Fazendo seis coisas “gastarem”: a minha lista atual

Eu gosto de visualizar e pensar meu blog como um sistema. Um sistema de artigos onde está descrita, em síntese, minha filosofia de vida em relação a finanças pessoais, investimentos e “assuntos correlatos”, como eu gostava de dizer. Por isso, eu gosto de reler textos antigos que “não têm prazo de validade”, e usá-los como base para ampliar discussões, debates e pontos-de-vista em textos novos.

É como se o blog fosse um grande conjunto de círculos concêntricos, em que cada ideia ou post novo é edificado sobre as bases construídas no círculo anterior.

Pois bem, no artigo Não faça gastos com coisas: faça as coisas gastarem, eu destaquei a importância de você valorizar aquilo que já tem, de sair da corrida dos ratos e de controlar seus impulsos de consumo, através da limitação de seus próprios desejos. Na ocasião, destaquei o seguinte:

Gaste seus bens até ao ponto de eles se desgastarem – e precisarem, portanto, ser substituídos.

Pois esse texto de hoje vem a ser uma continuação natural daquele post escrito ano passado. Vou destacar aqui seis coisas cujo ciclo de vida útil venho procurando aumentar o máximo possível, evitando, com isso, substituições absolutamente desnecessárias. É uma forma de dar valor ao meu dinheiro, e de, sim, extrair o máximo de utilidade das coisas que já foram compradas.

A lista está numerada em ordem decrescente, indo da coisa comprada mais recentemente, até a coisa comprada há mais tempo.

#6. Tablet. 1 ano e 9 meses de uso, e contando…

O primeiro item da lista é também o único que precisou ser substituído devido a um acidente com o bem material anterior (e felizmente o mais barato também). Utilizo o tablet como ferramenta de trabalho, estudo e lazer. Ele é bem útil principalmente nas viagens de avião, onde posso gastar o tempo de forma mais suave, assistindo vídeos, lendo notícias ou ouvindo músicas. Aliás, entre ler no celular com tela do tamanho de um cartão de crédito, e ler no tablet com tela de várias polegadas a mais, a preferência quase sempre vai ser do segundo, devido ao maior conforto visual.

Tendo em vista que ele é um equipamento portátil que se mostrou frágil no primeiro acidente, quando comprei o tablet atual, em 2014, precisei adicionar alguns acessórios, como capa e película protetora de vidro, para garantir mais segurança em caso de eventual queda futura.

No mais, estou satisfeito com ele, e não pretendo trocá-lo tão cedo, até porque ele foi comprado praticamente ontem.

#5. Celular. 3 anos de uso, e contando…

Num mundo onde a maioria das pessoas trocam de celular a cada ano, parece realmente ser anti-convencional fazer um celular durar tanto tempo, até porque, a cada novo lançamento, surgem melhorias e acréscimo de funcionalidades tanto no hardware quanto no software dos aparelhos.

Porém, se o seu celular atual dá conta do recado, pra quê ficar gastando dinheiro à toa trocando de aparelho a cada novidade que vai sendo lançada no mercado?

Hoje em dia, infelizmente, celular virou produto descartável, não só por culpa dos consumidores que não sabem valorizar seu dinheiro, mas também por culpa das empresas, que fabricam produtos já com a intenção de fazer com que durem o menor tempo possível.

Para quem tem no consumo de gadgets uma fonte de lazer e entretenimento, como eu tinha, parece difícil mesmo resistir à tentação de trocar de celular a cada ano, ainda mais sabendo que hoje existem até planos de celular onde você pode pegar um aparelho novo a cada ano.

Bom, isso vai da conveniência e gosto de cada um, mas eu particularmente prefiro gastar meu dinheiro com outras coisas. Já passei da fase de ficar impressionado e querendo cada novo modelo que é despejado no mercado.

É bem verdade que meu celular atual, comprado em 2013, está, literalmente, caindo aos pedaços: parte das bordas laterais já está descascando, a tela já não é 100% responsiva, a bateria dura cada vez menos, e às vezes noto uma lentidão acima do normal quando ele precisa ser reinicializado.

Porém, apesar de todos esses defeitos e desgastes decorrentes do uso normal do dia-a-dia, ele continua 100% funcional, atendendo plenamente todas as minhas necessidades de comunicação. Então, pra quê trocar, não é mesmo?

Só vou substituí-lo quando o custo de mantê-lo for superior aos benefícios que eu estou tendo com ele.

Mas só o fato de ter evitado a compra de modelos 2014, 2015 e 2016 já me livrou de gastar de R$ 6 mil a R$ 10 mil.

#4. Computador (laptop). 3 anos e 4 meses de uso, e contando…

Fazer durar um computador é tarefa bem mais fácil que fazer durar um celular, porém, essa tarefa não é tão fácil assim quanto se trata de pessoas que, como eu, eram fanáticas por consumo de tecnologia de uma maneira geral.

E isso se agrava na medida em que o computador pessoal acaba virando a principal ferramenta de trabalho/estudo de uma pessoa, como é o meu caso e de muitos outros geeks. 😛

No meu caso em particular, resolvi substituir o uso de um computador de mesa pela compra de um laptop (notebook), por questões de praticidade. Além disso, ele (laptop) traz como bônus o fato de consumir bem menos energia elétrica do que um desktop, o que também vem a calhar.

Como se trata de um investimento geralmente caro, resolvi comprar um laptop, no final do ano de 2012, com a intenção de fazê-lo durar a maior quantidade de tempo possível.

E graças a Deus essa escolha se mostrou acertadíssima, pois esse notebook fará 4 anos nesse ano, e não vejo no horizonte de curto ou médio prazos a necessidade de substituí-lo.

#3. Home theater. Ou melhor, aparelho Blu-Ray. 4 anos e 4 meses de uso, e contando…

Eu tinha apenas um aparelho de DVD em casa, mas, com os avanços da tecnologia, era natural a “necessidade” de comprar um reprodutor de discos Blu-Ray.

Foi o que fiz. Comprei o tal do player BD, no final do ano de 2012, que também é o meu home theater (nada de caixas de som e outras parafernálias), e certamente esse item da lista é provavelmente o que mais durará, pois, desde que eu o adquiri, só o utilizei em raríssimas ocasiões, pois não tenho o hábito de assistir filmes.

Sei que hoje há no mercado aparelhos mais avançados, com tecnologia 3D, tecnologia 4K, WiFi embutido etc. etc. etc.

Mas nada disso, por ora, me interessa, de modo que esse player Blu-Ray atende plenamente minhas necessidades.

#2. Televisão. 5 anos e 6 meses de uso, e contando…

E o que dizer da televisão, então?

A cada 4 anos, mais precisamente nos anos de Copa do Mundo, o mercado é inundado com lançamentos dos mais variados gostos e bolsos.

A tecnologia das TVs tem evoluído a passos largos, afinal, a televisão é a fonte de lazer e entretenimento de milhões de famílias, e isso no mundo inteiro.

Hoje em dia, é possível encontrar TVs de LED, TVs 3D, TVs 4k, Smart TVs.

Além disso, os aparelhos têm aumentado cada vez mais de tamanho (haja espaço na sala!), e você pode comprar TVs de 40 polegadas, 50 polegadas, 70 polegadas e até 88 polegadas!

E os preços? Ah, eles variam bastante, e, se você tiver, por exemplo, R$ 70 mil em caixa, pode levar essa “belezinha” pra casa:

TV 88

Mas eu estou alheio a tudo isso – aliás, se eu for comprar uma TV nova, precisarei me atualizar sobre essas novas tecnologias, as quais só descobri que existem ao fazer esse artigo….. 😆

Minha atual televisão foi comprada em 2010, e mede acho que umas 32 polegadas.

E sabe de uma coisa? Funciona que é uma beleza! Pega até sinal digital…… 😆

Enfim, não tenho motivos para trocar de televisão, ainda mais sabendo que, felizmente, o ciclo de vida útil das TVs é bem maior do que dos produtos portáteis acima descritos…

#1. Carro. 5 anos e 7 meses de uso, e contando…

O number one da lista é, curiosamente, também o mais caro dela – aliás, só depois que eu organizei a lista é que percebi que as coisas mais caras são as que eu faço durar mais….. 😀 😀 😀

Carro é sempre um item polêmico e controvertido quando é colocado na “arena” das finanças pessoais, e por isso pretendo escrever um post específico sobre minha experiência com carros.

Mas desde logo adianto que já o comprei com a intenção de que durasse o maior tempo possível. Pelas minhas contas, lá nos idos de 2010, minha intenção era trocá-lo após 7 anos de uso, ou seja, em 2017.

Mas eis que chega 2016, o ano em que nos encontramos, e chego à conclusão de que esse carro… é capaz de aguentar mais 4 bons anos em perfeitas condições de uso. 😀

Como muitos leitores do blog, eu também tenho um carro de uma montadora de origem asiática (Honda), e ele tem câmbio automático, ou seja, é facílimo de dirigir, tem um excelente custo de manutenção (ou seja, um baixo custo de manutenção), e, sobretudo, tem passado no teste da confiabilidade. Nunca tive problemas mecânicos ou elétricos no carro, exceto o desgaste natural de seus componentes.

Embora eu goste bastante do meu carrinho hatch, não sou vidrado em carros em geral, nem tenho “paixão” por veículos como diz a propaganda dos postos Ipiranga, de modo que não tenho essa vaidade de querer comprar um carrão de luxo pra ficar ostentando.

Conclusão

É claro que essa lista é apenas exemplificativa, e poderia acrescentar muitos outros itens a essa coleção de coisas que “gasto”, ao invés de ficar gastando (dinheiro) com coisas. Por exemplo, relógio: só comprei um na vida, e ainda por cima acabou ficando na gaveta, pois já tenho outros meios/objetos que ficam mostrando a hora.

Também não tenho o “comichão” de ficar trocando peças de vestuário a cada nova estação. Procuro maximizar o valor e a utilidade das roupas que possuo. Em casa, uma bermuda, uma camiseta oriunda de um kit de corridas, e um par de chinelos, já resolvem muita coisa – inclusive pra sair (rsrsrs).

E sim, há áreas em minha vida em que penso que vale a pena investir e gastar dinheiro, porque são áreas em que estão alguns dos valores que mais prezo. Por exemplo: atualmente, gasto “com gosto” em livros (afinal, se você parar de aprender, você irá parar no tempo), viagens (embora com esse dólar não dê pra fazer muita coisa, em se tratando de viagens para o exterior), e itens relacionados a esportes.

Mas mesmo nessas áreas eu procuro dar uma destinação inteligente ao dinheiro: no caso de livros, por exemplo, me valho, tanto quanto possível, de obras que possam ser encontradas em sebos virtuais, como Estante Virtual. E, no caso dos gastos com esportes, sempre faço pesquisas de preços, quando se trata de comprar alimentos específicos da dieta, ou equipamentos esportivos.

No final das contas, o importante é que você extraia a máxima utilidade do dinheiro que foi gasto, como eu disse em outro artigo:

“Mude a “chavinha” da sua mente, para que ela passe a ampliar o ciclo de vida útil dos produtos que você consome. Serene a sua alma e desacelere, estabelecendo limites de atenção, de tempo e de dinheiro, para um mundo que quer que você viva (e gaste) de modo ilimitado – ilimitadamente ruim – sua atenção, seu tempo e seu dinheiro”.

E você? Também tem uma lista de coisas que está “gastando”? Conte pra gente!

Boa semana!

Print Friendly

, , ,

53 Responses to Fazendo seis coisas “gastarem”: a minha lista atual

  1. MJC 7 de março de 2016 at 7:12 #

    Lista interessante. Tenho algumas coisas antigas também.

    Meu tablet eu já estou precisando trocar. Tenho um IPad 1 comprado em 2010, mas ele trava muito e hoje já não consigo usar praticamente mais nenhum app recente nele, visto que o IOS é bem antigo e não tablet não deixa mais atualizar.

    Meu celular eu estou com ele há 1 ano e meio. Troquei o antigo porque deixei cair no chão de um jeito que quebrou tudo rs.

    Meu atual computador desktop está comigo há uns 5 anos já. Quando o comprei, eu escolhi componentes relativamente top pra época (por isso que está durando bem). A única coisa que tive que fazer foi comprar mais memória no ano passado, mas foi coisa de 100 ou 150 reais. E o PC ainda dá pra durar mais uns 2 anos.

    Tenho 2 TVs em casa, sendo que a mais nova (uma de LED) tem 5 anos e a mais antiga deve ter uns 7 já (uma de LCD). E sinceramente? Não vale a pena trocar pra pegar uma que seja 2 ou 3 cm mais fina… Quando queimar eu troco.

    Meu carro tem 4 anos e 2 meses. Esse eu sei a data exata pois foi comprado em janeiro rs. E vai durar mais uns 2 ou 3 anos, até começar a ficar ruim.

    Além disso, tenho outras coisas que estão durando bem também. Máquina de lavar, filmadora etc etc etc. Uma das coisas mais antigas que tenho hoje são títulos do Tesouro Direto comprados em 16/12/2008 (NTNB Principal 2024, pagando 7.5% + IPCA): mais de 7 anos rs.

    Interessante você falar de livros. É uma coisa que eu também não tenho muita dó de gastar não rs. Tem época que chego a gastar mais de 200 reais/mês com livros. Por conta de espaço no meu apartamento, recentemente adquiri um kindle e estou mudando meu hábito de leitura para “digital”. Achei que ia ter dificuldades pra me adaptar, mas é bem tranquilo. Só não é possível ler livros com fórmulas matemáticas complexas, mas para livros de leitura para passar o tempo o kindle é excelente!

    • Guilherme 7 de março de 2016 at 8:28 #

      Olá MJC, que interessante, temos perfis parecidos! E acredito que muitos outros leitores estejam fazendo as coisas “gastarem” na mesma proporção…. 😀

      Realmente, o Kindle é excelente para livros de leitura para passar o tempo. Ele também tem uma serventia incrível para livros norte-americanos. Antigamente, eu os comprava em formato físico, mas tem a questão da demora na entrega.

      Hoje em dia, praticamente todos eles têm a opção de formato digital, o que é uma mão na roda, pois posso lê-los de forma imediata.

      Sobre essas coisas antigas de investimentos, sabe que me deu uma ideia que não tinha pensando antes!? ……rsrsrs…

      Abraços!

    • José 18 de julho de 2016 at 2:47 #

      Meus exemplos: meu 1º carro comprei do 2º dono quando ele, o carro, já estava com 10 anos, hoje ele tem 30 anos, hoje ele é meu 2º carro para efeitos de rodízio, e esta com 35 anos de existência e rodando muito bem, e acho que ele ainda rodará enquanto houver gasolina disponível.
      Meu Smartphone é de 2ª mão, e é de 2012 está praticamente novo e atualizado e só troco quando ele desmanchar ou parar de funcionar.
      O restante é bem antigo também, exceto o fogão com 4 anos, pois o velho 30 anos deu corrosão e tive que trocar

      • José 18 de julho de 2016 at 2:51 #

        “Riqueza é aquilo que você acumula, não aquilo que você gasta.” – T. Stanley e W. Danko

  2. Nilton Benfatti 7 de março de 2016 at 9:24 #

    Podem me chamar de muquirana, mas é exatamente assim que eu penso.
    Enquanto a TV não explodir, não compro outra. E assim com todos os outros bens.

    • Rafael 7 de março de 2016 at 10:33 #

      kkkk
      tambem não é pra exagerar

      não adianta ficar com tv de tubo e um celular nokia 3310 só porque funciona kkkkk

  3. Rafael 7 de março de 2016 at 9:42 #

    Poderia colocar um espaço para falar ( acho que não é o seu caso ) daqueles com compulsão por comida. Que gastam muito dinheiro comendo fora, muitas vezes até sem fome, só pra saciar a vontade daquele pedaço de bolo, salgadinho , sorvete , etc;
    quanto não é gasto dessa maneira além de quilos a mais.
    comer fora hoje está bem caro, ainda mais os petiscos devido a gula kkk

    • Rafael 7 de março de 2016 at 9:43 #

      ok

      • Guilherme 7 de março de 2016 at 11:08 #

        Rafael, ótima dica!

        Saiu inclusive uma reportagem na Folha tempos atrás sobre isso. Os adeptos desse estilo de vida ganharam até um apelido: “foodies”.

        Pretendo abordar esse tema futuramente, até porque gastos excessivos com comida são capazes de estrangular o orçamento doméstico.

        Abraços!

  4. Pedro 7 de março de 2016 at 9:59 #

    Minha lista está um pouquinho mais nova, porque meu “ciclo” de substituição está um pouco diferente do seu. Mas gostaria de compartilhar meu “status” e algumas experiências, principalmente considerando que o velho ainda tem valor de mercado e não precisa ser simplesmente descartado:

    6. Tablet – 1 ano e 1 mês, mas veja o que aconteceu. O site do submarino deu um bug e o iPad mini de 64gb estava a 700 reais. Eu tinha um Ipad 2 há 3 anos e meio. Então eu comprei esse iPad Mini e anunciei meu iPad 2 no Olx por 450 reais. Ou seja um tablet novo custou 250 a mais pra mim e vai gastar ainda um bom tempo.

    5. Celular – 1 anos e 3 meses – O anterior durou 3 anos e meio, que foi vendido usado por 400 reais.

    4. Laptop – 1 ano e meio – O anterior tinha 5 anos e esse atual vai durar no mínimo o mesmo período.

    3. Home theater – 4 anos e meio – O mesmo que tenho desde que eu me casei e não vou trocar tão cedo

    2. TV – Idem ao Home Theater

    1. Carro – 2 meses – Essa foi uma troca a contra gosto, o anterior tinha 5 anos, mas estava dando muita dor de cabeça com manutenção. Comprei um outro agora com a intenção de fazer durar pelo menos 7 anos. Mas consegui vender o meu usado por um bom valor (R$ 7.000 a mais que a concessionária daria na troca) e nisso a substituição não foi não custosa.

    • Guilherme 7 de março de 2016 at 11:10 #

      Ótimo depoimento, Pedro!

      Realmente, quando há uma promoção do tipo “bug”, é possível vender o aparelho atual em bom estado de conservação, e minimizar os custos efetivos totais da aquisição do novo.

      Abraços!

  5. Marco 7 de março de 2016 at 11:57 #

    Tenho um Polo Hatch adolescente (14 aninhos). Get on my level…

  6. Pobre Japa 7 de março de 2016 at 13:42 #

    Post muito interessante VR!

    Vou compartilhar meus “desgastos” hehe:

    – Tablet LG V480: 6 meses, comprei por R$ 387 numa promoção do Gatry (não tinha um antes);
    – Celular MotoG: 2 anos e 2 meses… e contando! (R$ 781 na época)
    – TV LG LCD 32″: 6 anos e alguns dias! (paguei R$ 1.320 na época)
    – Notebook: uso o da empresa;
    – Carro: uso o da empresa (vendi o meu por causa disso);

    Minhas roupas também seguem essa linha! haha

    Grande abraço

    pJ
    pobrejapa.blogspot

    • Guilherme 7 de março de 2016 at 14:14 #

      Rsrsrs…..valeu, PJ!

      Muito interessante sua lista de “desgastos”……rsrs…. 😀

      Abraços!

  7. Anna Monteiro 7 de março de 2016 at 15:38 #

    Engraçado que hoje mesmo me peguei pensando nisso, mas pro lado contrário. Com bens não tão duráveis, como alguns itens de escritório e de limpeza doméstica. Parece que é um gasto “merreca” ( como um prof meu de Química dizia), mas se contabilizamos no fim do ano dá pra resultar numa economia significativa. Sou adepta do estilo DIY ( sigla de “Faça você mesmo” em inglês) e faço alguns produtos de limpeza em casa ao invés de comprar. Não frequento salão de beleza há uns 10 anos e aprendi a me virar nisso sozinha. Tbem só como na rua em casos extremos*. Tbem faço cadernos, agendas e crio objetos a partir da reciclagem ( como estojo,puxa sacos,suporte p carregar celular etc – tudo o q existe numa lojinha de 1,99). Um brechó perto da minja casa vence muita loja de etiqueta e nele os gastos com 5 peças equivalem a um item de uma loja assim.

    Da lista q foi citada no texto, tudo meu é de antes de 2014 ( tablet, Kobo, celular e TV). Acho que o fato de não curtir tv aberta ajuda a não me tornar compradora compulsiva, já que tem tanto anúncio apelativo. E eu tbem sou muito seletiva com a direção q meu $ toma.

    A única compulsão q eu tenho mesmo é com livro. Aí nisso sou equivalente a mulheres q entram na loja e saem carregadas de roupas rssss Mas nisso, dá pra me perdoar =D

    *Quando eu fico vendo algum supérfluo tipo doce, eu logo me faço a pergunta “prefiro isso ou um livro novo da minha lista?” SEMPRE a resposta é : “o livro”. Aí aquele $ vai pro cofrinho, até chegar o dia de um livro novo entrar em casa =) a não ser q eu esteja prevendo uma enxaqueca ( a minha é oriunda da falta de comida no estômago. Aí tem q esquecer do livro).

    • Guilherme 8 de março de 2016 at 12:20 #

      Excelente depoimento, Anna!

      Gostei da sua ideia de reciclagens. Também procuro maximizar o valor dos objetos e coisas que podem ser reaproveitados. P.ex., folhas de papéis impressos que já tiveram utilidade podem virar ótimas folhas de rascunho, e por aí vai…

      Abraços!

  8. Vagner 8 de março de 2016 at 10:43 #

    Tablet – não tenho
    Celular – Mais de 2 anos (Galaxy S4 – vai durar bastante ainda)
    TV – 32″ LED modelo simples

    Carro – Fiz um downgrade de um ASTRA para uma Santana Quantum 92
    (IPVA zero, manutenção baratíssima, espaçoso, consumo equivalente ao anterior)

    As pessoas estranham no começo, as vezes um clima de vergonha se vou em uma festa ou evento, ninguém quer carona, kkkk, parece que há uma avaliação de que as coisas não vão bem, mas para mim é normal, ao menos os leitores aqui do blog e algumas pessoas mais próximas entendem a lógica.
    E sempre que possível uso a Bike.

    Com relação a alimentação, estou descobrindo que alimentos saudáveis são mais baratos.

    • Guilherme 8 de março de 2016 at 12:22 #

      Oi Vagner!

      Impressionante o seu upgrade de carro. 😀

      E ainda tem um bônus: quase não se preocupar com seguro do veículo :-)

      Abraços!

  9. Marcelo 8 de março de 2016 at 17:09 #

    Celular, 06 meses… o anterior quebrou a tela e ficava mais caro que arrumá-lo
    2- Tvs – 06 e 02 anos respectivamente
    Geladeira – 03 anos (a antiga acabei furando o congelador) Nesse caso confesso que tinha q ter furado antes, pq Frost Free é outro mundo rsrsrs
    Carro – 04 anos e meio e 2 revisões preventivas (pretendo trocá-lo com 10 anos de uso, pois rodo pouco com o mesmo)
    Comprei o meu primeiro carro zero com a intenção de trocá-lo a cada 10 anos.
    Pensei melhor e na próxima troca, irei comprar um automóvel com uns 2 anos de uso e trocá-lo 08 anos depois. Assim acredito que gaste menos com esse bem de consumo.

  10. Igor 8 de março de 2016 at 17:29 #

    Vamos lá.
    Carro desde 2001. Até gostaria se trocar, mas sempre que paro pra pensar, desisto.
    Notebook tenho um desde 2006 ainda em uso, mas chegou a hora de aposentar. O segundo tenho desde 2010 e funcionando sem problemas.
    Tablet tenho há 2 anos e meio e não trocarei tão cedo.
    Celular fico no mínimo 2 anos. E quando troco, passo o anterior pra algum familiar.
    TV tenho há 3 anos e meio e não trocarei tão cedo. Inclusive já deu defeito e eu mesmo fiz o reparo, kkk.
    Sei que sou taxado de mão de vaca mas é uma questão de prioridade. Mantendo esse estilo de vida, consigo fazer 2, as vezes 3, viagens de lazer todo ano e me sinto muito mais satisfeito dessa forma.

    • Guilherme 10 de março de 2016 at 10:30 #

      Realmente, Igor, tudo é uma questão de prioridades!

  11. Michelle Andrade Maia 9 de março de 2016 at 9:55 #

    Guilherme, desculpe pela pergunta íntima, mas qual é o seu carro? Eu não tenho, nunca tive (e felizmente agora que posso ter um, moro perto do metrô e trabalho a duas quadras de casa), e só penso em comprar um automóvel quando estiver “em vias de” engravidar/adotar. rs Tive alguns ex namorados que diziam que carro tinha que ser trocado a cada 3 anos, porque a partir daí começavam a dar problema. Achei que esse era o tempo possível pra manter um carro. Agora vejo seu excelente post dizendo que pretende fazê-lo durar por 10 anos! Por favor nos diga qual é, pra termos essa opção em mente quando formos comprar um, e podermos pesquisar a respeito. Eu e meu marido (que curte motos, mas não pra andar com uma criança nela rss) não entendemos nada sobre carros. Obrigada!

    • Guilherme 10 de março de 2016 at 10:31 #

      Olá, Michelle, continue com essa mentalidade, carro é um bem feito para durar o maior tempo possível! 😀

    • erick 13 de março de 2016 at 21:46 #

      Arriscaria dizer que é um honda fit, alias um excelente carro! O mr money mustache o recomenda http://www.mrmoneymustache.com/2012/03/19/top-10-cars-for-smart-people/
      Desta lista se encontra no brasil tambem o sx4, a station wagon elantra sob o nome i30 cw, o versa sob o nome tiida, o sentra, o civic, o forester, focus e o yaris sob o nome etios. E tambem o prius, menos popular mas muito caro, so vale a oena para quem roda muito! Via de regra, os carros japoneses sao muito duraveis!

      • Guilherme 14 de março de 2016 at 7:56 #

        Isso mesmo, Erick!

        Fiquei ainda mais satisfeito agora sabendo que também é recomendado pelo MMM, já que, nos EUA, o mercado de automóveis é hiper competitivo.

        E concordo: carros asiáticos são muito, muito duráveis! 😀

  12. Paulo 9 de março de 2016 at 11:10 #

    Eu achava que era sozinho no mundo. Legal ver que mais pessoas compartilham de minhas idéias. Acho que os produtos realmente foram feitos para serem usados até sua exaustão e fadiga total. Isso vale até o ponto de segurança claro. Adotando essas atitudes vivemos melhor e conseguimos aproveitar a vida em sua plenitude, o que não significa comprar mais e mais brinquedos.

  13. Vania Lacerda 9 de março de 2016 at 20:24 #

    Não sou apaixonada por eletroeletrônicos, nem por itens de tecnologia. Minha tv tem nada menos que OITO anos, e resistindo bravamente, tanto em termos de funcionamento qto de estética (era mto moderna qdo foi comprada, e isso ajudou). Tenho um IPhone5 comprado nos EUA em Dezembro/2012… Não tenho kindle, nem tablet, nem laptop – não me fazem falta alguma. Tenho um computador de mesa de ótima qualidade. O carro é um Soul 2010/2011, mas está em vias de ser trocado.
    Por outro lado, considero que não apenas esses itens precisam de troca ou manutenção periodicas. Temos muitos outros itens que nos cercam, todos os itens de uma casa. Então, a cada dois anos, faço um up-grade em um comodo da casa. Em 2015 foram os quartos (ficaram lindos!), este ano não farei nada. Em 2017, será a vez da cozinha…

    • Guilherme 10 de março de 2016 at 10:32 #

      Isso aí, Vânia, saber dar prioridades e ter uma programação de gastos são medidas que ajudam a valorizar o nosso dinheiro!

      Abraços!

  14. thais 9 de março de 2016 at 21:18 #

    Muito bom esse post!!

  15. vitoria 10 de março de 2016 at 9:49 #

    Muito legal seu post, pois bem tenho um celular que também já fez 3 anos e um notebook de 4 anos… não tenho intenção de trocar e sim comprar um tablet para os estudos… meu namorado está a 9 anos com o mesmo carro (ecosport 2007) e está linda e impecável.. não vale a pena ficar trocando sempre, gasta dinheiro a toa.. e livros eu amo todos os tipos.. gasto dinheiro mesmo, amo ler!
    beijos

  16. Izabel 10 de março de 2016 at 15:25 #

    Fico impressionada como vcs gravam o ano de compra de um bem! Eu não faço idéia quantos anos tem minha tv, meu celular, meu notebook…rsrsrs Só se for consultar a nota fiscal! rsrsrs Enquanto tiverem em pleno funcionamento, não troco não!
    Meu carro é 2012 (o único bem que sei o ano que comprei decorado!). Não pretendo trocar tão cedo…está cheio de arranhão por ser preto, mas nem tenho vontade de pintar. Pra quê? Depois gasto dinheiro, pinto e vem outra pessoa sem educação básica e arranha novamente…

    • Guilherme 14 de março de 2016 at 7:49 #

      Oi Iza! Acho que é porque queremos fazer esses bens durarem ao máximo, então é por isso que gravamos o ano…. :-)

      Abç

  17. Rodrigo 11 de março de 2016 at 15:25 #

    Minha lista:

    1) Tablet. Não possuo. No meu caso o smartphone substitui completamente a necessidade. Acho que tablet é legal pra quem viaja muito, o que não é meu caso.

    2) Smarthphone. Possuo um samsumg galaxy s4 comprado em 2013. Uso pra tudo ele: assistir filme no netflix, agenda, comunicação, acompanhar finanças, escutar música, receber noticias, ler livros,GPS, jogar… Inclusive ele é a central multimídia do meu carro. Pareio com Bluetooth do rádio e utilizo o aplicativo Automate. Com um bom suporte veicular fica perfeito! Meu cunhado tem um audi e a central dele é pior q a minha rsrsrs. Só vou trocar quando quebrar, pois ele me atende perfeitamente. Inclusive esse mês comprei uma bateria que faz ele durar o dobro do tempo.

    3) Computador: Tenho um desktop e troco em média a cada 3 anos ou menos. Sou nerd, esse é meu calcanhar de aquiles rsrsrs.

    4) Televisão. Tenho duas. Não sei quando comprei, uma deve ter 3 ou 4 anos e a 2 anos. Só troco quando quebra. Uma dica é usar o chromecast. Ele transforma uma TV normal em smart, Útil para assistir netflix e vídeos do youtube.

    5) Carro. 6 meses. Primeiro carro e comprei por necessidade. É um carro pequeno, econômica, com bom motor e relativamente “barato”. Pretendo ficar pelo menos 5 anos.

    • Guilherme 14 de março de 2016 at 7:52 #

      Excelente lista, Rodrigo!

      Aliás, gostei da indicação desse app. Vou procurar, pois hoje em dia o celular virou, sim, uma autêntica central multimídia. 😀

  18. Frugal 12 de março de 2016 at 21:24 #

    Meu carro é 2007 e soh vou trocar ele depois que o mesmo explodir.
    Celular faz 3 anos já.
    Roupa só comprei no exterior já faz mais de 12 meses e não pretendo comprar tao cedo.
    Deixo tudo assim mesmo. Frugalidade.

    • Guilherme 14 de março de 2016 at 7:53 #

      Olá Frugal, você está fazendo jus ao nome! …rs 😀

      Abç

  19. Priscila Gomes 13 de março de 2016 at 9:35 #

    Oi, te indiquei a um prêmio virtual. Gosto muito de tudo por aqui. Se te interessar: http://mundodepris.blogspot.com.br/

    • Guilherme 14 de março de 2016 at 7:53 #

      Oi Pri, muito obrigado pela indicação! Fico muito honrado em ter sido citado na lista. 😀

      Bjs

  20. Investidorpb 3 de abril de 2016 at 11:39 #

    Vamos a minha lista:

    1) Carro: vai completar 5 anos em junho e pretendo passar mais 3 anos.

    2) TV (Phillips LCD 32′): comprei em 2008, tendo mais de 8 anos de uso.

    3) Home Theather: Tive que trocar recentemente porque o outro pifou, mas o meu recentemente foi em 2013.

    4) Celular: troco todo ano, pois sempre compro no ponto frio no esquema de 10 pontos múltiplus. Compro vários, vendo todos, inclusive o velho. Vendo os pontos, fico com um celular novo e ainda ganho dinheiro (foi assim que montei o quarto da bebe e adquiri todos os equipamentos como carrinho, banheira, carrinho veicular etc).

    • Guilherme 4 de abril de 2016 at 12:11 #

      Excelente lista, PB!

      E muito interessante sua estratégia para montar o quarto do bebê!

      Abraços!

  21. Funcionário Público Investidor 17 de julho de 2016 at 16:49 #

    Guilherme, sou recém-chegado à blogosfera, e gostaria de usar esse seu post como inspiração para postar as mesmas coisas no meu, com o meu conteúdo. Gostaria de saber se você autoriza a utilização do conteúdo.

  22. Daniel 19 de agosto de 2016 at 8:43 #

    Guilherme, acho que ganho de todo mundo nessa lista rs.

    6-Tablet: Não tenho, vou comprar

    5-Smartphone: 3 anos de uso, de uma marca que era popular, o Moto G. Está perfeito, vai até quebrar.

    4-Notebook: 6 anos de uso, caiu ontem, mas continua funcionando, na tomada. Acho que logo terei de comprar.

    3-Não tenho, e acho que não pretendo ter

    2-TV: 18 anos. De tubo ainda. Não troquei, pois ela fica no meio de um móvel grande da sala. Mas pretendo em breve reformar a sala. E logo trocar, por uma toda incrementada, e ficar uns 10 anos com a mesma rs

    1-Carro: Tenho um 307 com quase 10 anos de uso. Apesar do carro ser bom, teria valido a pena troca-lo com 5 anos de uso. Pois carro desvaloriza e as despesas aumentam. Além de ter gente desonesta aos montes, na hora de fazer manutenção. Só de um ano pra cá, que encontrei um mecânico de confiança. Pretendo trocar no ano que vem. Antes que pensem algo. Gostei do carro Peugeot 307, mas não da assistência técnica. Quando fizer 10 anos com ele, pretendo trocá-lo por um hatch médio top de linha.

    Renda e reservas pra trocar todos esses produtos por outros de primeira linha, eu tenho.Costumo usar até não poder mais, e tbm por preguiça do trabalho de ter de pesquisar pra trocar.
    O meu maior orgulho de durabilidade é o microondas. É um Sanyo ainda Made in Brazil, acreditem com 20 anos de uso, apesar de desgastado, funcionando perfeitamente. Ele tem um estrutura até mais forte que os atuais.

    • Guilherme 23 de agosto de 2016 at 10:12 #

      OI Daniel, excelente lista! Você ganha de todo mundo mesmo……rsrs

      Parabéns por fazer as coisas gastarem bem. :-)

  23. Henrique 27 de outubro de 2016 at 20:24 #

    Achei super legal o post, me faz sentir melhor por não estar sozinho, pois quase ninguém é assim.

    Tablet: não tenho, mas meus filhos têm, e as vezes pego emprestado deles, mas na maioria das vezes vejo vídeos ou navego na internet pela tela minúscula do celular mesmo.

    Celular: é um minúsculo Xperia Mini pro (tem até teclado físico) que todo mundo se espanta quando vê: Nossa!!! Que celular pequeno!!! Comprei em 2012 só porque meu Palm Treo (comprado em 2007) caiu no chão e estourou a tela. Cheguei até a cogitar em trocar a tela e continuar usando, mas achei que já tava na hora :)

    Computador: talvez um record, meu computador comprei em 2006, o bichinho é valente e ainda dá para o gasto. É um Thinkpad da IBM, que agora já até virou Lenovo.

    Home Theater: também assisto a poucos filmes, é mais para desenho das crianças (Galinha Pintadinha e correlatos), comprei em 2008, e nem sequer é Blueray.

    TV: essa também é relíquia, de tubo, comprei usada do meu sogro em 2005, e acho que ele já tinha ela desde 2000. Está funcionando, vou trocar porque?

    Carro: os primeiros carros que comprei tinha como hábito tirar sempre zero e trocar a cada 3 anos, mas me dei conta que não valia a pena. Meu carro atual é de 2011 e fico com ele por pelo menos mais 2 anos.

    Legal compartilhar isso com vocês, pois sinto orgulho de fazer as coisas durarem assim, mas pouca gente entende.

    []s
    Henrique

    • Guilherme 28 de outubro de 2016 at 12:36 #

      Excelente depoimento, Henrique! Parabéns pelo exemplo!

      Numa sociedade consumista e que preza pelos produtos descartáveis, como a nossa, é revigorante saber que temos exemplos como os seus!

      Abç!

      p.s.: também sou fã do Palm Treo, e da linha Centro! 😀

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes