8 valiosas lições extraídas da rotina diária de Benjamin Franklin

“Quando reflito – uma coisa que faço frequentemente – sobre a felicidade de que desfrutei, às vezes digo a mim mesmo que, se me fosse oferecida de novo exatamente a mesma vida, voltaria a vivê-la do início ao fim”.

– Benjamin Franklin

Benjamin Franklin é uma das pessoas mais admiradas do mundo. Dono de uma capacidade singular de ter habilidades em uma pluralidade de áreas (a la Leonardo da Vinci) – afinal, Franklin foi um jornalista, editor, autor, filantropo, abolicionista, funcionário público, cientista, diplomata, inventor e enxadrista estadunidense, além de um dos líderes da Revolução Americana – Benjamin Franklin ainda é conhecido por suas ideias acerca da frugalidade e da importância de não fazer dívidas como um dos pilares para construção de riqueza.

O que muita gente não sabe é que Franklin – que é o rosto estampado nas notas de 100 dólares – tinha uma rotina diária altamente estruturada, que revela que, além de todas as grandes funções que desempenhou, muitas delas à frente de sua própria época, ele era um verdadeiro mestre na arte de gerenciamento de seu tempo, recurso esse que é tão ou mais valioso que dinheiro.

Navegando no ótimo site Lifehack, me deparei com um interessante artigo a respeito da rotina diária de Benjamin Franklin. A ele é atribuída a rotina diária abaixo esquematizada (por ele próprio):

Agenda Rotina Diária Benjamin Franklin

Em princípio, pensei em simplesmente transcrever para o português as 10 conclusões a que o LifeHack chegou ao analisar a rotina de Franklin, e adicionar alguns comentários pessoais. Porém, à medida que eu ia refletindo mais sobre tal esquema, cada vez mais eu “enxergava” lições diferentes nessa rotina, de modo que eu achei melhor apresentar minhas próprias conclusões pessoais acerca desse método de vida, baseado, sobretudo, nos valores que eu fui aprendendo ao construir, ao longo desses últimos 5 anos, o blog Valores Reais, e a consequente quantidade enorme de conhecimento prático que eu fui edificando desde então.

As 8 valiosas lições que apresento abaixo são eminentemente práticas, as quais, se seguidas por você (se é que já não são :-) ), terão grandes chances de melhorar significativamente (+ de 90%) sua própria qualidade de vida.

Lição nº 1: Tire da cabeça e coloque no papel

Vai por mim – aliás, vai por Franklin 😀 -: a cabeça é o pior lugar para armazenar compromissos e registrar tarefas a cumprir. Cabeça é um órgão concebido para pensar e processar informações. Para prestar atenção. Para ter foco. Mas não foco na reunião de amanhã, mas sim no projeto de hoje. Do agora.

Enquanto um compromisso estiver em sua cabeça, enquanto um compromisso não for registrado no papel ou numa agenda eletrônica, enfim, enquanto ele não sair da sua mente, ele vai continuar lá, ruminando sua psique e fazendo você lembrar a todo instante que precisa fazer aquilo, atrapalhando sua concentração e seu foco na atividade que precisa ser feita agora.

De certa forma, Franklin intuiu um dos principais pilares do método de produtividade pessoal GTD: tirar as coisas da cabeça e colocá-las no papel. Quando você registra uma tarefa, compromisso ou atividade “fora da cabeça”, você alivia sua mente, desocupa ela desse incômodo mental, e, consequentemente, acaba liberando espaço para pensar, refletir e agir sobre coisas que de fato merecem o gasto de energia de seu cérebro.

Por isso, se você ainda não usa uma agenda, seja ela de papel, seja ela online (app), para marcar seus compromissos e tarefas, recomendo fortemente que você passe a usar uma, como forma não só de organizar melhor suas rotinas e tarefas, mas também – e principalmente – de liberar espaço em seu cérebro e em sua psique para coisas e fatos que mereçam o aproveitamento de sua capacidade pensante.

A cabeça, definitivamente, não é o melhor lugar para armazenar informações relativas a tarefas a cumprir e compromissos a realizar. Por quê? Porque você pode facilmente esquecê-las. Quando você abre a geladeira e verifica que o leite está acabando, não fique lembrando a você mesmo, a todo instante, praticamente a toda hora, principalmente quando vai abrir a geladeira depois, que precisa comprar leite. Use a regra dos dois minutos, e imediatamente anote na agenda:

“- Mercado, quinta-feira, 20h: comprar leite”.

