos com baixo teor glicêmico, que liberam mais lentamente o açúcar no sangue, fornecendo, assim, energia de forma mais sustentada. Estive recentemente no aeroporto, logo no início da manhã, e fiquei assustado com alguns passageiros que estavam saboreando, a título de café da manhã, gordurosas coxinhas regadas a fartas doses de Coca-Cola (!). Pior: eram pessoas “esclarecidas”, pois se tratavam de executivos de terno e gravata, com seus notebooks, iPads e iPhones a tiracolo. Será que essas pessoas não estão se dando conta de que o corpo físico deles um dia irá cobrar a conta dessa forma horrorosa de destruição lenta e gradativa da própria saúde?

5. Os números do sono: quantas horas você dorme diariamente

Dormir pouco virou sinônimo de “coisa boa”. Se você disser que dorme só 5 horas por dia, é capaz de ser elogiado por isso. “- Nossa, desse jeito você consegue manter um alto padrão de produtividade, hein?”. “- Meus parabéns. Me conte o segredo para se manter tão acordado. É pó de guaraná?” “- Eu acho dormir um desperdício de tempo” seriam as reações mais frequentes.

Tudo errado. O sono em doses adequadas exerce um papel fundamental na melhoria de nosso desempenho mental – tempo de reação, concentração, memória e raciocínio lógico/analítico. O problema é que essa sociedade dita da “pós-modernidade” inventou essa bizarrice de que dormir é um pecado, e, portanto, você deveria se esforçar para ficar a maior quantidade de horas possíveis acordado. O mundo hostiliza o descanso. O resultado disso é que a maioria das pessoas dorme menos do que o necessário e isso, claro, vai minando, gradativamente, a sua energia para as tarefas do dia seguinte. Sem um sono adequado você se irrita com mais facilidade, você diminui a capacidade de prestar atenção, de manter o foco, e você tende a tomar mais decisões ruins. E compensar um sono ruim com artifícios, como quantidades exageradas de café ou refrigerante, só tende a piorar as coisas, pois o corpo físico vai ficando cada vez mais arrebentado, e, com um corpo quebrado, não há cérebro que consiga se concentrar no que de fato é importante.

6. O número de dias no ano em que você não fica doente.

A conta aqui é óbvia: quanto mais próximo de zero, melhor. Faça os cálculos rapidamente: o ano tem 365 dias (ou 366, se for bissexto, como é o caso desse ano de 2012). Nesse ano, quantos dias você ficou de cama? Quantos dias você tirou de licença do trabalho por motivo médico? E ano passado? É terrível ficar em casa se tratando de doenças que poderiam ser completamente evitadas com medidas simples, como um sono restaurador, hábitos alimentares saudáveis e 1 hora de caminhada 3 vezes por semana.

Vou mais além: tão ruim quanto ficar de cama é gastar pequenas-grandes fortunas em medicamentos para controlar problemas físicos que poderiam ser controlados com rotinas saudáveis de vida.

7. A quantidade de água que você ingere todos os dias.

Você deveria contar esse número – ou ao menos levar em conta. Sem uma quantidade mínima de água ingerida diariamente, a máquina humana começa a “pifar” e apresentar problemas, que logo logo vão “bater” no cérebro e “cobrar sua conta” também. Mas tem gente que gosta mesmo é de destruir o próprio corpo, tomando refrigerante no café da manhã, mais refri no almoço, e cerveja e outros tipos de bebida alcoólica nos finais de semana. O problema não está exatamente em tomar esse tipo de bebida, mas de fazer disso um hábito substitutivo da água.

Estudos científicos já comprovaram que bebidas ricas em cafeína ou açúcar não trazem benefícios duradouros para o coração. É verdade que eles podem provocar picos temporários de energia, mas acabam, no longo prazo, gerando fadiga e desidratação.

8. O número de horas livres “líquidas” que você tem diariamente para se dedicar às coisas que VERDADEIRAMENTE importam.

Você certamente conhece esse tipo de pessoa: os workaholics. Os escravos do trabalho. Aqueles que, de tão viciados no trabalho, acabam utilizando-o não como um meio de ganhar a vida, mas sim como um meio de ganhar a morte. Eles usam todo o seu tempo disponível – incluindo as noites em casa e os finais de semana – para ganhar um bom salário. O problema é que eles trabalham em benefício dos outros. E eu pergunto: quanto tempo eles têm para se dedicar às coisas de que gostam; para trabalhar, digamos assim, em benefício próprio? Tempo dedicado à família é normalmente o primeiro item a ser sacrificado no “orçamento de tempo” de uma pessoa que trabalha de forma excessiva.

Esse número é muito importante contar – talvez seja mesmo um dos mais importantes -, pois, se você for daqueles que têm uma jornada do tipo 9 a.m.- 5.p.m., é bem provável que, no final das contas (sem trocadilho), lhe restem apenas de 2 a 3 horas líquidas diárias (excluindo-se o final de semana) para se dedicar a atividades e pessoas que verdadeiramente importam em sua vida, sendo que esse tempo livre normalmente aparece justamente quando você está mais cansado, física e mentalmente (ou seja, na parte da noite, entre 20 a 23 horas, depois de cumpridas todas as tarefas profissionais e pessoais).

Resultado: tal tempo livre, tão sagrado e ao mesmo tempo tão escasso, acaba sendo preenchido com atividades nada gratificantes, como assistir TV ou visitar sites de gosto duvidoso na Internet.

E é justamente por isso que a busca da independência financeira é tão arduamente perseguida por muitas pessoas: porque conquistar a independência financeira significará aumentar exponencialmente a quantidade de horas livres líquidas para se dedicar às coisas que verdadeiramente apreciam. Mas essa busca deve ser feita de modo equilibrado, porque o tempo, ao contrário do dinheiro, uma vez perdido, nunca mais poderá ser recuperado.

Esses são apenas alguns números que você deve contar

Certamente há outros números igualmente importantes para você, que foram deixados fora da lista. Essa é, portanto, uma lista meramente exemplificativa. O importante é não ficar obcecado só com dinheiro, negligenciado outros aspectos da vida que são tão ou mais relevantes que isso. Pensar só em dinheiro, deixar que isso fique controlando sua vida, faz mal.

Qual é a importância de contar esses números?

A resposta poderia vir na forma de uma pergunta: de que adianta ter um saldo bancário milionário, se, para obter esse mesmo patrimônio financeiro, você não conseguir erguer mais do que 5 kg na mesa flexora, não tiver fôlego suficiente para andar 2 km na esteira com uma velocidade média de 4,5 km/h, tiver uma taxa de açúcar no sangue indicativa de diabetes, ingerir menos de 1.000 calorias por dia, com alimentos de péssimo valor nutritivo, dormir não mais do que 5 horas diariamente, tirando licença-médica 20 dias por ano para tratar de problemas gastrointestinais e renais derivados do consumo excessivo de álcool, estresse no trabalho e falta de sono, e não tiver mais do que 1 hora por dia para se dedicar a atividades que lhe proporcionem prazer e gratificação?

A independência financeira não pode ser obtida à custa de seu bem-estar. Pagar sua estabilidade financeira com a destruição do seu próprio corpo, sob os aspectos fisico, mental, emocional e espiritual, é uma conta que não fecha. Não fecha.

A importância de contar esses números está aqui: enquanto os números de seu patrimônio financeiro são indicadores externos de riqueza e bem-estar, os números acima listados são indicadores internos de riqueza e bem-estar.

E isso faz toda a diferença, porque nenhum dos indicadores internos listados acima pode ser adquirido por fontes externas, tais como loteria, herança ou bingo: a aquisição deles depende fundamentalmente da sua capacidade de querer adquiri-los. Pense, por exemplo, na corrida de 5 km em 35 minutos, que traria enormes benefícios cardiovasculares ao seu coração, e, por tabela, à sua mente e ao seu estado de espírito. Você não pode comprar essa corrida, por esse tempo, numa loja de artigos esportivos, por R$ 99, parcelado em 10 vezes no cartão de crédito (ou com 12% de desconto, no boleto).

Mas você pode adquirir essa corrida, a esse tempo, se decidir usar seu corpo, de maneira adequada: fazendo sessões de treinamento de força e de resistência regularmente, se alimentando bem e dormindo o suficiente. O ganho não reside apenas nos hipotéticos R$ 99 que você deixou de gastar: reside também na expansão de sua energia física, de sua energia mental, de sua energia emocional, que você ganhou ao decidir agir para melhorar seu bem-estar.

Os indicadores internos de riqueza e bem-estar, ao contrário dos indicadores externos, não estão sujeitos a reuniões do COPOM, crises europeias ou humor de seu chefe, justamente porque são internos.

Além disso, a maioria dos indicadores internos – ou desses números que você deveria contar – não dependem de dinheiro (ou de muito dinheiro) para serem conquistados. Às vezes, inclusive, eles fazem você economizar dinheiro. Pense na grande economia de grana que você faria se trocasse a Coca-Cola nossa de cada dia por um singelo (mas não menos importante) copo d’água. Ou se trocasse a cartela de paracetamol por 3 caminhadas matinais no parque mais próximo, para aliviar suas intermitentes dores de cabeça.

Por fim, mas não por último, a presença desses indicadores internos aumenta a probabilidade de você viver uma vida mais longeva, mais feliz, emocionalmente mais positiva, e com muito mais energia. E então, vamos começar a contar esses números? 😀

É isso aí!

Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

* Créditos da imagem: Free Digital Photos

Print Friendly, PDF & Email

,

33 Responses to 8 números que você deveria contar (ou ao menos levar em conta)

  1. Jônatas R. Silva 20 de agosto de 2012 at 0:31 #

    Formidável Gui, post fantástico.
    Ainda bem que tenho seguido os conselhos: dormido bem, praticado atividade física regularmente (5km em 35 minutos é moleza) e me alimentado bem.

    Abraço!

    • Guilherme 21 de agosto de 2012 at 19:50 #

      Obrigado, Jô!

      E sua saúde tá de ferro, hein, c/ esses 5k em 35min!? 😀

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  2. Lucas Amorim 20 de agosto de 2012 at 2:05 #

    Excelente texto Guilherme, fazia tempo que não lia um texto tão bom.

    Com certeza o aspecto interno é muito importante, pois como você bem disse:

    O que adianta ter bastante dinheiro mas por conta do trabalho e da alta carga de stress não conseguir aproveitar todo esse dinheiro e outras coisas da vida que independem de $.
    Nesse caso acho que o equilíbrio é muito importante. É preciso saber o que quer e se dedicar para conquistar aquilo que almeja, mas nem por isso deixar de fazer outras atividades que te deixam feliz e diminuem a carga emocional.
    Um exemplo clássico é o concurseiro. Será que é preciso se desligar do mundo durante 2/3 anos para passar em um concurso e durante esse tempo deixar de desfrutar de várias coisas que te fazem feliz? Acho que nessa caso o correto é cortar os excessos e obviamente tem que abrir mão de algumas coisas, mas isso não excluir abraçar outras nesse tempo diferente e acho que esse é o segredo.
    O que você listou é fundamental, faz bem para a auto estima da pessoa e a sua felicidade, afinal vivemos para ser feliz ou não?!

    Abraços

    • Guilherme 21 de agosto de 2012 at 19:51 #

      Obrigado pelos ótimos comentários, Lucas!

      Você tocou num ponto importante para muitas pessoas: o concurseiro. Acredito ser possível ter um ritmo intenso de estudos, conciliado com um conjunto mínimo de boas práticas de saúde.

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  3. Ostra 20 de agosto de 2012 at 8:44 #

    Como sempre um excelente texto para iniciar a semana :o)

    Tb insisto nesses itens, de que vale uma independência financeira, um bom patrimônio, etc sem estar bem de saúde ou ter tempo para curtir o que é importante?

    Estou ok em todos os itens que citou com exceção do item 5, sou insone desde que nasci e não há nada que mude isso, então como minha saúde vai bem, todos meus outros números são ótimos, vou convivendo com o excesso de tempo livre que meu pouco sono propicia 😛

    Alem do colesterol eu incluiria nessa lista a tx de glicemia!
    bjs e boa semana por aí

    • Guilherme 21 de agosto de 2012 at 19:53 #

      Oi querida Ostra, fico feliz de vê-la por aqui!

      Interessante seu aspecto de insônia, esse excesso de horas livres certamente é muito bem aproveitado!

      E tem razão, a taxa de glicemia é super hiper fundamental também!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  4. Jr Caimi 20 de agosto de 2012 at 15:07 #

    Mais um post primoroso e que provoca a reflexão. O melhor foi constatar que meus números estão em ordem e harmonia. Apesar de as vezes achar que não, devo estar no caminho certo.

    grande abs

    • Guilherme 21 de agosto de 2012 at 19:53 #

      Oi Jr Caimi! Obrigado pelas palavras! Vc sem dúvida está no caminho certo, leva a vida de um modo bem equilibrado!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  5. Camilla 20 de agosto de 2012 at 15:40 #

    Eu já disse que sou fã do Valores Reais? 🙂
    Ótima Reflexão, Guilherme! Eu também estou nesta energia de trabalhar duro sim, mas sempre colocando minha saúde e bem estar em primeiro lugar!
    Beijos e Parabéns

    • Guilherme 21 de agosto de 2012 at 19:55 #

      Obrigado Camilla, é um privilégio ter vc como fã. Aliás, eu é que sou fã de seus comentários, sempre bastante motivadores!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  6. Leandro 20 de agosto de 2012 at 18:02 #

    Gosto desses teus posts sobre algo além de educação financeira. E é interessante se dar conta sobre grande parte das coisas que você menciona como importantes, a ponto de não trabalhar tanto assim.

    Parabéns pela reflexão. Ela vale para todos!

    Abraço!

    • Guilherme 21 de agosto de 2012 at 19:56 #

      Obrigado, Leandro! Sempre procuro diversificar nos temas aqui no VR!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  7. Rosana 20 de agosto de 2012 at 18:38 #

    Oi, Guilherme

    Não foi à toa que você escolheu o nome “Valores Reais” para o seu blog. Nome mais adequado acredito que não existiria. Parabéns pelo post, ficou excelente, perfeito!
    Gostei do que disse sobre o descanso. Infelizmente o mundo hostiliza demais descanso. Só que é nesse momento tão importante que suas células farão uma boa parte do trabalho de cura de algo que não vai bem, além da fixação das coisas que aprendeu durante o dia.
    Tudo na vida precisa de equilíbrio e temperança. Senão, os reflexos de uma vida sem regras e sem limites serão sentidos em algum momento.
    Com a invenção da lâmpada elétrica as coisas mudaram muito. Algumas para melhor, muitas para pior.

    Deixo aqui uma pequena reflexão, atribuída ao Dalai Lama.
    O que te surpreende na Humanidade?

    Dalai Lama respondeu:
    O que te surpreende na Humanidade?
    Os Homens… Porque perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem dinheiro para recuperar a saúde.
    E por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem o presente, de tal forma, que acabam por não viver, nem o presente, nem o futuro.
    E vivem como se nunca fossem morrer… e morrem como se nunca tivessem vivido.

    • Guilherme 21 de agosto de 2012 at 19:57 #

      Rosana, obrigado pelas palavras!

      Você disse bem: “Tudo na vida precisa de equilíbrio e temperança. Senão, os reflexos de uma vida sem regras e sem limites serão sentidos em algum momento.”

      E a citação do Dalai Lama fechou com chaves de ouro mais esse brilhante comentário! Obrigado pela participação e por enriquecer o conteúdo do post com palavras que realmente nos convidam à reflexão!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  8. Gabriel F. 20 de agosto de 2012 at 20:26 #

    Guilherme,
    parabéns pelo excelente trabalho! Com certeza devemos equilibrar finanças com o que realmente importa.
    Seu post ficou tão bom que divulguei para alguns amigos que discuto sobre finanças e “valores reais”.
    Não é à toa que seu blog está na minha página inicial da internet.

    Grande abraço e excelente semana!

    • Guilherme 21 de agosto de 2012 at 19:59 #

      Gabriel, valeu!

      Nossa, fico honrado demais ao saber que meu blog está na sua home page da Internet. #MuitoFeliz

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  9. Tiago Ouryvis 20 de agosto de 2012 at 23:49 #

    Excelente texto, Guilherme. Sei que esse site não fala só de dinheiro, mas é muito bom encontrar esse tipo de texto, pois lembra que não devemos nos preocupar só com rentabilidades, taxas de adm, custos de corretagem ou taxa do cartão de crédito. Devemos também nos preocuparmos com a saúde, para aguentar o imenso esforço que é essa vida corrida.

    • Guilherme 21 de agosto de 2012 at 20:00 #

      Oi Thiago, grato pelas palavras! Bom saber que você também aprecia textos “off-cash”, mas totalmente “on-life”. 😀

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  10. Wall Junior 21 de agosto de 2012 at 23:25 #

    Interessantissima observação! São pontos de vista extremamente vitais em nosso cotidiano q somados irão descrever como vivemos e viveremos.
    Esse blog é mto saudável, pra mente e pro corpo, mto obrigado Guilherme por compartilhar a sua sapiência com tanta paciência, foi um ótimo companheiro enquanto eu sonhava com minha Harley e q me fez estudar os valores reais da vida e do mercado financeiro, aplicações e economia… coisa q eu nunca havia me preocupado… E hj a super-motoca é realidade aki na minha garagem!!!
    Gracias hein amigo…
    um abraço!

    • Guilherme 22 de agosto de 2012 at 11:51 #

      Ôpa, grande Wall, obrigado pelas palavras!

      E parabéns pelo possante, hein!!! 😀

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  11. Pobretão de Vida Ruim 22 de agosto de 2012 at 20:18 #

    Muito bom Valores reais.

    Eu como muito Brocolis, me alimento bem para poder chegar ao máximo aos 40 anos quando tiver meu milhão. Isso é muito importante pois quero ser rico jovem.

    Outra coisa importante é o relacionamento com o sexo oposto pois ele causa muita dor de cabeça e tristeza principalmente nos homens e nos mais jovens.

    • Guilherme 22 de agosto de 2012 at 20:58 #

      Valeu, Pobretão!

      Além do brócolis, outros alimentos que podem te ajudar a chegar aos 40 “com a vitalidade dos 20” são castanhas de caju, ovos e nozes. São também exemplos de alimentos que liberam de forma mais lenta o açúcar na corrente sanguínea, gerando uma fonte de energia mais estável.

      E outro ponto-chave é cultivar bons relacionamentos com o sexo oposto, como você bem alertou! 🙂

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

    • Pobretão de vida Ruim 23 de agosto de 2012 at 11:08 #

      VR, você sabe dizer se castanha de caju engodar assim como nozes?

      • Guilherme 23 de agosto de 2012 at 11:54 #

        PvR, apesar de elas serem hipercalóricas, o consumo, se feito em doses moderadas – p.ex., no intervalo entre as refeições (é o que eu faço) – não causa problemas de aumento de peso. Além do baixo teor glicêmico, existem outros benefícios associados ao consumo dessas sementes, tais como aumento da longevidade, redução do risco de doenças cardiovasculares, redução da gordura abdominal, melhora do humor e aumento da sensação de saciedade. Vale a pena! 😀

        É isso aí!
        Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

        • Pobretão de vida Ruim 24 de agosto de 2012 at 22:34 #

          Valeu VR, vou tentar usar sua técnica de comer entre refeições, eu uso frutas mas sei lá, tem gente que critica devido o açúcar.

          Lhe adicionei ao meu blog, nem acredito que ainda você não estava lá nos meus relacionados, sempre lia aqui.

          Forte abraço! Deus é nosso.

          • Guilherme 25 de agosto de 2012 at 10:58 #

            Olá PvR, nem todas as frutas contêm quantidades elevadas de açúcar. Mas você está fazendo certo: o corpo “pede” para ser abastecido num intervalo que varia de 90 a 120 minutos. Isso também apresenta a vantagem de diminuir a quantidade de porções que se comem nas refeições “principais” (almoço e jantar), melhorando a regulação do corpo de maneira geral, além de diminuir o efeito “sono” que nos acomete depois do almoço.

            E obrigado pela adição do meu blog ao seu blogroll! Em retribuição, lhe adicionei ao meu blogroll também! 😀

            É isso aí!
            Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  12. Daniel 23 de agosto de 2012 at 8:31 #

    Parabéns Guilherme.. Como é de costume, mais um excelente texto….

    • Guilherme 23 de agosto de 2012 at 9:12 #

      Thanks, Daniel!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  13. Aposentadoria Planejada 26 de agosto de 2012 at 21:05 #

    Parabéns pelo excelente texto Guilherme!

    • Guilherme 1 de setembro de 2012 at 10:30 #

      Obrigado, AP!

      E sucesso em seu novo blog!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  14. Gouvea 7 de setembro de 2012 at 12:08 #

    Ótima reflexão Guilherme, é o equilibrio em todas as áreas da vida que faz as coisas acontecerem de forma plena e saudavel.

    • Guilherme 11 de setembro de 2012 at 21:23 #

      Valeu, Gouvea!

      É isso aí!
      Um grande abraço, e que Deus os abençoe!

  15. Alexandre Lisboa 15 de dezembro de 2012 at 10:51 #

    Meus parabéns, venho acompanhando o seu blog e fico feliz que na internet seja possível coletar artigos tão interessantes para nossas vidas!

    Grande Abraço!

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes