[Guest post] Evitando altos gastos de dinheiro identificando falsas oportunidades

O blog Valores Reais tem o orgulho de apresentar mais um guest post vindo de seus leitores mais ass√≠duos, especificamente da leitora Alice. ūüėÄ

Ela conta a história de como conseguiu identificar uma aparente oportunidade que, na essência, não era tão vantajosa assim em termos financeiros, e, com isso, conseguiu evitar o gasto de uma alta soma de dinheiro.

Economizando

Muitos de voc√™s, ao lerem a hist√≥ria da Alice, certamente se identificar√£o com as circunst√Ęncias narradas por ela. Afinal de contas, a todo o momento o com√©rcio e os vendedores de produtos e servi√ßos querem fazer a cabe√ßa da gente, e criar a ilus√£o de que perderemos muita coisa se n√£o aproveitarmos a oportunidade naquele exato instante.

Preste bem aten√ß√£o: uma das t√©cnicas que eles utilizam √© a express√£o “s√≥ hoje”, ou “s√≥ nesse momento”, ou ainda “somente nessa negocia√ß√£o”. Al√©m disso, eles costuma “se ancorar” num determinado pre√ßo, digamos R$ 300, fazendo com que n√≥s percamos a refer√™ncia de valores que estava originariamente na nossa mente – R$ 100 ou mesmo gr√°tis.

Por isso, a import√Ęncia de sempre analisarmos friamente o neg√≥cio, descontaminando a nossa mente das emo√ß√Ķes que invariavelmente aparecem, a fim de evitarmos cair nas ciladas num√©ricas apresentadas pelos vendedores que mais confundem do que ajudam.

Confiram!

………………………………….

“Li seu post sobre frugalidade e isso me lembrou uma situa√ß√£o que me aconteceu bem recentemente.

Fui ao shopping e, quando entrei na Saraiva, vi que uma instituição de ensino estava fazendo um sorteio, que tinha como prêmio uma bolsa de estudos numa escola de design e computação.

Me inscrevi sem a pretens√£o de ganhar mas, alguns dias mais tarde, descobri que fui sorteada. Me ligaram e marcaram uma data pra que eu comparecesse ao curso para resgatar minha bolsa de 100%.

Quando cheguei ao curso, o coordenador me mostrou as instala√ß√Ķes, que eram lindas, e me falou sobre todos os cursos que eles ofereciam. Enquanto isso, ele pegava minhas informa√ß√Ķes, como minha profiss√£o, e se eu tinha interesse em algum curso que ele estava me falando.

Eu respondi que sim, mas que, antes, eu queria saber os valores. Ele ent√£o me informou que eu ganhei n√£o apenas uma, mas duas bolsas: uma de 100% e outra de 46%. A de 100% me dava direito a 4 aulas ao longo de 4 semanas, mas que ficariam incompletas, j√° que cada uma engloba uma parte diferente do curso.

A bolsa de 46% iria me dar acesso completo ao curso. Os valores eram os seguintes: 500 reais para a matrícula, 1.780 reais pelo material completo, e mais 780 reais de mensalidade, ao longo de dois anos, que eu levaria para completar o curso.

Quando eu vi esses valores, eu fiquei chocada, e ele notou o choque na minha cara. Eu perguntei como ficariam os valores no caso da minha bolsa de 46%.

Ele saiu da sala, e quando voltou, perguntou qual era o código que eu tinha recebido no meu celular. Depois que eu falei o código, ele imediatamente disse que aquele código me permitia anular todos os valores exorbitantes que ele havia me passado anteriormente, e que eu só teria que pagar a hora-aula do professor, que custava 350 reais todo mês.

Eu sou professora, e sei que a hora-aula de professor nenhum chega a esse valor, a n√£o ser que seja um professor particular.

Pensei o seguinte:

“Tendo em vista os valores que ele me passou antes, essa √© uma oportunidade muito boa!”

Na mesma hora ele repetiu o que eu estava pensando.

No entanto, instantes depois eu tive um estalo e disse pra mim mesma:

“√Č isso que ele quer que eu acredite. Eu vim aqui esperando uma bolsa de 100% e n√£o pensei em gastar dinheiro nenhum. Mesmo sendo um valor menor do que os outros, era um valor que n√£o cabia no meu or√ßamento.”

Ent√£o, eu delicadamente recusei a oferta.

O coordenador ficou branco e só faltou cair o queixo.

Claro que essa foi a reação dele, porque achou que eu já estava comendo na mão dele.

Conclus√£o

Essa minha hist√≥ria √© para demonstrar a import√Ęncia de reconhecer o que √© uma oportunidade e o que n√£o √©, a fim de evitar gastos desnecess√°rios de dinheiro.

Agradeço sempre pelos seus textos esclarecedores que me fazem sempre pensar em cada gasto meu.

Obrigada,

Alice”.

………………………………….

√Č interessante observar que muitas situa√ß√Ķes como essa ocorrem no nosso cotidiano, e que devemos sempre nos precaver para evitar que o gr√°tis se transforme em algo muito custoso.

Uma vez eu estava em um restaurante e um rapaz apareceu na minha mesa com um cupom para preencher meus dados, para participar de um sorteio de um final de semana gr√°tis – duas di√°rias 0800 – num condom√≠nio de f√©rias, desses do tipo “resort”.

Qual n√£o foi a minha surpresa ao receber, dias mais tarde, um telefonema dizendo que eu havia sido “sorteado”.

At√© a√≠ nada demais. O problema era que eu devia pagar uma taxa de R$ 100 a t√≠tulo de “despesas operacionais”, e que eu deveria assistir obrigatoriamente uma apresenta√ß√£o, de duas horas, sobre as “vantagens” de adquirir uma casa – ou cota, ou t√≠tulo, sei l√° – nesse condom√≠nio.

Isso acendeu o sinal amarelo na minha mente, e logo parti pro Google.

N√£o deu outra: dezenas de reclama√ß√Ķes dessa empresa – que eu n√£o me lembro o nome – dizendo que haviam sido seduzidas pela propaganda do final de semana gr√°tis, mas que acabaram tendo que assinar um contrato de compra das tais cotas de condom√≠nio ou f√©rias (sei l√°) por valores que variavam de R$ 5 mil a mais de R$ 10 mil.

Assim como a Alice fez, eu gentilmente recusei a oferta.

Eles foram insistentes e fizeram mais algumas liga√ß√Ķes, mas todas infrut√≠feras.

Como eu disse em outro post, coisa boa n√£o vai at√© voc√™. √Č voc√™ quem tem que ir atr√°s dela.

……………………………………..

E voc√™, j√° recebeu uma oferta “gr√°tis” que no final das contas n√£o sairia nada “gr√°tis”? ūüėÄ

Créditos da imagem: Free Digital Photos

Print Friendly, PDF & Email

31 Responses to [Guest post] Evitando altos gastos de dinheiro identificando falsas oportunidades

  1. Leandro 5 de junho de 2017 at 0:29 #

    J√° faz bastante tempo que aplico essa m√°xima na minha vida.
    Não aceito nada que vem até mim, pois acho que isso é um bom negócio para quem está me oferecendo.
    Ninguém vai sair da inércia para levar algo bom a um terceiro que nem conhece. Ninguém.

  2. Dewes 5 de junho de 2017 at 8:49 #

    Espertos de plant√£o est√£o sempre a nossa volta!! Esse post √© mais um daqueles que temos de ler todo inicio de semana para deixar bem consciente que nossas necessidades e desejos devem partir de n√≥s e sempre acompanhado de pesquisa. Cita√ß√Ķes de tais “golpes” s√£o in√ļmeros, a final quem n√£o sabe o que procura quando acha n√£o entende. Boa semana.

  3. Simplicidade e Harmonia 5 de junho de 2017 at 9:02 #

    Guilherme,

    Eu tamb√©m j√° fui “sorteada” v√°rias vezes do mesmo modo que voc√™ e a Alice, mas quando fui ver, era tudo mentira, haviam pagamentos.
    Perda de tempo, decepção e raiva é o que sobrou em mim no dia.
    Mas como com o tempo a gente aprende, acho que passei por 2 ou 3 experiências como essa há muito tempo e então, simplesmente parei de acreditar.

    O Leandro resumiu a quest√£o:
    “Ningu√©m vai sair da in√©rcia para levar algo bom a um terceiro que nem conhece.”
    Ninguém mesmo.

    Realmente precisamos ter sabedoria para discernir o que é uma boa oportunidade para nós.
    De que adianta, por exemplo, eu querer comprar um produto em uma promoção (promoção de verdade), mas que não faz parte da minha lista de compras e nem dos meus interesses? Só para ter?

    Boa semana! ūüôā

    • Guilherme 7 de junho de 2017 at 9:52 #

      De fato, Rosana, também gostei da frase do Leandro, que resume muito bem a questão toda.

      Boa semana tamb√©m! ūüėÄ

  4. Eduardo 5 de junho de 2017 at 10:23 #

    As pessoas precisam entender que n√£o existe coisa gr√°tis, ainda mais se tratando de Brasil. O gr√°tis oferecido ainda tem custo que ser√° repassado a algu√©m… O algu√©m ser√° o menos cr√≠tico em assuntos financeiros…

    • Guilherme 7 de junho de 2017 at 9:52 #

      Exato, Eduardo. Não existe almoço grátis.

  5. Durval 5 de junho de 2017 at 10:38 #

    Isso é um tipo de marketing sujo que infelizmente é praticado e muita gente cai. Há mais de 20 anos em um posto de gasolina pediram para para preencher um cupom de sorteio de fim de semana em determinada cidade praiana. Claro que todos que preenchem são sorteados. Fui ver e para ter direito ao fim de semana grátis era necessário comprar titulo de determinado clube de campo. Não existe almoço grátis.
    Minha esposa algumas semanas foi em uma dessas reuni√Ķes de produtos de beleza na casa de uma grande amiga. L√° sortearam 10 pessoas que ganharam uma foto gr√°tis. S√≥ que a fotografa tirou varias fotos, claro o intuito foi vender um √°lbum das fotos. Dias depois apareceu com √°lbum de 10 fotos custando R$200,00.

    • Guilherme 7 de junho de 2017 at 9:53 #

      √ďtimos exemplos, Durval, devemos sempre ficar com um p√© atr√°s, em se tratando de “promo√ß√Ķes 0800”.

  6. Cleiton Oliveira 5 de junho de 2017 at 11:26 #

    Excelente artigo, ele está relacionado a um tema muito interessante que são as finanças comportamentais.

    Heurística: é um atalho mental que facilita a tomada da decisão. São 3 os principais grupos da heurística РDisponibilidade, representatividade e Ancoragem (que foi utilizada pelo vendedor (coordenador) para fisgar a Alice).

    Quando estava no Beach Park em Fortaleza, na entrada foi me oferecido a grande oportunidade de um almoço grátis, só tinha que assistir a um vídeo e conversar com um representante.

    Aceitei a oferta “gr√°tis” e quando chegou na hora do almo√ßo, fui resgatar o mesmo. Mas antes, passei por uma das maiores amostras de heur√≠sticas e armas da persuas√£o de todos os tempos.

    Era uma sala com vários vendedores (representantes) comercializando pacotes turísticos.

    Teve de tudo, disponibilidade, representatividade, ancoragem, prova social (quando alguém fechava uma venda, parava tudo e todos batiam palma, gritavam eufóricos).

    Reciprocidade (não existe almoço grátis eu quero algo em troca).

    Compromisso e coer√™ncia (eles perguntaram se gost√°vamos de viajar com frequ√™ncia, se gost√°vamos de lugares paradis√≠acos, exclusivos… – Quem n√£o gosta? – Logo em seguida, vinha a cartada final – Se o senhor gosta, n√£o vai querer perder essa grande oportunidade – olha a coer√™ncia agindo contra voc√™)

    Escassez e influ√™ncia instant√Ęnea (√© s√≥ hoje, n√£o vamos mais vender esse pacote promocional).

    Foi uma aula e tanto, n√£o comprei nada, mas adquiri um grande aprendizado ūüėČ

    • Tatiana 5 de junho de 2017 at 16:27 #

      Que aula!

    • Leonardo 6 de junho de 2017 at 0:55 #

      Ol√° Cleiton,

      Muito bacana seu relato.

      J√° ganhei uma aula dessa quando recebi um representante da You Move (curso de ingl√™s) em casa. Eu havia ligado para l√° para saber pre√ßo e formato do curso (estava na fase de pesquisa) e eles falaram que tinham um “consultor” dispon√≠vel para vir at√© mim e explicar o m√©todo. Achei legal, facilitaria a minha vida por evitar o deslocamento.

      A√≠ veio o vendedor, todo cheio de hist√≥ria, explicou o m√©todo, forma de pagamento (cheque) e quando eu estava quase caindo no “golpe de venda” (fui pegar o cheque para assinar e n√£o perder a “oportunidade”, e olha que n√£o costumo usar cheque), quando veio aquele estalo: “cara, voc√™ n√£o compra nada assim (sem comparar pre√ßo e qualidade), nem sapato. N√£o compra nada no impulso”.

      Na verdade, o curso n√£o parecia ser ruim, nem o pre√ßo. Mas ele queria porque queria que eu fechasse o contrato naquele momento. Voltei at√© o t√©rreo do condom√≠nio onde tive a conversa (n√£o quis receb√™-lo dentro do apartamento para que ele n√£o se aproveitasse desse fator [provavelmente iria tentar usar minha m√£e ou algo da casa pra criar algum vinculo para a venda]) e educadamente falei que iria pensar mais um pouco e daqui a uns dias entraria em contato. Para minha surpresa, ele come√ßou a me cobrar “coer√™ncia” (tal como voc√™ descreveu) e me perguntou porque eu deixei ele gastar todo esse tempo me explicando se eu n√£o tinha interesse. Eu repeti que at√© tinha interesse mas que n√£o iria fechar naquele momento. A√≠ ele jogou mais uma: “infelizmente isso n√£o ser√° poss√≠vel pois a matr√≠cula na You Move √© somente nesse momento da visita, queremos somente alunos comprometidos, bl√°, bl√°, bl√°”.

      Fiquei bem irritado nesse momento pois ele queria que eu me sentisse culpado e assim fechasse o neg√≥cio para evitar o constrangimento. Falei “Cara, vai embora. N√£o quero saber desse curso ent√£o. Boa sorte. Some daqui. =)”.

      O legal disso tudo √© que o vendedor tinha levado com ele um aprendiz para ensinar o m√©todo. [o cara n√£o falou nada comigo, s√≥ observava durante a explica√ß√£o]. Ele deve ter dito depois: “√©, dessa vez falhou, mas quase conseguimos, voc√™ viu? √Č assim que voc√™ deve fazer”.

      Para minha surpresa, 2 dias depois liga a jo√ßa da You Move para perguntar se eu tinha interesse na matr√≠cula (sendo que ele disse que a √ļnica oportunidade de fechar era aquela). Soltei os cachorros, relatei a hist√≥ria, critiquei o vendedor, a escola, etc.

      E realmente já não tinha interesse pois havia contratado curso de inglês até um pouco mais caro, mas que não fez essa estratégia desrespeitosa de venda.

      Terminou que por uma estratégia abusiva de venda eles perderam uns 7mil ou 8mil reais (que foi mais ou menos o que gastei em 2,5 anos de curso de inglês no concorrente).

      ————————

      Outro caso que me lembro sobre essa tem√°tica √© dos j√° conhecidos “oferecedores de revistas (com “brinde” de mala gr√°tis) nos aeroportos”.

      Esse golpe √© bem conhecido, mas no √ļltimo m√™s, esperando um voo no aeroporto de Floripa, sentei-me pr√≥ximo ao stand deles e ouvi a conversinha fiada para com as pessoas:

      – vem c√° para ganhar uma mala gr√°tis (a√≠ a pessoa chegava perto e eles come√ßavam a explicar… bl√°, bl√°, bl√°)
      Рo valor que você gastar na assinatura, você pode usar para abater integralmente na declaração de imposto de renda pois é gasto com cultura, Lei Rouanet. (cara, que absurdo falarem isso! numa dessa uma pessoa pode entrar em dificuldade com a Receita por causa de uma informação tosca e maliciosa dessa).
      Рassina pra me dar uma ajuda, depois você cancela se quiser. Assim eu ganho uma bolsa de 20% na faculdade que estudo.
      – etc.

      Felizmente não vi ninguém caindo. De alguma forma percebiam que a assinatura era de longa duração (2 anos ou mais) e que não compensaria.

      Dese povo passo bem longe, pode ser a Paola Oliveira oferecendo. Equivale a estelionat√°rios.

      • Guilherme 7 de junho de 2017 at 9:55 #

        Excelente depoimento, Leonardo!

        N√£o h√° d√ļvidas de que a insist√™ncia √© a parte mais chata desses vendedores!

  7. Cleber 5 de junho de 2017 at 11:36 #

    Sempre que algu√©m vem com essa conversa fiada de sorteio eu pulo fora. Na verdade pegam seus dados, fazem uma “pr√©via” aprova√ß√£o de cr√©dito e se voc√™ for aprovado, digo, sorteado, recebe esse tipo de oferta irrecus√°vel.

    O princípio que aplico é o citado pelos colegas nos comentários. Sempre que alguém me procura para oferecer algo muito bom para mim eu nem deixo falar. Se algo é realmente bom para mim eu tenho que correr atrás. Se a pessoa se deu ao trabalho de ligar para mim é porque o negócio é bom para ela e não para mim (oi gerente da minha conta!).

    Sempre que viajo vejo essas ofertas em que te oferecem uma recompensa para assistir uma “palestra”. Oferecem de tudo, jantar, brindes, passeios, descontos, para que voc√™ perca algumas horas de suas f√©rias sendo massacrado por vendedores desesperados para empurrar 1/52 de um quarto de hotel ou apartamento por um pre√ßo absurdo. Basta fazer as contas e voc√™ ver√° que o quanto gastou, por hora, para estar naquele local foi muito mais que o valor do brinde que receber√° pelas horas que perdeu com essa patacoada toda.

    Ali√°s, saindo um pouco do tema, essa an√°lise do custo da “hora √ļtil” em uma viagem √© bem interessante e gosto bastante de utiliz√°-la. Por exemplo, se vou fazer uma viagem de 15 dias, estimo o gasto entre passagens, hotel e demais deslocamentos e outras despesas “fixas” e divido pelo total de horas √ļteis que irei desfrutar dessa viagem. Da√≠ fica f√°cil estimar se vale a pena esperar horas numa fila ou pagar alguns reais para um “fast track”, por exemplo.

    • Guilherme 7 de junho de 2017 at 9:55 #

      √ďtimo exemplo, Cleber, n√£o tinha pensado nessa quest√£o de calcular as horas √ļteis da viagem, bem bacana!

  8. Funcion√°rio P√ļblico Investidor 5 de junho de 2017 at 11:58 #

    Mais um excelente artigo.
    Realmente o conhecimento específico de Alice fez muita diferença, mas vale sempre repensarmos antes de nos comprometermos com mais contas.

    Dê uma passada lá no blog,
    https://funcionariopublicoinvestidor.blogspot.com.br/

    Abc,
    FPI

  9. MJC 6 de junho de 2017 at 7:42 #

    Eu já passei por isso e foi uma experiência muito boa.

    Recebemos um convite para assistir uma palestra desses trem do Rio Quente Resorts. No final, a gente ganharia 4 diárias pagando uma taxa de uns 300 reais pra marcar as diárias. Em troca, teríamos que ouvir uma palestra de até 2 horas num sábado de manhã.

    Confirmei que n√£o precisava comprar nada e fomos l√°: eu, minha esposa e minha filha de 2 anos.

    O vendedor foi falando, falando, falando, quando ele me perguntava eu só respondia que era interessante mas que não era meu perfil e que eu estava lá só pra ganhar as 4 diárias de brinde. Minha filha de 2 anos obviamente não ficava quieta, então rapidamente o vendedor despachou a gente pra assistir o vídeo e, uns 20 ou 30 minutos depois que a gente entrou a gente já tinha saído de lá sem comprar nada e com o brinde na mão.

    Algumas semanas depois, tiramos f√©rias e pegamos 4 di√°rias na pousada do Rio Quente pagando s√≥ 300 reais de hospedagem…

    Ent√£o foi bem produtivo.

    • Cleber 6 de junho de 2017 at 9:14 #

      Essa estrat√©gia de levar a filha pequena me pareceu interessante… Da pr√≥xima vez vou pensar em combinar com a minha para ficar pentelhando e a√≠ sim, pode ser interessante.

      • Guilherme 7 de junho de 2017 at 9:56 #

        rsrsrssrr…… tamb√©m achei curiosa essa estrat√©gia! ūüėÜ

  10. C√° 6 de junho de 2017 at 11:24 #

    Situa√ß√£o parecida tamb√©m ocorreu comigo. Recebi uma liga√ß√£o no posto de sa√ļde onde eu trabalhava. Uma mulher se identificou como sendo da secretaria de sa√ļde. Disse que eu havia sido selecionada dentre v√°rios profissionais para ganhar alguns cursos gr√°tis. Primeiro ela encheu minha bola, disse que me selecionaram baseado no meu curr√≠culo e destaque como profissional, que muitos queriam fazer esses cursos mas eles eram muito exclusivos. Falou, falou, falou e a palavra GR√ĀTIS foi pronunciada infinitas vezes, at√© que perguntei se eu teria que desenbolsar algum valor. A√≠ que morava a pegadinha: eu teria que pagar APENAS o material did√°tico, uma bagatela de 1800 reais. Dei risada e desliguei o telefone na hora. Eles ligaram algumas vezes mais, mas pedi para falarem que eu n√£o estava na unidade.

    • Guilherme 7 de junho de 2017 at 9:57 #

      Sempre embutido com o “gr√°tis” existe algo que devemos pagar…. tem que ficar de olho nos m√≠nimos detalhes.

  11. Ramos 6 de junho de 2017 at 15:19 #

    Fala Guilherme, aconteceu sim, mas ganhei bons jantares e até uns dias de férias em um resort.
    Não antes de passar um pouco de raiva. Contratei um plano de férias que falaram que daria para ser usado em janeiro (alta temporada) mas não foi bem assim. Pedi o cancelamento e meu dinheiro que dei de entrada de volta, para minha sorte devolveram e ainda fiquei com o brinde que me deram num baita resort.
    Depois disto só foi algumas vezes devido a grande insistência de promotores de venda que quanto mais recusava mais coisas me oferecia para participar da palesta mas já sabendo do perigo só agradecia e recusava os produtos e pegava meus jantares e combustível grátis. kkk

    • Guilherme 7 de junho de 2017 at 9:58 #

      rsrsrsr…… tem que cultivar bastante a virtude da paci√™ncia para lidar com esses insistentes promotores de vendas.

  12. Felipe Silva 12 de junho de 2017 at 8:14 #

    Quem nunca passou por essa situação.
    Uma vez quando adolescentes eu e meu irm√£o fizemos uma prova para ganhar uma bolsa de um curso de inform√°tica. Acertamos a mesma quantia de quest√Ķes e obtemos a mesma porcentagem de desconto. Coincid√™ncia n√£o?
    Estas t√©cnicas que mexem com as emo√ß√Ķes das pessoas s√£o poderosas.
    Temos que ficar atento. Se nós que temos a consciência disso já caímos nestas armadilhas, imagine quem desconhece estas artimanhas.

    Abraços

    • Guilherme 13 de junho de 2017 at 8:05 #

      Verdade, Felipe, ter a consciência desse tipo de situação já é meio caminho andado para evitar gastos desnecessários de dinheiro.

      Abraços!

  13. Marcio 7 de julho de 2017 at 13:42 #

    Hoje em dia tem uma leva de “e-books gr√°tis” que vc cadastra o e-mail para receber, e o e-book ou o v√≠deo √© apenas uma propaganda para vc comprar um curso. Geralmente v√™m com uma chamada sensacionalista do tipo: “Descubra os segredos de [qualquer assunto do seu interesse] baixando esse e-book gr√°tis”.

    • MJC 7 de julho de 2017 at 16:53 #

      Verdade.

      Tudo clickbait. Sempre recomendo as pessoas a n√£o clicarem em coisas do tipo: “10 poderosas dicas”, “10 passos para”, “saiba tudo sobre”, “o guia completo do”, 10 verdades sobre” etc etc etc

      O aprendizado s√©rio √© √°rduo e n√£o √© poss√≠vel aprender nada seguindo “10 passos”. A maioria vai nos clickbaits, mas esses sites n√£o tem minha contribui√ß√£o.

Deixe uma resposta

Powered by WordPress. Designed by Woo Themes