Pronto! Você se livra dessa tarefa e sobretudo livra seu cérebro de ficar a toda hora “falando mentalmente” a você de que precisa comprar leite porque ele está acabando.

E isso funciona para todas as demais atividades que requerem planejamento e organização. Se você quiser estabelecer ordem em meio ao caos, trate de tirar da cabeça e colocar no papel. Assim como fez Benjamin Franklin.

Lição nº 2: Construa pontes para o futuro

O que você fizer hoje só terá impacto no futuro se aquilo que você tiver feito hoje tiver valido a pena, olhando, no futuro, com os olhos voltados para o passado.

Veja que Benjamin Franklin todo dia se questionava, ao final do dia: o que eu fiz de bom hoje (what good have I done today)? E veja o legado que ele construiu.

Todo dia nasce como uma oportunidade única de fazer um você melhor amanhã, no ano que vem, daqui a 5 anos, daqui a 10 anos, daqui a 50 anos. O eu do futuro será o produto do eu que você resolveu ser e fazer hoje. Não desperdice o dia de hoje!

Alimentar-se corretamente e praticar exercícios físicos hoje é construir uma ponte para o futuro: é fazer um corpo (e mente) mais forte e mais saudável.

Estudar, trabalhar e poupar hoje é construir uma ponte para o futuro: é crescer intelectualmente, produzir um serviço ou bem de qualidade, e ter mais dinheiro amanhã e depois de amanhã.

O que quer que você faça, certifique-se de que isso tenha um impacto e uma conexão no futuro. Alguns (e tenho certeza que alguns leitores-comentaristas do blog são assim) vão mais além, e agem para construir verdadeiras pontes para a eternidade.

Ao resenharmos o livro The Power of Less, de Leo Babauta, destacamos o seguinte ponto do pensamento do Leo, que tem muito a vez com a filosofia de vida de Benjamin Franklin:

“Uma das implementações práticas mais inteligentes da metodologia de Leo Babauta – segundo minha opinião – é o estabelecimento das três tarefas mais importantes – three most important tasks (MITs) – que devem ser a sua prioridade a cada dia, sendo que pelo menos uma delas esteja relacionada a alguma de suas metas. Isso assegurará que você estará fazendo alguma coisa em direção aos seus sonhos naquele dia. É uma dica simples, mas bastante prática, que eu gostei muito, pois permite a conexão entre aquilo que você faz hoje com aquilo que você quer ter no futuro“.

Não importa o que você faça, aja de modo que aquilo que você faça hoje tenha relevância mais pra frente. Afinal, se você der um passo a cada dia, ao final de um ano, você terá dado 365 passos.

Lição nº 3: durma pelo menos 7 horas por noite.

Benjamin Franklin era um cara ocupadíssimo, que fazia milhares de atividades e coisas ao longo de sua vida. Mas tudo isso não seria possível se ele não tivesse energia suficiente para realizar toda essa montanha de atividades. E, para ter energia, é preciso ter “pique”, o que pressupõe descanso.

Analise de novo a figura acima, e você verá que Franklin ia dormir às 10 da noite e acordava às 5 da manhã.

Sim, meu(minha) caro(a): ele dormia 7 horas por noite.

Sono

Já falamos, por diversas vezes aqui no blog, sobre a importância do sono como elemento fundamental para restaurar a energia consumida durante o dia e para metabolizar todas as experiências e atividades ocorridas nos níveis físico, mental, emocional e espiritual.

Nuno Cobra chega a dizer, em seu excelente A semente da vitória, que o sono é o principal pilar de seu método de treinamento. E Tony Schwartz, autor do não menos maravilhoso livro Envolvimento Total, considera uma noite de sono bem dormida um elemento indispensável para se alcançar altos níveis de produtividade no trabalho e uma melhora na qualidade de vida de um modo geral.

Aqui, o número importa (aliás, esse é um dos 8 números que você deveria contar (ou ao menos levar em conta): ambos, Nuno Cobra e Tony Schwartz, acreditam, baseados inclusive em evidências científicas, que menos do que 7 horas de sono não são suficientes. A média mínima de sono necessário para produzir resultados fisiológicos satisfatórios gira em torno de 7 a 8 horas. Eventualmente, em um ou outro dia, é permitido você dormir menos do que 7 horas. Contudo, a longo prazo, os efeitos serão nefastos para o corpo e para a mente se você mantiver uma rotina diária de pouco sono, ou seja, produzir uma média de apenas 5 a 6 horas por noite.

E, se você dorme tão pouco (média semanal de 5 a 6 horas líquidas por dia, computando os finais de semana), está na hora de rever as camadas que você anda adicionando em sua vida. Afinal, (quase) tudo o que é excessivo faz mal.

Lição nº 4: acorde cedo.

Repare no esquema de Benjamin Franklin: ele acordava às 5 da manhã. Ôpa, parece que eu já li isso no blog em algum canto!

Sim, coincidentemente, esse era um dos segredos revelados das pessoas bem-sucedidas, conforme havíamos discorrido no post: Dois segredos revelados das pessoas altamente bem-sucedidas: acordar (muito) cedo e passar os fins de semana sem trabalho.

Uma das metas que eu estipulei para mim mesmo nesse ano de 2014, antes mesmo de ler os textos que deram origem a esses artigos, foi o de estabelecer uma rotina diária em que eu acordasse, ao invés da faixa das 6 cedo, também na faixa das 5 horas cedo, principalmente nos finais de semana, onde a tendência é bagunçar tudo.

Não é uma tarefa trivial, mas tenho conseguido evoluir, aos poucos. Por exemplo, rascunhei as primeiras ideias desse artigo no sábado, 15 de fevereiro de 2014, em que eu acordei às 5:52. E comecei a elaborar esse artigo no domingo, 16 de fevereiro de 2014, em que eu acordei às 5:35. E em ambos os dias acordei sem despertador. :-)

O ideal é acordar sem despertador, de modo natural, pois isso significa que você completou todos os ciclos do sono. É a forma de acordar natural e a mais benéfica para a sua saúde, pois você não interrompe o metabolismo fisiológico que ocorre durante o sono.

No entanto, no começo da mudança de hábito, talvez precise acordar com a ajuda do bom e velho alarme. Tudo bem. O importante é começar.

Quanto mais cedo você acordar, mais horas você terá para aproveitar bem seu dia. É como se fosse um bônus. E, como o relógio não comporta mais do que 24 horas a cada dia, alguns minutos extras todo dia, ao final de uma vida inteira, podem significar muito mais realizações ao longo de sua vida. Pense nisso!

Lição nº 5: seja egoísta: reserve um tempo para você mesmo.

Seja sincero: há quanto tempo você não gasta um tempo consigo mesmo?

Refletir

Hoje, a maioria das pessoas, assim que acorda, ou logo no café da manhã, já vai lendo os emails, as últimas atualizações no WhatsApp, o que outras pessoas andaram postando no Facebook, Instagram, Twitter… já acordam conectadas aos outros, sem sequer estarem conectadas a elas mesmas!

Elas não se dão conta de que sua agenda acaba sendo controlada pela agenda de outras pessoas. Suas prioridades não são verdadeiramente suas prioridades: acabam sendo as prioridades de outras pessoas. É do colega de trabalho que mandou o email, ao qual você tem que responder – ou sente a necessidade de responder – imediatamente; é do amigo do WhatsApp ou Facebook, que compartilhou uma mensagem ao qual você sente a necessidade irresistível de curtir imediatamente, e assim por diante.

Como eu disse ao resenhar o livro Focus, de Leo Babauta (eBook na versão grátis, em inglês):

– Estar conectado a todo tempo é uma expectativa que a sociedade gera em nós. A boa notícia: não precisamos seguir as expectativas dos outros.

Benjamin Franklin não deixava sua agenda ser controlada por terceiros. Pelo contrário, como se vê do esquema dele, ele sempre reservava um tempo, especialmente pela manhã, para aquilo que eram suas prioridades. Meditava e refletia sobre suas prioridades. E sempre antes das 8 da manhã.

Lição nº 6: faça suas atividades mais exigentes pela manhã.

Do organograma de Benjamin Franklin se infere que ele fazia pela manhã as atividades que demandavam mais energia. Embora o trabalho (work) ocupasse duas “fatias” de seu “orçamento de tempo”, separadas pelo horário do almoço, é possível deduzir que a parte mais complicada do trabalho, que sempre é o seu início, era realizada pela manhã, logo após suas meditações acerca do que era importante fazer no dia.

Isso encontra ampla ressonância entre vários especialistas em produtividade pessoal, ou seja, de que o melhor momento do dia para fazer aquelas atividades mais pesadas e que demandam mais concentração, foco e energia mental é o período da manhã, quando, dos pontos de vista físico e mental, você tem mais “combustível” e e energia para “queimar”. O artigo 5 coisas que pessoas bem sucedidas fazem antes das 8 da manhã do blog Saia do Lugar confirma essa lição nº 6:

“Todos nós temos aquela tarefa chata que não queremos fazer, mas precisamos. Elas nos assombram o dia todo, ou a semana toda, até finalmente você resolver terminá-las de umas vez por todas após muita procrastinação. Aqui vai uma dica para salvar você de estresse: priorize primeiro as tarefas mais indesejadas e livre-se delas o quanto antes. A manhã é quando você está mais descansado e cheio de energia, mais apto a enfrentar esse tipo de tarefa. E, fazendo isso, seu dia vai ficando cada vez mais fácil. Quando o dia de trabalho estiver terminando, você estará executando as tarefas mais fáceis e começará seu horário de descanso muito mais tranquilo e relaxado”.

O importante é “sincronizar” as atividades que exigem mais demanda com os momentos, no dia, em que você estiver no auge de sua capacidade de atenção e forma física, e isso geralmente ocorre pela manhã.

Lição nº 7: diminua o ritmo à noite.

Dos pontos de vista físico e mental, vamos diminuindo nossos níveis de energia no decorrer do dia. À medida que as horas passam, vamos ficando mais cansados mentalmente (quem nunca chegou em casa estafado mentalmente que atire a primeira pedra), e nosso corpo também vai, gradativamente, ficando com menos disposição e pedindo “cama”.

Portanto, temos que adequar nossas atividades diárias ao nosso estado corporal, fazendo atividades mais leves à noite, e era justamente isso que Benjamin Franklin fazia, seja ouvindo uma boa música, seja conversando, seja ainda se ocupando com alguma distração.

Era também durante à noite que Franklin metabolizava as experiências pelas quais passava durante o dia, refletindo mais profundamente sobre o impacto que suas ações no presente poderiam ter no futuro. Ou seja, ele não reservava um tempo para si mesmo somente no começo do dia, como também fazia a mesma coisa ao final desse mesmo dia. E isso deu muito certo, afinal, suas contribuições para a ciência e para a história da humanidade falam por si mesmas. 😉

Lição nº 8: seu trabalho não é sua vida.

Vejam que coisa interessante, que chega a ser até um paradoxo: olhando para o impressionante legado de Benjamin Franklin para a Humanidade, como se pode observar lendo sua (resumida) biografia na Wikipedia, alguém poderia supor que esse cara era um verdadeiro workaholic, que fazia do trabalho a sua vida, trabalhando mais de 80 horas por semana, de modo ininterrupto e sem direito a descanso, sono, alimentação e divertimento.

Pois sua vida foi justamente o contrário disso tudo: o trabalho, no esquema diário de Franklin, ocupava uma porção extremamente limitada de sua vida. Das 8 ao meio dia, e das 2 às 6 da tarde. E “zé-fi-ni”.

E por que isso ocorreu dessa forma? Simples: porque sua rotina, apesar de dever ter sido muito exigente, com mil e um compromissos e coisas a fazer e a inventar, era equilibrada. Ele reservava um tempo para dormir bem, ele gastava um tempo para si mesmo, ele destinava outra fatia de horas para o lazer, ele não se privava da alimentação… em suma: ele era um verdadeiro mestre na arte de utilizar bem o tempo de que dispunha, e o utilizava levando em conta suas disponibilidades de energia física e mental. Ou seja, quando trabalhava, trabalhava “pra valer”, focado, concentrado, e, principalmente, determinado.

Acima disso tudo, ele tinha um plano diário bem definido, e o executava de modo disciplinado e persistente. Certamente ele não teria conseguido uma vida de tantas realizações se fosse displicente com o sono e a alimentação, e sem fazer reflexões diárias sobre o modo como conduzia sua própria vida.

Bom, todas essas lições somadas produziram um ser humano de notáveis realizações, e um dos prêmios por ter sido tão disciplinado em sua vida diária foi, sem dúvida, a sua extraordinária longevidade: viveu 84 anos, e isso nos anos 1.700 (1706 a 1790), quando a medicina estava ainda num estágio bem modesto de conquistas. Isso deve equivaler a viver uns 120 anos nos dias atuais. Impressionante, não?

Conclusão

Ter uma vida todos os que estão lendo esse blog têm.

Agora, criar uma vida significativa, que melhore não só a sua vida, mas também a de muitas outras pessoas, bem, isso é para poucos, não é para qualquer um. Depende de uma série de ingredientes, tais como objetivos a conquistar (o que você quer de sua vida?), modo como se usa o tempo (como você gasta sua vida?), e o exercício de forças e virtudes pessoais (quais são suas habilidades?).

A rotina diária de Benjamin Franklin nos dá “pistas” poderosas de que, com organização, disciplina e persistência, é possível viver uma vida que vale a pena viver. Então, vamos vivê-la? :-)

Créditos da primeira imagem: arquivo pessoal de Benjamin Franklin. Demais imagens: Free Digital Photos.

Print Friendly

, , , ,

41 Responses to 8 valiosas lições extraídas da rotina diária de Benjamin Franklin

  1. Jônatas R Silva 17 de fevereiro de 2014 at 10:45 #

    Adorei Gui, excelente artigo. Parabéns.
    Abraço meu amigo!

  2. Mire no Alvo 17 de fevereiro de 2014 at 11:35 #

    Olá Guilherme, como vai?

    Artigo excelente, vai me ajudar no planejamento dos próximos meses, onde tive que adicionar uma nova camada na minha vida, felizmente essa camada não vai durar por mais de 2 meses, mas certamente vai me exigir um planejamento e foco maior.

    irei ler com calma depois o artigo no LifeHack, mas já estou me organizando aqui com algumas dicas e práticas apresentadas.

    Abraços!

    • Guilherme 17 de fevereiro de 2014 at 18:36 #

      Olá, Mire, tudo bem!

      Obrigado pelas palavras, e fico feliz que esse artigo lhe ajude no seu planejamento nos próximos meses.

      Camadas temporárias valem a pena suportar se tiverem benefícios que se prolonguem no tempo, como parece ser o seu caso. Você estará fazendo uma conexão com o futuro com essa nova camada, pense assim. 😉

      O artigo do LifeHack vale bem a pena, é mais focado na personalidade de Benjamin Franklin, e não se atém tanto ao esquema diário. Eu preferi extrair as lições direto do esquema diário, trilhando um caminho diferente.

      Abç!

  3. guilherme 17 de fevereiro de 2014 at 12:01 #

    Parabéns, Guilherme, por compartilhar conosco seus “achados” e sua opinião recheadas de credibilidade

  4. Bruna 17 de fevereiro de 2014 at 15:09 #

    Guilherme, adorei esse artigo! Não conhecia muito sobre essa parte organizada da vida de Benjamin, mas de fato, ela é inspiradora! Obrigada por compartilhar tanto conteúdo bacana e que agrega na nossa vida.

    Estou acordando as 5 pra ir à academia, mas sempre durmo meia meia hora. A partir de amanhã vou me levantar as 5 e me organizar melhor!

    Abraço!

    • Guilherme 17 de fevereiro de 2014 at 18:37 #

      Muito obrigado pelas palavras, Bruna!

      Muito legal que você esteja já acordando às 5! Gradualmente, você conseguirá acordar e já levantar também às 5! Tudo é uma questão de hábito e ver recompensas em ter uma meia hora a mais todos os dias. 😉

      Abç!

  5. Fred 17 de fevereiro de 2014 at 15:20 #

    Na época de Benjamin Franklin não havia TI e seus problemas. Época feliz.

    • Guilherme 17 de fevereiro de 2014 at 18:38 #

      Pois é, Fred, a tecnologia é uma ferramenta que, se mal usada, pode causar mais problema do que solução. Temos que nos “auto-policiar” a fim de dosar bem o uso dessa ferramenta.

      • Rosana 18 de fevereiro de 2014 at 13:52 #

        Os excessos da atualidade beiram o insano, em todos os sentidos.

  6. Longe do Limite 17 de fevereiro de 2014 at 18:08 #

    Excelente post, Guilherme!

    Vou aproveitar a mudança do horário de verão e tentar acordar mais cedo.

    Abraço!

    • Guilherme 17 de fevereiro de 2014 at 18:39 #

      Obrigado, LL!

      O término do horário de verão contribuirá para implementação dessa nova rotina de acordar mais cedo.

      Abç

  7. Rosana 18 de fevereiro de 2014 at 13:51 #

    Guilherme,
    Esse é um dos melhores posts do seu blog, acredito que será útil à muitas pessoas.

    Gostei muito da agenda diária do Benjamin Franklin, principalmente por haver um balanço diário em relação ao que ele pretendia fazer de bom e o que efetivamente fez, além da disciplina, da persistência e da coerência que esse hábito naturalmente traz à vida. Excelente dica para todos nós! É algo em que eu ainda não havia pensado.

    Achei muito bonita e corajosa a frase inicial pois raramente uma pessoa diz que se pudesse viver, iria querer viver exatamente a mesma vida. Eu sou uma dessas pessoas. Ah!, se eu pudesse voltar atrás, mudaria pelo menos 80%. rsrsrsrs

    “Quando você registra uma tarefa, compromisso ou atividade “fora da cabeça”, você alivia sua mente, desocupa ela desse incômodo mental, e, consequentemente, acaba liberando espaço para pensar, refletir e agir sobre coisas que de fato merecem o gasto de energia de seu cérebro.”
    Excelente dica de anotar o que deve ser lembrado. Antes eu achava que deveríamos nos lembrar de coisas como a do leite a ser comprado, até como uma maneira de exercitar a memória. Mas de um tempo para cá resolvi começar a anotar essas pequenas coisas e a qualidade do pensamento muda mesmo, pois a mente não fica voltando sempre no mesmo pensamento.
    A mente humana é maravilhosa, né? Quando você resolve anotar, naturalmente aquilo para de te incomodar.
    Às vezes me lembro de algo quando já fui deitar, e mesmo que eu não anote (pura preguiça…), eu levanto e deixo alguma referência que me fará lembrar do que devo fazer no dia seguinte. Por exemplo, se é uma conta a pagar, a deixo embaixo da chave, que ali não haverá como esquecer.

    Depois vou ler todos os links da lição nº 2, que gostei muito também.
    Muito boa a dica do Leo Babauta, ele tem toda razão. Gostei! :)

    A lição nº 4, eu acho que estou indo bem, pois levanto às 4 da manhã. Não porque eu queira de verdade, mas já é um começo…
    E o que você falou do despertador, naturalmente depois de algum tempo ele não é mais necessário, é bom apenas como uma segurança em caso de perder a hora, o que às vezes acontece comigo, mas é raro. Eu deixo o meu programado para 10 minutos depois do horário em que costumo acordar, assim, se perder hora, é só agilizar para sair mais rápido.
    Atualmente trabalho em escala fixa, mas já trabalhei em rotativa também e percebo que a qualidade do sono é bem melhor quando trabalho sempre no mesmo horário, pois o ciclo circadiano funciona de forma adequada, embora trabalhar de madrugada é bom pois é muito mais tranquilo e dá uma quebrada na rotina, apesar de ser bem mais desgastante. Já trabalhei fixo na madrugada também, mas só aguentei 2 semanas. rsrsrs

    A lição nº 6, sobre as atividades mais exigentes pela manhã, eu tenho feito assim e obtido bons resultados. Vale a pena!

    Abraços!

    • Guilherme 19 de fevereiro de 2014 at 6:29 #

      Oi Rosana! Uau, mega comentário!!!

      Vamos lá: eu também fiquei surpreendido com a sabedoria de Benjamin Franklin no quesito “administração do tempo”, alocando as atividades de acordo com os diferentes níveis de energia que ele tinha durante o transcorrer do dia.

      A citação inicial é esplêndida! Acho que todos nós, em maior ou menor grau, acabamos chegando à conclusão de que viveríamos de forma diferente……rsrs

      A dica de anotação é outra coisa muito bacana, e é relativamente surpreendente como uma dica simples dessa consegue ter efeitos tão produtivos para a clareza de nossa mente!

      Essa outra tática de associar um objeto físico à tarefa que se quer cumprir é bem bacana também, não havia pensado nisso, embora eu também a pratique! Exemplo: outro dia sabia que precisava levar o guarda-chuva ao sair. Sabendo que às vezes eu esqueço disso, o que eu fiz foi simplesmente deixar o guarda-chuva a meio metro da porta….rsrs….aí não tinha como eu não esquecer do guarda-chuva….rsrs

      Sobre o horário de acordar, você acorda bem cedo deveras! Também faço o despertador para programar nesse sentido, naqueles dias em que eu preciso acordar em determinado horário, é mais como uma forma de agilizar, como você acertadamente disse.

      Interessantes os seus horários de trabalho, concordo que alternar de vez em quando pode ser saudável para quebra da rotina diária.

      Que bom que aproveita as manhãs para as atividades mais exigentes!

      Abç!

    • guilherme 19 de fevereiro de 2014 at 22:24 #

      Grande Guilherme, que historia bonita e muito valiosa para todos !!!
      Magnifico…..Parabéns e meus agradecimentos por compartilhar conosco !!

      • Guilherme 20 de fevereiro de 2014 at 7:35 #

        Muito obrigado pelas palavras, xará!

        Abç!

  8. Evandro Luiz 19 de fevereiro de 2014 at 6:43 #

    Guilherme,

    Muito bom o artigo e acredito que há uma conexão com o anterior “Não adicione à sua vida camadas que você não é capaz de suportar” este sendo uma parte mais teórica da maneira como devemos focar nas atividades que realmente IMPORTAM na nossa vida.

    E este artigo nos leva a como colocarmos em prática hoje o que nós queremos ser e onde queremos estar no futuro.

    Parabéns.

    • Guilherme 20 de fevereiro de 2014 at 7:34 #

      Obrigado, Evandro!

      Você “sacou” bem a conexão entre os dois artigos. É isso aí: a vida é feita de conexões, de descobrir o elo entre dois ou mais materiais diferentes, e você captou bem as “pontes” entre diferentes artigos do site.

      Abç

  9. Phillip 19 de fevereiro de 2014 at 15:05 #

    Excelente artigo Guilherme!

    Realmente não é muito simples implantar todas essas orientações, mas com persistência, criatividade, uma boa dose de motivação e uma agenda bem clara (o que está lá é para ser cumprido sem ficar pensando demais se deve ou não ser feito) nos conduzem ao foco e à consequente realização.

    Fazendo ajustes em 3… 2… 1…!!!

    Muito bom mesmo!

    Grande abraço!

    • Guilherme 20 de fevereiro de 2014 at 7:35 #

      Muito obrigado, Philip!

      Você captou bem todos os ingredientes para a realização!

      Abç!

  10. leo 20 de fevereiro de 2014 at 9:08 #

    Caro Guilherme?Ótimos posts,qualidade de vida no aspecto amplo!!
    Mas e especificamente como estão distribuídos os investimentos?? abs

    • Guilherme 21 de fevereiro de 2014 at 5:45 #

      Obrigado, Leo!

      Os investimentos seguem a estratégia de diversificação por meio de alocação de ativos: uma parte em renda fixa, outra parte em ações, e outra parte em fundos imobiliários.

      Abç!

  11. Kleber Rebouças 23 de fevereiro de 2014 at 5:49 #

    Muito bom! É sempre interessante entender como os gênios levaram suas vidas! Exceto por exceções, especialmente no mundo das artes, a disciplina sempre está presente.

    http://www.ricodinheiro.com.br

    • Guilherme 23 de fevereiro de 2014 at 13:44 #

      Isso mesmo, Kleber, disciplina é uma virtude que há de ser cultivada a cada dia.

      Abç

  12. Rayan 24 de fevereiro de 2014 at 10:50 #

    Que artigo excelente. Que blog excelente! Já assinei a newsletter.

  13. Dio 26 de fevereiro de 2014 at 0:02 #

    um dos melhores posts que li recentemente… estou guardando a página para ler novamente durante a semana.
    parabéns!

  14. Pamella 3 de março de 2014 at 11:56 #

    Adorei o artigo, estou devorando o blog que acabei de conhecer :)

  15. Elaine 7 de março de 2014 at 12:01 #

    Excelente artigo! Estou em fase de reestruturação e certamente vai me ajudar bastante… foco e disciplina!
    Parabéns!

    • Guilherme 7 de março de 2014 at 12:08 #

      Obrigado, Elaine!

      Com certeza, esses são ingredientes fundamentais para um “upgrade” na vida: foco e disciplina!

      Abç!

  16. Surfista Calhorda 16 de março de 2014 at 22:39 #

    Parabéns pelo conteúdo do seu Blog é excelente!!!
    Tenho problemas extremos com a gestão do tempo, meu atual emprego consome em média 12 horas por dia e não é raro eu ter que encarar jornadas que avançam a madrugada e trabalhos de final de semana.
    Este ano comecei a estudar sobre o assunto de finanças, por isso encontrei o seu blog, e estou me preparando para acumular patrimônio e num futuro não muito distante ter mais liberdade para escolher um novo emprego onde eu vou priorizar a qualidade de vida e vou me dar o luxo de aceitar um emprego com uma remuneração menor.

    Muito obrigado por compartilhar conhecimento.

    • Guilherme 17 de março de 2014 at 13:58 #

      Olá, Surfista, obrigado e bem-vindo à blogosfera!

      O seu emprego atual deve funcionar como um belo “combustível” para você ter energia em busca de um emprego melhor, bem como qualidade de vida. Boa sorte na jornada!

      O caminho é árduo, mas os resultados para quem se dedica são recompensadores!

      Abç!

  17. Carlos Manoel Marques 4 de abril de 2015 at 15:55 #

    Tudo bem Guilherme? ☺

    Organizei-me para ler seu Blog a partir de sua lista dos top 50 e aqui estou! ☺ Alguns vou comentar, outros não e pelo fato de intuir que nada tenho a acrescentar. Mas como esteve teve conexão com algo de minha vida, gostaria de deixar meu relato.
    No ano de lançamento, o livro abaixo caiu em minhas mãos, só não recordo-me como. A maioria das pessoas (infelizmente) conseguem admirar certos princípios aprendidos mas não consegue colocá-los em prática. pensando bem, incluso eu! :-) Mas este tocou-me fundo porque na época eu tinha sob minha responsabilidade um grupo de 50 pessoas (alguns chamavam-nos de grupo da “boa ideia” pois estava incluso no grupo como o líder deste ☺ ). Como a ideia principal do livro impressionou-me profundamente, passei a observar como eu gastava meu tempo dentro das 8 horas de trabalho e ao mesmo tempo dediquei tempo para observar os Supervisores que estavam em meu grupo assim como o pessoal administrativo e operacional (área de produção de uma indústria química). Notei que, tanto eu como as principais pessoas que formavam o grupo, acabavam por desperdiçar seu tempo em tarefas de pouca importância. Enfim… foi uma revolução que culminou com o seguinte: Horas-extras foram zeradas em menos de 3 meses; Tínhamos banco de horas mas o pessoal administrativo estava proibido de trabalhar além das 17 horas em pelo menos 90 % dos dias. Em 1 ou 2 dias por mês que tinham necessidade de ultrapassar as 17 horas, não era permitido ficar além das 19 horas, ou seja, 2 horas no máximo além da jornada normal; Pessoal administrativo podia faltar ou chegar mais tarde, desde que combinado com um colega para que este cobrisse suas tarefas; Pedi ao pessoal que me notificassem quando achassem que em determinado dia não daria tempo para executar todas as tarefas previstas no dia – quando isto ocorria (raramente), olhávamos juntos para a agenda em questão. De forma compactuada, conseguíamos sempre reescalonar a agenda separando “os muito triviais dos poucos importantes”. Os muito triviais sempre podiam ser adiados.! Enfim… foi uma revolução que melhorou muito os indicadores de performance da área que eu era responsável, e sobretudo, melhorou a qualidade de vida das pessoas. Tanto no trabalho como na vida pessoal. ☺

    http://www.livrariacultura.com.br/p/principio-8020-3041174

    PS.: Em 2005, em uma busca por sebos virtuais, deparei-me com este: http://www.estantevirtual.com.br (um portal de sebos). No entanto, de 1 ano para cá, doei + de 90 % de meus livros físicos para uma Biblioteca Pública e adquiri um Kindle. Aos poucos, estou comprando os poucos livros que mais me impressionaram. Ah, sim… Dei uma busca para o livro acima e nesse portal tem um único exemplar disponível. Só que com preço mais caro que na livraria. Vá entender…

    • Guilherme 4 de abril de 2015 at 21:19 #

      Excelente intervenção, Carlos! 😀

      Muito legal seu depoimento mostrando um “case” de sucesso no trabalho, a partir da adoção de comportamentos relativamente simples, como o descrito no livro.

      De fato, esse denominado princípio de Pareto parece governar boa parte de nossas ações em vida, e é oportuno colocar em prática tais princípios, e ver resultados satisfatórios a partir da adoção desse novo modelo de conduta.

      Continue nos brindando com mais “causos”, tenho certeza que sua experiência de vida acumulada ao longo de décadas de jornada acrescenta e enriquece muito o debate! 😀

      Abç e que bom que gostou dos top 50! (uma sugestão da nossa amiga Rosana inclusive) 😀

      Abç!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Boas leituras para uma semana chuvosa (e uma mudança) | minimamente - 18 de fevereiro de 2014

    […] dormir é importante; A importância de focar em aspectos positivos; O que podemos aprender com a rotina de Benjamim Franklin; A armadilha do “Faça o que você ama” (via vida organizada), tem mais aqui e aqui (em […]

  2. Como Vencer a Desculpa da “Falta de Tempo” – O Homem Renascentista Moderno - 21 de abril de 2016

    […] intelectual, apenas aprender razoavelmente alguma coisa, nem de duas horas vai precisar. Leia esse link para ver a rotina diária de Benjamin Franklin (Que foi quem me ensinou a usar esse método de […]

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes