A crise apertou? 17 dicas antipáticas (mas eficazes) de economizar dinheiro

Crise, crise, crise. Parece que não se fala em outra coisa nesse País a não ser crise. Não é à toa, o País vive uma profunda e grave crise econômica, que só tende a piorar se, dentre outras medidas, os ajustes fiscais necessários para consertar os rumos das contas públicas não forem implementados.

Em tempos de inflação nas alturas, índices de desemprego assustadores e taxas de juros estratosféricas (que penalizam os devedores, apesar de garantirem boas rentabilidades na renda fixa para os investidores), é preciso antes de mais nada fazer sobrar dinheiro no final do mês.

E, se você tem dívidas, a coisa fica pior ainda, pois não há como manter a paz de espírito quando se tem débitos pendentes de regularização.

Por tudo isso, e para te ajudar, caso você esteja numa situação de super endividamento, vou revelar, nesse artigo, 17 dicas para economizar dinheiro, e fazer com que você tenha mais dinheiro para pagar suas dívidas. A maioria dessas dicas é, reconheço, antipática, e boa parte delas pode inclusive piorar sua qualidade de vida, mas você precisa entender que não existe qualidade de vida se não existir qualidade de vida financeira, e não existe qualidade de vida financeira se você estiver acumulando somente dívidas e tralhas, em vez de estar acumulando investimentos e ativos. Como eu disse em outro artigo, riqueza não é o quanto você gasta, mas o quanto você acumula.

Economizando

O que aconteceu da última vez que você ficou doente de forma grave? Provavelmente você não pôde ir ao trabalho, assistir aulas ou mesmo sair de casa. Teve que ficar a maior parte do tempo na cama, tomando remédios, dormindo, e esperando o tempo passar.

Se você tem muitas dívidas, a situação é muito semelhante. Você não tem saúde financeira. Você tem doença financeira. E, se você está doente financeiramente, é preciso abrir mão de muitas coisas, porque você precisa recuperar sua saúde financeira. Não se trata de uma opção: ou você faz aquilo que você tem que fazer para sair das dívidas, ou você quebra de vez.

Se a má notícia consiste na necessidade de fazer sacrifícios, a boa notícia é que a maioria desses sacrifícios é apenas temporária. Uma vez recuperada a sua saúde financeira, você pode voltar a gastar mais, quero dizer, a gastar melhor. Mas entenda que o momento atual é de economizar. Economizar no modo hard. Lembre-se: todo real economizado valerá a pena. Todo real economizado tem que valer a pena.

Internet Money

1. Faça o downgrade de sua Internet para um plano de velocidade mais lenta. Sim, eu sei que isso vai significar gastar mais tempo para baixar um app ou assistir um vídeo. Mas entenda que a prioridade aqui não é ganhar tempo: é ganhar dinheiro. Como os preços dos planos de Internet aumentam conforme aumenta a velocidade, o jeito, para baixar custos e fazer sobrar um extra $$$ no final do mês, é fazer esse pequeno sacrifício. R$ 30 economizados com um plano mais lento já são R$ 180 ao final de um semestre.

2. Reveja suas prioridades alimentares. Não dá pra ficar comendo picanha todo final de semana quando se está com a corda no pescoço financeiro, não é mesmo? O mesmo se pode dizer do consumo de outros produtos alimentícios que costumam pesar no orçamento do supermercado: algumas seletas de legumes, massas e frutas importadas, refrigerantes, queijos gourmet. É preciso diminuir a conta do mercado, ainda que isso importe em alguma medida na perda de consumo de carboidratos, proteínas e fibras alimentares. Se você está em dúvida sobre quais alimentos comprar sem que haja perda do consumo de nutrientes fundamentais para seu organismo, é de bom grado pedir ajuda a um nutricionista para elaborar um cardápio low cost, ainda que não seja low carb. Já sei: sem grana pra nutricionista? Procure um atendimento gratuito em faculdade. Esse vídeo explica como. 😉

3. Abandone seu status bancário. De que adianta ser cliente Estilo, Van Gogh, Select, Personnalité etc., e estar devendo horrores na praça? Se você tem dívida e ainda por cima paga conta de manutenção em banco – conhecido também como pacote de serviços – está na hora de rever seus conceitos, mudando sua conta para um Pacote de Serviços Essenciais ou uma Conta Digital. R$ 55, R$ 60 ou R$ 95 economizados, todo mês, no final de um semestre geram uma economia que vai de R$ 300 a R$ 600! Como disse certa vez um leitor do blog, cliente premium é aquele que não paga tarifas!

4. Corte o cartão de crédito – ou no mínimo a sua anuidade. Pra quê pagar anuidade? Esses valores, que variam de R$ 200 a R$ 1.200,00 anuais, se economizados, podem te ajudar a quitar uma boa parte de suas dívidas. Além disso, para quem não tem disciplina financeira suficiente, ter um plástico no bolso acaba funcionando como um verdadeiro “gatilho” para gastar um dinheiro que ainda não se tem. Elimine as tentações cortando o mal pela raiz. Mas, caso não seja possível cortar o próprio plástico, que você corte pelo menos sua anuidade. No meu caso específico, eu contei uma história anos atrás dizendo como eu consegui ganhar mais de R$ 920 só negociando a isenção completa de 3 anuidades de cartões de crédito. E, em outro post, eu contei como me livrei de uma pancada de R$ 1.200,00.

Cortando cartão crédito

5. Pare de parcelar as compras. Há inúmeras vantagens de comprar à vista – e eu já listei dezesseis delas, em uma série de 3 artigos. Mas o parcelamento seduz. Aaah, e como seduz! Um leitor me disse certa vez que estava perdendo o controle das parcelas do cartão de crédito. Ele tinha começado janeiro com “apenas” 7 compras parceladas, e em junho já estava rodando com nada mais nada menos do que 29 parcelas de diferentes compras no cartão, desde a compra de supermercado, até o pacote de viagem que foi concluído no Carnaval (!). Ao todos, essas 29 parcelas estavam comprometendo 40% de sua renda líquida mensal. Sei que parar de parcelar é uma medida contra-intuitiva, até do ponto-de-vista financeiro, já que parcelar permite prorrogar o fluxo da dívida, mas a questão aqui é mais pedagógica do que estritamente financeira: é preciso você dar um basta nessa história de que vai comprar porque “a parcela cabe no bolso”. Vai por mim: não existe sensação melhor do que aquela em que você sabe que vai começar o mês sem nenhuma compra parcelada pendente no cartão de crédito. Significa que você retomou o controle de sua vida financeira. Poucos hoje em dia têm esse privilégio. Bem poucos. Você quer ser um deles?

6. Elimine restaurantes. Comida fora de casa custa mais dinheiro. Preparar as refeições dentro de casa custa mais tempo. O que você, como endividado, prefere, ou melhor, precisa: (a) economizar tempo, ou (b) economizar dinheiro? Vencer as dívidas é um campo de batalha, meu caro. Prepare-se para essa guerra usando todo o arsenal de tempo que você tem. E, nesse item específico, passe a fazer menos refeições fora de casa, inclusive pequenos lanches. Lembre-se do nosso mantra: todo real economizado valerá a pena. Todo real economizado tem que valer a pena.

7. Vá para uma academia mais barata. O que, nos grandes centros urbanos, quase sempre significa uma academia menos badalada. É incrível como boa parte das pessoas hoje frequentam uma academia mais como um point de encontro social do que um lugar para a prática de exercícios físicos. Quando não ficam batendo papo com outros, ficam gastando 10 minutos sentados na cadeira extensora conversando no celular, e atrapalhando quem realmente quer se exercitar. Nada contra, mas o fato é que nas academias mais baratas, apesar de mais modestas, quase sempre você acaba encontrando também um melhor preço e coincidentemente também um ambiente mais propício para a prática de exercícios físicos, com menos gente preocupada em se exibir.

8. Peça desconto no aluguel. Se você não mora em casa própria, e é bom pagador de aluguel, mas está em dificuldades financeiras, está na hora de negociar com o proprietário do imóvel uma redução no valor do aluguel. Hoje em dia, o mercado imobiliário não está fácil para ninguém, tanto para vendedores, quanto para proprietários de imóveis alugados. Se ele te perder, dependendo do imóvel alugado e do preço atualmente pago, dificilmente ele conseguirá uma reposição de inquilino a curto prazo. Arregace as mangas e vá para uma negociação. E, se o aluguel estiver muito acima de suas possibilidades, cogite sim uma mudança para um imóvel mais barato. Com essa crise toda no mercado imobiliário, certamente o poder de barganha estará com você, inquilino, e não com o proprietário ou corretora de imóveis.

9. Vá de carona para o trabalho. Poucas coisas subiram tanto de preço nos últimos tempos quanto o valor do combustível. Se você utiliza carro próprio para ir e voltar do trabalho, perca a vergonha e veja a possibilidade de negociar uma carona ou um rodízio de caronas com seus colegas de trabalho que morem próximos a você ou que façam um trajeto que não fique muito fora de mão. Se o “calo estiver apertando pra valer”, e até aqueles R$ 400 mensais de gasolina estão pesando demais no seu bolso, vá de metrô ou ônibus para o trabalho. Vai gastar mais tempo? Sem dúvida. Mas, em contrapartida, vai economizar uma bela grana ao final de cada mês.

Carro

10. Venda seu carro, e compre (à vista) outro mais barato – e com custo de manutenção mais barato – e de preferência usado. Se a situação estiver muito ruim pro seu lado, talvez economizar dinheiro somente não seja suficiente. Talvez seja preciso fazer dinheiro, arrecadar grana, pra conseguir dar um alívio nas contas. E, nesse caso, vender passivos que ainda tenham valor de mercado pode ser uma ideia boa pra conseguir uma grana extra. Considere a possibilidade de vender seu carro atual, principalmente se ele estiver dando dores de cabeça quanto aos preços de manutenção + IPVA + seguro; e, com o dinheiro recebido, compre outro mais modesto, e com um custo de manutenção mais barato. E, se vocês tiverem dois carros na família, considerem a possibilidade de viverem somente com um carro. Por ano, será somente 1 IPVA, 1 seguro, 1 bocal de combustível para alimentar. Lembre-se do nosso mantra: todo real economizado valerá a pena. Todo real economizado tem que valer a pena.

11. Cancele a assinatura de revistas e jornais. Muitas vezes, aproveitamos por puro impulso promoções de assinaturas de revistas e jornais os quais, depois de passada a euforia do ato da assinatura, pouco acabamos usufruindo. Fala sério: quanto minutos por dia ou por semana você gasta lendo seu jornal ou revista que assinou? Soma-se a isso o problema da renovação automática dessas assinaturas, que só são canceladas mediante um ato ativo do cliente, e tem-se aí mais um gasto mensal, que poderia perfeitamente ser evitado, ainda mais considerando a importância de cada real que você consegue economizar para pagar suas dívidas. Aproveite e cancele também seu plano de TV por assinatura.

12. Mude para um plano de celular mais barato, ou vá de pré-pago. Por falar em assinaturas, ou melhor, em gastos fixos mensais, é bom também rever o seu atual plano de celular, e refletir sobre se realmente você usufrui ou precisa de todos os serviços e franquias que ele oferece. Isso fica ainda mais evidente nos dias de hoje, em que a comunicação pode ser feita por meios outros que não a chamada de voz e o SMS, tais como as mensagens de WhatsApp e Facebook, e o próprio email. Aliás, o próprio WhatsApp agora permite que se faça chamadas de voz, e muita gente hoje “conversa” gravando áudios nesse app. Se você fez o seu atual plano de celular numa época “pré-Whats”, e usa mais essa ferramenta que os próprios serviços de telefonia de sua operadora, considere a possibilidade de fazer também um downgrade no seu plano de celular, ou simplesmente troque seu plano pós por um plano pré. Já falamos inclusive sobre isso no blog, no artigo Dica de economia doméstica: transforme despesas fixas – contas pós-pagas – em despesas variáveis – serviços pré-pagos.

Celular

13. Desligue o 3G/4G de seu celular pré-pago. Se você usa um pré-pago, provavelmente o custo do uso da Internet 3G/4G é por dia de uso, em que se descontam “x” centavos por dia de utilização. Uma forma de maximizar o valor dos créditos de seu pré-pago é justamente desligar a função de dados, e usar somente o WiFi do escritório ou da casa para acessar a Internet a partir do celular. São poucos reais por mês que se economiza, é verdade, mas, se você usa mais o celular como um dispositivo móvel de acesso à Internet via WiFi do que pra fazer/receber chamadas, taí uma dica importante, ainda mais se você é como eu, que faz uma recarga mensal de R$ 14 e já se dá por satisfeito. Além disso, lembre-se do nosso mantra: todo real economizado valerá a pena. Todo real economizado tem que valer a pena.

14. Tome banho frio, durma com a janela aberta, e seja uma pessoa mais diurna. Economizar energia elétrica é como ir pra uma guerra contra os desperdícios: tudo o que puder ser feito pra economizar, tem que ser feito. Vai sair de casa? Apague todas as luzes. Vai sair pra uma viagem mais longa? Desconecte os aparelhos das tomadas. O banho tá quente, mas as dívidas estão na temperatura máxima? Sabia que tomar banho frio proporciona benefícios para sua saúde? As lâmpadas incandescentes estão incendiando sua conta de energia elétrica? Considere substituí-las por lâmpadas LED, mais caras, porém, que proporcionam redução no consumo a curto/médio/longo prazos. Aliás, minimize o uso das lâmpadas. Simplesmente seja uma pessoa mais diurna: vá pra cama mais cedo, e aproveite melhor o dia. Esse é, aliás, um dos segredos das pessoas altamente bem-sucedidas.

Acordar cedo

15. Compre produtos fabricados pela própria rede de supermercado, e evite comprar produtos premium. Volto à questão do mercado porque esse é um item que dá pra ser bastante enxugado. Há certos itens nas prateleiras dos mercados que são de fabricação do próprio supermercado, por exemplo, produtos de limpeza, e, nesse caso, vale a pena comprar esses produtos, que quase sempre são mais baratos.  Papel higiênico “premium”? Será que um rolo de uma marca menos conhecida não cumpre o mesmo papel (com o perdão do trocadilho)? Outra dica que pode ser conveniente consiste em comprar “no atacado”com mais duas ou três famílias: produtos comprados em grande quantidade nesses “clubes de compras” podem (veja bem, podem, não quer dizer que sempre sejam) ser mais baratos do que se comprados em pequenas quantidades nos mercados normais. Mas para isso é preciso colocar na ponta do lápis se a economia vale realmente a pena, pois você corre o risco de comprar estoque, ou seja, mais produtos do que realmente os indispensáveis para aquela ocasião.

16. Faça mudanças em seu plano de saúde: de um particular para um coletivo, ou de um top para um médio. Se você tem um plano de saúde particular, e está pagando caro por ele, verifique se seu sindicato ou órgão de classe (OAB, CREA, CREF etc.) têm convênio médico-hospitalar com planos empresariais mais em conta. Geralmente têm, e essa é uma ótima oportunidade para baixar o custo com serviços médicos. Agora, se você já tem um plano coletivo, ou mesmo individual, é hora de reavaliar suas reais necessidades em relação a esse plano, o que pode implicar na conclusão de que valeria a pena, ao menos temporariamente, fazer um mudança, de um plano com mais benefícios, para um plano com menos benefícios, mas em contrapartida mais barato também. Existe ainda uma terceira alternativa: se você é daqueles que faz uso raríssimo dos planos de saúde, ou seja, se é daqueles que só fazem 2 ou 3 consultas anuais preventivas e nunca ficam doentes, daqueles que fazem checkup todo ano, e todo ano a avaliação é excelente, avalie a possibilidade de cancelar o plano, pagando apenas as consultas particulares e os exames laboratoriais.

17. Compre itens de consumo de segunda mão. Muitas vezes, a nossa vaidade, o nosso ego, o nosso orgulho, nos impedem de fazer determinadas coisas que poderiam muito bem dar uma ajuda pro nosso bolso, sem diminuir em nada nossa dignidade como pessoas. Trata-se de comprar roupas em brechós, comprar eletrônicos em classificados e fóruns online, comprar objetos, para casa, de vizinhos que estão se mudando, e comprar até mesmo automóveis de segunda mão nos famosos feirões de final de semana. Aqui, você precisa entender que, em momentos de agonia financeira, numa disputa entre ter ego e ter dinheiro, muitas vezes é preciso abrir mão daquele (ego) para ter de volta esse (dinheiro).

Conclusão

5. Conclusão

Fazer sobrar dinheiro no final do mês hoje em dia não é uma tarefa fácil para ninguém, ainda mais para quem tinha o hábito de  comprar mais do que podia.

Portanto, se você tiver chegado a esse ponto, ou seja, ao ponto das dívidas, de ter um estoque de débitos superior à sua capacidade de pagamentos, então é hora de rever seus conceitos.

Coloque no papel, de forma organizada, todas as suas despesas mensais, e faça um programa de reeducação financeira, ou melhor, de economia financeira, no modo hard. Elimine os excessos, corte o que dá pra viver sem, e procure o essencial para sua manutenção de vida.

Vale lembrar também que, apesar de serem medidas drásticas de economia, boa parte delas é temporária e reversível, ou seja, pode ser cortada, assim que você conseguir pagar as dívidas e restabelecer sua saúde financeira. Por exemplo, se você valoriza uma boa velocidade de conexão à Internet, pode, assim que o período de “vacas magras” terminar, se conceder o direito de fazer o upgrade da velocidade de conexão.

O quão temporária durarão tais medidas é uma pergunta cuja resposta depende unicamente de você, de sua atitude, de sua vontade de mudar: quanto antes você se livrar das dívidas, mais cedo você conseguirá restabelecer o curso normal da sua vida. O que não dá é viver “eternamente” endividado.

Utilizar estratégias eficientes, apesar de antipáticas, para economizar dinheiro, é o primeiro passo para se ver livre daquele “caminhão” de dívidas que não te deixa dormir todo dia.

Além disso, é um passo importante rumo à liberdade financeira, liberdade essa em seu nível mais básico, que é justamente o de viver em paz com seu dinheiro, sem dívidas.

E você, tem alguma dica para economizar grana e sair do endividamento? Conte para nós, e compartilhe sua experiência!

Créditos das imagens: Free Digital Photos

Print Friendly, PDF & Email

63 Responses to A crise apertou? 17 dicas antipáticas (mas eficazes) de economizar dinheiro

  1. Anna Monteiro 13 de julho de 2015 at 6:32 #

    Muito bem colocado, Guilherme! O sacrifício vale a pena principalmente pela nossa saúde mental… como vc bem colocou, a sensação de não ter prcelas ainda por quitar no próximo mês, no cartão de crédito , é inigualável. Já senti isso várias vezes!
    Foram dicas super bem ditas, parecendo de repente pra alguns, como um tapa na cara. Vai doer, mas passa!! =)

    A dica que eu dou – porque faço muito uso dela – é procurar na net o assunto ” faça você mesmo” ( “do it yourself” : “diy” tbem são termos em inglês, que podem ser pesquisados). Faço isso com itens de limpeza doméstica. Mês passado mesmo achei algo sobre detergente caseiro. Tenho outras dicas como fazer sabonete líquido, de forma superbarata, e outros produtos p limpar vidro, piso e móveis. Em suma: tem tempo q não compto nenhum desses produtos relacionados, e a eficácia deles é nota 10. Há anos eu é que faço meus próprios cadernos, e compro 90% dos meus livros em sebos físicos e virtuais. E quando eu preciso ir num bairro próximo do meu, ou eu vou a pé ou uso a bicicleta ( eu me programo pra isso, pra sair de casa tranquila e chegar na hora marcada ).

    Pra quem não viu um dos últimos episódios do Globo Repórter, em q mostram famílias sabendo economizar mantendo uma ótima qualidade de vida, recomendo a procura (Lembro de ter postado aqui inclusive, mas em outro texto, os links p esse programa) !

    • Guilherme 16 de julho de 2015 at 11:22 #

      Olá Anna, obrigado!

      Excelente a sua dica do DIY. Realmente, adquirir habilidades caseiras é uma ótima forma de economizar dinheiro, além, é claro, de aprender mais, aprender coisas diferentes, e servir até como “terapia”, forma de passatempo.

      Abraços!

      • Cassia Lima 10 de junho de 2016 at 14:03 #

        Oi Guilherme,

        Estou fazendo um artigo para a Faculdade sobre fundo de investimento usei seu blog para pesquisa e fiz citações de seu blog preciso inserir a referência e preciso do seu sobrenome para referenciá-lo.
        Preciso entregar até domingo.
        Pode me encaminhar o seu nome completo para incluir nas referências?

    • nirdevar 30 de novembro de 2015 at 18:56 #

      cara até concordo plenamente com os seus conselhos, contudo vc se esqueceu da tv a cabo que é outra grande vilã de nossas despesas mensais, afinal quem não tem tv a cabo hoje? Além disso a boa e velha antena convencional vai deixar de existir, e vamos assistir o que? Talves uma boa solução seja dormir mais cedo como o amigo falou.

      Valeu !

  2. Helen Fernanda 13 de julho de 2015 at 9:28 #

    Quanto ao celular, fiz exatamente o contrário: troquei de pré-pago para pós para economizar. O pré-pago só compensa para quem nunca faz ligações ou tem permissão para fazer só ligações a cobrar. Se você precisa fazer pelo menos uma ligação por dia, o pré-pago fica MUITO mais caro do que o plano pós mais barato.

    • Guilherme 16 de julho de 2015 at 11:23 #

      Olá Helen, tem razão, para quem usa muito o celular, a dica é realmente fazer o inverso, afinal, é dessa forma que se economiza.

      Abç

  3. ana rezende 13 de julho de 2015 at 10:16 #

    Otimo artigo, eu já venho tomando diversas atitudes de economia a algum tempo, eu cozinho em casa e não desperdiço comida de jeito nenhum, congelo tudo que sobra. Tenho dois filhos pequenos e por isso nada de Tv a cabo, os canais infantis só ajuda a criar consumistas desenfreados , compro poucos brinquedos a gente curte fazer os nosso brinquedos artesanalmente e é super divertido. Faço as guloseimas em casa, roupa de cama eu compro o tecido e costuro a barra e tenho lençol exclusivos… bom acho que todas as economias aqui de casa dava um post… rs
    Parabéns pelo trabalho Guilherme adoro este blog..

    • Guilherme 16 de julho de 2015 at 11:24 #

      Excelentes dicas, Ana, e parabéns pelos ótimos exemplos de economia doméstica!

      Abç!

  4. Fellipe 13 de julho de 2015 at 12:20 #

    Todas são boas dicas. A única que discordo completamente é considerar cancelar o plano de saúde. Basta uma coisinha mais séria pra conta do hospital levar embora todas as suas economias.

    • Leonardo 13 de julho de 2015 at 23:15 #

      Também não cancelaria o plano de saúde, talvez um downgrade, mas cancelar é como ter carro sem seguro. Com a diferença que o “carro” é você mesmo. =P

      • Guilherme 16 de julho de 2015 at 11:25 #

        Realmente, o plano de saúde é uma coisa que se deve pensar bem. Por isso que o título do post é sobre dicas “antipática”…..rs

        Abç

  5. Douglas 13 de julho de 2015 at 13:06 #

    Bem interessante o artigo. Só faltou uma dica que se vê em vários lugares e é realmente efetiva: nunca comprar na hora. Sempre espere. Quer comprar tal produto, ok, espere uma semana. Daqui uma semana você compra. Na maioria das vezes você não vai comprar mais.

    Comigo a questão do pré-pago também funcionou. Gastava 80 reais por mês sem internet, hoje gasto 14 com internet. E eu falo muito no telefone. O caso é que o pós-pago é na verdade um pré-pago e o pré-pago é na verdade um pós-pago.
    Como assim?

    Bom eu tinha um plano pós-pago com franquia de 500 minutos para outra operadora e ilimitado para mesma operadora. Por isso pagava 50 reais fixo + o que exceder essa franquia. Se quisesse 3G pagaria 19 reais por mês a mais. Sempre excedia e pagava uns 80 reais.
    Isso pra mim é um pré-pago pois estou pagando 50 reais para usar ou não, além de pagar 19 reais de internet por mês, usando ou não.

    Agora tenho um pré-pago, que pago apenas se eu ligar. Faço uma ligação, desconta no valor. Se fico de férias 1 semana sem usar o telefone, pago quanto? ZERO. Internet só pago se usar, 70 centavos o dia que usar. Não usou, não paga. Isso pra mim é pós-pago. Usou paga, não usou não paga.

    Quanto ao parcelamento de compras raramente eu faço isso. É a melhor forma que existe de gastar o dinheiro que tem e nunca o dinheiro futuro.

    Uma máxima que gosto de usar é o seguinte: Você trabalhou 1 mês inteiro para ganhar o seu dinheiro. 30 dias, não é pouca coisa. Agora é o dinheiro que tem que trabalhar pra você. Invista. O dinheiro tem que pagar pra você todo o esforço que você teve para consegui-lo.
    Gastar o dinheiro que não tem é um crime, porque você já está agendando pra dar o dinheiro pros outros, sendo que ele ainda não trabalhou pra você e você ainda nem terminou de trabalhar para ter ele.

    • Maria Bufunfa 13 de julho de 2015 at 17:04 #

      agora que me livrei do apartamento, ajustes dessa natureza terão de ser feitos para que eu alcance uma estabilidade nas finanças que me permita montar o colchão de segurança e FINALMENTE investir. Obrigada, Guilherme.

    • Guilherme 16 de julho de 2015 at 11:27 #

      Excelentes comentários, Douglas!

      Gostei muito da sua última frase:

      “Gastar o dinheiro que não tem é um crime, porque você já está agendando pra dar o dinheiro pros outros, sendo que ele ainda não trabalhou pra você e você ainda nem terminou de trabalhar para ter ele.”

      Abç

  6. Gil 13 de julho de 2015 at 17:45 #

    Plano de saúde eu só pego os top.
    Mesmo porque não quero ter que dividir quarto com ninguém.
    Fora que o que se paga a mais vc deduz do IR.

  7. Carlos Manoel Marques 13 de julho de 2015 at 18:27 #

    Guilherme,

    Caramba! Você varreu todos os grandes gastos! Não sobrou nada de relevante para eu sugerir! 🙂

    Todavia deixo uma contribuição para aqueles que pagam aluguel e para reforçar o que você já disse. No mercado corporativo o que vemos mais são renovções com leasing spread negativo. Quem conhece FII sabe disso. Mas vou “terra a terra” para quem não conhece. 1- Mês passado um inquilino de um galpão pertencente a mim e 2 irmãos, veio na renovação de contrato, pedir um desconto de 15 %. Atendemos prontamente. 2 – Meu cunhado que paga aluguel de casa, renovou este mês com um desconto de um pouco mais de 15 % também.

    Outra coisa a lembrar… muitas coisas citadas acima estão ligadas a algo terrível (para mim) chamado “status”. Logo, as pessoas devem fazer uma auto reflexão e verificar se precisam mesmo de um “Personnalité” e um VISA Platinum.

    Quanto a assistência médica, quero deixar um pequeno protesto ao comentário do Gil (espero que ele não leve a mal). Prefiro ficar em uma enfermaria com um outro paciente ao lado, para bater papo se as condições permitirem, do que ficar em apto que não vai ter 24 horas de acompanhante ou um acompanhante meio chato. rsrs Gil, não leve a mal. Já pensei como você e revi meus conceitos. Coisas da idade… 😀

    Abraço, Guilherme! 🙂

    • Guilherme 16 de julho de 2015 at 11:28 #

      Oi Carlos!

      Ótimos esses exemplos dos descontos. Demonstram que a ideia funciona bem na prática.

      E bem lembrado por você que boa parte desses gastos listados acima está associada a status, ou seja, a ego.

      Abç! 😀

  8. R S 13 de julho de 2015 at 18:40 #

    Para economizar ainda mais com transporte, as pessoas devem avaliar seriamente a possibilidade de usar a bicicleta para ir trabalhar.
    Fiz esta troca recentemente mesmo sem ter sido uma mudança motivada por razões financeiras, e desde então estou colhendo os benefícios : fim do sedentarismo, menos stress, sensação (falsa, mas ainda assim boa) de auto-suficiência por me deslocar por uma média distância exclusivamente com meu esforço físico, e, de bônus, a cada viagem, um ganho financeiro.

    • Cristiano 13 de julho de 2015 at 22:18 #

      Também fiz essa troca e não me arrependo! Na ponta do lápis, considerando um mês com 22 dias úteis e a passagem de ônibus a R$ 3,40 (RJ), dá uma economia de 150 reais por mês – R$ 1800 por ano! (desconte R$ 10 por mês – custo do Bike Rio – e mais nada. Sem outras despesas como a compra da bicicleta, manutenção, etc.). Fora os benefícios para a saúde como citado.

      Claro que não dá pra levar esse cálculo ao pé da letra – por exemplo, nesse verão carioca foi impossível pedalar meus 13 km por trecho; nesse caso, fui de ônibus com ar condicionado mesmo.

      • Guilherme 16 de julho de 2015 at 11:30 #

        Ótimas dicas essas do uso da bicicleta, R S e Cristiano!

        Os benefícios são múltiplos e vão além do simples ato de economizar dinheiro.

        Abç!

  9. Pedro 13 de julho de 2015 at 21:21 #

    Cada post que passa o blog fica melhor!!!

  10. Rosana 14 de julho de 2015 at 10:48 #

    Guilherme,

    Excelente artigo, ainda mais em uma época na qual a inflação está aumentando a cada dia.
    Gostei por ter abordado os produtos de marca própria dos supermercados, os quais costumo consumir bastante.
    Muitos desses produtos são de ótima qualidade e uma boa parte deles é fabricado por empresas grandes, tradicionais, confiáveis. E mesmo os produtos fabricados por empresas desconhecidas também são bons, pois há muitos critérios a serem seguidos na fabricação, já que a marca do supermercado está em jogo. Alguns produtos são ruins, mas são raros. No meu caso, talvez uns 5% deles não tenham atendido as minhas expectativas.

    Boa semana à todos!

    • Guilherme 16 de julho de 2015 at 11:31 #

      Olá Rosana, obrigado!

      Realmente, comprar produtos “sem marca” pode valer muito a pena. Basta testar, e ver se funciona. Na maioria dos casos, serve mesmo, sem perda de “utilidade”! 😀

      Boa semana!

  11. Alex 14 de julho de 2015 at 15:36 #

    Tentei não me suicidar após ler o post kkkkkk
    Brincadeiras à parte o post traz medidas talvez um pouco radicais, no entanto já foi dito no início que são medidas temporárias.
    Não há uma regra, para cada pessoa uma situação diferente. Quem trabalha de terno fica difícil ir de bicicleta caso não tenha um local pra banho e troca de roupa.
    Plano de saúde é uma coisa imprescindível pra maioria é talvez não seria interessante cancelar ou fazer downgrade.
    Trocar o carro por um mais barato tem que avaliar pois quando se vende um carro há perdas e quando se compra também há perda além de que pode haver custo de manutenção em um usado que não teria no seu que já está acostumado.
    Enfim, inúmeras ideias surgem, posso rebater todas as ideias ou apoiá-las, tudo vai depender da necessidade de cada um.
    Gosto da qualidade de vida e ao invés de cortar alguns gastos eu procuro ganhar mais, procuro intensificar o trabalho desde que não me tire a qualidade de vida.
    Este é um assunto vasto e tem muito espaço para debates.
    Como sempre, estarei acompanhando para conhecer novas opinões.

    • R S 14 de julho de 2015 at 19:51 #

      Olá amigo,
      Acho que é tudo uma questão de valores pessoais e prioridades de vida.
      Já aplico naturalmente quase todas as ideias do post, apesar de ter uma situação financeira que me permitiria ignorá-las por completo.
      E o melhor: não me sinto privado de nada.
      Trabalho de terno em um local sem ar condicionado e sem espaço para banho, e isto não me impediu de adotar a bicicleta. Uso o banheiro comum para me trocar. Para evitar que meus colegas estranhassem no início, expliquei ANTES o que pretendia fazer e assim, ninguém me achou um Freak quando finalmente executei o plano anunciado.

      Enfim, possível é, já que sou um exemplo disso.
      Precisa apenas querer.
      Abraço e um desejo sincero para que um dia também tente fazer o mesmo, nem que seja para ao final descobrir que suas prioridades são outras.

      • Guilherme 16 de julho de 2015 at 11:34 #

        Oi Alex, eu assino embaixo do que o R S disse, “tudo uma questão de valores pessoais e prioridades de vida.”

        É possível implementar mudanças sem perda de “qualidade de vida”, desde que se esteja disposto a isso.

        Abç!

        • Alex 18 de julho de 2015 at 15:13 #

          Galera concordo com tudo que foi dito, cada um tem um jeito de ser e um estilo de vida, várias dessas medidas eu já usei e sempre uso algumas delas de tempos em tempo. Tenho internet da vivo no meu ipad e a tela dele quebrou, cancelei a internet até chegar ao valor que vai custar para trocar o vidro e vou conseguir viver, respirando por aparelhos, desse modo kkkkkkk
          Não é crítica, cada um sabe onde aperta, eu sempre aperto em alguns momentos pois não quero deixar de aportar mensalmente mas quero manter minha qualidade de vida o que não faço é deixar de ter algo que quero somente para guardar dinheiro, tenho uma meta mensal e logo no inicio do mês eu aporto, o resto é meu e gasto com parcimônia, caso sobre no fim do mês eu ainda aporto o que sobrou e inicio o mês zerado.
          Agora, convenhamos, aplicar todas as medidas juntas é depressivo hahahahah
          Brincadeira galera, só pra animar.
          Guilherme, gostei bastante do seu site, estou acompanhando sempre.

          Abraço a todos!

  12. Gestor Ti 14 de julho de 2015 at 19:37 #

    Medidas radicais, mas temporárias, vale a pena.

    • Guilherme 16 de julho de 2015 at 11:35 #

      Exatamente, Gestor, a característica talvez mais importante dessas dicas é que, quitadas as dívidas, elas pode ser ‘revertidas’, ou mesmo…… implementadas de forma definitiva, se a pessoa gostou de utilizá-las. 😉

      Abç!

  13. Raquel Lisboa 14 de julho de 2015 at 20:27 #

    Oi Guilherme, há alguns anos venho cortando gastos e para não me sentir totalmente paralisada arranjei um passatempo saudável e barato, trilhar. Passei também a acampar em minhas férias, ou seja, al invés de pagar R$ 150,00 de hospedagem pago R$ 15,00 de acampamento nas mais belas praias e montanhas do estado do Rio de Janeiro. Assim viajo muito, gasto pouco e controlo minha ansiedade e desejo compulsivo por gastar dinheiro. Sempre procuro viajar com grupos rateando os custos com transportes e as vezes nos hospedamos em abrigos coletivos ma não deixamos de nos divertir. Sempre tem um jeito de economizar de maneira criativa sem deixar de viver ser feliz. Fica a dica. Bjs. Raquel.

    • Guilherme 16 de julho de 2015 at 11:36 #

      Oi Raquel, excelente dica essa de economizar em viagens através das trilhas e acampamentos!

      Abç!

  14. Pobre de Marre 17 de julho de 2015 at 2:42 #

    Sensacional.
    Só discordo do almoçar fora. Aqui na minha cidade estão pipocando restaurantes com preco de 5,00 com comida à vontade. Claro, sem carnes.
    Para almoçar de ônibus ou de carro, gastaria 7,00, considerando a distancia casa x trabalho. Mais barato que isso, só trazendo de casa mesmo. 🙂

    • Guilherme 18 de julho de 2015 at 8:03 #

      Olá, Pobre, interessante essa dica, realmente dá pra economizar desse jeito. 😉

      Abç!

  15. SORAYA 17 de julho de 2015 at 15:43 #

    Olá
    Adorei as dicas, também penso que tudo depende de valores e gosto, também estou nessa FASE NEGRA de precisar restringir o gasto em prol de saúde financeira, também concordo com o Alex, também tentei não me suicidar ao ler o artigo, também concordo com o Gil em relação ao plano de saúde mas a visão do inferno mesmo foi o relato da Raquel em relação à viagem Hotel X Acampar … Sério, amo viajar, mas se para isso terei que abrir mão de um quarto de hotel … sinceramente, fico em casa . Abraços a todos .

  16. Investidor Internacional 17 de julho de 2015 at 16:29 #

    Há algumas dicas antipáticas, mas a maioria não.

    Comer em restaurante atualmente tem saído cada vez mais caro.

    Produtos de marcas famosas sempre foram bem caros também.

    Em caso sério, academia seria melhor largar e começar a correr na rua ou em parques.

    Um carro se bem cuidado, incluindo gasolina de qualidade e manutenção nos tempos corretos, dure mais de 100 mil km tranquilo. Vejo gente abastecendo no posto mais barato e fazendo gambiarras nas manutenções e depois reclamando que o carro só dá problema. Cuide bem do seu carro que ele dura. Se for um Corolla, dura 20 anos tranquilo.

    O grande problema do Brasil são os enormes impostos sobre o consumo. Um americano simples gasta muito menos que o brasileiro. Por isso os super frugais de lá conseguem fazer milagre.

    O site mor da “pão-durisse” em terras americanas é esse: http://earlyretirementextreme.com/

    Vale a pena dar uma lida, principalmente nos 21 dias de makeover.

    Abçs!

    • Guilherme 18 de julho de 2015 at 8:04 #

      Olá, II, em relação ao carro, tem razão, maximizar a vida útil deles é um desafio e tanto, com tantas propagandas em torno de nós, nos tentando convencer a trocar de carro a cada 365 dias…….rs

      Gostei da dica do Early Retirement.

      Abç!

  17. Luis Otavio 19 de julho de 2015 at 18:23 #

    Uma medida drástica que comecei a adotar de uns dias para cá, é levar o carregador para o trabalho e carregar meu celular na empresa.

  18. Alvaro 21 de julho de 2015 at 10:55 #

    Guilherme,

    Este é mais um BELO POST dos inúmeros ( por que não dizer TODOS ) que você nos premia por aqui no seu Blog .

    Eu mesmo já segui alguns por aqui, e muitas das suas recomendações eu já pratico ( e praticava ). As indicações de Conta Eletrônica/Pacote Digital eu mesmo aderi junto ao BB, seguindo as suas indicações aqui no Blog.

    Da mesma maneira, eu deixei de pagar Anuidades de Cartão de Crédito, há muito tempo, pois bastou eu fazer uma pesquisa na Grande Rede e vi que existem os chamados Cartão com Anuidade Zero, que para o meu banco são Cartão Parceria. Estou com o meu Saraiva, uso pouco e estou muito satisfeito, até mesmo, porque eu pouco faço uso dele, pois sou um daqueles que prefiro pesquisar menor preço se pagar à vista, do que pagar juros, mesmo para pagamento em cota única.

    Se não tem diferença entre cartão e à vista, eu já acho estranho, questiono. Se efetivamente eu preciso comprar e não tem diferença ai vou de Cartão.

    Em tempos de crise financeira, o Juro Composto é MUI-Amigo de quem faz Investimentos ( Renda fixa – LCI/LCA/CBD/LC, etc, vinculadas à Taxa DI. Mas por outro lado, para quem deve, os Juros Compostos são uma catástrofe e quem está nessa situação precisa de muita disciplina para sair dela.

    Eu gosto muito de poupar, de pesquisar, de não comprar NUNCA por impulso, não gosto de comprar nenhum bem em Lançamento, pois os primeiros compradores de bens assim, geralmente estão pagando os custos …sou muito de esperar um
    pouco mais e comprar depois, com menor preço e às vezes vem até com itens de melhorias naquilo que deixou de ser Lançamento.

    Quem tem alguma sobra no orçamento e quer Investir pensando no futuro mais tranquilo , deve Investir no presente, sabendo que quanto mais cedo começar, mais tranquila será seus dias vindouros.

    Quem não é imediatista, e procura ser previdente, certamente será muito mais feliz. Nunca é tarde para começar, mas quanto mais cedo o fizer, melhores serão os resultados .

    Obrigado,

    • Guilherme 22 de julho de 2015 at 21:35 #

      Excelente depoimento, Alvaro!

      Você está de parabéns por conseguir contemplar tantas dicas do blog, e por estar conseguindo uma excelente posição em sua vida financeira!

      Gostei muito de suas dicas, principalmente daquela de não comprar por impulso.

      Um grande abraço!

      Guilherme

  19. Lívia França 31 de julho de 2015 at 13:47 #

    Olá, Guilherme,

    Muito boas as dicas. Vou precisar fazer uso de algumas delas, pois a crise também atingiu em cheio minha economia doméstica, devido ao ramo em que trabalhamos, infelizmente.

    Discordo, porém, veementemente, da sugestão de cancelamento do plano de saúde, como outros já comentaram. Melhor reduzir para o essencial, mas cortar, jamais, pois, apesar da aparente saúde física de muitas pessoas, ninguém está livre de um acidente ou doença grave repentina. O plano funciona mais como um seguro saúde, imprescindível, já que as despesas hospitalares particulares poderiam, em casos inesperados, se tornar impagáveis.

    Abraços fraternos dessa sua amiga pernambucana.

    • Guilherme 31 de julho de 2015 at 23:21 #

      Olá, Lívia, que bom ver você por aqui também! 😀

      Inicialmente, torço para que você consiga sair da crise da maneira mais rápida possível.

      Realmente, a questão do plano de saúde é bastante polêmica, haja vista que, como você bem mencionou, trata-se mais de um seguro, cujo custo acaba sendo ínfimo perto dos custos de não tê-lo.

      Abraços, minha cara!

  20. Vania Lacerda 3 de agosto de 2015 at 22:35 #

    Gostei muito do post. Claro que a pessoa não precisa adotar todas as sugestões, pode adotar apenas aquelas que combinem melhor com suas necessidades e prioridades.
    Minhas dicas: 1- considerar a troca de prestadores de serviços. Aquela cabeleireira onde vc corta o cabelo já há vários anos, o faz-tudo que sempre resolve os probleminhas da casa…talvez estejam cobrando demais. Pode haver outros profissionais, tão bons quanto, e cobrando menos.
    2- Às vezes, almoçar/jantar fora é um prazer, um momento de lazer e descontração. Nesse caso, pode-se manter o prazer e reduzir o custo, almoçando em casa e saindo apenas para a sobremesa. Os restaurantes são substituidos por uma sorveteria, uma doceria, um café.
    3- Reduzir a quantidade do que se compra. A prateleira de produtos de higiene e beleza talvez possa ser substituida por dois ou tres frascos de excelente qualidade. Se a intenção é comprar 2 rasteirinhas para o verão, pode-se comprar apenas uma, uma que calce perfeitamente. Além da redução de custos, temos os ganhos ambientais. Menos produtos comprados, menos produtos produzidos – isso quer dizer recursos naturais preservados.

    • Guilherme 8 de agosto de 2015 at 11:52 #

      Excelentes dicas, Vania, todas de muita criatividade!

      Gostei particularmente da dica 2, pois nunca havia pensado nessa possibilidade! 😀

      Abç!

  21. Ricardo Sorren 29 de agosto de 2015 at 14:05 #

    Muito bom artigo, a questão do celular de mudar de plano realmente faz diferença !

  22. Evandro 15 de outubro de 2015 at 19:07 #

    Muitas pessoas com a crise estão começando a alugar quartos.
    http://www.quartoja.com.br/

  23. Elis 17 de novembro de 2015 at 7:41 #

    Excelentes dicas!

  24. Vinni 29 de novembro de 2015 at 14:01 #

    Para economizar com moradia que normalmente é um dos maiores custos, vale sempre pregar que as pessoas procurem dividir despesas e custos da moradia.. Morar com mais mais adultos economicamente ativos, com empregos e renda é uma maneira de adicionar maior qualidade de vida e bem estar. Supondo que existam 6 pessoas e cada uma ganhe 1000 reais(salario bem humilde), a renda “familiar” seria de 6 mil reais. (Com pessoas de renda maior o efeito é muito poderoso) Fora da capital , moradias são mais baratas. Hoje o comum é familias teremos 4 pessoas, pais e 2 filhos. Reduzindo os filhos(dependentes); e aumentando os colaboradores(adultos com emprego e renda; aumenta-se o bem estar de maneira impactante). Alugueis de quartos, pensões, republicas e etc; são opções interessantes para solteiros.. Casais podem dividir alugueis(2 ou 3 casais que podem se tornar amigos ou serem amigos), familias alugando quartos para estudantes e etc(complemento de renda) ; dentre inúmeras possibilidades! Quanto maior o numero de pessoas que contribuem em uma residência(adultos com renda) , mais bem estar é possivel gerar! Beliches, treliches, bicamas, tricamas, moveis inteligentes, sofás camas e etc ; fazem com que isso posso ser feito. Basta organização e regras de convivência para que tudo fique bem. Os serviços comuns(empregada para limpeza, TV a cabo, internet, telefone e etc; se tornam muito benéficos e acessíveis neste arranjo.) Obviamente que o inverso gera somente pressao e prejuízos.. Ser pai ou mãe solteira , com um unico salario e fonte de renda, muitas despesas e dependentes , geram um efeito insustentável! Espero que isso ajude alguns

  25. Valéria Silva 15 de fevereiro de 2016 at 11:03 #

    Olá Guilherme! Primeiramente, parabéns pelo excelente trabalho! Sobre a questao dos pacotes de serviços, no meu caso, tenho conta prime e pedi a exclusão prevista em lei e claro que o banco enrolou, até para não abrir precedentes (suponho). Mas eu não tive dúvidas e nem preguiça: segui a diante, entrei no pequenas causas e evidentemente ganhei a causa , recebendo as taxas retroativas e em dobro, tido que o banco nao acatou a minha solicitacao . Espero que ajude, pois independente do status da conta, é opçao do consumidor escolher pelo pacote de serviços ou pagar as transaçoes de forma individual.

    • Guilherme 18 de fevereiro de 2016 at 7:41 #

      Olá, Valéria, obrigado, e parabéns pela conquista!

      Você fez valer seus direitos, e isso merece ser objeto de aplausos. Parabéns!

      Abraços

  26. Andréia Graziela 2 de março de 2016 at 14:58 #

    Excelente artigo! Adorei! Vou tentar colocar em prática a de evitar parcelar no cartão de crédito. Como sou super controlada nas despesas (fazendo mensalmente o controle de quanto há de “reflexo” na próxima fatura e limitando meus gastos a um valor máximo previamente estipulado), sempre vi o parcelamento sem juros como uma forma de fazer render seu dinheiro, já que 500 pagos hoje valem mais que 500 pagos em dez vezes fixas de 50. De todo modo, concordo que pagar tudo para o vencimento dá uma segurada nos gastos.
    Eu e meu esposo casamos ano passado e adquirimos um apartamento maior. Contudo, optamos por não mudarmos para ele agora, alugando-o e gerando uma renda que ajuda a pagar o valor da prestação e nos exime do pagamento de condomínio. Nossa ideia é quitarmos primeiro o imóvel e depois pensarmos de realmente vale a pena a mudança. É engraçado porque nos vendem “o sonho da casa própria”, mas tenho sérias dúvidas se é algo que compensa financeiramente. Alugando o imóvel próprio, estamos gerando ativos, enquanto se tivéssemos mudado de logo, teríamos que arcar com o projeto de reforma (novos móveis, especialmente) e prestações.
    Enfim, apesar da crise acho que sempre temos aquela gordurinha para queimar. Uma dica para economizar: além dos restaurantes, fugir dos barzinhos, happy hour, essas coisas. A gente gela a cerveja ou o vinho e bebe em casa mesmo, vendo vídeos de músicas na TV! E dá para chamar os amigos, tornando tão divertido quanto no bar, com exceção da louça suja para lavar no final! Hehehe

    • Guilherme 5 de março de 2016 at 12:16 #

      Ótimo depoimento, Andréia!

      E ótimas dicas também!

      Abraços!

  27. Taís 2 de março de 2016 at 17:54 #

    Excelentes dicas para economizar!
    Adicionaria mais uma: faço academia em uma das academias com melhor custo benefício em minha cidade. Para economizar água e energia elétrica em casa, além de todas as outras medidas já citadas, aproveito e tomo banho na academia após o treino.

    • Guilherme 5 de março de 2016 at 12:17 #

      Ótima dica, Taís! Ajuda na economia de energia elétrica em casa. 😀

  28. Maria Aparecida 21 de abril de 2016 at 20:17 #

    Parabéns pelo artigo, Guilherme.
    Os depoimentos também são excelentes.
    Com certeza vou aplicar várias destas dicas
    na minha economia financeira.

  29. Maria da Conceição 5 de novembro de 2016 at 1:07 #

    Olá,gostei muito deste artigo,vou indicar este site parabéns!

Trackbacks/Pingbacks

  1. Leituras da semana | Frugalidades - 18 de julho de 2015

    […] ♥ Dicas para sobreviver à crise […]

  2. A arte do contentamento - 21 de novembro de 2016

    […] não há nada de errado nisso, e, inclusive, esse tema é tópico frequente de posts no blog, como aqui e […]

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes